Perompomperos e outros olés

rcs_aesp.jpg

Há um ano, uma centena de auto-intitulados «patriotas anti-espanhóis» manifestaram-se, no dia 1 de Dezembro, contra o iberismo, Miguel de Vasconcelos e a Volta a Espanha em Bicileta. «Antes morto que espanhol», apregoavam então os manifestantes, entre os quais se encontravam alguns africanos, presume-se que de língua oficial portuguesa.

Um ano passado sobre a solene manif patriótica e anti-castelhana, os portugueses não conseguiram mais do que promover uma greve aos serviços da Internet. Mais: uma greve que teve como alvo o serviço prestado pela Portugal Telecom, que os internautas lusitanos desejam mais barato e mais acessível aos cidadãos comuns.

É, naturalmente, estranho que, 358 anos após a derrocada dos Filipes (que governaram Portugal durante seis décadas), o nosso país não consiga outra forma de comemorar o 1º de Dezembro que não seja através  de uma greve informática.

Na verdade, é quase como se disséssemos: se a Telecom é portuguesa, eu quero ser da Telefónica espanhola. O que, como se compreenderá, não é propriamente o mais patriótico dos gritos.

Significa isto, então, que os patriotas já não são o que eram? Quererá isto dizer que os portugueses já não ligam peva às instituições que, como a Portugal Telecom, tanto se preocupam com o nosso bem estar colectivo?

Ou, pelo contrário, será tudo isto revelador de um tal avanço social e político – agora que, como ensinou Sousa Franco, somos todos utilizadores de telemóveis – que nos leva a esquecer as fronteiras ancestrais?

Não me admirava nada se a cimeira ibérica de Guterres e Aznar tivesse sido o elemento aglutinador desta imensa paz que subitamente se gerou entre portugueses e espanhóis.

Com um pouco de sorte, um dia destes temos o Pinochet a ser julgado em Madrid e nós, do lado de cá, a promover excursões só para lhe dizer na cara tudo aquilo que desde há 25 anos temos vontade de lhe chamar.

Às tantas, isto tudo é apenas um espírito natalício que, um tanto avant la lettre, vai tomando conta do nosso quotidiano. E, se assim for, ainda veremos Guterres vestido de Pai Natal e Aznar disfarçado de  rei mago, distribuindo presentes às criancinhas pobres. Em nome da Europa e do diálogo, naturalmente.

RCS | 2.Dez.1998

Mais sugestões de leitura

  • Filhos da pideOpen or Close
    Que em Portugal se passam coisas estranhas, difíceis de entender por qualquer cidadão de inteligência média, não é novidade para ninguém.
    Mesmo assim, de vez em quando não consigo deixar de me surpreender com alguns dos insondáveis desígnios com que a Divina Providência ou alguém por ela nos brindou.
    Só no curto espaço de um século tivémos, entre outras curiosidades, um milagre de Fátima, um ditador que criava galinhas no quintal, um primeiro ministro que não lia jornais e até um Alberto João para quem a Madeira mais do que um jardim, é uma autêntica coutada.
    TSF | 18.Fev.1998
    Ler Mais
  • A vida em alta velocidadeOpen or Close

    O homem que agora se senta à minha frente está destinado a vencer a morte. Fala muito e em ritmo acelerado, mas nunca fala por falar. Os olhos não param quietos, mesmo quando se dirigem para nós. Pontua a conversa com gestos largos, próprios de quem sabe o que quer e tem pressa de o concretizar. A sua vida é um corrupio de cenas e emoções, poemas e paixões, amigos e bebedeiras. Olho-o e penso que poucos actores conseguem aguentar um ritmo de trabalho tão intenso como este Mário Viegas, mas menos ainda são capazes de que a essa intensidade corresponda uma tão grande dose de prazer.

    Ler Mais
  • Para que te serve a línguaOpen or Close

     

    A língua é um instrumento de prazer. Por vezes doce, por vezes amarga. Para usar e abusar. Para aceitar e para recusar. Para dizer. Para amar. Para mentir. Para lutar. Para viver.

    Ler Mais
  • O homem e as cidadesOpen or Close

    Era uma vez um homem que gostava de cidades. A biografia de Manuel Graça Dias, arquitecto nascido em Lisboa no ano de 1953, podia começar assim. E não apenas pelo livro que acabou de publicar, justamente intitulado O homem que gostava de cidades, onde reúne uma mão cheia de crónicas que fez para a TSF durante muitas dezenas de semanas.

    Status (Semanário Económico) | Out/Nov 2001

    Ler Mais