Polícia de rosto humano

A Associação Profissional da Polícia revelou na semana passada que dez por cento dos mais de 20 mil agentes da PSP estão a ser alvo de processos disciplinares. Significa isto que um em cada dez agentes da autoridade não cumpre as leis de que, por definição, deveriam ser os guardiões.

Não se pense, no entanto, que os 2100 cívicos a quem foram instaurados processos são agentes menos válidos ou que, lá porque estão a braços com os regulamentos internos da instituição policial, se tenham tornado delinquentes comuns.

Provavelmente, as razões que levam um polícia a prevaricar são até muito simples: confunde-se o amador com a coisa  amada – ou, para sermos mais rigorosos, mistura-se o prevaricador com a coisa prevaricada. E o resultado é o que se vê: instados a aproximar-se do povo, os nossos agentes vão-se humanizando cada vez mais.

Humanizam-se tanto, que até já actuam como as pessoas normais. E por isso não resistem, de vez em quando, a pisar o risco que separa o que é legal do que é ilegal, como é próprio de qualquer cidadão que se preze.

Mas há mais: segundo o mesmo relatório da Associação Profissional da Polícia, as agressões de civis aos agentes da autoridade têm vindo a aumentar e, só nos primeiros cinco meses deste ano, registaram-se 184 casos.

Provavelmente, este é ainda um reflexo da célebre manifestação dos “secos e molhados” que, há alguns anos, animou o Terreiro do Paço: quando polícias batem em polícias, o cidadão comum sente-se, naturalmente, no direito de fazer rigorosamente o mesmo.

Não se pense, no entanto, que isto significa um menor respeito por parte do nosso povo perante os homens da farda. Pelo contrário, tudo não passa de mais uma prova do estado de simbiose entre polícias e não polícias que se vive no nosso país.

Por este andar, um destes dias será mesmo muito difícil distinguir um polícia comum de um cidadão banal. E então, sim, poderemos finalmente estar certos de ter “em cada esquina um amigo”...

RCS | 6.Out.1998

Mais sugestões de leitura

  • Chávez: alguns factosOpen or Close

    “Fez algumas coisas boas, mas destruiu a economia”. É este o tom de alguns comentários que podem ler-se um pouco por toda a parte a propósito do falecimento de Hugo Chávez. Como não gosto de falar de cór e guardo comigo algumas manias de velho repórter relativamente ao rigor informativo, sirvo-me da edição online do Expresso de hoje apenas para dar conta de alguns dados concretos sobre os 15 anos de “chavismo”.

    Ler Mais
  • A princesa das ilhasOpen or Close

    A música de um lugar reflecte sempre as características do povo que nele habita, e talvez por isso as toadas açorianas tenham por regra um toque de nostalgia muito próprio das ilhas, misturado com a força de quem se habituou desde sempre a conviver de um modo singular com as forças da natureza. (...) É essa essência que Helena persegue e alcança neste disco. À voz clara da cantora acresce a riqueza dos arranjos, vocais e instrumentais, a excelência da execução musical, o rigor da produção – a cargo de um músico sobre quem a proximidade familiar me impede de tecer grandes considerações, de resto desnecessárias: o trabalho está aí para que cada um possa avaliar. Basta saber ouvir.

    Introdução ao CD EssênciasAcores, de Helena Oliveira | 2011

    Ler Mais
  • Alípio ou O milagre da vidaOpen or Close

    Alípio Cristiano de Freitas era um homem vulgar que se entregou ao destino invulgar de proclamar a fé em Deus como inseparável da fé nos homens. Que são deuses, também, assim o queiram – mas poucos se atrevem. Alípio atreveu-se. Viveu, sentiu, sofreu e sonhou em grau superlativo, esteve nos lugares onde era preciso sempre que era preciso, e nos outros também. Não consta que se tenha arrependido.

    Palavras de Amigos para Alípio de Freitas
    Edições Pangeia, 2017

    Ler Mais
  • Elogio da inocênciaOpen or Close

    Naquele tempo éramos todos imortais. Havia mais mundos para lá do mundo que nos era dado conhecer e onde nos era permitido viver. E nós sabíamos. Era o tempo das coisas inevitáveis, como a realidade imaginada, a noite a descobrir, o sonho, a urgência das coisas para viver. E nós vivíamos. E inventávamos sons e momentos, da mesma forma rigorosa e apaixonada com que fazíamos crescer os silêncios até o seu clamor invadir tudo. Foi nesse tempo e dessa forma que o Geraldo se tornou meu irmão. Ele era imortal, como eu, e os imortais sabem sempre reconhecer os da sua laia.

    Prefácio a Cravos com Espinhos, de Geraldo Alves | 2003

    Ler Mais