Polícia de rosto humano

A Associação Profissional da Polícia revelou na semana passada que dez por cento dos mais de 20 mil agentes da PSP estão a ser alvo de processos disciplinares. Significa isto que um em cada dez agentes da autoridade não cumpre as leis de que, por definição, deveriam ser os guardiões.

Não se pense, no entanto, que os 2100 cívicos a quem foram instaurados processos são agentes menos válidos ou que, lá porque estão a braços com os regulamentos internos da instituição policial, se tenham tornado delinquentes comuns.

Provavelmente, as razões que levam um polícia a prevaricar são até muito simples: confunde-se o amador com a coisa  amada – ou, para sermos mais rigorosos, mistura-se o prevaricador com a coisa prevaricada. E o resultado é o que se vê: instados a aproximar-se do povo, os nossos agentes vão-se humanizando cada vez mais.

Humanizam-se tanto, que até já actuam como as pessoas normais. E por isso não resistem, de vez em quando, a pisar o risco que separa o que é legal do que é ilegal, como é próprio de qualquer cidadão que se preze.

Mas há mais: segundo o mesmo relatório da Associação Profissional da Polícia, as agressões de civis aos agentes da autoridade têm vindo a aumentar e, só nos primeiros cinco meses deste ano, registaram-se 184 casos.

Provavelmente, este é ainda um reflexo da célebre manifestação dos “secos e molhados” que, há alguns anos, animou o Terreiro do Paço: quando polícias batem em polícias, o cidadão comum sente-se, naturalmente, no direito de fazer rigorosamente o mesmo.

Não se pense, no entanto, que isto significa um menor respeito por parte do nosso povo perante os homens da farda. Pelo contrário, tudo não passa de mais uma prova do estado de simbiose entre polícias e não polícias que se vive no nosso país.

Por este andar, um destes dias será mesmo muito difícil distinguir um polícia comum de um cidadão banal. E então, sim, poderemos finalmente estar certos de ter “em cada esquina um amigo”...

RCS | 6.Out.1998

Mais sugestões de leitura

  • Outras paisagensOpen or Close

    Os elefantes
    escolhem sempre o lugar da morte
    disse o pescador antigo
    de olhos postos no mar sem fim.
    O pescador nunca viu elefantes
    nem leões
    nem pássaros da Amazónia
    mas sabe como é.
    Como nós
    em mil novecentos e setenta e cinco
    a forçar de vez as garras
    do desespero.

    Ler Mais
  • Cantar ao SulOpen or Close

    Com a tranquilidade que sempre o caracterizou, Janita Salomé não desiste de levar por diante a sua música, feita de muitas memórias antigas misturadas com novas sensações. Na certeza de que "existe uma linguagem própria, nossa, e essa é que é necessário procurar, preservar e recriar". Por uma questão de identidade, contra a estética totalizante do hamburguer. Porque, como se percebe ao longo desta conversa, a música é como os vinhos: os mais divulgados e mais consumidos não são necessariamente os melhores.

    MPP | Set. 2001

    Ler Mais
  • A razão de ser de um livroOpen or Close

    Ao longo destas páginas reuni apontamentos, entrevistas e histórias, umas mais pessoais do que outras, procurando, através da junção desses episódios, retratar com a fidelidade possível Ernesto Che Guevara, o homem, e a realidade que criou, de modo a entender os contornos da sua utopia e da forma como lutou por ela, até à morte. (...) Para traçar o perfil de Guevara para além do mito consultei testemunhos antigos, confrontei-os com outros mais recentes, auxiliei-me de fontes oficiais e não oficiais, em Cuba e fora dela. (...) Que os leitores possam sentir-se minimamente compensados e talvez, perdoe-se-me a veleidade, um pouco mais informados com esta leitura, é quanto me basta. O resto será determinado, como sempre, pelas circunstâncias da História. E essas, dizem-nos os factos, passam sempre pela vontade de cada homem que cria a vontade de todos os homens. Sobretudo aqueles que acreditam no valor da tal dignidade que foi sempre tão cara ao comandante guerrilheiro Ernesto Guevara de la Serna, para sempre e por todos chamado O Che.

    Ler Mais
  • O homem que aprendeu a voarOpen or Close

    Um dos sítios mais bonitos do meu mundo fica nas Astúrias, numa aldeia de Villaviciosa, a norte da Cordilheira Cantárbica, aonde se chega atravessando longos quilómetros de túneis e de névoa. Perdida entre as montanhas e o mar, que não se vê dali mas está perto, Labares é um pedaço escondido do paraíso, deixado intacto pelo Criador para lembrar aos homens que é possível viver em harmonia. (...) Estamos com José Luis Posada, cubano nascido nas Astúrias, lutador lendário, pintor em plena actividade e homem de muitas memórias que reencontrei em Labares. Foi aqui, numa antiga escola primária, com vista para uma paisagem de montes e de silêncios, que Posada construiu o seu lugar de recolhimento do mundo, após 70 anos de andanças e de sonhos. Em Labares guarda as suas lembranças originais, sem rancor mas com nitidez. Muita da sua pintura regista as imagens e as sombras da guerra civil, metade da aldeia fuzilada pelas tropas franquistas

    Tempo Livre | Maio 2002

    Ler Mais