Falando assédio

tsf13.jpg

É sabido que, quando não têm uma guerrazinha com que se entreter, os americanos são capazes de tudo. Já se sabe que a carne é fraca, sobretudo num país especializado em «fast food» como os Estados Unidos. Mas será que isso chega para transformar em notícia as possíveis aventuras extraconjugais de Bill Clinton?

Segundo uma sondagem recente da Time, mais de um terço dos norte-americanos acha que a vida privada do seu presidente lhes diz directamente respeito. Deve ser por isso que a mesma Time dedica nada menos que 30 das 72 páginas da sua última edição às alegadas incursões marialvas de Clinton.

Tudo começou, como se sabe, com uma vulgar acusação de assédio sexual - essa brilhante invenção norte-americana deste fim de milénio. Pessoalmente, devo dizer não tenho nada contra o assédio sexual - seja no local de trabalho, na rua ou mesmo em casa. Acredito até que, sem assédio, a humanidade acabaria por se extinguir por manifesta falta de assunto. Mas os americanos não pensam assim.

Clinton vê-se, pois, metido numa alhada monumental que faz as delícias do povo norte-americano em geral e dos advogados de Washington em particular. Paula Jones, a assediada original, aproveita para subir a parada indemnizatória que, de um milhão de dólares já passou para mais do dobro - e a procissão ainda vai só na sala oval da Casa Branca. É tudo, portanto, uma questão de preço.

Nos episódios mais recentes, esta curiosa novela começou a baixar de nível e a subir de interesse quando surgiu a notícia de que outra mulher, Monica Lewinsky, também terá tido um «affaire» com o presidente. Neste caso, porém, tudo se terá resumido a alguns telefonemas «picantes» e à prática do sexo oral - o que, segundo um alto funcionário da Casa Branca, não é o mesmo que sexo propriamente dito.

Ficamos assim a saber que Clinton não só é um viciado em telefonemas eróticos como se entrega a práticas sexuais que, vá lá saber-se porquê, estão proibidas por lei em muitos estados norte-americanos.

Resta decobrir, claro, se o presidente foi participante activo na prática sexoralista ou se, pelo contrário, se limitou a usufruir das eventuais habilidades da jovem Monica.

Confesso que não alimento particular simpatia por este ou por qualquer outro presidente dos Estados Unidos, mas nem por isso serei eu a atirar-lhe a primeira pedra. A não ser, eventualmente, por uma questão puramente estética. Um homem que, entre 120 milhões de norte-americanas, escolhe Paula Jones como objecto de assédio é, no mínimo, uma pessoa de gosto muito duvidoso.

TSF | 28.Jan.1998

Mais sugestões de leitura

  • A última vontadeOpen or Close

    Já passa da uma da manhã. A minha mulher continua sem aparecer e a gata Genoveva não pára de me lamber os calcanhares como se fossem gelado de limão. Dantes, as coisas e as pessoas eram muito mais simples, mas a tecnologia transformou tudo. Até as gatas. Escureço aos poucos na calma idílica dos subúrbios enquanto Ian Dury, preso nas ondas da telefonia, continua a sussurrar o seu convite: «Walk up and make love to me.» Não entendi ainda se será uma alusão discreta à minha mulher ou à gata mas, bem vistas as coisas, vai dar ao mesmo.

    Se7e | 15.Jun.1983

    Ler Mais
  • Pizza hurtOpen or Close

    Afinal, a tão comentada publicidade do ex-líder soviético às pizzas norte-americanas tem também uma versão televisiva, revelando-nos desconhecidas capacidades cinematográficas de Gorbatchov (...) Vários cidadãos russos foram também chamados a dizer de sua justiça a propósito do referido anúncio e da actuação do seu ex-presidente. As opiniões eram muitas e divergentes, mas ficou-me sobretudo a daquela jovem que dizia acreditar que, da próxima vez, Gorbatchov deveria dedicar o seu talento publicitário a uma qualquer marca de pensos higiénicos.

    TSF | 31.Dez.1997

    Ler Mais
  • Mãos de falaOpen or Close

    Tem uns olhos grandes, profundos, penetrantes. E as mãos. As mãos que, em palco, criam um espaço próprio dentro do cenário, tornam-se, à conversa, num elemento do diálogo, tão intenso como cada vocábulo, cada sorriso, cada momento. Tem uns olhos grandes e chama-se Juliette Greco. Ou Jujube, segundo a sua autobiografia. É uma latina orgulhosa, e canta. Boris Vian, Jacques Brel, Prèvet, Ferré. “Canto sempre aquilo de que gosto e, por isso, não tenho canções preferidas”, frisa.

    Ler Mais
  • Guerra santa contra o rockOpen or Close

    «Satanás já não esconde as suas motivações. Os textos das canções condenam abertamente o cristianismo e apresentam a adoração do demónio como alternativa. A violência, o sexo, a rebelião e as drogas não são unicamente objecto de promoção, mas também são apresentados directamente ou encenados em palco. As canções fazem a apologia do suicídio e os telediscos levam a mensagem de Satã directamente a nossas casas...» Este discurso assustador não pertence à história da Santa Inquisição, nem tão pouco foi extrajdo de qualquer ritual exorcista da Idade Média. Trata-se, apenas, da expressão mais simples encontrada pelo padre norte-americano Fletcher A. Brothers para definir aquilo que considera ser o «rock satânico-teatral» dos anos 80.

    Se7e | 9.Jun.1986

    Ler Mais