Perompomperos e outros olés

rcs_aesp.jpg

Há um ano, uma centena de auto-intitulados «patriotas anti-espanhóis» manifestaram-se, no dia 1 de Dezembro, contra o iberismo, Miguel de Vasconcelos e a Volta a Espanha em Bicileta. «Antes morto que espanhol», apregoavam então os manifestantes, entre os quais se encontravam alguns africanos, presume-se que de língua oficial portuguesa.

Um ano passado sobre a solene manif patriótica e anti-castelhana, os portugueses não conseguiram mais do que promover uma greve aos serviços da Internet. Mais: uma greve que teve como alvo o serviço prestado pela Portugal Telecom, que os internautas lusitanos desejam mais barato e mais acessível aos cidadãos comuns.

É, naturalmente, estranho que, 358 anos após a derrocada dos Filipes (que governaram Portugal durante seis décadas), o nosso país não consiga outra forma de comemorar o 1º de Dezembro que não seja através  de uma greve informática.

Na verdade, é quase como se disséssemos: se a Telecom é portuguesa, eu quero ser da Telefónica espanhola. O que, como se compreenderá, não é propriamente o mais patriótico dos gritos.

Significa isto, então, que os patriotas já não são o que eram? Quererá isto dizer que os portugueses já não ligam peva às instituições que, como a Portugal Telecom, tanto se preocupam com o nosso bem estar colectivo?

Ou, pelo contrário, será tudo isto revelador de um tal avanço social e político – agora que, como ensinou Sousa Franco, somos todos utilizadores de telemóveis – que nos leva a esquecer as fronteiras ancestrais?

Não me admirava nada se a cimeira ibérica de Guterres e Aznar tivesse sido o elemento aglutinador desta imensa paz que subitamente se gerou entre portugueses e espanhóis.

Com um pouco de sorte, um dia destes temos o Pinochet a ser julgado em Madrid e nós, do lado de cá, a promover excursões só para lhe dizer na cara tudo aquilo que desde há 25 anos temos vontade de lhe chamar.

Às tantas, isto tudo é apenas um espírito natalício que, um tanto avant la lettre, vai tomando conta do nosso quotidiano. E, se assim for, ainda veremos Guterres vestido de Pai Natal e Aznar disfarçado de  rei mago, distribuindo presentes às criancinhas pobres. Em nome da Europa e do diálogo, naturalmente.

RCS | 2.Dez.1998

Mais sugestões de leitura

  • Eleições, mentiras e algum vídeoOpen or Close

    O putativo futuro primeiro-ministro, Santana Lopes, foi à Televisão defender a evolução na continuidade que seria a sua nomeação, se o PR seguisse os conselhos do PSD e do CDS e não convocasse eleições antecipadas. Diz Lopes que Sampaio deve deixar governar a maioria parlamentar, nomeando-o para o cargo deixado vago por Durão Barroso. E apresenta como razão maior o facto de também Sampaio ter desistido a meio do mandato de presidente da Câmara de Lisboa, sem que tal obrigasse a novas eleições.

    Para Consumo da Causa | 7.Jul.2004

    Ler Mais
  • Fernando RelvasOpen or Close

    Vai, de certeza, implicar comigo porque lhe chamei «autor de banda desenhada», e se calhar tem razão. Porque a arte de Relvas não se limita às histórias aos quadradinhos que durante anos iluminaram algumas páginas da imprensa portuguesa. Mas ainda não se leva a sério o suficiente para se julgar pintor – e faz mal, porque é isso que realmente é. Pronto, digamos então artista plástico. Mas nunca de plástico. Fernando Relvas é também, ou sobretudo, um contador de histórias. Com meia dúzia de traços consegue fazer-nos viajar pelas rotas das caravelas ou pelos subúrbios da grande cidade, sempre com um humor acidulado onde se cruzam ora um hiper-realismo estonteante, ora uma forte carga erótica, ora ainda a mais pura crónica de actualidades.

    Ler Mais
  • Terrorismo de faca e garfoOpen or Close
    O ataque terrorista de que foi alvo o ministro António Costa, há menos de oito dias, passou à margem das grandes discussões políticas que marcaram a última semana. Entretidos a distribuir referendos como se dessem milho aos pombos, o Conselho de Ministros, a Assembleia da República e restantes forças mais ou menos vivas do país não ligaram nenhuma ao sucedido durante a visita de António Costa a Guimarães, onde o ministro dos Assuntos Parlamentares foi agredido com uma posta de bacalhau demolhado – a provar aos mais incrédulos que Portugal não é um lugar invulnerável à prática desta nova espécie de terrorismo de rosto humano.
    TSF | 11.Fev.1998
    Ler Mais
  • Zeca de corpo e almaOpen or Close

    Tenho para mim que o mais difícil de cada vez que alguém pretende fazer novas versões de temas antigos – sobretudo de canções tão marcantes como são, por regra, todas os de Zeca – é que não basta ser fiel à forma e ao conteúdo dos originais, mas é sobretudo importante manter intacto o seu espírito. Porque cada canção tem uma alma própria, que é preciso respeitar e manter intacta, por maiores que sejam as transformações, legítimas, que o corpo possa sofrer. E é isso que se sente neste disco ..

    Introdução ao CD Abril, de Cristina Branco | 2007

    Ler Mais