Pipi de camarão

Mais de 15 toneladas de supostas moelas de galinha estão, desde a passada segunda-feira, retidas no porto de Leixões por suspeita de serem oriundas de Hong Kong, segundo noticiou ontem o Público.

De acordo com a notícia, um total de 15 mil 447 quilos de miúdos de frango terão sido descarregados de um navio vindo de Roterdão e foram retidas pelas autoridades portuguesas por suspeita de estarem contaminados com o virus H5 N1, responsável pelo recente surto da chamada «gripe das aves» que provocou vários mortos em Hong Kong.

Notícia posterior, divulgada ontem à tarde por algumas estações de rádio, revelava que, afinal, as moelas eram camarões e a sua origem era a Améria do Sul e não a antiga colónia britânica na China.
Mesmo admitindo que houve um erro inicial de apreciação que levou os técnicos a confundir as populares vísceras de frango com camarões de Espinho e a China com a América do Sul, esta não deixa de ser uma notícia alarmante.

Preocupa-me sobretudo a possibilidade implícita de um prato tão genuinamente lusitano como os pipis ser confeccionado a partir de aves nascidas e criadas no outro lado do mundo. Se é possível alguém importar moelas de Hong Kong, quem nos garante que, um dia destes, não estaremos a comer leitão da Bairrada produzido na Tailândia, tripas à moda do Porto feitas na Malásia ou alheiras de Mirandela fabricadas no Brasil?

Perante este cenário, deixa de ser possível acreditar que a mioleira que celebrizou o ministro Gomes da Silva fosse oriunda da Europa. Na verdade, é bem mais provável que se tratasse da massa cinzenta de uma vaca sagrada indiana do que de uma qualquer vaca louca europeia.

Depois de o strogonoff ex-soviético ter sido derrotado pelo hamburguer norte-americano e de a saborosa mas mal parecida fruta lusitana ter perdido terreno em favor das insípidas maçãs insufladas de Espanha, só faltava mesmo acabarem-nos com os pipis.

Por este andar, dentro de pouco tempo estaremos todos a beber vinho do Dão feito na Alemanha, água das pedras engarrafada na Sibéria e bagaço caseiro produzido na Argentina. Às tantas, sem nos darmos conta, hão-de servir-nos vitela de Lafões vinda directamente dos Alpes, queijo de Serpa fabricado em Marrocos e sopa de cação feita no Luxemburgo.

E, o que é o pior de tudo, há-de haver alguém a querer convencer-nos de que a pizza é um prato tipicamente transmontano e a coca-cola uma bebida inventada pelos monges de Singeverga.

Razão tinha o professor Salazar, que criava as suas próprias galinhas nos quintais de São Bento e só comia as batatas e as couves que D. Maria lhe trazia da praça. Pelo sim pelo não, acho que vou dedicar-me ao cultivo de espécies simples de vegetais e de uns quantos galináceos na varanda do meu prédio. Pode não ser muito prático, mas pelo menos fico com a certeza de que ninguém me vai servir moela chinesa por pipi lusitano.

TSF | 7.Jan.1998

Mais sugestões de leitura

  • Um golpe de mestreOpen or Close

    Não há melhor meio de desvalorizar uma mensagem do que descredibilizar o mensageiro. E é isso, em primeiro lugar, que sobressai do triste folhetim natalício desenvolvido a partir do alegado currículo inventado do não menos alegado professor Artur Baptista da Silva.

    Jornal do Fundão | 10.Jan.2013

    Ler Mais
  • Entrevista ao Portugal RebeldeOpen or Close

    "O Zeca morreu há 22 anos, mas de certo modo está hoje mais vivo do que nunca. Creio que a nova geração já o descobriu, pelo menos em parte, e a prova disso está em que nos últimos dez anos foram gravadas tantas versões de músicas dele como as que foram feitas ao longo das duas últimas décadas do século passado."

    Ler Mais
  • O samba que veio do morroOpen or Close

    «O samba é uma das músicas mais fortes do mundo, porque é o resultado de três raças: o africano, o português e o índio brasileiro. É por isso que o samba tem uma coisa que nenhuma outra música tem: um ritmo fora do comum, aliado a uma melodia e uma harmonia geniais. E isso deve-se à união maravilhosa entre a melodia portuguesa, o fado – que é um lamento lindo! – com o ritmo africano. O samba é mulato...» Baden Powell, Lisboa, 1982.

    Ler Mais
  • Humana forma de vidaOpen or Close

    «Eu não passei pela vida, a vida é que passou por mim», dizia. E assim, entre a sua estreia (aos 19 anos, no Retiro da Severa), e a sua última actuação pública, em 1994, Amália nunca deixou de se surpreender com o que a vida lhe deu. (...) Amália sobreviveu às transformações sociais e políticas do seu país, e quando deixou o mundo dos vivos, a 6 de Outubro de 1999, era já uma figura consensual. Pelos quatro cantos do mundo, por onde andou, a sua voz continua a fascinar, vencendo a morte. Porque é humana, como a sua história.

    Ler Mais