In-seguranças

As discussões em volta da cada vez mais premente questão da segurança – ou da falta dela – deram origem, na última semana, a mais um episódio da cada vez mais divertida guerra de comadres entre o PS e o PSD.

Desta vez foi em Oeiras, com os moradores de um bairro de classe média a ameaçarem criar milícias populares se continuar a verificar-se o surto de assaltos que têm ocorrido nos últimos tempos.

O presidente da Câmara de Oeiras, Isaltino de Morais, aproveitou a deixa para exigir um maior policiamento do seu concelho, acusando o Governo e a polícia de não saberem lidar com estes problemas.

E porque não se sente não é filho de boa gente, o ministro Jorge Coelho veio imediatamente a terreiro afirmar que iria enviar de imediato mais polícias para Oeiras. Concretamente, mais nove elementos do Corpo de Intervenção, enviados na última segunda-feira para Oeiras, para patrulhar a zona do Bairro de Pombal e do Bairro Augusto de Castro.

O PS, obviamente, aplaudiu e contra-atacou, fazendo publicitar um comunicado em que acusava os social-democratas de estarem a "criar um facto político" – o que se compreende, se pensarmos que o PSD é liderado pelo maior criador de factos políticos de que há memória entre nós.

Não deixa de ser curioso este empenho zeloso da generalidade dos partidos políticos,  defensores da ideia de que a insegurança se resolve colocando mais polícias na rua. Não resolve, como se sabe.

Na prática, esta política de combate às consequências sem tomar em consideração as causas, acaba por resultar como um sucedâneo das medidas dos sucessivos  governos na chamada luta contra a droga – que é, aliás, a razão de ser de 90 por cento da marginalidade a que assistimos.

Acentua-se a repressão, mas o problema continua exactamente como dantes. Prendem-se uns quantos traficantes menores, esbofeteiam-se uns drogadinhos, apreendem-se meia dúzia de quilos de haxixe e faz-se de conta que estamos no melhor dos mundos.

Mas ninguém chega aos grandes dealers, os agarrados continuam a roubar por vício e desespero, e as verdadeiras drogas, como a heroína ou a cocaína, continuam a circular por aí, à vista dos polícias e das pessoas.

Enquanto isso, aos políticos continua a faltar a coragem necessária para enfrentar o problema de frente. Porque, para o fazer, iriam correr riscos que nenhum político gosta de correr, sobretudo em ano de eleições.
Afinal, é muito mais cómodo pegar em meia dúzia de polícias e enviá-los para onde a má consciência manda.

RCS | 19.Jan.1999

Mais sugestões de leitura

  • É preciso é criar desassossegoOpen or Close

    «(...) Como é que da política se chega à música e da música à consciência? Eh, pá, eu acho que as coisas podem estar ou não ligadas, depende do lado para onde estivermos virados. Mas o que é preciso é criar desassossego. Quando começamos a procurar álibis para justificar o nosso conformismo, então está tudo lixado! (...) Acho que, acima de tudo, é preciso agitar, não ficar parado, ter coragem, quer se trate de música ou de política. E nós, neste país, somos tão pouco corajosos que, qualquer dia, estamos reduzidos à condição de ‘homenzinhos’ e ‘mulherezinhas’. Temos é que ser gente, pá! (...)»

    Ler Mais
  • Contas sem ajusteOpen or Close

    Contas à vida sem ajuste. Mais cansaço do que desalento. Mais sonho adiado do que utopias erradas. Mais que documentos são testemunhos estas vinte entrevistas: uns, mais intimistas; outros, mais interventivos. Encontramos neste livro um universo multifacetado, mas que tem uma matriz política, ética, estética e cultural, o 25 da nossa memória, como que pequenos afluentes que vão desaguar no grande rio.

    Ler Mais
  • O arco da governaçãoOpen or Close

    Trata-se de um curioso conceito gerado no seio do regime democrático, uma espécie de lei-de-murphy para totós segundo a qual o exercício do poder está reservado aos cérebros iluminados do PS, do PSD e, em caso de necessidade para arredondar as contas, do CDS. Não sei em que ignorado artigo da Constituição está escrito que o poder só pode ser exercido pela direita – ou pelo menos à direita, na vã suposição de que ainda reste ao PS uma qualquer vaga consciência original. Deve ser um dos muitos obscuros desígnios do Senhor, que já provou ser capaz de tudo.

    Ler Mais
  • Sal e PimentaOpen or Close

    O homem que ainda não desistiu de encontrar «um triângulo de quatro lados» chegou exactamente ao meio-dia, conforme combinado. Alberto Pimenta é dono de uma pontualidade afrodisíaca, o que é apenas um dos seus muitos pontos de confronto aberto com a sociedade portuguesa. Nascido no Porto em 1937, viveu na Alemanha durante dezassete anos e só continua português porque, pelo meio, houve o 25 de Abril. Garrett, Bocage, Eça, Pessoa, Mário de Sá Carneiro são algumas das suas referências culturais. Fazem parte da lista dos seus prazeres pessoais, assim como o Cavaleiro de Oliveira, António Sérgio, Camões, Aquilino, António José da Silva, Cesário Verde. Pelo estilo e pelos temas, considera que a literatura portuguesa contemporânea é um deserto, com alguns oásis: Herberto Helder, Mário Cesariny, Eugénio de Andrade, Vergílio Ferreira, Luiz Pacheco, José-Emílio Nelson e poucos mais. De Saramago acha que «tem coisas muito boas, mas abusa dos truques de estilo».

    Epicur | Junho 2006

    Ler Mais