Insondáveis designíos

tsf2.jpg

O Papa foi ver um espectáculo de Bob Dylan. Poucos anos atrás, uma notícia deste tipo seria, no mínimo, uma brincadeira de gosto duvidoso. Na melhor das hipóteses (isto é, se a notícia fosse verdadeira) seria motivo de manchete em quase todos os jornais do planeta.

O Papa? Num espectáculo de Bob Dylan?

Eu sei que o mundo está a mudar e que as verdades absolutas de ontem deixaram de o ser às primeiras horas da manhã de hoje. Eu sei que a Rússia já se converteu e que o big show do julgamento final não deve tardar a aparecer por aí, certamente patrocinado por um banco ou uma seguradora. Eu sei, enfim, que a  realidade, tal como a tradição, já não é o que era.

Mas, ainda assim, não deixo de sentir um estremecimento ao ver Sua Santidade ouvindo «Knockin' On Heaven's Door» como se escutasse «Queremos Deus Homens Ingratos» ou o clássico «Miraculosa, Rainha dos Céus». Está certo que o Papa é polaco e Bob Dylan nasceu nos Estados Unidos, mas isso não justifica tudo.

Não quero insinuar que Karol Woytila esteja a perder as capacidades e a firmeza que lhe conhecíamos e se deixe comover por uma vozinha desafinada que lhe pergunta «how many times must a man turn his face pretending he just does'nt see». Mas reconheço que é difícil entender a razão que levou o Papa a estrear-se no rock com Bob Dylan. Logo com Bob Dylan. Seria lógico que o Sumo Pontífice desejasse ouvir Roberto Carlos cantar «Jesus Cristo Eu Estou Aqui» e ninguém se incomodaria se os serviços do Vaticano telefonassem para o Coliseu a reservar bilhetes para o próximo espectáculo de Frei Hermano da Câmara.

Agora, Bob Dylan? O mesmo a quem os serviços secretos norte-americanos ainda há pouco mais de 20 anos chamavam comunista? O mesmo que reivindicava para si o estatuto de anarco-sindicalista enquanto cantava as canções que mais incomodavam todos os poderes - incluindo, naturalmente, o poder da Igreja?

A explicação é simples. Dos pecados da juventude, já Bob Dylan se redimiu há uma boa dúzia de anos, quando gravou o disco da sua conversão ao catolicismio. Chamava-se «Saved» e, se não garantiu a Dylan um lugar no céu, foi pelos vistos suficiente para proporcionar ao Papa um lugar de honra na plateia.

A verdade é que, juntos e ao vivo, Dylan e Woityla estão apenas a dar um cristianíssimo exemplo de reconciliação. Um exemplo que foi já seguido pelo português Carlos Antunes que, segundo foi noticiado esta semana, trocou definitivamente a guerrilha urbana pelo fato e gravata e é hoje um dos sócios da empresa de construção civil Euro-Amer, ao lado de Artur Albarran e do ex-director da CIA Frank Carlucci.

A isto, segundo a moderna linguagem, não se chama incoerência, mas sim evolução. Um dia destes, não há-de faltar muito, ainda hei-de ver Zita Seabra ir a Fátima a pé.

TSF | 1.Out.1997

Mais sugestões de leitura

  • Falando assédioOpen or Close

    Quando não têm uma guerrazinha com que se entreter, os americanos são capazes de tudo. Até de transformar em notícia as possíveis aventuras extraconjugais de Bill Clinton. Tudo começou com uma vulgar acusação de assédio sexual - essa brilhante invenção norte-americana deste fim de milénio. Pessoalmente, devo dizer não tenho nada contra o assédio sexual - seja no local de trabalho, na rua ou mesmo em casa. Acredito até que, sem assédio, a humanidade acabaria por se extinguir, por manifesta falta de assunto.

    TSF | 28.Jan.1998

    Ler Mais
  • O regresso de Karlos StarkillerOpen or Close

    Fernando Carlos Nunes de Melo Relvas e Karlos Pombo Capador Starkiller voltam a encontrar-se, mais de uma dúzia de anos depois de se terem cruzado pela primeira vez numa rua estreita do Bairro Alto. Nessa altura, Starkiller estava de partida para o outro lado do mundo, fugido à modorra chata de Lisboa, atrás de aventuras alucinantes que iria viver na companhia de malta tão curiosa como a Olga Punk, o irmão Lince, Chiquita, o Ianqui Louco, D. Juanito e o mais coerente super-herói que me foi dado conhecer, o Capitão Latino-América.

    Prefácio a Karlos Starkiller, de Fernando Relvas | 1997

    Ler Mais
  • Grândola no mundoOpen or Close

    Grândola no mundo, a várias vozes e em diferentes ritmos.

    Porque Abril também se canta em estrangeiro.

    Ler Mais
  • José Mário BrancoOpen or Close

    Poucos dias passados sobre o 25 de Abril, ele foi o primeiro a definir quais deviam ser os cânones da canção de intervenção, numa reunião de cantores que integraram o Colectivo de Acção Cultural, nascido no alvorar da revolução, e que eram quase todos os que vinham da canção de protesto que marcou os últimos anos da ditadura. O exemplo do que deveria ser feito, agora que o fascismo estava derrubado e a liberdade fora alcançada, apresentou-o José Mário Branco nesse dia. Chamava-se Alerta e marcou a estreia da canção-de-combate após a revolução.

    Ler Mais