Filhos da pide

Que em Portugal se passam coisas estranhas, difíceis de entender por qualquer cidadão de inteligência média, não é novidade para ninguém.
Mesmo assim, de vez em quando não consigo deixar de me surpreender com alguns dos insondáveis desígnios com que a Divina Providência ou alguém por ela nos brindou.

Só no curto espaço de um século tivémos, entre outras curiosidades, um milagre de Fátima, um ditador que criava galinhas no quintal, um primeiro ministro que não lia jornais e até um Alberto João para quem a Madeira mais do que um jardim, é uma autêntica coutada.

Talvez pelo hábito da convivência com estas e outras personagens da nossa história recente, os portugueses têm demonstrado uma curiosa capacidade de co-habitação mais do que pacífica com alguns fenómenos da realidade virtual.

Só assim se pode entender a ausência generalizada de indignação perante o conjunto de acções que alguns antigos agentes da Pide protagonizam ultimamente, com vista à reabilitação da polícia de Salazar.

Tudo começou há um par de anos, com a célebre entrevista do ex-inspector Óscar Cardoso à SIC, onde pouco faltou para que a Pide fosse transformada num simples grupo de escuteiros.

O mesmo Cardoso voltou recentemente a atacar, desta vez num livro escrito a meias com um antigo preso, onde torturador e torturado se envolvem num taco a taco frequentemente cordial, provando aos mais incrédulos que, em democracia, somos todos iguais aos olhos de Deus e do povo.

Agora foi a vez de Rosa Casaco, o chefe do bando que há 33 anos assassinou Humberto Delgado. A sua versão do crime, publicada na última edição do «Expresso», é um relato a todos os títulos exemplar.

Ao longo do seu depoimento, o pide Casaco assume o papel do polícia enganado, que só tinha ido a Badajoz para comprar caramelos e dar milho aos pombos.

Vejam lá que eles, os pides, nem sequer queriam matar o general: a ideia era só levá-lo a dar uma volta e, de caminho, trazê-lo para Lisboa. Só que tiveram azar e um dos rapazes resolveu (à revelia do chefe, que era Rosa Casaco), tratar do assunto ali mesmo. Chamava-se o assassino Casimiro Monteiro e o próprio Casaco o define como «um facínora» que «matava a torto e a direito. Mas era um patriota exacerbado». Diz o pide.

Foi tudo um equívoco, portanto. Pela leitura das palavras do pide, fica-se mesmo com a sensação de que só lhe faltou pedir desculpas a Humberto Delgado pelo incómodo de o terem assassinado.

Um dia destes, ainda alguém nos vai tentar demonstrar que a Pide era uma espécie de Santa Casa que nunca prendeu, nem torturou, nem perseguiu ninguém. E se há quem duvide do holocausto, porque razão não poderá um pide comum pôr em causa a história da instituição a que pertenceu?

Cá para mim, do que os pides gostavam mesmo era de ajudar velhinhas a atravessar a rua e salvar gatinhos empoleirados na copa das árvores.

Com um pouco de jeito, e aproveitando o revivalismo em voga neste fim de milénio, ainda há-de aparecer alguém a propôr a reconstituição da Pide.

É que, pelos vistos, ainda há quem tenha saudades dos "safanões dados a tempo", daquele jeito manso que é só deles e que Rosa Casaco e Óscar Cardoso conhecem como mais ninguém.

TSF | 18.Fev.1998

Mais sugestões de leitura

  • O homem que queria ser comumOpen or Close

    Não fosse a intervenção do dr. Salazar e provavelmente a obra de José Afonso não teria atingido a dimensão que alcançou e que fez dele um dos grandes vultos da música popular do século XX. Dito deste modo, pode soar a provocação. Mas a verdade é que foi por ter sido expulso do ensino, por ordem do governo da ditadura, que o criador de «Grândola» se profissionalizou como músico e passou a gravar com regularidade. Deus a escrever direito por linhas ínvias, diriam os crentes. Curiosas ironias da História, dirão os outros.

    QI | Diário de Notícias | 28.Abril.2012

    Ler Mais
  • Fernando RelvasOpen or Close

    Vai, de certeza, implicar comigo porque lhe chamei «autor de banda desenhada», e se calhar tem razão. Porque a arte de Relvas não se limita às histórias aos quadradinhos que durante anos iluminaram algumas páginas da imprensa portuguesa. Mas ainda não se leva a sério o suficiente para se julgar pintor – e faz mal, porque é isso que realmente é. Pronto, digamos então artista plástico. Mas nunca de plástico. Fernando Relvas é também, ou sobretudo, um contador de histórias. Com meia dúzia de traços consegue fazer-nos viajar pelas rotas das caravelas ou pelos subúrbios da grande cidade, sempre com um humor acidulado onde se cruzam ora um hiper-realismo estonteante, ora uma forte carga erótica, ora ainda a mais pura crónica de actualidades.

    Ler Mais
  • Alberto PimentaOpen or Close

    Nasceu no Porto, viveu na Alemanha e está em Lisboa. Em 1977 deu-se em exposição numa jaula da aldeia dos macacos no Jardim Zoológico de Lisboa. Catorze anos depois colocou-se à venda, no Chiado, por conta de uma «divisão de recursos humanos do Estado». E catorze dias mais tarde fez um auto-de-fé de O Silêncio dos Poetas na Feira do Livro de Lisboa. De todos os seus livros, esse é aquele que os intelectuais dominantes mais levam a sério, e fazem mal. Deveriam ler também Labirintodonte, Os Entes e os Contraentes, Ascensão de Dez Gostos à Boca, Discurso Sobre o Filho-da-Puta, Terno Feminino, A Visita do Papa, Deusas Ex-Machina. E os outros, todos, que publica com a regularidade possível desde 1970.

    Ler Mais
  • Uma bibliografia da MPPOpen or Close

    Opúsculo editado em 2001 por iniciativa da organização do Festival de Música Popular Portuguesa da Amadora. A bibliografia seleccionada e as fichas de leitura apresentadas não pretendem ser uma selecção exaustiva, mas sim um conjunto de referências que permitam compreender a música popular Portuguesa, no seu sentido Tradicional e Contemporâneo.

    Música Popular Portuguesa: Uma bibliografia
    CMA 2001

    Ler Mais