Insondáveis designíos

tsf2.jpg

O Papa foi ver um espectáculo de Bob Dylan. Poucos anos atrás, uma notícia deste tipo seria, no mínimo, uma brincadeira de gosto duvidoso. Na melhor das hipóteses (isto é, se a notícia fosse verdadeira) seria motivo de manchete em quase todos os jornais do planeta.

O Papa? Num espectáculo de Bob Dylan?

Eu sei que o mundo está a mudar e que as verdades absolutas de ontem deixaram de o ser às primeiras horas da manhã de hoje. Eu sei que a Rússia já se converteu e que o big show do julgamento final não deve tardar a aparecer por aí, certamente patrocinado por um banco ou uma seguradora. Eu sei, enfim, que a  realidade, tal como a tradição, já não é o que era.

Mas, ainda assim, não deixo de sentir um estremecimento ao ver Sua Santidade ouvindo «Knockin' On Heaven's Door» como se escutasse «Queremos Deus Homens Ingratos» ou o clássico «Miraculosa, Rainha dos Céus». Está certo que o Papa é polaco e Bob Dylan nasceu nos Estados Unidos, mas isso não justifica tudo.

Não quero insinuar que Karol Woytila esteja a perder as capacidades e a firmeza que lhe conhecíamos e se deixe comover por uma vozinha desafinada que lhe pergunta «how many times must a man turn his face pretending he just does'nt see». Mas reconheço que é difícil entender a razão que levou o Papa a estrear-se no rock com Bob Dylan. Logo com Bob Dylan. Seria lógico que o Sumo Pontífice desejasse ouvir Roberto Carlos cantar «Jesus Cristo Eu Estou Aqui» e ninguém se incomodaria se os serviços do Vaticano telefonassem para o Coliseu a reservar bilhetes para o próximo espectáculo de Frei Hermano da Câmara.

Agora, Bob Dylan? O mesmo a quem os serviços secretos norte-americanos ainda há pouco mais de 20 anos chamavam comunista? O mesmo que reivindicava para si o estatuto de anarco-sindicalista enquanto cantava as canções que mais incomodavam todos os poderes - incluindo, naturalmente, o poder da Igreja?

A explicação é simples. Dos pecados da juventude, já Bob Dylan se redimiu há uma boa dúzia de anos, quando gravou o disco da sua conversão ao catolicismio. Chamava-se «Saved» e, se não garantiu a Dylan um lugar no céu, foi pelos vistos suficiente para proporcionar ao Papa um lugar de honra na plateia.

A verdade é que, juntos e ao vivo, Dylan e Woityla estão apenas a dar um cristianíssimo exemplo de reconciliação. Um exemplo que foi já seguido pelo português Carlos Antunes que, segundo foi noticiado esta semana, trocou definitivamente a guerrilha urbana pelo fato e gravata e é hoje um dos sócios da empresa de construção civil Euro-Amer, ao lado de Artur Albarran e do ex-director da CIA Frank Carlucci.

A isto, segundo a moderna linguagem, não se chama incoerência, mas sim evolução. Um dia destes, não há-de faltar muito, ainda hei-de ver Zita Seabra ir a Fátima a pé.

TSF | 1.Out.1997

Mais sugestões de leitura

  • Uma esperança na escuridãoOpen or Close

    Há quem diga que é um prenúncio do fim do mundo, há quem pense que se trata de castigo divino, há quem ache que a culpa é da crise económica global. Não, não estou a falar do terramoto do Chile, nem dos massacres da Nigéria, nem da interminável guerra do Iraque, nem sequer dos sucessivos escândalos que ameaçam transformar Berlusconi no mais hilariante sucessor de Boris Yeltsin no anedotário europeu. Refiro-me antes a essa espécie de loucura branda que parece ter tomado conta do mundo e faz com que a humanidade aceite como naturais as mais incríveis aberrações sociais, políticas e económicas.

    Zoot | Primavera-Verão 2010

    Ler Mais
  • Zeca de corpo e almaOpen or Close

    Tenho para mim que o mais difícil de cada vez que alguém pretende fazer novas versões de temas antigos – sobretudo de canções tão marcantes como são, por regra, todas os de Zeca – é que não basta ser fiel à forma e ao conteúdo dos originais, mas é sobretudo importante manter intacto o seu espírito. Porque cada canção tem uma alma própria, que é preciso respeitar e manter intacta, por maiores que sejam as transformações, legítimas, que o corpo possa sofrer. E é isso que se sente neste disco ..

    Introdução ao CD Abril, de Cristina Branco | 2007

    Ler Mais
  • Onde é que está o 25 de Abril?Open or Close

    Desde já confesso: sou culpado. Culpado de ter vivido intensamente o 25 de Abril e os dias levantados que se seguiram. Estava em Ílhavo, quando tudo começou, mas ninguém é perfeito. Era jovem e pensava. Éramos imortais, e não queríamos perder tempo. Queríamos o mundo, e tínhamos o mundo. Em ano e meio, fizemos de um país tristonho uma pátria onde valia a pena sonhar. E sonhámos, e vivemos horas que ninguém nos tira. Depois, a vida real impôs-se e mostrou-nos que há um preço para tudo, até para os sonhos. Pagámos por isso, e muitos de nós continuam a pagar. E, afinal, qual é o preço da nossa culpa? Quisemos ser felizes. E isso é crime?

    Ler Mais
  • O fumo e o fogoOpen or Close

    Acabo de ler esta história, e apetece-me acender um cigarro. Não é politicamente correcto dizê-lo, e menos ainda fazê-lo: o higienismo e a lei, ou vice-versa, dizem que fumar mata. Claro que a vida também mata, e em meio século de existência ainda não conheci ninguém que lhe conseguisse sobreviver. Mas isso não é preocupação dos legisladores, empenhados que estão em conseguir que morramos todos cheios de saúde.
    Pouco importa. Este aparente desacerto da prosa vem a propósito de mais uma ficção que Nuno Gomes dos Santos agora dá a conhecer em forma de livro.

    Prefácio a Reserva de Fumo, de Nuno Gomes dos Santos | 2009

    Ler Mais