Portugal dos pequeninos

b_500_400_16777215_00_images_actual_oscarlopes_0.jpg

No dia em que morreu Óscar Lopes, a preocupação maior de parte significativa dos portugueses foi o fait-divers da contratação de José Sócrates como comentador político da RTP. Na «mensagem de pesar» enviada à família do filólogo e mestre maior da língua pátria, o dr. Cavaco Silva refere-se-lhe como «historiador», relegando para segundo plano a sua obra maior como linguista, professor e crítico literário. Compreende-se: Óscar Lopes foi autor, com António José Saraiva, da mais importante História da Literatura Portuguesa. Cavaco, com o seu saber wikipédico de leitor de badanas, limitou-se a somar dois mais dois.

O país real, tão inculto como quem o dirige, não deu por nada, é claro. A populaça mais simples, tal como boa parte da restante, anda demasiadamente ocupada a exorcizar os fantasmas dos natais passados e entretém-se a subscrever «petições» e a organizar autos-de-fé contra a presença do ex-primeiro ministro na pantalha da televisão pública.

Enquanto isso, Passos, Relvas e Gaspar prosseguem alegremente na senda da destruição metódica dos direitos conquistados nas últimas quatro décadas. É mais fácil culpar o passado do que lutar pela transformação do presente. Mesmo que, para isso, se contrariem os princípios básicos da convivência democrática e se atropelem os direitos elementares dos cidadãos – todos os cidadãos, mesmo aqueles de que não gostamos – como é o caso do direito à livre expressão. Porque, ironicamente, é disso mesmo que se trata. E Sócrates fará decerto menos mal ao país como comentador da actualidade política do que como seu protagonista. Mas isso, pelos vistos, importa pouco.

A mobilização popular contra a presença do antigo primeiro-ministro na televisão só encontra paralelo no sururu gerado, semanas atrás, em defesa do cão Zico. Entretanto, uma petição contra a privatização da água não conseguiu, em vários meses, mais do que 25 mil assinaturas. E uma outra, exigindo a demissão do governo de Passos, não chegou sequer às 1500 subscrições. Se isto não é um sinal evidente de enfermidade democrática, não sei o que será.

23.Mar.2013

Mais sugestões de leitura

  • O general casernícolaOpen or Close

    O candidato da coligação PSD-PP à Câmara Municipal do Porto, general Carlos Azeredo, está a revelar-se uma autêntica caixa de surpresas. Num país tão carecido de ideias, ele corre o risco de se tornar o estratego-mor da extrema-direita mais boçal e troglodita, órfã de pai e mãe desde que o professor Salazar entregou as botas ao Criador.
    Primeiro foi o célebre artigo sobre o «ouro nazi», onde este militante da ordem unida se desdobrava em considerações sobre o carácter naturalmente agiota dos judeus – o qual, está-se mesmo a ver, esteve na origem do Holocausto. Entre aspas, na versão branqueadora de Azeredo.
    Ao que parece, o estado-maior do PSD não viu nisto nada de mais, o que se compreende: afinal, Hitler limitou-se a exterminar seis milhões de judeus, uma insignificância. Se a «solução final» tivesse sido concluída (ou seja, se em vez de apenas seis milhões, tivessem morrido todos) não haveria hoje ninguém para reclamar a verdade sobre o ouro roubado, o que seria um descanso para os anti-semitas em geral e para Carlos Azeredo em particular.

    TSF | 29.Out.1997

    Ler Mais
  • Zeca em livro ao vivoOpen or Close

    O José Afonso faria agora 80 anos. Mas este livro do Viriato Teles, em boa hora publicado em edição revista e actualizada pela Assírio e Alvim, não é uma homenagem póstuma. É um livro de José Afonso ao vivo, essencial para conhecer a vida, as ideias, a obra, (...) essencial para conhecer um homem singular: José Afonso. O homem que sonhava em cada esquina, um amigo, em cada rosto, igualdade. E a utopia de uma cidade sem muros nem ameias, capital da alegria.
    Leiam, divulguem, tratem bem este livro. O Viriato Teles e o José Afonso merecem.

    Ler Mais
  • Silly seasonOpen or Close

    Dizem-me que a culpa é do tempo instável que se tem feito sentir. Talvez seja. Mas este mês de Agosto tem sido pródigo em novos conceitos e frases espirituosas de alguns actores da grande comédia que é o mundo actual. Não, não falo de George Bush nem da sua mais recente alarvidade - até porque, ao contrário do que sustentam os jornais, não foi uma gaffe: o presidente dos EUA quis mesmo dizer o que disse quando afirmou que «os nossos inimigos não param de pensar em formas de prejudicar o nosso país e o nosso povo, e nós também não». É o que se chama sinceridade.

    Para Consumo da Causa | 18.Ago.2004

    Ler Mais
  • A liberdade, aindaOpen or Close

    A urgência das palavras e dos cantos, a premência das vontades e dos sentidos, porque tudo era realizável, e nós sabíamos. Naqueles dias, era assim. (...) De Abril, diz-se, já resta pouco. Mas ainda assim não tão pouco. Porque há vontades que não se vergam, paixões que nunca acabam, vivências que permanecem. E há a liberdade, ainda, origem e razão de ser deste grupo e da música que ele faz. De todas as esplendorosas criações que a Revolução dos Cravos permitiu, a Brigada Victor Jara é com certeza uma das mais duradouras. E quer-me parecer que assim será, ainda, por muitos anos mais. Porque a massa de que esta Brigada é feita vem de longe e vai para longe. E nós com ela.

    Incluído na colectânea Ó Brigada, de Brigada Victor Jara | 2015

    Ler Mais