Três contos de reis

1.

Quando lhe disseram que o trono era seu, nem queria acreditar. Havia tantos anos que sonhava com aquele momento, e agora que ele ali estava, sentia-se infinitamente pequeno, tanto que por instantes pensou que ia fraquejar. Então levantou os olhos na direcção de seu velho pai, e perguntou:

– Senhor, será que eu posso sentar-me sem medo nesse espaldar de tanta responsabilidade?

O velho sorriu, sereno. E respondeu:

– A Constituição é omissa quanto à possibilidade de o cargo ser exercido por imbecis. Fica pois tranquilo, meu filho, que num lugar onde já sentaram os cus tantas e tão destituídas bestas, ninguém dará pela diferença.

2.

O pessoal do gabinete ficou num alvoroço quando o imperador anunciou, como se fosse a coisa mais natural do mundo

– Tive uma ideia

e ordenou a convocatória imediata de todos os conselheiros, assessores, mordomos e um número não determinado de generais. Os primeiros cruzavam olhares tímidos com os segundos, os mordomos esforçavam-se por parecer impassíveis, os generais arregalavam os olhos incrédulos. O Almirante Lloyds, em coro com o Marechal Banks, jurava pela própria mãe que Sua Excelência era incapaz de tal coisa.

A calma só regressou quando o imperador quebrou o silêncio com uma gargalhada:

– Era uma piada, claro.

Os conselheiros e os assessores riram alto, os mordomos continuaram estoicamente impassíveis e os generais suspiraram. O imperador continuou:

– O que eu quero mesmo é fazer uma guerra.

Os generais bateram palmas.

3.

Correu mesmo bem, aquele encontro com Sua Senhoria. É verdade que, a princípio, custaram a entender-se, mas assim que lhe revelou as verdadeiras intenções, Sua Senhoria mandou entrar dois criados com uma grande garrafa em forma de míssil que fazia sempre muito efeito junto dos estrangeiros, e passou às questões estipuladas para o interesse de todos. No final, despediu-se com um hasta la vista que era mais do que uma despedida, era a promessa do reencontro.

Ficou tão feliz com o bom acolhimento de Sua Senhoria que quis logo levar a boa nova ao seu povo. A única chatice foi os guardas do aeroporto suspeitarem do míssil. Perguntaram-lhe o nome, obrigaram-no a descalçar-se e mandaram-no para Guantánamo, sem sequer lhe dizerem hasta la vista.

Esquerda | edição experimental | 25.Abr.2003

Mais sugestões de leitura

  • Putas à europeiaOpen or Close

    Uma recente sondagem encomendada pela SIC e pelo Tal e Qual demonstrou que a esmagadora maioria dos portugueses considera que a prostituição deveria ser legalizada. Estarão os brandos bons costumes lusitanos em irremediavel processo de dissolução, ou será este apenas um primeiro sinal da nossa integração no pelotão da frente da União Europeia?

    TSF | 17.Set.1997

    Ler Mais
  • Há ratos na exposiçãoOpen or Close

    O desvio de cerca de um milhão de contos dos cofres da Exposição Mundial de Lisboa é a prova definitiva de que o portuga médio não dá ponto sem nó e aproveita todas as oportunidades para sacar algum. Depois das Descobertas, de Macau e dos fundos europeus, chegou a vez de a Expo 98 dar de comer a mais uns quantos tubarões. Que nem sequer vivem no Oceanário.

    Grande Amadora | 21.Ago.1998

    Ler Mais
  • Como é que ele conseguiu?Open or Close

    A minha primeira impressão deste livro é a pesquisa exaustiva que o autor fez dos entrevistados. Quando a gente termina aquela leitura já estamos prontos para dar um mergulho na entrevista e já o fazemos com água na boca. Quase como quando um requintado cozinheiro envia para a mesa uma travessa apetitosíssima, suculenta, que a gente fica doido para devorar. Isso, para além do talento deste autor, que tem muito a ver com a honestidade profissional, do apuro e do contentamento de quem a escreve. (...) «Bocas de Cena» é um livro excelente com uma dezena de entrevistados inatingíveis, e a pergunta é: Como é que ele conseguiu?

    Ler Mais
  • Vasco GonçalvesOpen or Close

    Entre 18 de Junho de 1974 e 12 de Setembro de 1975, foi o Primeiro-Ministro de Portugal, e esse foi o tempo mais gratificante da sua vida. Aos 452 dias iluminados que então viveu, mais de dez mil horas quase todas vividas de olhos abertos, juntem-se-lhe todos os outros e as noites e as madrugadas acesas que fizeram o ano e meio da Revolução. (...) Vasco, o Companheiro Vasco, foi o único ocupante do Palácio de São Bento a quem o povo concedeu o gosto de tratar pelo nome próprio. Os adversários e os inimigos vingaram-se, inventando o gonçalvismo – tentanto resumir num homem aquilo que para eles era a fonte de todos os medos, mas que mal ou bem nascia dos mais puros anseios de um povo que, pela primeira vez na história recente, tinha como chefe do Governo um homem que o escutava e, mais importante, o compreendia.

    Ler Mais