Insondáveis designíos

tsf2.jpg

O Papa foi ver um espectáculo de Bob Dylan. Poucos anos atrás, uma notícia deste tipo seria, no mínimo, uma brincadeira de gosto duvidoso. Na melhor das hipóteses (isto é, se a notícia fosse verdadeira) seria motivo de manchete em quase todos os jornais do planeta.

O Papa? Num espectáculo de Bob Dylan?

Eu sei que o mundo está a mudar e que as verdades absolutas de ontem deixaram de o ser às primeiras horas da manhã de hoje. Eu sei que a Rússia já se converteu e que o big show do julgamento final não deve tardar a aparecer por aí, certamente patrocinado por um banco ou uma seguradora. Eu sei, enfim, que a  realidade, tal como a tradição, já não é o que era.

Mas, ainda assim, não deixo de sentir um estremecimento ao ver Sua Santidade ouvindo «Knockin' On Heaven's Door» como se escutasse «Queremos Deus Homens Ingratos» ou o clássico «Miraculosa, Rainha dos Céus». Está certo que o Papa é polaco e Bob Dylan nasceu nos Estados Unidos, mas isso não justifica tudo.

Não quero insinuar que Karol Woytila esteja a perder as capacidades e a firmeza que lhe conhecíamos e se deixe comover por uma vozinha desafinada que lhe pergunta «how many times must a man turn his face pretending he just does'nt see». Mas reconheço que é difícil entender a razão que levou o Papa a estrear-se no rock com Bob Dylan. Logo com Bob Dylan. Seria lógico que o Sumo Pontífice desejasse ouvir Roberto Carlos cantar «Jesus Cristo Eu Estou Aqui» e ninguém se incomodaria se os serviços do Vaticano telefonassem para o Coliseu a reservar bilhetes para o próximo espectáculo de Frei Hermano da Câmara.

Agora, Bob Dylan? O mesmo a quem os serviços secretos norte-americanos ainda há pouco mais de 20 anos chamavam comunista? O mesmo que reivindicava para si o estatuto de anarco-sindicalista enquanto cantava as canções que mais incomodavam todos os poderes - incluindo, naturalmente, o poder da Igreja?

A explicação é simples. Dos pecados da juventude, já Bob Dylan se redimiu há uma boa dúzia de anos, quando gravou o disco da sua conversão ao catolicismio. Chamava-se «Saved» e, se não garantiu a Dylan um lugar no céu, foi pelos vistos suficiente para proporcionar ao Papa um lugar de honra na plateia.

A verdade é que, juntos e ao vivo, Dylan e Woityla estão apenas a dar um cristianíssimo exemplo de reconciliação. Um exemplo que foi já seguido pelo português Carlos Antunes que, segundo foi noticiado esta semana, trocou definitivamente a guerrilha urbana pelo fato e gravata e é hoje um dos sócios da empresa de construção civil Euro-Amer, ao lado de Artur Albarran e do ex-director da CIA Frank Carlucci.

A isto, segundo a moderna linguagem, não se chama incoerência, mas sim evolução. Um dia destes, não há-de faltar muito, ainda hei-de ver Zita Seabra ir a Fátima a pé.

TSF | 1.Out.1997

Mais sugestões de leitura

  • Fados & DesgarradosOpen or Close

    Fados & Desgarrados não é um simples livro de estreia de um autor recente. Isto porque nem o José Xavier Ezequiel é um autor recente no sentido mais rigoroso da expressão, nem estes Fados, pela sua estrutura e pela consistência que apresentam, têm as características habituais de uma «primeira obra».
    Trata-se, como afirmou Mestre Dinis Machado de «uma história revitalizada de ‘tristes, solitários e finais’, na expressão de Chandler depois recuperada por Osvaldo Soriano, e que foi durante muito tempo emblema do romance negro». Mas eu atrevo-me a dizer que é também algo mais do que isso.

    Apresentação de Fados & Desgarrados, de José Xavier Ezequiel | 2007

    Ler Mais
  • Versos na margem da folhaOpen or Close

    Quem abra o livro e leia o prefácio afectuoso de Fernando Alves, não está preparado para um murro no estômago. Que não é um murro anónimo, tem título: Três Olhares sobre Manágua, um elogio à loucura nas noites claras de outro continente. (...) Mas neste livro de quase um cento de páginas, Viriato Teles visita a noite de muitas cidades, reencontra amigos enquanto desencontra revoluções e outros sonhos transgressores.

    Ler Mais
  • Um violino sem telhadoOpen or Close

    «Somos um povo demasiado sério e que não acredita em si próprio.» Palavras de Carlos Zíngaro, músico e autor de banda desenhada, em vésperas de um concerto em Lisboa, em meados de Março de 1985. Afinal, parece que há coisas que nunca mudam.

    O Jornal | 15.Mar.1985
    Ler Mais
  • Viva quem cantaOpen or Close

    Não venho aqui para vos dizer que Pedro Barroso é o melhor cantor do mundo. Não venho falar de festivais ou de cantigas populares que certos divulgadores rádio-afónicos transformaram em produtos de consumo. Não venho sequer como mestre de cerimónias incumbido de apresentar um acto de variedades levado à cena num palco de ilusões.

    Introdução ao LP Do Lado de Cá de Mim de Pedro Barroso | 1983

    Ler Mais