Ler jornais é saber demais

tsf12.jpg

Cada vez me custa mais a entender aquela teimosa mania que o professor Cavaco tinha de não ler jornais. É verdade que os jornais, por regra, estão cada vez mais pardos e menos interessantes. E é um facto que certos jornalistas são tão vergonhosamente ignaros e tão desprovidos de sentido ético, que até já pensei requerer a nova carteira profissional na categoria de «artista de variedades».

Mas ainda assim, eu, que sou teimoso, continuo a ler jornais. Será um vício, talvez, mas o que hei-de fazer? Ontem mesmo, por exemplo, fiquei a saber pelo Diário de Notícias que a polícia não serve só para reprimir, de acordo com o terá dito o ministro Jorge Coelho. O que significa que, lá no fundo, a polícia deve ter alguma utilidade, ainda que ninguém, nem sequer o ministro, saiba dizer em rigor qual é.

A verdade, porém, é que o mundo está cheio de coisas que a razão pura e simples não consegue explicar. Deve ser por isso, aliás, que no mesmo Diário de Notícias de ontem, nem uma página inteira chegou para o ministro Pina Moura conseguir demonstrar, na prática, aquilo em que consiste o «governar à esquerda» do Partido Socialista. Ao longo de não sei quantos mil caracteres, o ministro da Economia falou do FMI, da «dimensão política e social dos mecanismos de integração económica e financeira», da «empregabilidade», da «competitividade», essas coisas. E ficámos a saber que o PS «governa à esquerda» porque «transformou num círculo virtuoso emprego e convergência nominal». Pois.

Se, em vez do Diário de Notícias, Pina Moura tivesse escolhido «Os Filhos da Nação», não tenho dúvidas de que o impacto da sua mensagem seria radicalmente diferente. Não que se percebesse melhor, mas seria pelo menos mais divertido.

Aliás, o recurso aos espaços televisivos poderia ser uma boa solução para explicar ao povo essa coisa da moeda única, que nos está a entrar no bolso não tarda nada.

O ministro das Finanças poderia muito bem utilizar o «Big Show Sic» ou «A Roda dos Milhões» para nos contar como é que vai ser a nossa vida quando o escudo passar à história. No entanto, Sousa Franco acha que os portugueses já sabem de cor e salteado a lição do Euro. E acha também que o Governo não tem obrigação de explicar essas coisas aos mortais comuns.

O pior é que o ministro das Finanças é bem capaz de ter razão. Assim como assim, o povo não ía entender nada. E, mesmo que entendesse, o mais provável era que mudasse de canal.

Às tantas, o melhor é Sousa Franco fazer como Pina Moura e passar tudo a escrito - neste caso, de preferência, num jornal de pouca circulação.

TSF | 21.Jan.1998

Mais sugestões de leitura

  • Um empresário de sucessosOpen or Close

    «A minha profissão não existe», diz o road manager do grupo português de maior sucesso no estrangeiro, o Madredeus. Pioneiro da produção profissional de espectáculos no nosso país, Fernando Marrucho, de 38 anos, tem ideias muito claras sobre o que caracteriza este sector de actividade. Que, embora próspero, continua a não ter enquadramento legal satisfatório.

    Status (Semanário Económico) | Nov/Dez.2001

    Ler Mais
  • Um coração sobre o mundoOpen or Close

    (...) E no entanto Carlos Paredes foi, sempre, um ser atento à realidade. Basta ouvir-lhe as músicas, que são o maior e mais autêntico reflexo da alma lusitana. Ou ler os seus textos (e como escrevia bem, este Paredes!) em que, detalhada e apaixonadamente, reflectia sobre as mais diversas questões da vida. Ou tê-lo visto alguma vez em palco, onde construía um permanente diálogo com quem o escutava, com a humildade de que só os grandes génios são capazes.
    Quando, há uns anos, foi condecorado pelo então Presidente da República, Mário Soares, por ocasião de um 10 de Junho, fui encontrá-lo, discreto, no foyer do São Carlos, depois da cerimónia, distribuindo abraços, daquela forma sincera que o caracterizava. «Isto é bom: sempre se encontram uns amigos», disse-me então, alheio à snobeira bacoca que sempre rodeia estes momentos.

    A Capital | 24.Jul.2004

    Ler Mais
  • Memórias de Santa EngráciaOpen or Close
    De todos os templos portugueses nenhum demorou tanto tempo a construir como o de Santa Engrácia – hoje Panteão Nacional – no coração da Lisboa antiga, que Ramalho Ortigão considerou «o mais belo dos nossos monumentos do século XVII». A sua história está intimamente ligada às crenças populares nascidas após o célebre «desacato de Santa Engrácia», em 1630, e constituiu o fulcro das atenções do «passeio de domingo» que o Centro Nacional de Cultura ontem realizou.
    O Diário | 25.Mai.1981
    Ler Mais
  • Falando assédioOpen or Close

    Quando não têm uma guerrazinha com que se entreter, os americanos são capazes de tudo. Até de transformar em notícia as possíveis aventuras extraconjugais de Bill Clinton. Tudo começou com uma vulgar acusação de assédio sexual - essa brilhante invenção norte-americana deste fim de milénio. Pessoalmente, devo dizer não tenho nada contra o assédio sexual - seja no local de trabalho, na rua ou mesmo em casa. Acredito até que, sem assédio, a humanidade acabaria por se extinguir, por manifesta falta de assunto.

    TSF | 28.Jan.1998

    Ler Mais