Três contos de reis

1.

Quando lhe disseram que o trono era seu, nem queria acreditar. Havia tantos anos que sonhava com aquele momento, e agora que ele ali estava, sentia-se infinitamente pequeno, tanto que por instantes pensou que ia fraquejar. Então levantou os olhos na direcção de seu velho pai, e perguntou:

– Senhor, será que eu posso sentar-me sem medo nesse espaldar de tanta responsabilidade?

O velho sorriu, sereno. E respondeu:

– A Constituição é omissa quanto à possibilidade de o cargo ser exercido por imbecis. Fica pois tranquilo, meu filho, que num lugar onde já sentaram os cus tantas e tão destituídas bestas, ninguém dará pela diferença.

2.

O pessoal do gabinete ficou num alvoroço quando o imperador anunciou, como se fosse a coisa mais natural do mundo

– Tive uma ideia

e ordenou a convocatória imediata de todos os conselheiros, assessores, mordomos e um número não determinado de generais. Os primeiros cruzavam olhares tímidos com os segundos, os mordomos esforçavam-se por parecer impassíveis, os generais arregalavam os olhos incrédulos. O Almirante Lloyds, em coro com o Marechal Banks, jurava pela própria mãe que Sua Excelência era incapaz de tal coisa.

A calma só regressou quando o imperador quebrou o silêncio com uma gargalhada:

– Era uma piada, claro.

Os conselheiros e os assessores riram alto, os mordomos continuaram estoicamente impassíveis e os generais suspiraram. O imperador continuou:

– O que eu quero mesmo é fazer uma guerra.

Os generais bateram palmas.

3.

Correu mesmo bem, aquele encontro com Sua Senhoria. É verdade que, a princípio, custaram a entender-se, mas assim que lhe revelou as verdadeiras intenções, Sua Senhoria mandou entrar dois criados com uma grande garrafa em forma de míssil que fazia sempre muito efeito junto dos estrangeiros, e passou às questões estipuladas para o interesse de todos. No final, despediu-se com um hasta la vista que era mais do que uma despedida, era a promessa do reencontro.

Ficou tão feliz com o bom acolhimento de Sua Senhoria que quis logo levar a boa nova ao seu povo. A única chatice foi os guardas do aeroporto suspeitarem do míssil. Perguntaram-lhe o nome, obrigaram-no a descalçar-se e mandaram-no para Guantánamo, sem sequer lhe dizerem hasta la vista.

Esquerda | edição experimental | 25.Abr.2003

Mais sugestões de leitura

  • Tomai, isto é o meu corpoOpen or Close

    «Não podemos demorar mais de dez minutos.» Com estas palavras pouco animadoras, Marcel Marceau recebe-me à porta do camarim 105 do Casino Estoril, cerca de hora e meia antes do início do último dos dois espectáculos que apresentou no VIII Festival de Música da Costa do Estoril, que se realizou em Agosto de 1982. Ali, sem maquilhagem, é difícil reconhecer naquele homenzinho de 59 anos, os traços do “clown” que, em palco, assume as figuras ora ternas ora grotescas das suas personagens. Apenas os olhos vivos e a expressão sonhadora que se liberta ao longo da conversa revelam a identidade do mimo mais famoso do mundo.

    Ler Mais
  • Só me calham DukesOpen or Close

    A primeira vez que ouvi falar do Zeca já se dizia assim mesmo, Zeca, e não José Afonso. Cantava esplendorosamente o reportório do fado de Coimbra. Eu costumava não me intrometer nessas conversas tribais em que outros eram aparentemente exímios e tiravam todo o prazer da evocação dos grandes tenores e barítonos da escola local. Havia mesmo quem coleccionasse velhos discos de gramofone comprados a preços altos. A mim tanto se me dava: estava a tirocinar para utente nocturno do programa de jazz da Voz da América, vício que convinha não revelar aos então companheiros de esquerda, por sinal hoje bandeados na sua quase totalidade para a comarca de onde vem papel, papel a sério, sendo que vários deles até deputam, ó meu Deus!

    Ler Mais
  • Um pássaro igual a tiOpen or Close

    Com Zeca e os seus companheiros aprendemos, ainda, que é muito menos fácil formular perguntas que encontrar respostas. Que as veleidades da ‘vida artística’, na qual ele nunca se encaixou, são como os foguetes de romaria, que desaparecem no ar após um instante de brilho e que, portanto, o importante é estar vivo, ter como única certeza a inquietação permanente. Há coisas assim, que parecem impossíveis. Depois vêm as inevitáveis cortesias-de-velórios, mas quanto a isso estamos conversados. Afinal somos um país de homenagens póstumas, não é? Que o digam o Adriano, Jorge de Sena, Fernando Pessoa. Que o diga agora o Zeca, ele que foi sempre tão dado a encolerizar-se com estas coisas.

    Ler Mais
  • Falando assédioOpen or Close

    Quando não têm uma guerrazinha com que se entreter, os americanos são capazes de tudo. Até de transformar em notícia as possíveis aventuras extraconjugais de Bill Clinton. Tudo começou com uma vulgar acusação de assédio sexual - essa brilhante invenção norte-americana deste fim de milénio. Pessoalmente, devo dizer não tenho nada contra o assédio sexual - seja no local de trabalho, na rua ou mesmo em casa. Acredito até que, sem assédio, a humanidade acabaria por se extinguir, por manifesta falta de assunto.

    TSF | 28.Jan.1998

    Ler Mais