Tentações assepticamente correctas

fidelporto2_400.jpg

A lógica do «politicamente correcto» torna-se cada vez mais sinónimo daquilo a que já se chama o «pensamento único». Na prática, trata-se de um filho bastardo do fim da guerra fria ou, se quisermos ser mais rigorosos, é uma submissão descarada à «nova ordem» que o neo-liberalismo dominante pretende impôr ao mundo.

O mais grave de tudo é que esta lógica de enquadramento político dito «normal» parece cada vez mais condenada a alastrar pelas consciências e a tomar conta dos sentimentos e, até, das convicções de cada um.

Exemplo disso foi o muito que se escreveu a propósito da visita de Fidel Castro a Portugal, por ocasião da Cimeira Ibero Americana que decorreu no Porto há um par de semanas. A detenção, em Londres, na mesma altura, do antigo ditador chileno Augusto Pinochet foi mesmo pretexto, então, para o estabelecimento de comparações com o presidente cubano.

Porque, segundo o pensamento neo-liberal, não haveria grandes diferenças entre Fidel e Pinochet. Ambos correspondem, para os cultores da lógica politicamente correcta, ao perfil dos ditadores – e, ao que parece, ninguém está grandemente interessado em encontrar as diferenças que possam existir entre um general latino-fascista que promoveu um sangrento golpe de estado no Chile para assegurar a continuidade do domínio económico norte-americano sobre o seu país, e o antigo barbudo da Sierra Maestra que dirigiu uma luta guerrilheira para livrar Cuba desse mesmo domínio.

O mais grave, porém, é quando a estrutura do pensamento único começa a alastrar, mesmo junto daqueles que, pela sua idoneidade, deveriam estar a salvo destas tentações.

Foi o que aconteceu no artigo de João Carreira Bom, publicado no Diário de Notícias do último domingo. A propósito da humilhação pública de Pinochet em Inglaterra, Carreira Bom escreve uma crónica deliciosamente irónica, em que começa por dizer que «se Pinochet tivesse dotado o Chile de bons hospitais, nunca teria sofrido as agruras do cárcere», para logo de seguida acrescentar que «quando alguém de um país pobre se desloca a um país rico para uma operação cirurgica, desclassifica os médicos, os hospitais e o sistema de saúde do país onde vive».

E vai por aí o artigo, esclarecendo que tudo isto acontece porque «o Chile de Pinochet se distinguiu mais a matar do que a salvar vidas».

Mas, quase mesmo no final, nem Carreira Bom resistiu a alinhar pela bitola dos politicamente correctos. Diz ele que «os ex-estadistas têm de aprender a lição, chamem-se eles Fidel Castro ou representem o capitalismo liberal».

Uma vez mais, a lógica da comparação entre Pinochet e Fidel Castro volta a marcar o tom do discurso. E, como diria o diácono Remédios, nem sequer havia necessidade: é que, pelo menos esse risco o dirigente cubano não corre – o sistema de saúde é mesmo uma das coisas de que o seu país mais se pode orgulhar.

RCS | 8.Nov.1998

Mais sugestões de leitura

  • A voz do desassossegoOpen or Close

    «Águas das fontes calai / ó ribeiras chorai / que eu não volto a cantar…» Por um instante, a voz de Zeca estremece e emociona a plateia, onde muitos não conseguem conter as lágrimas perante a crueza premonitória deste verso, aquele que ainda hoje em primeiro lugar me ocorre de cada vez que penso nessa noite mágica de 29 de Janeiro de 1983. Raras vezes um tema musical terá sido tão perturbador para um auditório como o foi essa Balada de Outono cantada por José Afonso no palco do Coliseu dos Recreios. Nenhum de nós o dizia, mas todos sabíamos que aquela era, com certeza, a última vez que o teríamos ali connosco, a cantar como só ele as coisas que mais ninguém sabia fazer assim.

    Introdução ao DVD Ao Vivo no Coliseu, de José Afonso | 2010

    Ler Mais
  • Alberto PimentaOpen or Close

    Nasceu no Porto, viveu na Alemanha e está em Lisboa. Em 1977 deu-se em exposição numa jaula da aldeia dos macacos no Jardim Zoológico de Lisboa. Catorze anos depois colocou-se à venda, no Chiado, por conta de uma «divisão de recursos humanos do Estado». E catorze dias mais tarde fez um auto-de-fé de O Silêncio dos Poetas na Feira do Livro de Lisboa. De todos os seus livros, esse é aquele que os intelectuais dominantes mais levam a sério, e fazem mal. Deveriam ler também Labirintodonte, Os Entes e os Contraentes, Ascensão de Dez Gostos à Boca, Discurso Sobre o Filho-da-Puta, Terno Feminino, A Visita do Papa, Deusas Ex-Machina. E os outros, todos, que publica com a regularidade possível desde 1970.

    Ler Mais
  • Uma vida aos quadradinhosOpen or Close

    Publicou a primeira história em quadradinhos com 14 anos, mas começou a fazer fanzines aos oito. Simples na forma de estar, mas rigoroso até à exaustão de pormenor no trabalho que executa, é assim que encontramos José Ruy, «um duplo amador» que bem pode dizer-se em actividade há seis décadas e uma das poucas unanimidades da banda desenhada lusitana.

    Grande Amadora | 1999

    Ler Mais
  • Amor sem palavrasOpen or Close

    (...) quando se converte num mito um homem que foi justo, honesto, valente, está-se a separá-lo das pessoas. E o meu pai era um homem, de carne e osso, com virtudes e defeitos como toda a gente. Era um homem muito completo, talvez um homem único, mas como homem que era pode ser imitado, pode ser igualado e pode ser superado. É difícil fazê-lo, reconheço, em algumas coisas será praticamente impossível. Mas, como é tão humano como eu, está ao meu nível e eu posso fazê-lo se a isso me propuser. Se se converte simplesmente em algo para adorar, já se afasta dos homens por quem ele viveu e morreu. E isso eu gostava que nunca acontecesse.

    Ler Mais