Três contos de reis

1.

Quando lhe disseram que o trono era seu, nem queria acreditar. Havia tantos anos que sonhava com aquele momento, e agora que ele ali estava, sentia-se infinitamente pequeno, tanto que por instantes pensou que ia fraquejar. Então levantou os olhos na direcção de seu velho pai, e perguntou:

– Senhor, será que eu posso sentar-me sem medo nesse espaldar de tanta responsabilidade?

O velho sorriu, sereno. E respondeu:

– A Constituição é omissa quanto à possibilidade de o cargo ser exercido por imbecis. Fica pois tranquilo, meu filho, que num lugar onde já sentaram os cus tantas e tão destituídas bestas, ninguém dará pela diferença.

2.

O pessoal do gabinete ficou num alvoroço quando o imperador anunciou, como se fosse a coisa mais natural do mundo

– Tive uma ideia

e ordenou a convocatória imediata de todos os conselheiros, assessores, mordomos e um número não determinado de generais. Os primeiros cruzavam olhares tímidos com os segundos, os mordomos esforçavam-se por parecer impassíveis, os generais arregalavam os olhos incrédulos. O Almirante Lloyds, em coro com o Marechal Banks, jurava pela própria mãe que Sua Excelência era incapaz de tal coisa.

A calma só regressou quando o imperador quebrou o silêncio com uma gargalhada:

– Era uma piada, claro.

Os conselheiros e os assessores riram alto, os mordomos continuaram estoicamente impassíveis e os generais suspiraram. O imperador continuou:

– O que eu quero mesmo é fazer uma guerra.

Os generais bateram palmas.

3.

Correu mesmo bem, aquele encontro com Sua Senhoria. É verdade que, a princípio, custaram a entender-se, mas assim que lhe revelou as verdadeiras intenções, Sua Senhoria mandou entrar dois criados com uma grande garrafa em forma de míssil que fazia sempre muito efeito junto dos estrangeiros, e passou às questões estipuladas para o interesse de todos. No final, despediu-se com um hasta la vista que era mais do que uma despedida, era a promessa do reencontro.

Ficou tão feliz com o bom acolhimento de Sua Senhoria que quis logo levar a boa nova ao seu povo. A única chatice foi os guardas do aeroporto suspeitarem do míssil. Perguntaram-lhe o nome, obrigaram-no a descalçar-se e mandaram-no para Guantánamo, sem sequer lhe dizerem hasta la vista.

Esquerda | edição experimental | 25.Abr.2003

Mais sugestões de leitura

  • A cena do ódioOpen or Close

    Em Junho de 2004, um «concerto de música nacionalista» foi o pretexto para um encontro de skinheads numa skinhouse de Pinheiro de Loures, nos arredores de Lisboa. Uma situação que antecipámos na revista Focus, com esta reportagem que nos valeu alguns insultos e ameaças por parte dos animadores de um tal «fórum nacionalista» da internet.

    Focus | 16.Jun.2004

    Ler Mais
  • O samba que veio do morroOpen or Close

    «O samba é uma das músicas mais fortes do mundo, porque é o resultado de três raças: o africano, o português e o índio brasileiro. É por isso que o samba tem uma coisa que nenhuma outra música tem: um ritmo fora do comum, aliado a uma melodia e uma harmonia geniais. E isso deve-se à união maravilhosa entre a melodia portuguesa, o fado – que é um lamento lindo! – com o ritmo africano. O samba é mulato...» Baden Powell, Lisboa, 1982.

    Ler Mais
  • A partilha da águaOpen or Close

    «Para mim é sempre bom ter uma oportunidade de estar junto das pessoas, de passar com elas bons momentos. Quanto mais vezes estivermos juntos, mais poderemos falar uns com os outros, mais poderemos aprender. Uns com os outros e uns sobre os outros.»
    No terraço de um hotel de Lisboa, Richie Havens fala-me assim da sua segunda visita a Portugal, desta vez para participar no espectáculo de encerramento do Festival «Dêem Uma Oportunidade à Paz». Aos 42 anos, quinze decorridos após Woodstock, Richie continua a parecer-se com os velhos hippies da geração de 60, embora sem deixar transparecer qualquer ponta de saudosismo em relação ao que foi feito pelos homens e mulheres do seu tempo.

    Se7e | 3.Ago.1983

    Ler Mais
  • Os olhos da nossa infânciaOpen or Close

    A nossa terra é o lugar onde nascemos, mas é também muitos outros: são os lugares onde vivemos, onde sofremos, onde amamos, onde somos felizes ou infelizes. Por isso, eu, que sou de Ílhavo, sou também de Lisboa, e do Porto, e de Havana, e de todas as cidades onde estive e que me deixaram marcas nos olhos, no corpo e na alma. O Zé António fez outros percursos, igualmente distantes. E manteve-se em certa medida mais ilhavense do que eu. Mas, no que aos caminhos da memória diz respeito, creio que as nossas histórias, embora diferentes no tempo, estão muito próximas no espaço. E muito daquilo que se passava na Rua Suspensa dos Olhos do Ábio de Lápara, passava-se de modo semelhante na Rua da Capela da minha infância. 

    Apresentação de A Rua Suspensa dos Olhos, de Ábio de Lápara | 2015

    Ler Mais