Perompomperos e outros olés

rcs_aesp.jpg

Há um ano, uma centena de auto-intitulados «patriotas anti-espanhóis» manifestaram-se, no dia 1 de Dezembro, contra o iberismo, Miguel de Vasconcelos e a Volta a Espanha em Bicileta. «Antes morto que espanhol», apregoavam então os manifestantes, entre os quais se encontravam alguns africanos, presume-se que de língua oficial portuguesa.

Um ano passado sobre a solene manif patriótica e anti-castelhana, os portugueses não conseguiram mais do que promover uma greve aos serviços da Internet. Mais: uma greve que teve como alvo o serviço prestado pela Portugal Telecom, que os internautas lusitanos desejam mais barato e mais acessível aos cidadãos comuns.

É, naturalmente, estranho que, 358 anos após a derrocada dos Filipes (que governaram Portugal durante seis décadas), o nosso país não consiga outra forma de comemorar o 1º de Dezembro que não seja através  de uma greve informática.

Na verdade, é quase como se disséssemos: se a Telecom é portuguesa, eu quero ser da Telefónica espanhola. O que, como se compreenderá, não é propriamente o mais patriótico dos gritos.

Significa isto, então, que os patriotas já não são o que eram? Quererá isto dizer que os portugueses já não ligam peva às instituições que, como a Portugal Telecom, tanto se preocupam com o nosso bem estar colectivo?

Ou, pelo contrário, será tudo isto revelador de um tal avanço social e político – agora que, como ensinou Sousa Franco, somos todos utilizadores de telemóveis – que nos leva a esquecer as fronteiras ancestrais?

Não me admirava nada se a cimeira ibérica de Guterres e Aznar tivesse sido o elemento aglutinador desta imensa paz que subitamente se gerou entre portugueses e espanhóis.

Com um pouco de sorte, um dia destes temos o Pinochet a ser julgado em Madrid e nós, do lado de cá, a promover excursões só para lhe dizer na cara tudo aquilo que desde há 25 anos temos vontade de lhe chamar.

Às tantas, isto tudo é apenas um espírito natalício que, um tanto avant la lettre, vai tomando conta do nosso quotidiano. E, se assim for, ainda veremos Guterres vestido de Pai Natal e Aznar disfarçado de  rei mago, distribuindo presentes às criancinhas pobres. Em nome da Europa e do diálogo, naturalmente.

RCS | 2.Dez.1998

Mais sugestões de leitura

  • Um sonho para cumprirOpen or Close

    Há pessoas assim: capazes de observar e transformar a realidade à medida das utopias e dos desejos, conhecedores profundos da natureza humana, das suas contradições e fragilidades.

    Américo Teles – In Memoriam
    Edição GAMI 1990

    Ler Mais
  • Crónica de uma morte antecipadaOpen or Close

    A vida é frequentemente injusta, sobretudo para aqueles que mais a amam. António Assunção era um desses, e nem o seu aparente mau feitio conseguia esconder esse grande gosto de viver que animou toda a sua existência. Homem e actor coerente com os princípios da justiça, liberdade e igualdade que tomou como seus desde muito novo, fez sempre questão de não ceder naquilo que considerava ser o essencial. Pagou por isso, claro. Com o ostracismo a que muitas vezes foi votado, apesar de ser unanimemente considerado no meio teatral como um dos seus praticantes mais talentosos. E, porque era de esquerda, convicta e assumidamente de esquerda, viu-se também alvo do desprezo dos vários poderes. Um desprezo, de resto, que de certa forma o divertia e que ele retribuía em dose reforçada.

    Grande Amadora | 28.Ago.1998

    Ler Mais
  • Vaticano, SAOpen or Close

    A Pepsi e a Mercedes são duas das 23 empresas que custearam a mais recente viagem do Papa ao continente americano. Não tanto por fé em Deus, mas no Mercado, omnipresente como Ele. A notícia surgiu timidamente, diluída nos relatos da mais recente visita papal ao México, com passagem pelos EUA, como se os redactores e os editores dos diversos órgãos de comunicação não levassem muito a sério o facto em si e decidissem reduzi­-lo a um simples pormenor. E, no entanto, este pormenor é que é verdadeiramente a notícia da visita de Karol Woytila ao México. Uma visita que (ficámos a sabê-lo pela Antena 1 e pelo Diário de Notícias, dos poucos que ousaram dar conta do sucedido) contou com "o patrocínio da Pepsi Cola, da Mercedes e de mais 23 empresas privadas". Assim mesmo.

    Grande Amadora | 28.Jan.1999

    Ler Mais
  • Uma esperança na escuridãoOpen or Close

    Há quem diga que é um prenúncio do fim do mundo, há quem pense que se trata de castigo divino, há quem ache que a culpa é da crise económica global. Não, não estou a falar do terramoto do Chile, nem dos massacres da Nigéria, nem da interminável guerra do Iraque, nem sequer dos sucessivos escândalos que ameaçam transformar Berlusconi no mais hilariante sucessor de Boris Yeltsin no anedotário europeu. Refiro-me antes a essa espécie de loucura branda que parece ter tomado conta do mundo e faz com que a humanidade aceite como naturais as mais incríveis aberrações sociais, políticas e económicas.

    Zoot | Primavera-Verão 2010

    Ler Mais