Luta de clics

b_500_400_16777215_00_images_actual_telemus1.jpg

O ministro Sousa Franco anunciou esta semana ao mundo que o elevado nível de vida dos portugueses é uma realidade estimável pela quantidade de telemóveis em circulação.

A revelação é sem dúvida surpreendente e arrisca-se mesmo a pôr em causa os conceitos de bem estar definidos, uns por Marx, outros por Adam Smith, mas todos eles vulgarmente aceites como verdadeiros pelos economistas de todas as tendências.

Com Sousa Franco, ficámos a saber que o mundo não se divide  em classes, mas em redes telefónicas.
No entanto, com o fim anunciado da História e, sobretudo, com o avanço imparável da tecnologia,  levantam-se algumas questões que podem obstar à aplicação do novo paradigma do progresso social defendido pelo ministro das Finanças.

Segundo este conceito, os utentes da rede fixa corresponderão à outrora chamada classe operária?
Mas, a ser assim, qual o papel das modernas e dispendiosas centrais digitais, manifesto sinal exterior de riqueza de uma certa burguesia intemporal? Não será mais correcto reduzir o proletariado aos utilizadores exclusivos de cabines telefónicas?

E então, se o uso e posse de telemóvel são sinal de boa qualidade de vida, será correcto comparar o explorado utente de um pré-pago – desses que dão por nomes tão curiosos como Mimo, Boomerang ou Vitamina T – ao privilegiado assinante de classe executiva?

Definitivamente, as telecomunicações não parecem ser o forte da sabedoria de Sousa Franco. E, a menos que marque outro indicativo, o mais certo é que acabe como as chamadas de valor acrescentado: só no fim, na hora das contas, é que se percebe o que custou.

RCS | 17.Nov.1998

Mais sugestões de leitura

  • Silêncios sem preçoOpen or Close

    Agora, António Ferra propõe-nos estes Silêncios Comprados. São três histórias de subúrbios e de gente igual a toda a gente. Neste livro há personagens que vivem «entalada[s] entre marquises de alumínio» em bairros onde os passeios «estão cheios de carros mal intencionados», há imigrantes ucranianos e brasileiros e sãotomenses, uma mulher mal-casada com um tecnocrata (o que até é capaz de ser um bocado pleonástico...), um cão à chuva, gente à procura dos significados do amor nas escadas intermináveis de um prédio de Lisboa. São gente sem rosto, mas com nome, afinal gente igual a toda a gente, com as mesmas angústias, os mesmos medos, as mesmas dúvidas.

    Apresentação de Silêncios Comprados, de António Ferra | 2007

    Ler Mais
  • O legado de um andarilhoOpen or Close

    As Voltas de um Andarilho – Fragmentos da vida e obra de José Afonso de Viriato Teles: eis um documento raro sobre um sonho agarrado à vida concreta, firmado no telurismo português e braços estendidos a outros lugares do mundo onde despontava a utopia; uma voz sobre uma das vozes da resistência ao fascismo, que rasgou as sombras e iluminou quem nelas vivia; um diálogo entre gerações sobre «o que faz falta», o idealismo, a persistência na luta pela Liberdade.

    Ler Mais
  • Um poeta na varanda dos deusesOpen or Close

    «Lisboa é como a vida: nós queixamo-nos, mas é muito bom andar por cá.» Dono de um aguçado sentido crítico e de um humor por vezes implacável, Alberto Pimenta reflecte em toda a sua obra uma grande atenção aos problemas do mundo actual, expressa com um rigor de linguagem que faz dele um dos nomes mais importantes, mas também mais incómodos, da poesia portuguesa contemporânea.
    «A cultura é o desporto da classe média», afirmou uma vez. Ainda hoje, há quem não lhe perdoe esta irreverência e a frontalidade dos gestos e das atitudes.

    Mini International | Março 2007

    Ler Mais
  • Fausto Bordalo DiasOpen or Close

    É um homem discreto e um artista exigente. Gosta de estar com os amigos e não volta costas a um arroz de lampreia nem a uma boa conversa. A música que faz situa-se num patamar superior do espectáculo, em Portugal e no resto do mundo, mas não é isso que o faz correr. (...) É assim o Fausto. Sereno, leal, intransigente em tudo aquilo que considera ser o essencial, tanto na vida como na arte – sendo que a arte é simplesmente uma forma superior de vida. É um homem de convicções – políticas, humanas, estéticas – mas nunca quis ser um homem de certezas. Amigo certo e adversário temível, mantém desde sempre uma relação de distância tanto com o poder político como com o poder mediático, e nunca se vergou perante nenhum. Porque há homens que não têm preço nem querem perder a honra: os homens dignos, como este.

    Ler Mais