Perompomperos e outros olés

rcs_aesp.jpg

Há um ano, uma centena de auto-intitulados «patriotas anti-espanhóis» manifestaram-se, no dia 1 de Dezembro, contra o iberismo, Miguel de Vasconcelos e a Volta a Espanha em Bicileta. «Antes morto que espanhol», apregoavam então os manifestantes, entre os quais se encontravam alguns africanos, presume-se que de língua oficial portuguesa.

Um ano passado sobre a solene manif patriótica e anti-castelhana, os portugueses não conseguiram mais do que promover uma greve aos serviços da Internet. Mais: uma greve que teve como alvo o serviço prestado pela Portugal Telecom, que os internautas lusitanos desejam mais barato e mais acessível aos cidadãos comuns.

É, naturalmente, estranho que, 358 anos após a derrocada dos Filipes (que governaram Portugal durante seis décadas), o nosso país não consiga outra forma de comemorar o 1º de Dezembro que não seja através  de uma greve informática.

Na verdade, é quase como se disséssemos: se a Telecom é portuguesa, eu quero ser da Telefónica espanhola. O que, como se compreenderá, não é propriamente o mais patriótico dos gritos.

Significa isto, então, que os patriotas já não são o que eram? Quererá isto dizer que os portugueses já não ligam peva às instituições que, como a Portugal Telecom, tanto se preocupam com o nosso bem estar colectivo?

Ou, pelo contrário, será tudo isto revelador de um tal avanço social e político – agora que, como ensinou Sousa Franco, somos todos utilizadores de telemóveis – que nos leva a esquecer as fronteiras ancestrais?

Não me admirava nada se a cimeira ibérica de Guterres e Aznar tivesse sido o elemento aglutinador desta imensa paz que subitamente se gerou entre portugueses e espanhóis.

Com um pouco de sorte, um dia destes temos o Pinochet a ser julgado em Madrid e nós, do lado de cá, a promover excursões só para lhe dizer na cara tudo aquilo que desde há 25 anos temos vontade de lhe chamar.

Às tantas, isto tudo é apenas um espírito natalício que, um tanto avant la lettre, vai tomando conta do nosso quotidiano. E, se assim for, ainda veremos Guterres vestido de Pai Natal e Aznar disfarçado de  rei mago, distribuindo presentes às criancinhas pobres. Em nome da Europa e do diálogo, naturalmente.

RCS | 2.Dez.1998

Mais sugestões de leitura

  • Macacos à solta nas ruas do mundoOpen or Close

    Quem os ouve pela primeira vez não pode deixar de sentir um estremecimento prazenteiro. É impossível catalogar estes sons, simultaneamente tão estranhos e tão familiares, que revolvem o nosso imaginário misturando as lembranças de filmes antigos, histórias e memórias, tradições e sentimentos. À semelhança das filarmónicas tradicionais, preenchem qualquer ambiente festivo onde se encontrem, mas tal como qualquer jazzband vão sempre mais além na execução da música que dão a ouvir.

    Nota introdutória ao CD Macacos das Ruas de Évora | 2002

    Ler Mais
  • Pipi de camarãoOpen or Close

    Mais de 15 toneladas de supostas moelas de galinha estão, desde a passada segunda-feira, retidas no porto de Leixões por suspeita de serem oriundas de Hong Kong, segundo noticiou ontem o Público.
    De acordo com a notícia, um total de 15 mil 447 quilos de miúdos de frango terão sido descarregados de um navio vindo de Roterdão e foram retidas pelas autoridades portuguesas por suspeita de estarem contaminados com o virus H5 N1, responsável pelo recente surto da chamada «gripe das aves» que provocou vários mortos em Hong Kong.
    Notícia posterior, divulgada ontem à tarde por algumas estações de rádio, revelava que, afinal, as moelas eram camarões e a sua origem era a Améria do Sul e não a antiga colónia britânica na China.

    TSF | 7.Jan.1998

    Ler Mais
  • As razões profundasOpen or Close

    0 triunfo da revolução cubana e a chegada apoteótica de Fidel Castro ao poder marcaram a viragem maior do destino da ilha, e tornaram-se símbolos da utopia mais apaixonada da segunda metade do século XX.
    Nesses dias, Havana foi uma festa.

    Ler Mais
  • A história incrível de Matías PerezOpen or Close

    Há 150 anos, um comerciante português a viver em Havana subiu aos céus num balão e (...) deu origem a uma expressão popular que ainda hoje se utiliza em Cuba: «Voou como Matías Pérez».

    O Independente | 2000

    Ler Mais