Três contos de reis

1.

Quando lhe disseram que o trono era seu, nem queria acreditar. Havia tantos anos que sonhava com aquele momento, e agora que ele ali estava, sentia-se infinitamente pequeno, tanto que por instantes pensou que ia fraquejar. Então levantou os olhos na direcção de seu velho pai, e perguntou:

– Senhor, será que eu posso sentar-me sem medo nesse espaldar de tanta responsabilidade?

O velho sorriu, sereno. E respondeu:

– A Constituição é omissa quanto à possibilidade de o cargo ser exercido por imbecis. Fica pois tranquilo, meu filho, que num lugar onde já sentaram os cus tantas e tão destituídas bestas, ninguém dará pela diferença.

2.

O pessoal do gabinete ficou num alvoroço quando o imperador anunciou, como se fosse a coisa mais natural do mundo

– Tive uma ideia

e ordenou a convocatória imediata de todos os conselheiros, assessores, mordomos e um número não determinado de generais. Os primeiros cruzavam olhares tímidos com os segundos, os mordomos esforçavam-se por parecer impassíveis, os generais arregalavam os olhos incrédulos. O Almirante Lloyds, em coro com o Marechal Banks, jurava pela própria mãe que Sua Excelência era incapaz de tal coisa.

A calma só regressou quando o imperador quebrou o silêncio com uma gargalhada:

– Era uma piada, claro.

Os conselheiros e os assessores riram alto, os mordomos continuaram estoicamente impassíveis e os generais suspiraram. O imperador continuou:

– O que eu quero mesmo é fazer uma guerra.

Os generais bateram palmas.

3.

Correu mesmo bem, aquele encontro com Sua Senhoria. É verdade que, a princípio, custaram a entender-se, mas assim que lhe revelou as verdadeiras intenções, Sua Senhoria mandou entrar dois criados com uma grande garrafa em forma de míssil que fazia sempre muito efeito junto dos estrangeiros, e passou às questões estipuladas para o interesse de todos. No final, despediu-se com um hasta la vista que era mais do que uma despedida, era a promessa do reencontro.

Ficou tão feliz com o bom acolhimento de Sua Senhoria que quis logo levar a boa nova ao seu povo. A única chatice foi os guardas do aeroporto suspeitarem do míssil. Perguntaram-lhe o nome, obrigaram-no a descalçar-se e mandaram-no para Guantánamo, sem sequer lhe dizerem hasta la vista.

Esquerda | edição experimental | 25.Abr.2003

Mais sugestões de leitura

  • Filhos da pideOpen or Close
    Que em Portugal se passam coisas estranhas, difíceis de entender por qualquer cidadão de inteligência média, não é novidade para ninguém.
    Mesmo assim, de vez em quando não consigo deixar de me surpreender com alguns dos insondáveis desígnios com que a Divina Providência ou alguém por ela nos brindou.
    Só no curto espaço de um século tivémos, entre outras curiosidades, um milagre de Fátima, um ditador que criava galinhas no quintal, um primeiro ministro que não lia jornais e até um Alberto João para quem a Madeira mais do que um jardim, é uma autêntica coutada.
    TSF | 18.Fev.1998
    Ler Mais
  • O país obtusoOpen or Close

    O que se passou nos dias que se seguiram à Greve Geral de dia 14 é exemplificativo do país obtuso em que Portugal se tornou nos últimos meses. As reacções em cadeia de membros do governo, deputados da maioria e do próprio presidente da República, não deixam margem para dúvidas. A crer neles, o País está acossado por “terroristas” (viu-os um parlamentar do CDS) e “pessoas apostadas na destruição” e “que querem destruir a  sociedade” (Cavaco dixit).

    Jornal do Fundão | 22.Nov.2012

    Ler Mais
  • Uma vida de risco(s)Open or Close

    Agora, o Relvas já é mais do que lenda. Ele é uma referência – porventura a mais irreverente, com certeza das mais relevantes – fundamental para quem quiser conhecer a evolução da banda desenhada em Portugal nos últimos 50 anos. E se, apesar de tudo, é hoje mais fácil para um jovem artista criar e divulgar o seu trabalho, isso em muito boa parte se deve ao Relvas – ao talento dele, sim, mas sobretudo à sua persistência homérica e à intransigência perante a mediocridade que sempre o acompanhou.

    Catálogo de Retrospectiva/Outra Perspectiva, de Fernando Relvas | 2017

    Ler Mais
  • Enquanto houver estrada pr'andarOpen or Close

    Desculpem, leitores, mas ele há regras! E a verdade é que nem o Jorge Palma nem o relator desta conversa se sentem, nos dias que correm, com vontade ou paciência para entrevistas formais, ao estilo dos seriíssimos diálogos entre jornalistas-culturais e escritores-em-franca-ascensão, comentadores-político-sociais e ex-ministros, futuros-ex-ministros ou candidatos a. E foi talvez por isso que, quando repórter e músico decidiram dar conta da conversa que se segue, escolheram a serenidade da casa do capitão da Zambujeira do Mar, de frente para o Atlântico, numa tarde tranquila de finais de Julho, quando os camones não tinham ainda chegado em força e os portugas permaneciam nas cidades, a braços com o aumento do iva e as propostas do ministro da televisão que animaram os últimos dias antes das férias gerais.

    MPP - Revista do Festival de Música Popular Portuguesa da Amadora | Set 2002

    Ler Mais