Portugal dos pequeninos

b_500_400_16777215_00_images_actual_oscarlopes_0.jpg

No dia em que morreu Óscar Lopes, a preocupação maior de parte significativa dos portugueses foi o fait-divers da contratação de José Sócrates como comentador político da RTP. Na «mensagem de pesar» enviada à família do filólogo e mestre maior da língua pátria, o dr. Cavaco Silva refere-se-lhe como «historiador», relegando para segundo plano a sua obra maior como linguista, professor e crítico literário. Compreende-se: Óscar Lopes foi autor, com António José Saraiva, da mais importante História da Literatura Portuguesa. Cavaco, com o seu saber wikipédico de leitor de badanas, limitou-se a somar dois mais dois.

O país real, tão inculto como quem o dirige, não deu por nada, é claro. A populaça mais simples, tal como boa parte da restante, anda demasiadamente ocupada a exorcizar os fantasmas dos natais passados e entretém-se a subscrever «petições» e a organizar autos-de-fé contra a presença do ex-primeiro ministro na pantalha da televisão pública.

Enquanto isso, Passos, Relvas e Gaspar prosseguem alegremente na senda da destruição metódica dos direitos conquistados nas últimas quatro décadas. É mais fácil culpar o passado do que lutar pela transformação do presente. Mesmo que, para isso, se contrariem os princípios básicos da convivência democrática e se atropelem os direitos elementares dos cidadãos – todos os cidadãos, mesmo aqueles de que não gostamos – como é o caso do direito à livre expressão. Porque, ironicamente, é disso mesmo que se trata. E Sócrates fará decerto menos mal ao país como comentador da actualidade política do que como seu protagonista. Mas isso, pelos vistos, importa pouco.

A mobilização popular contra a presença do antigo primeiro-ministro na televisão só encontra paralelo no sururu gerado, semanas atrás, em defesa do cão Zico. Entretanto, uma petição contra a privatização da água não conseguiu, em vários meses, mais do que 25 mil assinaturas. E uma outra, exigindo a demissão do governo de Passos, não chegou sequer às 1500 subscrições. Se isto não é um sinal evidente de enfermidade democrática, não sei o que será.

23.Mar.2013

Mais sugestões de leitura

  • Silly seasonOpen or Close

    Dizem-me que a culpa é do tempo instável que se tem feito sentir. Talvez seja. Mas este mês de Agosto tem sido pródigo em novos conceitos e frases espirituosas de alguns actores da grande comédia que é o mundo actual. Não, não falo de George Bush nem da sua mais recente alarvidade - até porque, ao contrário do que sustentam os jornais, não foi uma gaffe: o presidente dos EUA quis mesmo dizer o que disse quando afirmou que «os nossos inimigos não param de pensar em formas de prejudicar o nosso país e o nosso povo, e nós também não». É o que se chama sinceridade.

    Para Consumo da Causa | 18.Ago.2004

    Ler Mais
  • O arco da governaçãoOpen or Close

    Trata-se de um curioso conceito gerado no seio do regime democrático, uma espécie de lei-de-murphy para totós segundo a qual o exercício do poder está reservado aos cérebros iluminados do PS, do PSD e, em caso de necessidade para arredondar as contas, do CDS. Não sei em que ignorado artigo da Constituição está escrito que o poder só pode ser exercido pela direita – ou pelo menos à direita, na vã suposição de que ainda reste ao PS uma qualquer vaga consciência original. Deve ser um dos muitos obscuros desígnios do Senhor, que já provou ser capaz de tudo.

    Ler Mais
  • A partilha da águaOpen or Close

    «Para mim é sempre bom ter uma oportunidade de estar junto das pessoas, de passar com elas bons momentos. Quanto mais vezes estivermos juntos, mais poderemos falar uns com os outros, mais poderemos aprender. Uns com os outros e uns sobre os outros.»
    No terraço de um hotel de Lisboa, Richie Havens fala-me assim da sua segunda visita a Portugal, desta vez para participar no espectáculo de encerramento do Festival «Dêem Uma Oportunidade à Paz». Aos 42 anos, quinze decorridos após Woodstock, Richie continua a parecer-se com os velhos hippies da geração de 60, embora sem deixar transparecer qualquer ponta de saudosismo em relação ao que foi feito pelos homens e mulheres do seu tempo.

    Se7e | 3.Ago.1983

    Ler Mais
  • O homem que aprendeu a voarOpen or Close

    Um dos sítios mais bonitos do meu mundo fica nas Astúrias, numa aldeia de Villaviciosa, a norte da Cordilheira Cantárbica, aonde se chega atravessando longos quilómetros de túneis e de névoa. Perdida entre as montanhas e o mar, que não se vê dali mas está perto, Labares é um pedaço escondido do paraíso, deixado intacto pelo Criador para lembrar aos homens que é possível viver em harmonia. (...) Estamos com José Luis Posada, cubano nascido nas Astúrias, lutador lendário, pintor em plena actividade e homem de muitas memórias que reencontrei em Labares. Foi aqui, numa antiga escola primária, com vista para uma paisagem de montes e de silêncios, que Posada construiu o seu lugar de recolhimento do mundo, após 70 anos de andanças e de sonhos. Em Labares guarda as suas lembranças originais, sem rancor mas com nitidez. Muita da sua pintura regista as imagens e as sombras da guerra civil, metade da aldeia fuzilada pelas tropas franquistas

    Tempo Livre | Maio 2002

    Ler Mais