Luta de clics

b_500_400_16777215_00_images_actual_telemus1.jpg

O ministro Sousa Franco anunciou esta semana ao mundo que o elevado nível de vida dos portugueses é uma realidade estimável pela quantidade de telemóveis em circulação.

A revelação é sem dúvida surpreendente e arrisca-se mesmo a pôr em causa os conceitos de bem estar definidos, uns por Marx, outros por Adam Smith, mas todos eles vulgarmente aceites como verdadeiros pelos economistas de todas as tendências.

Com Sousa Franco, ficámos a saber que o mundo não se divide  em classes, mas em redes telefónicas.
No entanto, com o fim anunciado da História e, sobretudo, com o avanço imparável da tecnologia,  levantam-se algumas questões que podem obstar à aplicação do novo paradigma do progresso social defendido pelo ministro das Finanças.

Segundo este conceito, os utentes da rede fixa corresponderão à outrora chamada classe operária?
Mas, a ser assim, qual o papel das modernas e dispendiosas centrais digitais, manifesto sinal exterior de riqueza de uma certa burguesia intemporal? Não será mais correcto reduzir o proletariado aos utilizadores exclusivos de cabines telefónicas?

E então, se o uso e posse de telemóvel são sinal de boa qualidade de vida, será correcto comparar o explorado utente de um pré-pago – desses que dão por nomes tão curiosos como Mimo, Boomerang ou Vitamina T – ao privilegiado assinante de classe executiva?

Definitivamente, as telecomunicações não parecem ser o forte da sabedoria de Sousa Franco. E, a menos que marque outro indicativo, o mais certo é que acabe como as chamadas de valor acrescentado: só no fim, na hora das contas, é que se percebe o que custou.

RCS | 17.Nov.1998

Mais sugestões de leitura

  • Só me calham DukesOpen or Close

    A primeira vez que ouvi falar do Zeca já se dizia assim mesmo, Zeca, e não José Afonso. Cantava esplendorosamente o reportório do fado de Coimbra. Eu costumava não me intrometer nessas conversas tribais em que outros eram aparentemente exímios e tiravam todo o prazer da evocação dos grandes tenores e barítonos da escola local. Havia mesmo quem coleccionasse velhos discos de gramofone comprados a preços altos. A mim tanto se me dava: estava a tirocinar para utente nocturno do programa de jazz da Voz da América, vício que convinha não revelar aos então companheiros de esquerda, por sinal hoje bandeados na sua quase totalidade para a comarca de onde vem papel, papel a sério, sendo que vários deles até deputam, ó meu Deus!

    Ler Mais
  • Humana forma de vidaOpen or Close

    «Eu não passei pela vida, a vida é que passou por mim», dizia. E assim, entre a sua estreia (aos 19 anos, no Retiro da Severa), e a sua última actuação pública, em 1994, Amália nunca deixou de se surpreender com o que a vida lhe deu. (...) Amália sobreviveu às transformações sociais e políticas do seu país, e quando deixou o mundo dos vivos, a 6 de Outubro de 1999, era já uma figura consensual. Pelos quatro cantos do mundo, por onde andou, a sua voz continua a fascinar, vencendo a morte. Porque é humana, como a sua história.

    Ler Mais
  • Um metro de vida bem medidoOpen or Close

    Podia começar por dizer-vos o óbvio: que não estou aqui hoje por outros méritos para lá do da amizade, o que poderia tornar suspeita a minha leitura deste «Um Metro de Vida». Mas se a amizade é longa – e, sobretudo, cheia de cumplicidades criadas nos percursos todos que já partilhámos – se a amizade é longa, dizia, então por maioria de razões tenho a obrigação de ser autêntico. O Nuno Gomes dos Santos escreve sobre pessoas vivas. Assim foi nos tempos do «Diário de Lisboa» e de «O Diário», do «Se7e» e do «Musicalíssimo», d’«A Capital» e d’«O Primeiro de Janeiro», jornais onde deixou marcas e uma parte importante da sua vida. Assim é nas canções que escreve e canta, e também nos livros que vem publicando desde há uma dúzia de anos.

    Apresentação de Um Metro de Vida, de Nuno Gomes dos Santos | 2004

    Ler Mais
  • Era uma vez uma NinaOpen or Close

    Era uma vez uma menina nascida num país que já não existe. A história de Nina Govedarica poderia começar assim, mas a sua biografia está bem longe de ser um conto de fadas. Os olhos dela já viram mais do que à generalidade dos humanos costuma ser concedido, e nem tudo o que viu foram coisas belas.
    Nascida em Zagreb no início dos anos 70 do século passado, Nina Govedarica licenciou-se em Engenharia, mas seria na pintura que encontraria o caminho e a razão de ser da sua vida.

    Do catálogo de Contos sobre a floresta, ..., de Nina Govedarica | 2011

    Ler Mais