Espírito de Natal

tsf9.jpg

O Natal já não é o que era. Primeiro foi o 25 de Dezembro, usurpado pelos comunistas desde que, faz amanhã exactamente seis anos, o ex-presidente Mikahil Gorbatchov reconheceu oficialmente a extinção da União Soviética.

Depois apareceram as mega-lojas de brinquedos, que deixaram o Pai Natal à beira do desemprego. E agora até o ministro Ferro Rodrigues já se faz passar pelo venerando ancião pólo-nortista e desata a distribuir benesses sociais.

É certo que a tão esperada conversão da Rússia ultrapassou todas as expectativas. E é bem verdade que, ao contrário do que muitos pensavam, o fim da União acabou por revelar-se um bom negócio para o ex-presidente soviético, que, se perdeu um país, acabou por arranjar um rico emprego no ramo das pizzas.

De acordo com notícias recentes, Gorby deu início a uma nova carreira como animador de anúncios de uma conhecida marca de fast food e, por 180 mil contos, até se deixou fotografar distribuindo pedaços de pizza a uma multidão em delírio.

Ninguém dúvida de que oferecer pizzas ao povo é um acto politicamente correcto, tanto mais que a referida empresa é norte-americana, fabrica comida italiana e tem a mesma ementa para todos os países, independentemente de raça, credo e preferência sexual dos clientes.

Aliás, na mesma linha de actuação de Gorby esteve, há poucos meses, o português Otelo Saraiva de Carvalho, deixando-se fotografar, em pose, nas praias cubanas de Varadero, como se fora o próprio Mister Universo. Com um único senão, que é Otelo não ficar tão bem nas fotografias como o ex-presidente de todos os sovietes.

É tudo, portanto, uma questão de imagem. E tenho de reconhecer que, nesse aspecto, Gorbatchov, Otelo e Catarina Furtado tem um «look» mais apelativo que o da vaca e do burro que climatizaram o estábulo de Belém.

Mas, convenhamos, também não era preciso tanto. Já basta Lucky Luke ter deixado de fumar e a Barbie estar em pleno processo de transformação que ameaça fazer dela um misto de camponesa beirã e Sofia Aparício.

Propaganda por propaganda, mais vale fazer como o James Bond que, sem ameaça russa com que se entreter, optou no último filme pela carreira de vendedor ambulante: ele são telemóveis, ele é o relógio, ele é são os carros e a moto - tudo metodica e racionalmente pensado em função de diversas estratégias multi-publicitárias. Um dia destes, ainda o vamos ver a almoçar no McDonald's.

E o que é que tudo isto tem a ver com o Natal? Quase nada, é verdade, mas também é certo que, hoje em dia, até o Natal tem muito pouco a ver com o Natal. Vale-nos a certeza de que, indiferente a todas as mudanças, o Pai Natal continua vermelho. Pelo menos até ao dia em que decida romper com a Coca Cola e assinar um contrato com a Benetton.

TSF | 24.Dez.1997

Mais sugestões de leitura

  • Um disco, um estúdio, uma históriaOpen or Close
    A imagem é um retrato quase banal: um homem e uma caixa de viola numa estação de comboios, um relógio onde ainda não são duas horas, um cartaz na parede com o mesmo homem e a mesma viola, gente normal em volta. O homem da viola é Sérgio Godinho, a estação, lê-se no painel de azulejo sobre a porta, é Campolide. Há 35 anos, o homem, a viola e a estação tornaram-se num disco com dez canções sem tempo.
    Notícias de Campolide | Set.2014
    Ler Mais
  • Portugal dos pequeninosOpen or Close

    No dia em que morreu Óscar Lopes (...) na «mensagem de pesar» enviada à família do filólogo e mestre maior da língua pátria, o dr. Cavaco Silva refere-se-lhe como «historiador», relegando para segundo plano a sua obra maior como linguista, professor e crítico literário. Compreende-se: Óscar Lopes foi autor, com António José Saraiva, da mais importante História da Literatura Portuguesa. Cavaco, com o seu saber wikipédico de leitor de badanas, limitou-se a somar dois mais dois.

    Ler Mais
  • Sentido de estradoOpen or Close
    A modorra estival foi subitamente agitada, dias atrás, pelas declarações de Zita Seabra no programa do estulto Mário Crespo. Segundo a ex-deputada, o PCP utilizou a debelada Fábrica Nacional de Ar Condicionado como fachada para tenebrosas missões de espionagem, levadas a cabo em conluio com caliginosos agentes da STASI durante a Guerra-Fria.
    Jornal do Fundão | 16.Ago.2012
    Ler Mais
  • Sal e PimentaOpen or Close

    O homem que ainda não desistiu de encontrar «um triângulo de quatro lados» chegou exactamente ao meio-dia, conforme combinado. Alberto Pimenta é dono de uma pontualidade afrodisíaca, o que é apenas um dos seus muitos pontos de confronto aberto com a sociedade portuguesa. Nascido no Porto em 1937, viveu na Alemanha durante dezassete anos e só continua português porque, pelo meio, houve o 25 de Abril. Garrett, Bocage, Eça, Pessoa, Mário de Sá Carneiro são algumas das suas referências culturais. Fazem parte da lista dos seus prazeres pessoais, assim como o Cavaleiro de Oliveira, António Sérgio, Camões, Aquilino, António José da Silva, Cesário Verde. Pelo estilo e pelos temas, considera que a literatura portuguesa contemporânea é um deserto, com alguns oásis: Herberto Helder, Mário Cesariny, Eugénio de Andrade, Vergílio Ferreira, Luiz Pacheco, José-Emílio Nelson e poucos mais. De Saramago acha que «tem coisas muito boas, mas abusa dos truques de estilo».

    Epicur | Junho 2006

    Ler Mais