História biodegradável

hersa3.jpg

Por duas vezes no curto espaço de uma semana, o cidadão José Hermano Saraiva, ex-professor de liceu, ex-ministro de Salazar e actual animador televisivo para assuntos históricos, teve a oportunidade de exprimir, em entrevistas, à RTP e ao Público, o seu pensamento sobre o regime que vigorou em Portugal até 25 de Abril de 1974.

Trata-se de um pensamento profundo, já se vê, que o professor ambicionou sempre a ser O Professor. Conhece-se o cismado rigor com que jura pela alma dos que já lá tem que Camões pisou aquelas pedrinhas da gruta de Macau. E, se lhe perguntarem, será mesmo capaz de apontar o lugar exacto onde D. Afonso Henriques foi apanhado pela própria mãe em atitudes indignas de um rei medieval, numa exacta esquina de Ourique que Saraiva saberá identificar com precisão.

Candidamente, com o facies draquilino que ostenta nos seus programas e o mesmo ar sabedor de quem tem todas as certezas na ponta das mãos em bico, o professor lá foi ao programa de Herman José para sugerir «uma leitura desapaixonada» de Salazar, «um homem do seu tempo» que «fez muitas coisas boas».

Dias depois, no domingo, foi a vez de, em entrevista a Ana Sousa Dias, no Público, garantir que «Salazar era antifascista», razão que, supõe-se, o terá motivado para «ajudar o Franco a ganhar a Guerra Civil de Espanha». É sempre comovente assistir assim a um gesto de ternura de um ex-empregado para com um ex-patrão, mesmo morto.

Já há alguns meses, pela pena que todos queremos crer insuspeita de Fernando Dacosta, tínhamos ficado a saber que o velho ditador gostava que lhe contassem a história do «Música no Coração» e que, qual um terno avô, «morreu esvaído em ternura». Agora, o professor revela-nos que era também um antifascista! São muitas emoções para um homem só.

Mas Saraiva disse mais. Disse que «os da Oposição que não eram comunistas nunca foram presos». Acrescentou que «podem ter sido até demitidos, mas prisão era para o Partido Comunista». O que, rematou, «naqueles anos era lógico» porque, como nos elucidou o professor, «o Partido Comunista era proibido em todo o mundo».
De resto, ele, o professor, até «era contra aquele regime, achava que devia haver liberdade» e assinou «as listas da oposição, que diziam que as eleições deviam ser fiscalizadas». Certamente para o recompensar, Salazar fez dele ministro.

No poder, certamente que o professor se teria apercebido do que se passava no país. Mas nunca viu «directamente esses fantasmas de terror de que agora falam». Repressão? Sim, havia a Pide, o Tarrafal, Caxias, o Aljube. Ainda que em Portugal «a repressão fosse incomparavelmente mais humana».

Uma questão menor, como se compreende. Tal como a questão da liberdade de imprensa: «Nunca ninguém foi preso por causa disso», esclareceu. Era, aliás, por essa razão que havia a Censura, para evitar que alguém escrevesse algo suceptível de o levar a ser preso. No fundo, no fundo, era tudo para nosso bem.

O problema é que, afinal, somos todos uns ingratos. Como ingratos foram os professores do seu tempo de ministro (porque «quem faz o ensino são os professores e o facto de um ministro ter ideias progressistas não faz com que os professores as tomem», diz o venerando cidadão) e os alunos de todos os tempos e, certamente, esses capitães que fizeram o 25 de Abril, graças ao qual o professor continuará a alegrar o nosso quotidiano com as suas histórias de lobos bons e capuchinhos vermelhos que comem avozinhas à hora do lanche.

Por este andar, ainda veremos o venerando mestre-escola a fazer propaganda ao Tide ou à lixívia Neoblanc. Porque se houvesse uma técnica para branquear roupa tão eficaz como o método saraiva para tirar nódoas da História, andávamos todos muito mais limpinhos. E então, sim, o professor poderia garantir, sem receio de errar que «branco mais branco não há».

Emitido no Rádio Clube de Sintra e publicado no Grande Amadora | 25.Fev.1999

Mais sugestões de leitura

  • Factura expostaOpen or Close

    Quisera que tudo fosse sempre deste modo
    e a revolução se fizesse
    um pouco mais que um sonho
    a despertar nos teus olhos livres.

    Ler Mais
  • O general casernícolaOpen or Close

    O candidato da coligação PSD-PP à Câmara Municipal do Porto, general Carlos Azeredo, está a revelar-se uma autêntica caixa de surpresas. Num país tão carecido de ideias, ele corre o risco de se tornar o estratego-mor da extrema-direita mais boçal e troglodita, órfã de pai e mãe desde que o professor Salazar entregou as botas ao Criador.
    Primeiro foi o célebre artigo sobre o «ouro nazi», onde este militante da ordem unida se desdobrava em considerações sobre o carácter naturalmente agiota dos judeus – o qual, está-se mesmo a ver, esteve na origem do Holocausto. Entre aspas, na versão branqueadora de Azeredo.
    Ao que parece, o estado-maior do PSD não viu nisto nada de mais, o que se compreende: afinal, Hitler limitou-se a exterminar seis milhões de judeus, uma insignificância. Se a «solução final» tivesse sido concluída (ou seja, se em vez de apenas seis milhões, tivessem morrido todos) não haveria hoje ninguém para reclamar a verdade sobre o ouro roubado, o que seria um descanso para os anti-semitas em geral e para Carlos Azeredo em particular.

    TSF | 29.Out.1997

    Ler Mais
  • O novo fôlego do grupo que nunca o foiOpen or Close

    Há 40 anos nascia um dos projectos mais originais de sempre da música portuguesa: a Banda do Casaco, um grupo incatalogável que se transmudava em cada um dos sete discos que gravou e que deixou um contributo único e irrepetível na música portuguesa. A obra completa está finalmente reunida, numa edição muito apetecível.

    QI | Diário de Notícias | 30.Nov.2013

    Ler Mais
  • O fumo e o fogoOpen or Close

    Acabo de ler esta história, e apetece-me acender um cigarro. Não é politicamente correcto dizê-lo, e menos ainda fazê-lo: o higienismo e a lei, ou vice-versa, dizem que fumar mata. Claro que a vida também mata, e em meio século de existência ainda não conheci ninguém que lhe conseguisse sobreviver. Mas isso não é preocupação dos legisladores, empenhados que estão em conseguir que morramos todos cheios de saúde.
    Pouco importa. Este aparente desacerto da prosa vem a propósito de mais uma ficção que Nuno Gomes dos Santos agora dá a conhecer em forma de livro.

    Prefácio a Reserva de Fumo, de Nuno Gomes dos Santos | 2009

    Ler Mais