Espírito de Natal

tsf9.jpg

O Natal já não é o que era. Primeiro foi o 25 de Dezembro, usurpado pelos comunistas desde que, faz amanhã exactamente seis anos, o ex-presidente Mikahil Gorbatchov reconheceu oficialmente a extinção da União Soviética.

Depois apareceram as mega-lojas de brinquedos, que deixaram o Pai Natal à beira do desemprego. E agora até o ministro Ferro Rodrigues já se faz passar pelo venerando ancião pólo-nortista e desata a distribuir benesses sociais.

É certo que a tão esperada conversão da Rússia ultrapassou todas as expectativas. E é bem verdade que, ao contrário do que muitos pensavam, o fim da União acabou por revelar-se um bom negócio para o ex-presidente soviético, que, se perdeu um país, acabou por arranjar um rico emprego no ramo das pizzas.

De acordo com notícias recentes, Gorby deu início a uma nova carreira como animador de anúncios de uma conhecida marca de fast food e, por 180 mil contos, até se deixou fotografar distribuindo pedaços de pizza a uma multidão em delírio.

Ninguém dúvida de que oferecer pizzas ao povo é um acto politicamente correcto, tanto mais que a referida empresa é norte-americana, fabrica comida italiana e tem a mesma ementa para todos os países, independentemente de raça, credo e preferência sexual dos clientes.

Aliás, na mesma linha de actuação de Gorby esteve, há poucos meses, o português Otelo Saraiva de Carvalho, deixando-se fotografar, em pose, nas praias cubanas de Varadero, como se fora o próprio Mister Universo. Com um único senão, que é Otelo não ficar tão bem nas fotografias como o ex-presidente de todos os sovietes.

É tudo, portanto, uma questão de imagem. E tenho de reconhecer que, nesse aspecto, Gorbatchov, Otelo e Catarina Furtado tem um «look» mais apelativo que o da vaca e do burro que climatizaram o estábulo de Belém.

Mas, convenhamos, também não era preciso tanto. Já basta Lucky Luke ter deixado de fumar e a Barbie estar em pleno processo de transformação que ameaça fazer dela um misto de camponesa beirã e Sofia Aparício.

Propaganda por propaganda, mais vale fazer como o James Bond que, sem ameaça russa com que se entreter, optou no último filme pela carreira de vendedor ambulante: ele são telemóveis, ele é o relógio, ele é são os carros e a moto - tudo metodica e racionalmente pensado em função de diversas estratégias multi-publicitárias. Um dia destes, ainda o vamos ver a almoçar no McDonald's.

E o que é que tudo isto tem a ver com o Natal? Quase nada, é verdade, mas também é certo que, hoje em dia, até o Natal tem muito pouco a ver com o Natal. Vale-nos a certeza de que, indiferente a todas as mudanças, o Pai Natal continua vermelho. Pelo menos até ao dia em que decida romper com a Coca Cola e assinar um contrato com a Benetton.

TSF | 24.Dez.1997

Mais sugestões de leitura

  • Otelo Saraiva de CarvalhoOpen or Close

    À conversa, tende com alguma frequência a falar de coisas colectivas na primeira pessoa, mas que outra coisa poderá fazer o homem que delineou a «ordem de operações» e controlou todo o desenvolvimento do golpe militar de 25 de Abril? Não viveu a festa desse dia nas ruas, mas foi ele quem a tornou possível: do quartel-general do MFA, instalado no Regimento de Engenharia 1 da Pontinha, coube-lhe gerir cada passo dos capitães, desde a saída dos quartéis até à tomada do Carmo por Salgueiro Maia. (...) Fala com o coração, mas sabe modelar o discurso com a habilidade do actor que quis ser (...). Não chegou a concretizar esse desejo, mas coube-lhe em sorte o papel central na aventura que mudou as nossas vidas.

    Ler Mais
  • O Parque e a genteOpen or Close

    As pessoas são sempre aquilo que de mais importante nos fica dos lugares por onde passamos. Quando ancorei em Lisboa, há mais de vinte e cinco anos, o Parque Mayer já não ocupava o lugar central da boémia artística de Lisboa que fora seu, por direito conquistado, durante várias décadas. Mas continuava a ser um espaço de encontro de gentes diversas, palco de histórias umas mais amorais do que outras, lugar de sonhos de todas as cores.

    Do programa de A Revista é Linda | Teatro Maria Vitória | 2005

    Ler Mais
  • Que gente é esta?Open or Close

    A agressão de que Manuel Rocha foi vítima, em Coimbra, é sobretudo reveladora do estado a que chegou não apenas o país, mas sobretudo o povo que vive nele. Os que nessa noite passaram ao largo da agressão ao músico são da mesma massa dos que, na véspera, voltaram a escolher o cinzentismo e a mesquinhez em formato presidencial. Não, não é contra Cavaco que estou. O que me irrita é mesmo esse «Portugal rançoso, supersticioso e ignorante, que tarda em deixar a indolência preguiçosa» de que fala o Baptista-Bastos. É essa, afinal, a mais triste evidência do episódio de Coimbra-B. A mão que elegeu Cavaco não foi a mesma que agrediu Manuel Rocha. Mas foi, com certeza, a que não se ergueu para o defender.

    Ler Mais
  • Os olhos da nossa infânciaOpen or Close

    A nossa terra é o lugar onde nascemos, mas é também muitos outros: são os lugares onde vivemos, onde sofremos, onde amamos, onde somos felizes ou infelizes. Por isso, eu, que sou de Ílhavo, sou também de Lisboa, e do Porto, e de Havana, e de todas as cidades onde estive e que me deixaram marcas nos olhos, no corpo e na alma. O Zé António fez outros percursos, igualmente distantes. E manteve-se em certa medida mais ilhavense do que eu. Mas, no que aos caminhos da memória diz respeito, creio que as nossas histórias, embora diferentes no tempo, estão muito próximas no espaço. E muito daquilo que se passava na Rua Suspensa dos Olhos do Ábio de Lápara, passava-se de modo semelhante na Rua da Capela da minha infância. 

    Apresentação de A Rua Suspensa dos Olhos, de Ábio de Lápara | 2015

    Ler Mais