Crime e castigo

A notícia da detenção, em Londres, do antigo ditador chileno Augusto Pinochet tornou-se no principal acontecimento deste fim-de-semana – e por pouco não conseguiu secundarizar o discurso de duas horas e meia de Fidel Castro no comício de solidariedade com Cuba, em Matosinhos.

Pessoalmente, não acredito que a detenção britânica do velho ditador chileno resulte em algo mais do que uma óbvia operação mediática. O mais certo é o octogenário senador vitalício do Chile ser um destes dias autorizado a sair em liberdade e, com um pouco de azar, ainda o veremos no “speackers corner” de Hyde Park, vociferando contra os estranhos desígnios da independência do poder judicial face ao poder político.

O certo, para já, é que Pinochet está impedido de sair de Londres, graças a um mandato de captura emitido pelo juiz espanhol Baltazar Garzón e executado pela “very polited” Scotland Yard.

Trata-se de uma decisão histórica. Não só porque, finalmente, um ditador sanguinário sucumbe às malhas da justiça, ainda que longe – muito longe – do seu país; mas, sobretudo, porque, pela primeira vez, aquilo a que Marx chamaria a “justiça burguesa” parece conseguir, num quadro de legalidade normativa, o respeito pelos mais elementares direitos humanos.

Porque Augusto Pinochet não foi apenas um ditador cruel para com os cidadãos do seu próprio país. Durante o seu reinado de terror à frente da república do Chile, Pinochet foi o responsável pelos crimes mais inconcebíveis, pelos quais, aliás, não mostrou nunca o mínimo sinal de arrependimento. Pelo contrário, para Pinochet, tudo não passou de “episódios passageiros”, coisas “que já lá vão” e sobre as quais não vale voltar a falar.

Felizmente, ainda há quem, como o juiz Baltazar Garzón, insista em não esquecer. Felizmente, ainda há quem pense que crimes como aqueles que Augusto Pinochet cometeu não são simples “equívocos” da história.
É possível que a detenção de Pinochet não passe de um episódio quichotesco e que, dentro de um ou dois dias, tudo volte à calma tranquila de sempre. Mesmo assim, terá valido a pena.

Quanto mais não seja, para que possamos dizer aos nossos filhos que ainda há gente para quem o futuro não é a simples repetição dos episódios a que, no passado, estamos fartos de assistir. Quanto mais não seja, afinal, pela humilhação pura e simples a que o sanguinário ditador está a ser sujeito.

Nunca imaginei que a humilhação pública de um ser humano me pudesse causar tanta alegria. Eu disse: um ser humano. Mas é claro que me enganei. Afinal, estamos apenas a falar de Pinochet.

RCS | 19.Out.1998

Mais sugestões de leitura

  • História biodegradávelOpen or Close

    O cidadão José Hermano tem um pensamento profundo sobre o regime que vigorou em Portugal até 25 de Abril de 1974. Conhece-se o cismado rigor com que jura pela alma dos que já lá tem que Camões pisou aquelas pedrinhas da gruta de Macau.

    RCS-GA | 25.Fev.1999

    Ler Mais
  • Troikas e baldrocasOpen or Close
    A imparável troika voltou a Lisboa para deduzir o óbvio: que a receita da austeridade é um fracasso, com a quebra do consumo a aumentar na razão directa do assalto à mão desarmada com que os cidadãos estão confrontados, resultando numa diminuição dos proventos reais do Estado. ...
    Jornal do Fundão | 6.Set.2012
    Ler Mais
  • Eleições, mentiras e algum vídeoOpen or Close

    O putativo futuro primeiro-ministro, Santana Lopes, foi à Televisão defender a evolução na continuidade que seria a sua nomeação, se o PR seguisse os conselhos do PSD e do CDS e não convocasse eleições antecipadas. Diz Lopes que Sampaio deve deixar governar a maioria parlamentar, nomeando-o para o cargo deixado vago por Durão Barroso. E apresenta como razão maior o facto de também Sampaio ter desistido a meio do mandato de presidente da Câmara de Lisboa, sem que tal obrigasse a novas eleições.

    Para Consumo da Causa | 7.Jul.2004

    Ler Mais
  • Uma vida aos quadradinhosOpen or Close

    Publicou a primeira história em quadradinhos com 14 anos, mas começou a fazer fanzines aos oito. Simples na forma de estar, mas rigoroso até à exaustão de pormenor no trabalho que executa, é assim que encontramos José Ruy, «um duplo amador» que bem pode dizer-se em actividade há seis décadas e uma das poucas unanimidades da banda desenhada lusitana.

    Grande Amadora | 1999

    Ler Mais