As palavras e os números

evchoc1_400.jpg

A celebração do cinquentenário da Declaração Universal dos Direitos Humanos foi, como era de esperar, motivo para as mais diversas intervenções de figuras mais ou menos públicas.

O Prémio Nobel José Saramago não deixou passar a oportunidade e, como era de esperar de um humanista atento, aproveitou o discurso perante a Academia Sueca para lembrar que quase metade da riqueza do mundo está nas mãos de 225 impérios financeiros, enquanto mais de metade da população do planeta vive com carências elementares.

Esta verdade tão simples, mas tão incómoda, não agradou a Vasco Pulido Valente que, na sua coluna dominical do Diário de Notícias, desatou a questionar Saramago sobre os números. Porquê 225 e não 226?, interrogava-se Pulido Valente. E por que diz o Nobel que esses 225 detém 47 por cento da riqueza? Quem foi que lhe disse?, questiona a Valente criatura.

Não deixa de ser curioso que o Prémio Nobel da Literatura seja questionado não pelas palavras que diz e escreve, mas pelos números que apresenta.

É verdade que os números incomodam. Sobretudo estes números, a que Saramago poderia ter juntado outros, igualmente reais e terríveis.

Poderia ter dito, por exemplo, que todos os anos, morrem de fome e de carência de cuidados médicos mais de 50 milhões de pessoas, na sua maioria crianças. Ou que mais de mil milhões comem apenas o indispensável para não morrer de fome, porque mais de metade da população do planeta vive com menos de 2 dólares por dia.

Saramago poderia ter acrescentado que dezenas de milhões de crianças e jovens vivem, comem e dormem nas ruas, 300 milhões de crianças nunca terão da infância outra recordação que não seja o não seja o trabalho precoce. E que mais de 1200 milhões de homens e mulheres estão desempregados.

Saramago poderia ter dito tudo isto e falaria tão claramente verdade como quando referiu os 225 detentores de 47 por cento da riqueza do mundo.

O espanto de Pulido Valente é, obviamente, o espanto de quem tem do mundo a ideia fluorescente de Beverly Hills e de Wall Street. “Onde é que Saramago leu isto?”, interroga, embasbacado, o ex-deputado. O mesmo que, ainda há bem pouco tempo, confessava perante o parlamento não fazer a mínima ideia de quanto é o salário mínimo nacional.

RCS | 16.Dez.1998

Mais sugestões de leitura

  • Um coração sobre o mundoOpen or Close

    (...) E no entanto Carlos Paredes foi, sempre, um ser atento à realidade. Basta ouvir-lhe as músicas, que são o maior e mais autêntico reflexo da alma lusitana. Ou ler os seus textos (e como escrevia bem, este Paredes!) em que, detalhada e apaixonadamente, reflectia sobre as mais diversas questões da vida. Ou tê-lo visto alguma vez em palco, onde construía um permanente diálogo com quem o escutava, com a humildade de que só os grandes génios são capazes.
    Quando, há uns anos, foi condecorado pelo então Presidente da República, Mário Soares, por ocasião de um 10 de Junho, fui encontrá-lo, discreto, no foyer do São Carlos, depois da cerimónia, distribuindo abraços, daquela forma sincera que o caracterizava. «Isto é bom: sempre se encontram uns amigos», disse-me então, alheio à snobeira bacoca que sempre rodeia estes momentos.

    A Capital | 24.Jul.2004

    Ler Mais
  • O legado de um andarilhoOpen or Close

    As Voltas de um Andarilho – Fragmentos da vida e obra de José Afonso de Viriato Teles: eis um documento raro sobre um sonho agarrado à vida concreta, firmado no telurismo português e braços estendidos a outros lugares do mundo onde despontava a utopia; uma voz sobre uma das vozes da resistência ao fascismo, que rasgou as sombras e iluminou quem nelas vivia; um diálogo entre gerações sobre «o que faz falta», o idealismo, a persistência na luta pela Liberdade.

    Ler Mais
  • Fernando RelvasOpen or Close

    Vai, de certeza, implicar comigo porque lhe chamei «autor de banda desenhada», e se calhar tem razão. Porque a arte de Relvas não se limita às histórias aos quadradinhos que durante anos iluminaram algumas páginas da imprensa portuguesa. Mas ainda não se leva a sério o suficiente para se julgar pintor – e faz mal, porque é isso que realmente é. Pronto, digamos então artista plástico. Mas nunca de plástico. Fernando Relvas é também, ou sobretudo, um contador de histórias. Com meia dúzia de traços consegue fazer-nos viajar pelas rotas das caravelas ou pelos subúrbios da grande cidade, sempre com um humor acidulado onde se cruzam ora um hiper-realismo estonteante, ora uma forte carga erótica, ora ainda a mais pura crónica de actualidades.

    Ler Mais
  • O ano de (quase) todos os ZecasOpen or Close

    Com a edição de “Com As Minhas Tamanquinhas”, neste final de 2012, ficam desde já disponíveis oito das onze edições que integram o plano de remasterizações em curso da obra de José Afonso. Um “lote” que abrange a totalidade dos álbuns gravados para a editora Orfeu, de Arnaldo Trindade, entre 1968 e 1981, ou seja: onze discos de originais num total de 14, o “essencial” da obra gravada do cantor. O trabalho de remasterização, assinado por António Pinheiro da Silva – não só um dos mais competentes engenheiros de som do nosso País, mas também um músico atento – é por vezes surpreendente.

    QI | Diário de Notícias | 15.Dez.2012

    Ler Mais