Falando assédio

tsf13.jpg

É sabido que, quando não têm uma guerrazinha com que se entreter, os americanos são capazes de tudo. Já se sabe que a carne é fraca, sobretudo num país especializado em «fast food» como os Estados Unidos. Mas será que isso chega para transformar em notícia as possíveis aventuras extraconjugais de Bill Clinton?

Segundo uma sondagem recente da Time, mais de um terço dos norte-americanos acha que a vida privada do seu presidente lhes diz directamente respeito. Deve ser por isso que a mesma Time dedica nada menos que 30 das 72 páginas da sua última edição às alegadas incursões marialvas de Clinton.

Tudo começou, como se sabe, com uma vulgar acusação de assédio sexual - essa brilhante invenção norte-americana deste fim de milénio. Pessoalmente, devo dizer não tenho nada contra o assédio sexual - seja no local de trabalho, na rua ou mesmo em casa. Acredito até que, sem assédio, a humanidade acabaria por se extinguir por manifesta falta de assunto. Mas os americanos não pensam assim.

Clinton vê-se, pois, metido numa alhada monumental que faz as delícias do povo norte-americano em geral e dos advogados de Washington em particular. Paula Jones, a assediada original, aproveita para subir a parada indemnizatória que, de um milhão de dólares já passou para mais do dobro - e a procissão ainda vai só na sala oval da Casa Branca. É tudo, portanto, uma questão de preço.

Nos episódios mais recentes, esta curiosa novela começou a baixar de nível e a subir de interesse quando surgiu a notícia de que outra mulher, Monica Lewinsky, também terá tido um «affaire» com o presidente. Neste caso, porém, tudo se terá resumido a alguns telefonemas «picantes» e à prática do sexo oral - o que, segundo um alto funcionário da Casa Branca, não é o mesmo que sexo propriamente dito.

Ficamos assim a saber que Clinton não só é um viciado em telefonemas eróticos como se entrega a práticas sexuais que, vá lá saber-se porquê, estão proibidas por lei em muitos estados norte-americanos.

Resta decobrir, claro, se o presidente foi participante activo na prática sexoralista ou se, pelo contrário, se limitou a usufruir das eventuais habilidades da jovem Monica.

Confesso que não alimento particular simpatia por este ou por qualquer outro presidente dos Estados Unidos, mas nem por isso serei eu a atirar-lhe a primeira pedra. A não ser, eventualmente, por uma questão puramente estética. Um homem que, entre 120 milhões de norte-americanas, escolhe Paula Jones como objecto de assédio é, no mínimo, uma pessoa de gosto muito duvidoso.

TSF | 28.Jan.1998

Mais sugestões de leitura

  • ReservaZitaOpen or Close

    Os vinhos anunciados estão longe de ser excepcionais, mas pelos vistos também não envergonham ninguém. Nem Zita Seabra, a antiga dissidente comunista reconvertida a bolseira da Jerónimo Martins - embora há muito se saiba que a vergonha não é um dos seus atributos. Ex-antifascista, ex-estalinista, ex-comungada e futura ex-neoliberal, a eclética e atlética figura ocupa agora o lugar de destaque na mais recente campanha publicitária do Pingo Doce.

    Ler Mais
  • Portugal dos pequeninosOpen or Close

    No dia em que morreu Óscar Lopes (...) na «mensagem de pesar» enviada à família do filólogo e mestre maior da língua pátria, o dr. Cavaco Silva refere-se-lhe como «historiador», relegando para segundo plano a sua obra maior como linguista, professor e crítico literário. Compreende-se: Óscar Lopes foi autor, com António José Saraiva, da mais importante História da Literatura Portuguesa. Cavaco, com o seu saber wikipédico de leitor de badanas, limitou-se a somar dois mais dois.

    Ler Mais
  • Um poeta na varanda dos deusesOpen or Close

    «Lisboa é como a vida: nós queixamo-nos, mas é muito bom andar por cá.» Dono de um aguçado sentido crítico e de um humor por vezes implacável, Alberto Pimenta reflecte em toda a sua obra uma grande atenção aos problemas do mundo actual, expressa com um rigor de linguagem que faz dele um dos nomes mais importantes, mas também mais incómodos, da poesia portuguesa contemporânea.
    «A cultura é o desporto da classe média», afirmou uma vez. Ainda hoje, há quem não lhe perdoe esta irreverência e a frontalidade dos gestos e das atitudes.

    Mini International | Março 2007

    Ler Mais
  • Saudosa tertúliaOpen or Close

    Verdadeiro mestre de apresentações, Viriato Teles elabora, antecedendo as entrevistas, a descrição das personalidades, define-as biograficamente e expõem-nas no efeito que, presencialmente, lhe provocam . Também no decorrer das entrevistas, para além dos assuntos tratados, o jornalista faz o retrato dos entrevistados, retratos humanos totais, com alegrias e desencantos, projectos e nostalgias, ganhos e perdas. Como o autor já nos habituou, a prosa é quente, reveladora e cúmplice do leitor, como se também este fosse conhecido de Viriato Teles; mais um mistério só possível quando se tem a intuição de um grande escritor.

    Ler Mais