Animais nossos amigos

tsf7.jpg

A pacatez da vida política portuguesa foi abalada há poucos dias com um curioso debate parlamentar em torno dos escalões do IVA a aplicar às comidas de cães e gatos, bem como a certas espécies de moluscos como as ostras.

Na origem da interessante discussão esteve uma proposta, apresentada pela parlamentar socialista Rosa Albernaz e defendida pelo seu colega Hasse Ferreira, no sentido de descer de 17 para 12 por cento a taxa do IVA a aplicar aos "produtos alimentares para alguns animais da classe dos vertebrados", segundo explicou a deputada.

Para a bancada cor-de-rosa, tal medida irá beneficiar um grande número de cidadãos, de que se destacam (cito) "pessoas da terceira idade que necessitam de ter animais de companhia, organismos como a GNR, bem como algumas pessoas que não têm possibilidades económicas".

Pondo de parte a inovadora relação que a deputada estabelece entre os animais nossos amigos e a Guarda Republicana, a proposta socialista parece-me de grande oportunidade. Diria mesmo que, se peca por alguma coisa, é por defeito, já que ainda não foi desta que o parlamento de preocupou com os inúmeros cães sem abrigo, com os pombos que dormem ao relento nas praças de Lisboa ou com o lumpen-gatariado que inunda os nossos telhados, sobretudo na primavera.

A oposição queixa-se, entretanto, pelo facto de, também recentemente, o mesmo PS ter votado contra uma outra proposta (igualmente destinada a baixar a taxa de IVA, mas neste caso em produtos como a manteiga, o iogurte ou as águas minerais) e há mesmo quem lembre o martírio que foi para conseguir que as pensões de miséria atribuídas a quase cem mil portugueses se aproximassem do salário mínimo.

A reacção adversa dos parlamentares do PP e do PCP a tão caridosa proposta socialista é reveladora da insensibilidade dos comunistas e dos populares face ao dramático problema dos animais de companhia.

O PCP vai mesmo ao ponto de invocar os diabéticos, que também querem a redução do IVA para produtos como a insulina. Mas poderá alguma vez um diabético substituir um «cocker spaniel»?

A oposição diz que a proposta do PS é um insulto aos desempregados. Mas um trabalhador inactivo tem alguma utilidade como pastor alemão da GNR?

Por tudo isto, ainda bem que o nosso governo tem a apoiá-lo parlamentares tão sensíveis como Rosa Albernaz e Joel Hasse Ferreira. Aliás, só espero que, na sua versão final, o diploma não se limite às comidas para cães e gatos, e que venha a contemplar também o milho para os pombos, a alpista para os canários, a banana para os macacos e o pistacio para os papagaios.

Já a inclusão das ostras nesta proposta de lei, me parece digna de uma leitura diferente, conhecidas que são as propriedades afrodisíacas do molusco em causa. A não ser que o PS pretenda transformar os bivalves em parte activa da dieta dos «bobis» e dos «tarecos».

Por este andar, ainda havemos de ver um ministro da Agricultura a alimentar burros com pão-de-ló.

TSF | 19.Nov.1997

Mais sugestões de leitura

  • O general casernícolaOpen or Close

    O candidato da coligação PSD-PP à Câmara Municipal do Porto, general Carlos Azeredo, está a revelar-se uma autêntica caixa de surpresas. Num país tão carecido de ideias, ele corre o risco de se tornar o estratego-mor da extrema-direita mais boçal e troglodita, órfã de pai e mãe desde que o professor Salazar entregou as botas ao Criador.
    Primeiro foi o célebre artigo sobre o «ouro nazi», onde este militante da ordem unida se desdobrava em considerações sobre o carácter naturalmente agiota dos judeus – o qual, está-se mesmo a ver, esteve na origem do Holocausto. Entre aspas, na versão branqueadora de Azeredo.
    Ao que parece, o estado-maior do PSD não viu nisto nada de mais, o que se compreende: afinal, Hitler limitou-se a exterminar seis milhões de judeus, uma insignificância. Se a «solução final» tivesse sido concluída (ou seja, se em vez de apenas seis milhões, tivessem morrido todos) não haveria hoje ninguém para reclamar a verdade sobre o ouro roubado, o que seria um descanso para os anti-semitas em geral e para Carlos Azeredo em particular.

    TSF | 29.Out.1997

    Ler Mais
  • Um sonho para cumprirOpen or Close

    Há pessoas assim: capazes de observar e transformar a realidade à medida das utopias e dos desejos, conhecedores profundos da natureza humana, das suas contradições e fragilidades.

    Américo Teles – In Memoriam
    Edição GAMI 1990

    Ler Mais
  • Viagem à Utopia do CheOpen or Close

    (...) um livro singular escrito por um português raro: o jornalista Viriato Teles é o repórter que vai ao interior da utopia para dela nos dar conta no portentoso A Utopia segundo Che Guevara, editado pela Campo das Letras. (...) E Viriato Teles está em todo o lado, com o melhor que isso tem: em Havana, captando, para nos oferecer, as cores e os sons seculares; na Sierra Maestra, interpretando o berço e a mística da revolução mais romântica da História; junto dos que privaram com Che, ouvindo-os para nos dar a ouvir o que têm a dizer; na garupa de todos os ecos do guerrilheiro para nos convidar à reflexão; (...) na elegância das palavras, a um mesmo tempo objectivas e apaixonadas, que enformam uma prosa ardente para fazerem deste livro um objecto de culto.

    Ler Mais
  • Um coração sobre o mundoOpen or Close

    (...) E no entanto Carlos Paredes foi, sempre, um ser atento à realidade. Basta ouvir-lhe as músicas, que são o maior e mais autêntico reflexo da alma lusitana. Ou ler os seus textos (e como escrevia bem, este Paredes!) em que, detalhada e apaixonadamente, reflectia sobre as mais diversas questões da vida. Ou tê-lo visto alguma vez em palco, onde construía um permanente diálogo com quem o escutava, com a humildade de que só os grandes génios são capazes.
    Quando, há uns anos, foi condecorado pelo então Presidente da República, Mário Soares, por ocasião de um 10 de Junho, fui encontrá-lo, discreto, no foyer do São Carlos, depois da cerimónia, distribuindo abraços, daquela forma sincera que o caracterizava. «Isto é bom: sempre se encontram uns amigos», disse-me então, alheio à snobeira bacoca que sempre rodeia estes momentos.

    A Capital | 24.Jul.2004

    Ler Mais