Animais nossos amigos

tsf7.jpg

A pacatez da vida política portuguesa foi abalada há poucos dias com um curioso debate parlamentar em torno dos escalões do IVA a aplicar às comidas de cães e gatos, bem como a certas espécies de moluscos como as ostras.

Na origem da interessante discussão esteve uma proposta, apresentada pela parlamentar socialista Rosa Albernaz e defendida pelo seu colega Hasse Ferreira, no sentido de descer de 17 para 12 por cento a taxa do IVA a aplicar aos "produtos alimentares para alguns animais da classe dos vertebrados", segundo explicou a deputada.

Para a bancada cor-de-rosa, tal medida irá beneficiar um grande número de cidadãos, de que se destacam (cito) "pessoas da terceira idade que necessitam de ter animais de companhia, organismos como a GNR, bem como algumas pessoas que não têm possibilidades económicas".

Pondo de parte a inovadora relação que a deputada estabelece entre os animais nossos amigos e a Guarda Republicana, a proposta socialista parece-me de grande oportunidade. Diria mesmo que, se peca por alguma coisa, é por defeito, já que ainda não foi desta que o parlamento de preocupou com os inúmeros cães sem abrigo, com os pombos que dormem ao relento nas praças de Lisboa ou com o lumpen-gatariado que inunda os nossos telhados, sobretudo na primavera.

A oposição queixa-se, entretanto, pelo facto de, também recentemente, o mesmo PS ter votado contra uma outra proposta (igualmente destinada a baixar a taxa de IVA, mas neste caso em produtos como a manteiga, o iogurte ou as águas minerais) e há mesmo quem lembre o martírio que foi para conseguir que as pensões de miséria atribuídas a quase cem mil portugueses se aproximassem do salário mínimo.

A reacção adversa dos parlamentares do PP e do PCP a tão caridosa proposta socialista é reveladora da insensibilidade dos comunistas e dos populares face ao dramático problema dos animais de companhia.

O PCP vai mesmo ao ponto de invocar os diabéticos, que também querem a redução do IVA para produtos como a insulina. Mas poderá alguma vez um diabético substituir um «cocker spaniel»?

A oposição diz que a proposta do PS é um insulto aos desempregados. Mas um trabalhador inactivo tem alguma utilidade como pastor alemão da GNR?

Por tudo isto, ainda bem que o nosso governo tem a apoiá-lo parlamentares tão sensíveis como Rosa Albernaz e Joel Hasse Ferreira. Aliás, só espero que, na sua versão final, o diploma não se limite às comidas para cães e gatos, e que venha a contemplar também o milho para os pombos, a alpista para os canários, a banana para os macacos e o pistacio para os papagaios.

Já a inclusão das ostras nesta proposta de lei, me parece digna de uma leitura diferente, conhecidas que são as propriedades afrodisíacas do molusco em causa. A não ser que o PS pretenda transformar os bivalves em parte activa da dieta dos «bobis» e dos «tarecos».

Por este andar, ainda havemos de ver um ministro da Agricultura a alimentar burros com pão-de-ló.

TSF | 19.Nov.1997

Mais sugestões de leitura

  • O homem e as cidadesOpen or Close

    Era uma vez um homem que gostava de cidades. A biografia de Manuel Graça Dias, arquitecto nascido em Lisboa no ano de 1953, podia começar assim. E não apenas pelo livro que acabou de publicar, justamente intitulado O homem que gostava de cidades, onde reúne uma mão cheia de crónicas que fez para a TSF durante muitas dezenas de semanas.

    Status (Semanário Económico) | Out/Nov 2001

    Ler Mais
  • Era uma vez uma NinaOpen or Close

    Era uma vez uma menina nascida num país que já não existe. A história de Nina Govedarica poderia começar assim, mas a sua biografia está bem longe de ser um conto de fadas. Os olhos dela já viram mais do que à generalidade dos humanos costuma ser concedido, e nem tudo o que viu foram coisas belas.
    Nascida em Zagreb no início dos anos 70 do século passado, Nina Govedarica licenciou-se em Engenharia, mas seria na pintura que encontraria o caminho e a razão de ser da sua vida.

    Do catálogo de Contos sobre a floresta, ..., de Nina Govedarica | 2011

    Ler Mais
  • O grito de guerra dos genesOpen or Close

    Ernesto Guevara, chamado o Che, era um homem complexo e dinâmico — diferente de outros, lineares, cinzentos, sempre iguais de tão monotemáticos. Não falo do revolucionário, nem do homem de Estado, nem do pai de família, nem do amante, nem do aventureiro; falo do homem que continha em si todos esses homens... Repito: era um homem complexo, profundo, crítico e sumamente vital. O Che morreu muito jovem, mas morreu obcecado com a vida que ainda poderia construir-se; Fidel agarra-se à vida com unhas e dentes, ainda que apenas fale de morte.

    Ler Mais
  • Filhos da pideOpen or Close
    Que em Portugal se passam coisas estranhas, difíceis de entender por qualquer cidadão de inteligência média, não é novidade para ninguém.
    Mesmo assim, de vez em quando não consigo deixar de me surpreender com alguns dos insondáveis desígnios com que a Divina Providência ou alguém por ela nos brindou.
    Só no curto espaço de um século tivémos, entre outras curiosidades, um milagre de Fátima, um ditador que criava galinhas no quintal, um primeiro ministro que não lia jornais e até um Alberto João para quem a Madeira mais do que um jardim, é uma autêntica coutada.
    TSF | 18.Fev.1998
    Ler Mais