Crime e castigo

A notícia da detenção, em Londres, do antigo ditador chileno Augusto Pinochet tornou-se no principal acontecimento deste fim-de-semana – e por pouco não conseguiu secundarizar o discurso de duas horas e meia de Fidel Castro no comício de solidariedade com Cuba, em Matosinhos.

Pessoalmente, não acredito que a detenção britânica do velho ditador chileno resulte em algo mais do que uma óbvia operação mediática. O mais certo é o octogenário senador vitalício do Chile ser um destes dias autorizado a sair em liberdade e, com um pouco de azar, ainda o veremos no “speackers corner” de Hyde Park, vociferando contra os estranhos desígnios da independência do poder judicial face ao poder político.

O certo, para já, é que Pinochet está impedido de sair de Londres, graças a um mandato de captura emitido pelo juiz espanhol Baltazar Garzón e executado pela “very polited” Scotland Yard.

Trata-se de uma decisão histórica. Não só porque, finalmente, um ditador sanguinário sucumbe às malhas da justiça, ainda que longe – muito longe – do seu país; mas, sobretudo, porque, pela primeira vez, aquilo a que Marx chamaria a “justiça burguesa” parece conseguir, num quadro de legalidade normativa, o respeito pelos mais elementares direitos humanos.

Porque Augusto Pinochet não foi apenas um ditador cruel para com os cidadãos do seu próprio país. Durante o seu reinado de terror à frente da república do Chile, Pinochet foi o responsável pelos crimes mais inconcebíveis, pelos quais, aliás, não mostrou nunca o mínimo sinal de arrependimento. Pelo contrário, para Pinochet, tudo não passou de “episódios passageiros”, coisas “que já lá vão” e sobre as quais não vale voltar a falar.

Felizmente, ainda há quem, como o juiz Baltazar Garzón, insista em não esquecer. Felizmente, ainda há quem pense que crimes como aqueles que Augusto Pinochet cometeu não são simples “equívocos” da história.
É possível que a detenção de Pinochet não passe de um episódio quichotesco e que, dentro de um ou dois dias, tudo volte à calma tranquila de sempre. Mesmo assim, terá valido a pena.

Quanto mais não seja, para que possamos dizer aos nossos filhos que ainda há gente para quem o futuro não é a simples repetição dos episódios a que, no passado, estamos fartos de assistir. Quanto mais não seja, afinal, pela humilhação pura e simples a que o sanguinário ditador está a ser sujeito.

Nunca imaginei que a humilhação pública de um ser humano me pudesse causar tanta alegria. Eu disse: um ser humano. Mas é claro que me enganei. Afinal, estamos apenas a falar de Pinochet.

RCS | 19.Out.1998

Mais sugestões de leitura

  • A quinta dimensãoOpen or Close

    Era o mês de Outubro, em Lisboa e no resto do mundo. Nessa manhã de pouco sol, Aristides acordou com vaga sensação de que a Terra inteira estava a enlouquecer à sua volta.

    Se7e | 1988

    Ler Mais
  • O grande poeta menorOpen or Close

    Torrencial, apaixonado, firme, exuberante, truculento, corajoso. Qualquer destes adjectivos cabe em José Carlos Ary dos Santos, mas nenhum deles chega para qualificar plenamente o homem, o poeta, o militante. Em Ary, o todo é sempre mais do que a soma das partes, e estas nunca são estanques entre si: Ary foi o poeta que foi por ser o militante que era, e não poderia ser uma pessoa diferente sem trair tudo aquilo que constituía a sua própria razão de ser.

    Diário de Notícias | 18.Jan.2014

    Ler Mais
  • O silêncio da terraOpen or Close

    «Não acredito muito nos pessoas que apenas se comovem quando ouvem falar de coisas de carácter político. Não basta fazer canções sobre a paz ou sobre a guerra, é preciso ter em conta também uma outra poesia que nos fale da beleza das paisagens, dos rios que correm, da natureza que se manifesta.» Em Março de 1985, Atahualpa Yupanqui esteve em Portugal para realizar dois concertos únicos por iniciativa da Embaixada da República Argentina. Nos palcos da Aula Magna, em Lisboa, e do Rivoli, no Porto, acompanhado apenas pela sua guitarra (“a la guitarra grave y honda que jumbrosa estremecida y soledosa, desvelada quiero referirme”), deu-se-nos, durante cerca de duas horas, o trovador maior das pampas, “payador” que foi perseguido e nunca desistiu de se interrogar, a ele próprio e a quantos o ouvem, a propósito dos sentidos possíveis da vida.

    Ler Mais
  • Onde é que está o 25 de Abril?Open or Close

    Desde já confesso: sou culpado. Culpado de ter vivido intensamente o 25 de Abril e os dias levantados que se seguiram. Estava em Ílhavo, quando tudo começou, mas ninguém é perfeito. Era jovem e pensava. Éramos imortais, e não queríamos perder tempo. Queríamos o mundo, e tínhamos o mundo. Em ano e meio, fizemos de um país tristonho uma pátria onde valia a pena sonhar. E sonhámos, e vivemos horas que ninguém nos tira. Depois, a vida real impôs-se e mostrou-nos que há um preço para tudo, até para os sonhos. Pagámos por isso, e muitos de nós continuam a pagar. E, afinal, qual é o preço da nossa culpa? Quisemos ser felizes. E isso é crime?

    Ler Mais