Portugal dos pequeninos

b_500_400_16777215_00_images_actual_oscarlopes_0.jpg

No dia em que morreu Óscar Lopes, a preocupação maior de parte significativa dos portugueses foi o fait-divers da contratação de José Sócrates como comentador político da RTP. Na «mensagem de pesar» enviada à família do filólogo e mestre maior da língua pátria, o dr. Cavaco Silva refere-se-lhe como «historiador», relegando para segundo plano a sua obra maior como linguista, professor e crítico literário. Compreende-se: Óscar Lopes foi autor, com António José Saraiva, da mais importante História da Literatura Portuguesa. Cavaco, com o seu saber wikipédico de leitor de badanas, limitou-se a somar dois mais dois.

O país real, tão inculto como quem o dirige, não deu por nada, é claro. A populaça mais simples, tal como boa parte da restante, anda demasiadamente ocupada a exorcizar os fantasmas dos natais passados e entretém-se a subscrever «petições» e a organizar autos-de-fé contra a presença do ex-primeiro ministro na pantalha da televisão pública.

Enquanto isso, Passos, Relvas e Gaspar prosseguem alegremente na senda da destruição metódica dos direitos conquistados nas últimas quatro décadas. É mais fácil culpar o passado do que lutar pela transformação do presente. Mesmo que, para isso, se contrariem os princípios básicos da convivência democrática e se atropelem os direitos elementares dos cidadãos – todos os cidadãos, mesmo aqueles de que não gostamos – como é o caso do direito à livre expressão. Porque, ironicamente, é disso mesmo que se trata. E Sócrates fará decerto menos mal ao país como comentador da actualidade política do que como seu protagonista. Mas isso, pelos vistos, importa pouco.

A mobilização popular contra a presença do antigo primeiro-ministro na televisão só encontra paralelo no sururu gerado, semanas atrás, em defesa do cão Zico. Entretanto, uma petição contra a privatização da água não conseguiu, em vários meses, mais do que 25 mil assinaturas. E uma outra, exigindo a demissão do governo de Passos, não chegou sequer às 1500 subscrições. Se isto não é um sinal evidente de enfermidade democrática, não sei o que será.

23.Mar.2013

Mais sugestões de leitura

  • O retrato de Che GuevaraOpen or Close

    Quem já visitou Cuba e ficou tocado pelo seu encanto sensual, pela alegria da sua música, dos seus ritmos tropicais, pela beleza tão singular da Habana Vieja, do canto do mar no Malecón, da arquitectura do Caribe, da abertura das suas gentes, seu trato familiar, tudo isso vai reencontrar neste livro, juntamente com informações rigorosas sobre o passado da Ilha, as lutas pela independência, a aventura épica do assalto ao quartel Moncada e da guerrilha na Sierra Mes­tra, com factos precisos, dados e evocações que resultam de muita leitura, muito inquérito e um trabalho de campo por vezes minucioso.

    Ler Mais
  • A liberdade, aindaOpen or Close

    A urgência das palavras e dos cantos, a premência das vontades e dos sentidos, porque tudo era realizável, e nós sabíamos. Naqueles dias, era assim. (...) De Abril, diz-se, já resta pouco. Mas ainda assim não tão pouco. Porque há vontades que não se vergam, paixões que nunca acabam, vivências que permanecem. E há a liberdade, ainda, origem e razão de ser deste grupo e da música que ele faz. De todas as esplendorosas criações que a Revolução dos Cravos permitiu, a Brigada Victor Jara é com certeza uma das mais duradouras. E quer-me parecer que assim será, ainda, por muitos anos mais. Porque a massa de que esta Brigada é feita vem de longe e vai para longe. E nós com ela.

    Incluído na colectânea Ó Brigada, de Brigada Victor Jara | 2015

    Ler Mais
  • Guerra santa contra o rockOpen or Close

    «Satanás já não esconde as suas motivações. Os textos das canções condenam abertamente o cristianismo e apresentam a adoração do demónio como alternativa. A violência, o sexo, a rebelião e as drogas não são unicamente objecto de promoção, mas também são apresentados directamente ou encenados em palco. As canções fazem a apologia do suicídio e os telediscos levam a mensagem de Satã directamente a nossas casas...» Este discurso assustador não pertence à história da Santa Inquisição, nem tão pouco foi extrajdo de qualquer ritual exorcista da Idade Média. Trata-se, apenas, da expressão mais simples encontrada pelo padre norte-americano Fletcher A. Brothers para definir aquilo que considera ser o «rock satânico-teatral» dos anos 80.

    Se7e | 9.Jun.1986

    Ler Mais
  • As sandálias do pecadorOpen or Close
    O que a seguir se oferece tem o mesmo sentido da partilha bíblica do pão e do vinho. Tinto corrente ou néctar do bom, de preferência com o conduto de uma morcela da Beira ou de um chouriço de Barrancos, que o Mário não se faz rogado. E movimenta-se com o mesmo à-vontade nos salões mais elegantes ou nas tascas mais ordinárias. Sempre com os amigos por perto, como se impõe. Os amigos "que são tristes com cinco dedos de cada lado", como diz Herberto. Os amigos que o Mário torna alegres e que cultiva como rosas delicadas, quer sejam poetas famosos ou bêbados anónimos, mulheres distintas ou putas de rua, actores de seis assoalhadas ou figurantes sem abrigo. À nossa!
    O IVAngelho II Mário Alberto
    Edições Sojorama 2002
    Ler Mais