A solução final

tsf6.jpg

«Enxertos da cabeça de macacos no corpo de outros macacos, realizadas com êxito numa universidade norte-americana, poderão um dia dar origem a uma espécie de transplantações de corpo inteiro em seres humanos.» A notícia, que acabei de transcrever ipsis-verbis, foi manchete no «Público» de anteontem e está a causar uma compreensível agitação entre os cientistas de todo o mundo. A partir de agora, pelo menos em teoria, passa a ser possível que alguém, sofrendo de uma doença incurável mas que tenha o cérebro em bom estado, receba o corpo de uma pessoa em situação de morte cerebral.

É aquilo a que os médicos chamam o «transplante radical» ou «transplante de corpo inteiro» e que, a ser um dia aplicado em seres humanos, permitirá a um cidadão - ou, melhor dizendo, à sua massa cinzenta - viver muito para lá dos limites actuais.

Ao contrário do que possa pensar-se, nenhum elemento da GNR de Sacavém pertence ao grupo de cientistas envolvidos nesta investigação. De resto, todos eles – os cientistas claro – se mostraram até ao momento muito interessados em não perder a cabeça com o bom sucesso das experiências já realizadas.

Dirão os mais pessimistas que esta técnica irá fatalmente dar origem a novos frankensteins, criaturas de um nada admirável mundo novo.

Mas a verdade é que, uma vez resolvido o problema de se saber quem é quem após a operação, o «transplante radical» poderá ter resultados muito interessantes.

Claro que há incompatibilidades. Não estou a ver, por exemplo, o cérebro de Artur Jorge em amena convivência com a musculatura de Sá Pinto, tal como duvido que houvesse corpo no Benfica ou no Sporting que resistisse à cabeça de Pinto da Costa. Mas, de um modo geral, julgo que a experiência será francamente positiva.

Imagino quão diferente seria o nosso parlamento se, um dia destes, Manuela Ferreira Leite aparecesse com o corpo de Cláudia Schiffer e Marques Mendes pudesse usufruir do body building de Silvester Stallone. E não duvido de que a presença de Portugal na NATO teria um outro significado se António Vitorino trocasse de corpinho com Schwarzeneger ou mesmo com Schwazkopf.

De igual modo, grandes cabeças, como as de Pacheco Pereira ou Pina Moura, ficariam certamente a ganhar se pudessem desfrutar de tronco e membros semelhantes aos de Isabel Mota ou Edite Estrela.

Finalmente, creio que um transplante radical seria muito útil ao general Carlos Azeredo, muito embora os riscos fossem, neste caso, bastante maiores: é que, além do corpo propriamente dito, os médicos poderiam concluir que era necessário mudar também de cérebro – e ainda lhe calhava o de algum judeu.

TSF | 5.Nov.1997

Mais sugestões de leitura

  • A culpa é do ManelOpen or Close

    Num tempo em que se abatem inutilmente tantas árvores para dar à estampa as mais incríveis aberrações paraliterárias, sabe bem ler uma prosa tão escorreita, tão depurada e sobretudo tão honesta como a deste Daniel Abrunheiro. Que navega com igual à-vontade no registo poético de «Pomba» como no tom vagamente surreal de «Máscara», atento à realidade sem se tornar seu escravo, capaz de ordenar o mundo de trás para a frente sem que o mundo deixe de fazer sentido.
    Estes textos de Daniel Abrunheiro revelam um autor que conhece bem o valor dos silêncios que tantas vezes se escondem por trás das palavras. E que sabe, tal como diz uma das suas personagens, que o ruído não é mais do que «o silêncio que não sabemos ler». Aprendamos, então.

    Posfácio a Cronicão, de Daniel Abrunheiro | 2003

    Ler Mais
  • Padre Mário de OliveiraOpen or Close

    Era capelão das tropas portuguesas na Guiné-Bissau, e nessa condição ousou pregar a Paz. Mas o tempo era de guerra, ainda que esta fosse uma guerra particularmente injusta. E Mário de Oliveira, o capelão pacifista, acabou com guia de marcha para a «metrópole», como então se chamava a Portugal continental. Não esteve mais de quatro meses no teatro de operações, mas foi o suficiente para perceber que, se queria espalhar a palavra de Jesus Cristo, teria de, como Ele, sujeitar-se à raiva e à incompreensão dos poderosos.

    Ler Mais
  • O direito à preguiçaOpen or Close

    «Face aos meios de produção modernos e à sua ilimitada potência reprodutiva, há que moderar a paixão extravagante dos operários pelo trabalho e obrigá-los a consumir as mercadorias que produzem.» Esta frase foi escrita há 125 anos por Paul Lafargue, revolucionário francês e genro de Karl Marx, num manifesto que fez furor e causou escândalo, tanto entre a burguesia como entre a classe operária desse tempo. Chamava-se O Direito à Preguiça e exaltava as virtudes do ócio e do lazer contra os malefícios do trabalho.

    Zoot | Outono 2009

    Ler Mais
  • Versos na margem da folhaOpen or Close

    Quem abra o livro e leia o prefácio afectuoso de Fernando Alves, não está preparado para um murro no estômago. Que não é um murro anónimo, tem título: Três Olhares sobre Manágua, um elogio à loucura nas noites claras de outro continente. (...) Mas neste livro de quase um cento de páginas, Viriato Teles visita a noite de muitas cidades, reencontra amigos enquanto desencontra revoluções e outros sonhos transgressores.

    Ler Mais