In-seguranças

As discussões em volta da cada vez mais premente questão da segurança – ou da falta dela – deram origem, na última semana, a mais um episódio da cada vez mais divertida guerra de comadres entre o PS e o PSD.

Desta vez foi em Oeiras, com os moradores de um bairro de classe média a ameaçarem criar milícias populares se continuar a verificar-se o surto de assaltos que têm ocorrido nos últimos tempos.

O presidente da Câmara de Oeiras, Isaltino de Morais, aproveitou a deixa para exigir um maior policiamento do seu concelho, acusando o Governo e a polícia de não saberem lidar com estes problemas.

E porque não se sente não é filho de boa gente, o ministro Jorge Coelho veio imediatamente a terreiro afirmar que iria enviar de imediato mais polícias para Oeiras. Concretamente, mais nove elementos do Corpo de Intervenção, enviados na última segunda-feira para Oeiras, para patrulhar a zona do Bairro de Pombal e do Bairro Augusto de Castro.

O PS, obviamente, aplaudiu e contra-atacou, fazendo publicitar um comunicado em que acusava os social-democratas de estarem a "criar um facto político" – o que se compreende, se pensarmos que o PSD é liderado pelo maior criador de factos políticos de que há memória entre nós.

Não deixa de ser curioso este empenho zeloso da generalidade dos partidos políticos,  defensores da ideia de que a insegurança se resolve colocando mais polícias na rua. Não resolve, como se sabe.

Na prática, esta política de combate às consequências sem tomar em consideração as causas, acaba por resultar como um sucedâneo das medidas dos sucessivos  governos na chamada luta contra a droga – que é, aliás, a razão de ser de 90 por cento da marginalidade a que assistimos.

Acentua-se a repressão, mas o problema continua exactamente como dantes. Prendem-se uns quantos traficantes menores, esbofeteiam-se uns drogadinhos, apreendem-se meia dúzia de quilos de haxixe e faz-se de conta que estamos no melhor dos mundos.

Mas ninguém chega aos grandes dealers, os agarrados continuam a roubar por vício e desespero, e as verdadeiras drogas, como a heroína ou a cocaína, continuam a circular por aí, à vista dos polícias e das pessoas.

Enquanto isso, aos políticos continua a faltar a coragem necessária para enfrentar o problema de frente. Porque, para o fazer, iriam correr riscos que nenhum político gosta de correr, sobretudo em ano de eleições.
Afinal, é muito mais cómodo pegar em meia dúzia de polícias e enviá-los para onde a má consciência manda.

RCS | 19.Jan.1999

Mais sugestões de leitura

  • Por favor, leiam estes discosOpen or Close

    Quando editou «Por Este Rio Acima», no já longínquo ano de 1982, Fausto Bordalo Dias estaria longe de imaginar a verdadeira revolução que esse seu disco iria causar no universo da música portuguesa. (...) Falo da música, mas também da poesia (ao nível da melhor que em terras lusas se tem publicado) e, ainda, de um conceito estético que, na realidade, só depois de «Por Este Rio Acima» tomou forma definitiva: a Música Popular Portuguesa, entendida como uma forma de identidade cultural multi-expressiva e não, como pretendiam os seus detractores, como um modelo de uniformização formal.

    Grande Amadora | 2.Dez.1994

    Ler Mais
  • O homem que queria ser comumOpen or Close

    Não fosse a intervenção do dr. Salazar e provavelmente a obra de José Afonso não teria atingido a dimensão que alcançou e que fez dele um dos grandes vultos da música popular do século XX. Dito deste modo, pode soar a provocação. Mas a verdade é que foi por ter sido expulso do ensino, por ordem do governo da ditadura, que o criador de «Grândola» se profissionalizou como músico e passou a gravar com regularidade. Deus a escrever direito por linhas ínvias, diriam os crentes. Curiosas ironias da História, dirão os outros.

    QI | Diário de Notícias | 28.Abril.2012

    Ler Mais
  • Cantigas de antes do MaioOpen or Close

    «Quando se caminha para a frente ou para trás, ao longo dos dicionários, vai-se desembocar na palavra Terror», escrevia, então, Herberto Helder. Nesse tempo de silêncios são poucos os artistas que se erguem contra esta mansidão angustiada. (...) Fora de jogo, dispostos a arriscar e com vontade de abrir novos caminhos, meia dúzia de vozes isoladas fazem-se ouvir em lugares diferentes e de modos diversos: a poesia de Manuel Alegre e Fernando Assis Pacheco, a partir de Argel e Nambuangongo; as vozes claras de Adriano Correia de Oliveira e Manuel Freire, em Coimbra; José Mário Branco e Luís Cília, no exílio de Paris. E José Afonso, professor de liceu, cantor nas horas vagas e activista por conta própria.

    Introdução à reedição em CD de Baladas e Canções, de José Afonso | 1997

    Ler Mais
  • Onde é que está o 25 de Abril?Open or Close

    Desde já confesso: sou culpado. Culpado de ter vivido intensamente o 25 de Abril e os dias levantados que se seguiram. Estava em Ílhavo, quando tudo começou, mas ninguém é perfeito. Era jovem e pensava. Éramos imortais, e não queríamos perder tempo. Queríamos o mundo, e tínhamos o mundo. Em ano e meio, fizemos de um país tristonho uma pátria onde valia a pena sonhar. E sonhámos, e vivemos horas que ninguém nos tira. Depois, a vida real impôs-se e mostrou-nos que há um preço para tudo, até para os sonhos. Pagámos por isso, e muitos de nós continuam a pagar. E, afinal, qual é o preço da nossa culpa? Quisemos ser felizes. E isso é crime?

    Ler Mais