As palavras e os números

evchoc1_400.jpg

A celebração do cinquentenário da Declaração Universal dos Direitos Humanos foi, como era de esperar, motivo para as mais diversas intervenções de figuras mais ou menos públicas.

O Prémio Nobel José Saramago não deixou passar a oportunidade e, como era de esperar de um humanista atento, aproveitou o discurso perante a Academia Sueca para lembrar que quase metade da riqueza do mundo está nas mãos de 225 impérios financeiros, enquanto mais de metade da população do planeta vive com carências elementares.

Esta verdade tão simples, mas tão incómoda, não agradou a Vasco Pulido Valente que, na sua coluna dominical do Diário de Notícias, desatou a questionar Saramago sobre os números. Porquê 225 e não 226?, interrogava-se Pulido Valente. E por que diz o Nobel que esses 225 detém 47 por cento da riqueza? Quem foi que lhe disse?, questiona a Valente criatura.

Não deixa de ser curioso que o Prémio Nobel da Literatura seja questionado não pelas palavras que diz e escreve, mas pelos números que apresenta.

É verdade que os números incomodam. Sobretudo estes números, a que Saramago poderia ter juntado outros, igualmente reais e terríveis.

Poderia ter dito, por exemplo, que todos os anos, morrem de fome e de carência de cuidados médicos mais de 50 milhões de pessoas, na sua maioria crianças. Ou que mais de mil milhões comem apenas o indispensável para não morrer de fome, porque mais de metade da população do planeta vive com menos de 2 dólares por dia.

Saramago poderia ter acrescentado que dezenas de milhões de crianças e jovens vivem, comem e dormem nas ruas, 300 milhões de crianças nunca terão da infância outra recordação que não seja o não seja o trabalho precoce. E que mais de 1200 milhões de homens e mulheres estão desempregados.

Saramago poderia ter dito tudo isto e falaria tão claramente verdade como quando referiu os 225 detentores de 47 por cento da riqueza do mundo.

O espanto de Pulido Valente é, obviamente, o espanto de quem tem do mundo a ideia fluorescente de Beverly Hills e de Wall Street. “Onde é que Saramago leu isto?”, interroga, embasbacado, o ex-deputado. O mesmo que, ainda há bem pouco tempo, confessava perante o parlamento não fazer a mínima ideia de quanto é o salário mínimo nacional.

RCS | 16.Dez.1998

Mais sugestões de leitura

  • A magia da criaçãoOpen or Close

    Luísa Amaro é como se chama a mulher que dá vida e alma a estas músicas, seguida de perto por Miguel Carvalhinho. Habituámo-nos a ouvir a guitarra portuguesa tocada por mãos viris, mas o que aqui se nos revela é um lado outro desse instrumento delicado, talvez aquilo que explica o segredo dos mestres, sabedores de que a guitarra é um ser sensível, guardador de muitas emoções, nem sempre ao alcance da vontade de quem a toca.

    Introdução ao CD Canção para Carlos Paredes de Luísa Amaro | 2004

    Ler Mais
  • Algumas opiniõesOpen or Close

    Excertos de opiniões publicadas na Imprensa acerca de Margem para Dúvidas.

    Ler Mais
  • Mais do que talentoOpen or Close

    Poucos saberão que, em meados da década de 80 do século passado, Paco de Lucia manifestou a alguns amigos o desejo de gravar um disco com Carlos Paredes. (...) A ideia de Paco, admirador de Paredes, foi acolhida com entusiasmo pela editora, mas esbarrou na recusa definitiva do músico português: «Tocar com Paco de Lucia? Nem pensar. Ele esmagava-me, oh amigo!»

    Diário de Notícias | 27.Fev.2014

    Ler Mais
  • Uma vida de risco(s)Open or Close

    Agora, o Relvas já é mais do que lenda. Ele é uma referência – porventura a mais irreverente, com certeza das mais relevantes – fundamental para quem quiser conhecer a evolução da banda desenhada em Portugal nos últimos 50 anos. E se, apesar de tudo, é hoje mais fácil para um jovem artista criar e divulgar o seu trabalho, isso em muito boa parte se deve ao Relvas – ao talento dele, sim, mas sobretudo à sua persistência homérica e à intransigência perante a mediocridade que sempre o acompanhou.

    Catálogo de Retrospectiva/Outra Perspectiva, de Fernando Relvas | 2017

    Ler Mais