Polícia de rosto humano

A Associação Profissional da Polícia revelou na semana passada que dez por cento dos mais de 20 mil agentes da PSP estão a ser alvo de processos disciplinares. Significa isto que um em cada dez agentes da autoridade não cumpre as leis de que, por definição, deveriam ser os guardiões.

Não se pense, no entanto, que os 2100 cívicos a quem foram instaurados processos são agentes menos válidos ou que, lá porque estão a braços com os regulamentos internos da instituição policial, se tenham tornado delinquentes comuns.

Provavelmente, as razões que levam um polícia a prevaricar são até muito simples: confunde-se o amador com a coisa  amada – ou, para sermos mais rigorosos, mistura-se o prevaricador com a coisa prevaricada. E o resultado é o que se vê: instados a aproximar-se do povo, os nossos agentes vão-se humanizando cada vez mais.

Humanizam-se tanto, que até já actuam como as pessoas normais. E por isso não resistem, de vez em quando, a pisar o risco que separa o que é legal do que é ilegal, como é próprio de qualquer cidadão que se preze.

Mas há mais: segundo o mesmo relatório da Associação Profissional da Polícia, as agressões de civis aos agentes da autoridade têm vindo a aumentar e, só nos primeiros cinco meses deste ano, registaram-se 184 casos.

Provavelmente, este é ainda um reflexo da célebre manifestação dos “secos e molhados” que, há alguns anos, animou o Terreiro do Paço: quando polícias batem em polícias, o cidadão comum sente-se, naturalmente, no direito de fazer rigorosamente o mesmo.

Não se pense, no entanto, que isto significa um menor respeito por parte do nosso povo perante os homens da farda. Pelo contrário, tudo não passa de mais uma prova do estado de simbiose entre polícias e não polícias que se vive no nosso país.

Por este andar, um destes dias será mesmo muito difícil distinguir um polícia comum de um cidadão banal. E então, sim, poderemos finalmente estar certos de ter “em cada esquina um amigo”...

RCS | 6.Out.1998

Mais sugestões de leitura

  • A quinta dimensãoOpen or Close

    Era o mês de Outubro, em Lisboa e no resto do mundo. Nessa manhã de pouco sol, Aristides acordou com vaga sensação de que a Terra inteira estava a enlouquecer à sua volta.

    Se7e | 1988

    Ler Mais
  • O fim do mundoOpen or Close
    Infelizmente, ainda não foi desta. Apesar de anunciado com algumas centenas de anos de antecedência, o fim do mundo que muitos esperavam voltou a ser adiado. Pelos vistos, os maias são como a Maya e o sinistro Gaspar: não acertam uma. E como eu gostava que o mundo tivesse acabado. Não propriamente o meu, nem o dos caríssimos leitores, mas este mundo imundo de coelhos e relvas e cavacos e portas e borges e merkls e troikas, de todas as adultas e descompassadas bestas que tresmalham as nossas vidas e assassinam os nossos sonhos.
    Jornal do Fundão | 27.Dez.2012
    Ler Mais
  • Uma bibliografia da MPPOpen or Close

    Opúsculo editado em 2001 por iniciativa da organização do Festival de Música Popular Portuguesa da Amadora. A bibliografia seleccionada e as fichas de leitura apresentadas não pretendem ser uma selecção exaustiva, mas sim um conjunto de referências que permitam compreender a música popular Portuguesa, no seu sentido Tradicional e Contemporâneo.

    Música Popular Portuguesa: Uma bibliografia
    CMA 2001

    Ler Mais
  • Viva quem cantaOpen or Close

    Não venho aqui para vos dizer que Pedro Barroso é o melhor cantor do mundo. Não venho falar de festivais ou de cantigas populares que certos divulgadores rádio-afónicos transformaram em produtos de consumo. Não venho sequer como mestre de cerimónias incumbido de apresentar um acto de variedades levado à cena num palco de ilusões.

    Introdução ao LP Do Lado de Cá de Mim de Pedro Barroso | 1983

    Ler Mais