Ler jornais é saber demais

tsf12.jpg

Cada vez me custa mais a entender aquela teimosa mania que o professor Cavaco tinha de não ler jornais. É verdade que os jornais, por regra, estão cada vez mais pardos e menos interessantes. E é um facto que certos jornalistas são tão vergonhosamente ignaros e tão desprovidos de sentido ético, que até já pensei requerer a nova carteira profissional na categoria de «artista de variedades».

Mas ainda assim, eu, que sou teimoso, continuo a ler jornais. Será um vício, talvez, mas o que hei-de fazer? Ontem mesmo, por exemplo, fiquei a saber pelo Diário de Notícias que a polícia não serve só para reprimir, de acordo com o terá dito o ministro Jorge Coelho. O que significa que, lá no fundo, a polícia deve ter alguma utilidade, ainda que ninguém, nem sequer o ministro, saiba dizer em rigor qual é.

A verdade, porém, é que o mundo está cheio de coisas que a razão pura e simples não consegue explicar. Deve ser por isso, aliás, que no mesmo Diário de Notícias de ontem, nem uma página inteira chegou para o ministro Pina Moura conseguir demonstrar, na prática, aquilo em que consiste o «governar à esquerda» do Partido Socialista. Ao longo de não sei quantos mil caracteres, o ministro da Economia falou do FMI, da «dimensão política e social dos mecanismos de integração económica e financeira», da «empregabilidade», da «competitividade», essas coisas. E ficámos a saber que o PS «governa à esquerda» porque «transformou num círculo virtuoso emprego e convergência nominal». Pois.

Se, em vez do Diário de Notícias, Pina Moura tivesse escolhido «Os Filhos da Nação», não tenho dúvidas de que o impacto da sua mensagem seria radicalmente diferente. Não que se percebesse melhor, mas seria pelo menos mais divertido.

Aliás, o recurso aos espaços televisivos poderia ser uma boa solução para explicar ao povo essa coisa da moeda única, que nos está a entrar no bolso não tarda nada.

O ministro das Finanças poderia muito bem utilizar o «Big Show Sic» ou «A Roda dos Milhões» para nos contar como é que vai ser a nossa vida quando o escudo passar à história. No entanto, Sousa Franco acha que os portugueses já sabem de cor e salteado a lição do Euro. E acha também que o Governo não tem obrigação de explicar essas coisas aos mortais comuns.

O pior é que o ministro das Finanças é bem capaz de ter razão. Assim como assim, o povo não ía entender nada. E, mesmo que entendesse, o mais provável era que mudasse de canal.

Às tantas, o melhor é Sousa Franco fazer como Pina Moura e passar tudo a escrito - neste caso, de preferência, num jornal de pouca circulação.

TSF | 21.Jan.1998

Mais sugestões de leitura

  • A voz do desassossegoOpen or Close

    «Águas das fontes calai / ó ribeiras chorai / que eu não volto a cantar…» Por um instante, a voz de Zeca estremece e emociona a plateia, onde muitos não conseguem conter as lágrimas perante a crueza premonitória deste verso, aquele que ainda hoje em primeiro lugar me ocorre de cada vez que penso nessa noite mágica de 29 de Janeiro de 1983. Raras vezes um tema musical terá sido tão perturbador para um auditório como o foi essa Balada de Outono cantada por José Afonso no palco do Coliseu dos Recreios. Nenhum de nós o dizia, mas todos sabíamos que aquela era, com certeza, a última vez que o teríamos ali connosco, a cantar como só ele as coisas que mais ninguém sabia fazer assim.

    Introdução ao DVD Ao Vivo no Coliseu, de José Afonso | 2010

    Ler Mais
  • A magia da criaçãoOpen or Close

    Luísa Amaro é como se chama a mulher que dá vida e alma a estas músicas, seguida de perto por Miguel Carvalhinho. Habituámo-nos a ouvir a guitarra portuguesa tocada por mãos viris, mas o que aqui se nos revela é um lado outro desse instrumento delicado, talvez aquilo que explica o segredo dos mestres, sabedores de que a guitarra é um ser sensível, guardador de muitas emoções, nem sempre ao alcance da vontade de quem a toca.

    Introdução ao CD Canção para Carlos Paredes de Luísa Amaro | 2004

    Ler Mais
  • Percursos do marginal de sucessoOpen or Close

    Tinha 51 anos, era casado com a Sara e pai do João, calçava 43 e só não participou no Maio de 68 porque não estava lá. Era o Júlio Pinto e morreu no dia de aniversário da República. Abaixo o 5 de Outubro!

    Grande Amadora | 13.Out.2000

    Ler Mais
  • A vida por um traçoOpen or Close

    Boémio incurável, amante fiel mas inconstante, apreciador de bons vinhos e petisqueiro afamado, Fernando Relvas reparte o seu tempo de forma desigual entre uma casa em Almoçageme, bares diversos da capital e o Raven, «um corvo atracado no Tejo» ...

    Expresso | 1997

    Ler Mais