As palavras e os números

evchoc1_400.jpg

A celebração do cinquentenário da Declaração Universal dos Direitos Humanos foi, como era de esperar, motivo para as mais diversas intervenções de figuras mais ou menos públicas.

O Prémio Nobel José Saramago não deixou passar a oportunidade e, como era de esperar de um humanista atento, aproveitou o discurso perante a Academia Sueca para lembrar que quase metade da riqueza do mundo está nas mãos de 225 impérios financeiros, enquanto mais de metade da população do planeta vive com carências elementares.

Esta verdade tão simples, mas tão incómoda, não agradou a Vasco Pulido Valente que, na sua coluna dominical do Diário de Notícias, desatou a questionar Saramago sobre os números. Porquê 225 e não 226?, interrogava-se Pulido Valente. E por que diz o Nobel que esses 225 detém 47 por cento da riqueza? Quem foi que lhe disse?, questiona a Valente criatura.

Não deixa de ser curioso que o Prémio Nobel da Literatura seja questionado não pelas palavras que diz e escreve, mas pelos números que apresenta.

É verdade que os números incomodam. Sobretudo estes números, a que Saramago poderia ter juntado outros, igualmente reais e terríveis.

Poderia ter dito, por exemplo, que todos os anos, morrem de fome e de carência de cuidados médicos mais de 50 milhões de pessoas, na sua maioria crianças. Ou que mais de mil milhões comem apenas o indispensável para não morrer de fome, porque mais de metade da população do planeta vive com menos de 2 dólares por dia.

Saramago poderia ter acrescentado que dezenas de milhões de crianças e jovens vivem, comem e dormem nas ruas, 300 milhões de crianças nunca terão da infância outra recordação que não seja o não seja o trabalho precoce. E que mais de 1200 milhões de homens e mulheres estão desempregados.

Saramago poderia ter dito tudo isto e falaria tão claramente verdade como quando referiu os 225 detentores de 47 por cento da riqueza do mundo.

O espanto de Pulido Valente é, obviamente, o espanto de quem tem do mundo a ideia fluorescente de Beverly Hills e de Wall Street. “Onde é que Saramago leu isto?”, interroga, embasbacado, o ex-deputado. O mesmo que, ainda há bem pouco tempo, confessava perante o parlamento não fazer a mínima ideia de quanto é o salário mínimo nacional.

RCS | 16.Dez.1998

Mais sugestões de leitura

  • É preciso é criar desassossegoOpen or Close

    «(...) Como é que da política se chega à música e da música à consciência? Eh, pá, eu acho que as coisas podem estar ou não ligadas, depende do lado para onde estivermos virados. Mas o que é preciso é criar desassossego. Quando começamos a procurar álibis para justificar o nosso conformismo, então está tudo lixado! (...) Acho que, acima de tudo, é preciso agitar, não ficar parado, ter coragem, quer se trate de música ou de política. E nós, neste país, somos tão pouco corajosos que, qualquer dia, estamos reduzidos à condição de ‘homenzinhos’ e ‘mulherezinhas’. Temos é que ser gente, pá! (...)»

    Ler Mais
  • Skin look de A a ZOpen or Close

    Ao vê-los em "actuação", nas claques de futebol, nas zaragatas dos bares ou nos confrontos de gangs, ninguém imagina que aqueles rapazes de cabelo rapado e ar frequentemente duro se preocupem com a composição da imagem exterior. Um olhar mais atento sobre a indumentária dos skinheads revela, porém, a extrema atenção que é dada a cada pormenor, cada peça de roupa, cada símbolo que se vai exibir. Desde as botas aos elementos decorativos do blusão, nada daquilo que um skinhead veste está ali por acaso. Este é, aliás, um tema sobre o qual os membros de vários grupos skin gostam de falar sem reservas. Quase poderia dizer-se que a opção pelo movimento começa sempre por ser uma questão estética. Com a preciosa ajuda de alguns skinheads bem documentados, ficámos a saber o essencial e boa parte do acessório sobre as peças que compõem a imagem skin.

    O Independente | 16.Abr.1999

    Ler Mais
  • Saudosa tertúliaOpen or Close

    Verdadeiro mestre de apresentações, Viriato Teles elabora, antecedendo as entrevistas, a descrição das personalidades, define-as biograficamente e expõem-nas no efeito que, presencialmente, lhe provocam . Também no decorrer das entrevistas, para além dos assuntos tratados, o jornalista faz o retrato dos entrevistados, retratos humanos totais, com alegrias e desencantos, projectos e nostalgias, ganhos e perdas. Como o autor já nos habituou, a prosa é quente, reveladora e cúmplice do leitor, como se também este fosse conhecido de Viriato Teles; mais um mistério só possível quando se tem a intuição de um grande escritor.

    Ler Mais
  • Pizza hurtOpen or Close

    Afinal, a tão comentada publicidade do ex-líder soviético às pizzas norte-americanas tem também uma versão televisiva, revelando-nos desconhecidas capacidades cinematográficas de Gorbatchov (...) Vários cidadãos russos foram também chamados a dizer de sua justiça a propósito do referido anúncio e da actuação do seu ex-presidente. As opiniões eram muitas e divergentes, mas ficou-me sobretudo a daquela jovem que dizia acreditar que, da próxima vez, Gorbatchov deveria dedicar o seu talento publicitário a uma qualquer marca de pensos higiénicos.

    TSF | 31.Dez.1997

    Ler Mais