In-seguranças

As discussões em volta da cada vez mais premente questão da segurança – ou da falta dela – deram origem, na última semana, a mais um episódio da cada vez mais divertida guerra de comadres entre o PS e o PSD.

Desta vez foi em Oeiras, com os moradores de um bairro de classe média a ameaçarem criar milícias populares se continuar a verificar-se o surto de assaltos que têm ocorrido nos últimos tempos.

O presidente da Câmara de Oeiras, Isaltino de Morais, aproveitou a deixa para exigir um maior policiamento do seu concelho, acusando o Governo e a polícia de não saberem lidar com estes problemas.

E porque não se sente não é filho de boa gente, o ministro Jorge Coelho veio imediatamente a terreiro afirmar que iria enviar de imediato mais polícias para Oeiras. Concretamente, mais nove elementos do Corpo de Intervenção, enviados na última segunda-feira para Oeiras, para patrulhar a zona do Bairro de Pombal e do Bairro Augusto de Castro.

O PS, obviamente, aplaudiu e contra-atacou, fazendo publicitar um comunicado em que acusava os social-democratas de estarem a "criar um facto político" – o que se compreende, se pensarmos que o PSD é liderado pelo maior criador de factos políticos de que há memória entre nós.

Não deixa de ser curioso este empenho zeloso da generalidade dos partidos políticos,  defensores da ideia de que a insegurança se resolve colocando mais polícias na rua. Não resolve, como se sabe.

Na prática, esta política de combate às consequências sem tomar em consideração as causas, acaba por resultar como um sucedâneo das medidas dos sucessivos  governos na chamada luta contra a droga – que é, aliás, a razão de ser de 90 por cento da marginalidade a que assistimos.

Acentua-se a repressão, mas o problema continua exactamente como dantes. Prendem-se uns quantos traficantes menores, esbofeteiam-se uns drogadinhos, apreendem-se meia dúzia de quilos de haxixe e faz-se de conta que estamos no melhor dos mundos.

Mas ninguém chega aos grandes dealers, os agarrados continuam a roubar por vício e desespero, e as verdadeiras drogas, como a heroína ou a cocaína, continuam a circular por aí, à vista dos polícias e das pessoas.

Enquanto isso, aos políticos continua a faltar a coragem necessária para enfrentar o problema de frente. Porque, para o fazer, iriam correr riscos que nenhum político gosta de correr, sobretudo em ano de eleições.
Afinal, é muito mais cómodo pegar em meia dúzia de polícias e enviá-los para onde a má consciência manda.

RCS | 19.Jan.1999

Mais sugestões de leitura

  • A certeza das dúvidasOpen or Close

    «Ter sempre a certeza das dúvidas / por via das dúvidas saber o que achar», diz o Sérgio numa das muitas canções definitivas que já escreveu. Esse é provavelmente o mais acertado resumo da obra dele e a razão porque tantas vezes nela nos revemos e encontramos: esta inquietação tranquila de quem não desiste de querer saber hoje um pouco mais do que sabia ontem, consciente de que isso é ainda assim menos do que saberá amanhã.

    Catálogo da exposição Sérgio Godinho - Escritor de Canções | 2017

    Ler Mais
  • O Andarilho na ImprensaOpen or Close

    (...) um testemunho empenhado e emotivo não apenas sobre a obra e a personalidade admiráveis do autor de Grândola, Vila Morena mas também sobre o estado de espírito que por algum tempo dominou os seus companheiros de aventuras em meados da década de 80. (Jorge P. Pires)

    Ler Mais
  • Falando assédioOpen or Close

    Quando não têm uma guerrazinha com que se entreter, os americanos são capazes de tudo. Até de transformar em notícia as possíveis aventuras extraconjugais de Bill Clinton. Tudo começou com uma vulgar acusação de assédio sexual - essa brilhante invenção norte-americana deste fim de milénio. Pessoalmente, devo dizer não tenho nada contra o assédio sexual - seja no local de trabalho, na rua ou mesmo em casa. Acredito até que, sem assédio, a humanidade acabaria por se extinguir, por manifesta falta de assunto.

    TSF | 28.Jan.1998

    Ler Mais
  • Luta de clicsOpen or Close

    O ministro Sousa Franco anunciou esta semana ao mundo que o elevado nível de vida dos portugueses é uma realidade estimável pela quantidade de telemóveis em circulação. Com Sousa Franco, ficámos a saber que o mundo não se divide  em classes, mas em redes telefónicas.

    RCS | 17.Nov.1998

    Ler Mais