Polícia de rosto humano

A Associação Profissional da Polícia revelou na semana passada que dez por cento dos mais de 20 mil agentes da PSP estão a ser alvo de processos disciplinares. Significa isto que um em cada dez agentes da autoridade não cumpre as leis de que, por definição, deveriam ser os guardiões.

Não se pense, no entanto, que os 2100 cívicos a quem foram instaurados processos são agentes menos válidos ou que, lá porque estão a braços com os regulamentos internos da instituição policial, se tenham tornado delinquentes comuns.

Provavelmente, as razões que levam um polícia a prevaricar são até muito simples: confunde-se o amador com a coisa  amada – ou, para sermos mais rigorosos, mistura-se o prevaricador com a coisa prevaricada. E o resultado é o que se vê: instados a aproximar-se do povo, os nossos agentes vão-se humanizando cada vez mais.

Humanizam-se tanto, que até já actuam como as pessoas normais. E por isso não resistem, de vez em quando, a pisar o risco que separa o que é legal do que é ilegal, como é próprio de qualquer cidadão que se preze.

Mas há mais: segundo o mesmo relatório da Associação Profissional da Polícia, as agressões de civis aos agentes da autoridade têm vindo a aumentar e, só nos primeiros cinco meses deste ano, registaram-se 184 casos.

Provavelmente, este é ainda um reflexo da célebre manifestação dos “secos e molhados” que, há alguns anos, animou o Terreiro do Paço: quando polícias batem em polícias, o cidadão comum sente-se, naturalmente, no direito de fazer rigorosamente o mesmo.

Não se pense, no entanto, que isto significa um menor respeito por parte do nosso povo perante os homens da farda. Pelo contrário, tudo não passa de mais uma prova do estado de simbiose entre polícias e não polícias que se vive no nosso país.

Por este andar, um destes dias será mesmo muito difícil distinguir um polícia comum de um cidadão banal. E então, sim, poderemos finalmente estar certos de ter “em cada esquina um amigo”...

RCS | 6.Out.1998

Mais sugestões de leitura

  • Alípio ou O milagre da vidaOpen or Close

    Alípio Cristiano de Freitas era um homem vulgar que se entregou ao destino invulgar de proclamar a fé em Deus como inseparável da fé nos homens. Que são deuses, também, assim o queiram – mas poucos se atrevem. Alípio atreveu-se. Viveu, sentiu, sofreu e sonhou em grau superlativo, esteve nos lugares onde era preciso sempre que era preciso, e nos outros também. Não consta que se tenha arrependido.

    Palavras de Amigos para Alípio de Freitas
    Edições Pangeia, 2017

    Ler Mais
  • Tanto caminho andado...Open or Close

    Polémico, por vezes contraditório, mas sempre corajoso e firme nas suas opções, José Carlos Ary dos Santos deixou um espólio de muitas centenas de canções que fizeram um pouco de história na música portuguesa.

    Se7e | 25.Jan.1984

    Ler Mais
  • Zeca de corpo e almaOpen or Close

    Tenho para mim que o mais difícil de cada vez que alguém pretende fazer novas versões de temas antigos – sobretudo de canções tão marcantes como são, por regra, todas os de Zeca – é que não basta ser fiel à forma e ao conteúdo dos originais, mas é sobretudo importante manter intacto o seu espírito. Porque cada canção tem uma alma própria, que é preciso respeitar e manter intacta, por maiores que sejam as transformações, legítimas, que o corpo possa sofrer. E é isso que se sente neste disco ..

    Introdução ao CD Abril, de Cristina Branco | 2007

    Ler Mais
  • Um homem de carácterOpen or Close
    José Vilhena, o mais importante humorista português contemporâneo, fez recentemente 85 anos. Mas, com excepção da meia dúzia de amigos e admiradores que estiveram presentes numa pequena homenagem organizada em Lisboa pelo Museu da República e Resistência, quase ninguém se deu conta da efeméride.
    Jornal do Fundão | 19.Jul.2012
    Ler Mais