A solução final

tsf6.jpg

«Enxertos da cabeça de macacos no corpo de outros macacos, realizadas com êxito numa universidade norte-americana, poderão um dia dar origem a uma espécie de transplantações de corpo inteiro em seres humanos.» A notícia, que acabei de transcrever ipsis-verbis, foi manchete no «Público» de anteontem e está a causar uma compreensível agitação entre os cientistas de todo o mundo. A partir de agora, pelo menos em teoria, passa a ser possível que alguém, sofrendo de uma doença incurável mas que tenha o cérebro em bom estado, receba o corpo de uma pessoa em situação de morte cerebral.

É aquilo a que os médicos chamam o «transplante radical» ou «transplante de corpo inteiro» e que, a ser um dia aplicado em seres humanos, permitirá a um cidadão - ou, melhor dizendo, à sua massa cinzenta - viver muito para lá dos limites actuais.

Ao contrário do que possa pensar-se, nenhum elemento da GNR de Sacavém pertence ao grupo de cientistas envolvidos nesta investigação. De resto, todos eles – os cientistas claro – se mostraram até ao momento muito interessados em não perder a cabeça com o bom sucesso das experiências já realizadas.

Dirão os mais pessimistas que esta técnica irá fatalmente dar origem a novos frankensteins, criaturas de um nada admirável mundo novo.

Mas a verdade é que, uma vez resolvido o problema de se saber quem é quem após a operação, o «transplante radical» poderá ter resultados muito interessantes.

Claro que há incompatibilidades. Não estou a ver, por exemplo, o cérebro de Artur Jorge em amena convivência com a musculatura de Sá Pinto, tal como duvido que houvesse corpo no Benfica ou no Sporting que resistisse à cabeça de Pinto da Costa. Mas, de um modo geral, julgo que a experiência será francamente positiva.

Imagino quão diferente seria o nosso parlamento se, um dia destes, Manuela Ferreira Leite aparecesse com o corpo de Cláudia Schiffer e Marques Mendes pudesse usufruir do body building de Silvester Stallone. E não duvido de que a presença de Portugal na NATO teria um outro significado se António Vitorino trocasse de corpinho com Schwarzeneger ou mesmo com Schwazkopf.

De igual modo, grandes cabeças, como as de Pacheco Pereira ou Pina Moura, ficariam certamente a ganhar se pudessem desfrutar de tronco e membros semelhantes aos de Isabel Mota ou Edite Estrela.

Finalmente, creio que um transplante radical seria muito útil ao general Carlos Azeredo, muito embora os riscos fossem, neste caso, bastante maiores: é que, além do corpo propriamente dito, os médicos poderiam concluir que era necessário mudar também de cérebro – e ainda lhe calhava o de algum judeu.

TSF | 5.Nov.1997

Mais sugestões de leitura

  • A alma da músicaOpen or Close

    E alguém me pede: canta.
    Alguém diz, tocando-me com seu livre delírio:
    canta até te mudares em cão azul,
    ou estrela electrocutada, ou em homem
    nocturno.


    Porque todos os pretextos são bons para trazer Herberto à conversa. E porque Mário Laginha criou um disco muito belo, idealizado e concretizado em visita à alma da música de Chopin na companhia de Alexandre Frazão e Bernardo Moreira. «Mongrel», o disco, teve o Prémio da Sociedade Portuguesa de Autores, e ainda bem. Partilhemos uma valsa.

    Ler Mais
  • Cântico de alegria e raivaOpen or Close

    Em 2005, o Chile ainda tinha cinco presos políticos: Hardy Peña Trujillo, Claudio Melgarejo Chávez, Fedor Sánchez Piderit e Pablo Vargas López, encarcerados na vigência do primeiro governo democrático... por terem atentado, anos antes, contra a ditadura militar. Ao mesmo tempo, apesar de já não estar no poder, Augusto Pinochet ainda se passeava pelo mundo. Foi assim que, a partir de Santiago, o poeta Luís Ariasmanzo lançou um apelo à solidariedade de escritores de vários países. O resultado foi o manifesto poético El Verbo Descerrajado, uma antologia que contou com a participação de oito dezenas de poetas das Américas e da Europa.

    El Verbo Descerrajado
    Ediciones Apostrophes 2005

    Ler Mais
  • Uma espécie de poema, por ser hojeOpen or Close

    Lembrança e afecto(a)ção de João do Rio Bizarro Teles, cidadão meu pai

    O dia em que nasci meu pai cantava
    versos que inventam os pastores do monte
    Fernando Assis Pacheco

    Do meu pai herdei uma tendência
    para os calos e as hérnias. O jeito
    para a inquietude, a miopia, memórias suaves,
    sinais nas costas, um nome capaz. Como todas
    as histórias, também esta poderia ser melhor (...)

    Ler Mais
  • Saudades de ZecaOpen or Close

    E vão 26 anos sem Zeca, mas sempre com ele - e hoje mais do que nunca. Um pretexto tão bom como qualquer outro para retomar uma prosa incluída na edição mais recente d'As Voltas de um Andarilho:

    A minha memória mais antiga de Zeca Afonso vem do início dos anos 60 do século passado quando, ainda miúdo, ouvia na rádio o «Menino d’Oiro». A televisão era um luxo a que as gentes da classe média desse tempo não podiam dar-se – e, fosse como fosse, ele não frequentava os saraus de variedades que o electrodoméstico transmitia por esses tempos. (...)

    Ler Mais