Animais nossos amigos

tsf7.jpg

A pacatez da vida política portuguesa foi abalada há poucos dias com um curioso debate parlamentar em torno dos escalões do IVA a aplicar às comidas de cães e gatos, bem como a certas espécies de moluscos como as ostras.

Na origem da interessante discussão esteve uma proposta, apresentada pela parlamentar socialista Rosa Albernaz e defendida pelo seu colega Hasse Ferreira, no sentido de descer de 17 para 12 por cento a taxa do IVA a aplicar aos "produtos alimentares para alguns animais da classe dos vertebrados", segundo explicou a deputada.

Para a bancada cor-de-rosa, tal medida irá beneficiar um grande número de cidadãos, de que se destacam (cito) "pessoas da terceira idade que necessitam de ter animais de companhia, organismos como a GNR, bem como algumas pessoas que não têm possibilidades económicas".

Pondo de parte a inovadora relação que a deputada estabelece entre os animais nossos amigos e a Guarda Republicana, a proposta socialista parece-me de grande oportunidade. Diria mesmo que, se peca por alguma coisa, é por defeito, já que ainda não foi desta que o parlamento de preocupou com os inúmeros cães sem abrigo, com os pombos que dormem ao relento nas praças de Lisboa ou com o lumpen-gatariado que inunda os nossos telhados, sobretudo na primavera.

A oposição queixa-se, entretanto, pelo facto de, também recentemente, o mesmo PS ter votado contra uma outra proposta (igualmente destinada a baixar a taxa de IVA, mas neste caso em produtos como a manteiga, o iogurte ou as águas minerais) e há mesmo quem lembre o martírio que foi para conseguir que as pensões de miséria atribuídas a quase cem mil portugueses se aproximassem do salário mínimo.

A reacção adversa dos parlamentares do PP e do PCP a tão caridosa proposta socialista é reveladora da insensibilidade dos comunistas e dos populares face ao dramático problema dos animais de companhia.

O PCP vai mesmo ao ponto de invocar os diabéticos, que também querem a redução do IVA para produtos como a insulina. Mas poderá alguma vez um diabético substituir um «cocker spaniel»?

A oposição diz que a proposta do PS é um insulto aos desempregados. Mas um trabalhador inactivo tem alguma utilidade como pastor alemão da GNR?

Por tudo isto, ainda bem que o nosso governo tem a apoiá-lo parlamentares tão sensíveis como Rosa Albernaz e Joel Hasse Ferreira. Aliás, só espero que, na sua versão final, o diploma não se limite às comidas para cães e gatos, e que venha a contemplar também o milho para os pombos, a alpista para os canários, a banana para os macacos e o pistacio para os papagaios.

Já a inclusão das ostras nesta proposta de lei, me parece digna de uma leitura diferente, conhecidas que são as propriedades afrodisíacas do molusco em causa. A não ser que o PS pretenda transformar os bivalves em parte activa da dieta dos «bobis» e dos «tarecos».

Por este andar, ainda havemos de ver um ministro da Agricultura a alimentar burros com pão-de-ló.

TSF | 19.Nov.1997

Mais sugestões de leitura

  • Os olhos da nossa infânciaOpen or Close

    A nossa terra é o lugar onde nascemos, mas é também muitos outros: são os lugares onde vivemos, onde sofremos, onde amamos, onde somos felizes ou infelizes. Por isso, eu, que sou de Ílhavo, sou também de Lisboa, e do Porto, e de Havana, e de todas as cidades onde estive e que me deixaram marcas nos olhos, no corpo e na alma. O Zé António fez outros percursos, igualmente distantes. E manteve-se em certa medida mais ilhavense do que eu. Mas, no que aos caminhos da memória diz respeito, creio que as nossas histórias, embora diferentes no tempo, estão muito próximas no espaço. E muito daquilo que se passava na Rua Suspensa dos Olhos do Ábio de Lápara, passava-se de modo semelhante na Rua da Capela da minha infância. 

    Apresentação de A Rua Suspensa dos Olhos, de Ábio de Lápara | 2015

    Ler Mais
  • Um coração sobre o mundoOpen or Close

    (...) E no entanto Carlos Paredes foi, sempre, um ser atento à realidade. Basta ouvir-lhe as músicas, que são o maior e mais autêntico reflexo da alma lusitana. Ou ler os seus textos (e como escrevia bem, este Paredes!) em que, detalhada e apaixonadamente, reflectia sobre as mais diversas questões da vida. Ou tê-lo visto alguma vez em palco, onde construía um permanente diálogo com quem o escutava, com a humildade de que só os grandes génios são capazes.
    Quando, há uns anos, foi condecorado pelo então Presidente da República, Mário Soares, por ocasião de um 10 de Junho, fui encontrá-lo, discreto, no foyer do São Carlos, depois da cerimónia, distribuindo abraços, daquela forma sincera que o caracterizava. «Isto é bom: sempre se encontram uns amigos», disse-me então, alheio à snobeira bacoca que sempre rodeia estes momentos.

    A Capital | 24.Jul.2004

    Ler Mais
  • Nós, os que voámosOpen or Close

    Éramos jovens e pensávamos. Lembro-me: a cidade ainda não existia, Ílhavo era apenas Ílhavo, heróico poema das canções do Professor Guilhermino, vila maruja dada a devaneios de aquém e de além mar, traduzidos em histórias que o tempo transformou em lendas. Lembro-me dos doidos e dos outros, dos temores e das dúvidas, dos silêncios, dos beijos tímidos. Lembro-me também que por vezes era de noite e levavam-nos os amigos ou a família, para a guerra ou para a prisão. Havia medo, apesar da inocência que exibíamos nesses tempos. Mas havia também outra gente e outra ainda, muita gente. E foi assim que se chegou ao tempo da revolução, o tempo da revelação.

    Prefácio a Marginal - Poemas breves e cantigas, de Vieira da Silva | 2002

    Ler Mais
  • Um golpe de mestreOpen or Close

    Não há melhor meio de desvalorizar uma mensagem do que descredibilizar o mensageiro. E é isso, em primeiro lugar, que sobressai do triste folhetim natalício desenvolvido a partir do alegado currículo inventado do não menos alegado professor Artur Baptista da Silva.

    Jornal do Fundão | 10.Jan.2013

    Ler Mais