A solução final

tsf6.jpg

«Enxertos da cabeça de macacos no corpo de outros macacos, realizadas com êxito numa universidade norte-americana, poderão um dia dar origem a uma espécie de transplantações de corpo inteiro em seres humanos.» A notícia, que acabei de transcrever ipsis-verbis, foi manchete no «Público» de anteontem e está a causar uma compreensível agitação entre os cientistas de todo o mundo. A partir de agora, pelo menos em teoria, passa a ser possível que alguém, sofrendo de uma doença incurável mas que tenha o cérebro em bom estado, receba o corpo de uma pessoa em situação de morte cerebral.

É aquilo a que os médicos chamam o «transplante radical» ou «transplante de corpo inteiro» e que, a ser um dia aplicado em seres humanos, permitirá a um cidadão - ou, melhor dizendo, à sua massa cinzenta - viver muito para lá dos limites actuais.

Ao contrário do que possa pensar-se, nenhum elemento da GNR de Sacavém pertence ao grupo de cientistas envolvidos nesta investigação. De resto, todos eles – os cientistas claro – se mostraram até ao momento muito interessados em não perder a cabeça com o bom sucesso das experiências já realizadas.

Dirão os mais pessimistas que esta técnica irá fatalmente dar origem a novos frankensteins, criaturas de um nada admirável mundo novo.

Mas a verdade é que, uma vez resolvido o problema de se saber quem é quem após a operação, o «transplante radical» poderá ter resultados muito interessantes.

Claro que há incompatibilidades. Não estou a ver, por exemplo, o cérebro de Artur Jorge em amena convivência com a musculatura de Sá Pinto, tal como duvido que houvesse corpo no Benfica ou no Sporting que resistisse à cabeça de Pinto da Costa. Mas, de um modo geral, julgo que a experiência será francamente positiva.

Imagino quão diferente seria o nosso parlamento se, um dia destes, Manuela Ferreira Leite aparecesse com o corpo de Cláudia Schiffer e Marques Mendes pudesse usufruir do body building de Silvester Stallone. E não duvido de que a presença de Portugal na NATO teria um outro significado se António Vitorino trocasse de corpinho com Schwarzeneger ou mesmo com Schwazkopf.

De igual modo, grandes cabeças, como as de Pacheco Pereira ou Pina Moura, ficariam certamente a ganhar se pudessem desfrutar de tronco e membros semelhantes aos de Isabel Mota ou Edite Estrela.

Finalmente, creio que um transplante radical seria muito útil ao general Carlos Azeredo, muito embora os riscos fossem, neste caso, bastante maiores: é que, além do corpo propriamente dito, os médicos poderiam concluir que era necessário mudar também de cérebro – e ainda lhe calhava o de algum judeu.

TSF | 5.Nov.1997

Mais sugestões de leitura

  • Francisco LouçãOpen or Close

    Os amigos gabam-lhe a afabilidade, o sentido de humor, a clareza do discurso, a boa educação. Os adversários vêem nele um político frio e calculista. Mas todos lhe reconhecem a inteligência superior, a competência política, a combatividade. É o único dirigente político a quem os correlegionários tratam pelo diminutivo: o Chico, o camarada que dirige sem precisar de ser secretário-geral ou presidente. Um entre iguais, porém diferente de todos os outros. (...) Há 30 anos, acreditava que o mundo podia mudar num instante. Hoje, sabe que o mundo muda a cada instante. E tenta fazer a sua parte.

    Ler Mais
  • Esquecer AbrilOpen or Close

    Ao escolher os seus entrevistados, é nítido que o autor teceu uma teia de afectos que nos enreda à medida que vamos mergulhando neste livro com o vagar das coisas que realmente dão prazer. Mais do que o papel do entrevistador, Viriato Teles encarna o mestre de cerimónias de uma festa que já só acontece na memória de quem aceitou sentar-se a falar. Como num encontro de velhos amigos, há ternuras e rancores antigos, confissões, relatos do que se passou desde o último encontro. E percebemos que os entrevistados, muitos deles protagonistas da revolução, formam um caleidoscópio de palavras que é também a memória que o perguntador quer pintar da «sua revolução». Jornalista e poeta de generosidades, Viriato Teles só pode relatar o seu 25 de Abril nas palavras dos outros e fá-lo com arte e minúcia próprias de mestre ourives. Se vamos esquecer Abril, que seja com este livro.

    Ler Mais
  • Contas à DemocraciaOpen or Close

    Não é filósofo, nem sociólogo, tampouco analista político. Viriato Teles é apenas um português embrenhado no seu tempo, que vive a vida interpelando-a, com o dom superior de saber ouvir vozes individuais para, registando-as na palavra escrita, as devolver, plenas e inquiridoras, ao colectivo a que pertencem. (...) São 20 conversas desatadas por entrevistas a personalidades de diversas áreas da sociedade nacional, que viveram a revolução com frémito e esperança; não lhes é perguntado onde estavam no 25 de Abril, mas onde está e para onde vai o 25 de Abril; são as parcelas da prova dos nove que nos desfralda uma verdade irrefutável: Abril está na prática quotidiana da denúncia da injustiça, no inconformismo e na luta pela felicidade, o combate que legitima o homem, agora e sempre.

    Ler Mais
  • O regresso de Karlos StarkillerOpen or Close

    Fernando Carlos Nunes de Melo Relvas e Karlos Pombo Capador Starkiller voltam a encontrar-se, mais de uma dúzia de anos depois de se terem cruzado pela primeira vez numa rua estreita do Bairro Alto. Nessa altura, Starkiller estava de partida para o outro lado do mundo, fugido à modorra chata de Lisboa, atrás de aventuras alucinantes que iria viver na companhia de malta tão curiosa como a Olga Punk, o irmão Lince, Chiquita, o Ianqui Louco, D. Juanito e o mais coerente super-herói que me foi dado conhecer, o Capitão Latino-América.

    Prefácio a Karlos Starkiller, de Fernando Relvas | 1997

    Ler Mais