Pipi de camarão

Mais de 15 toneladas de supostas moelas de galinha estão, desde a passada segunda-feira, retidas no porto de Leixões por suspeita de serem oriundas de Hong Kong, segundo noticiou ontem o Público.

De acordo com a notícia, um total de 15 mil 447 quilos de miúdos de frango terão sido descarregados de um navio vindo de Roterdão e foram retidas pelas autoridades portuguesas por suspeita de estarem contaminados com o virus H5 N1, responsável pelo recente surto da chamada «gripe das aves» que provocou vários mortos em Hong Kong.

Notícia posterior, divulgada ontem à tarde por algumas estações de rádio, revelava que, afinal, as moelas eram camarões e a sua origem era a Améria do Sul e não a antiga colónia britânica na China.
Mesmo admitindo que houve um erro inicial de apreciação que levou os técnicos a confundir as populares vísceras de frango com camarões de Espinho e a China com a América do Sul, esta não deixa de ser uma notícia alarmante.

Preocupa-me sobretudo a possibilidade implícita de um prato tão genuinamente lusitano como os pipis ser confeccionado a partir de aves nascidas e criadas no outro lado do mundo. Se é possível alguém importar moelas de Hong Kong, quem nos garante que, um dia destes, não estaremos a comer leitão da Bairrada produzido na Tailândia, tripas à moda do Porto feitas na Malásia ou alheiras de Mirandela fabricadas no Brasil?

Perante este cenário, deixa de ser possível acreditar que a mioleira que celebrizou o ministro Gomes da Silva fosse oriunda da Europa. Na verdade, é bem mais provável que se tratasse da massa cinzenta de uma vaca sagrada indiana do que de uma qualquer vaca louca europeia.

Depois de o strogonoff ex-soviético ter sido derrotado pelo hamburguer norte-americano e de a saborosa mas mal parecida fruta lusitana ter perdido terreno em favor das insípidas maçãs insufladas de Espanha, só faltava mesmo acabarem-nos com os pipis.

Por este andar, dentro de pouco tempo estaremos todos a beber vinho do Dão feito na Alemanha, água das pedras engarrafada na Sibéria e bagaço caseiro produzido na Argentina. Às tantas, sem nos darmos conta, hão-de servir-nos vitela de Lafões vinda directamente dos Alpes, queijo de Serpa fabricado em Marrocos e sopa de cação feita no Luxemburgo.

E, o que é o pior de tudo, há-de haver alguém a querer convencer-nos de que a pizza é um prato tipicamente transmontano e a coca-cola uma bebida inventada pelos monges de Singeverga.

Razão tinha o professor Salazar, que criava as suas próprias galinhas nos quintais de São Bento e só comia as batatas e as couves que D. Maria lhe trazia da praça. Pelo sim pelo não, acho que vou dedicar-me ao cultivo de espécies simples de vegetais e de uns quantos galináceos na varanda do meu prédio. Pode não ser muito prático, mas pelo menos fico com a certeza de que ninguém me vai servir moela chinesa por pipi lusitano.

TSF | 7.Jan.1998

Mais sugestões de leitura

  • Maria Teresa HortaOpen or Close

    Uma mulher que gosta de ser mulher e por isso não se conforma com aquilo que dizem ser o destino das mulheres. E por isso luta, e por isso escreve, e por isso grita. Eis Maria Teresa Horta, mulher e escritora que a partir dos anos 60 se afirmou como uma voz central da poesia portuguesa, pela coragem de romper com estereótipos e tabus que pareciam inquestionáveis.
    O corpo, o prazer, o sexo, eram então coisas sobre as quais uma senhora não deveria falar, muito menos em público. E por isso quando, em 1972, se junta a Maria Isabel Barreno e Maria Velho da Costa para a publicação das Novas Cartas Portuguesas, o escândalo foi tremendo: o livro foi apreendido e as autoras levadas a julgamento.

    Ler Mais
  • Elogio da inocênciaOpen or Close

    Naquele tempo éramos todos imortais. Havia mais mundos para lá do mundo que nos era dado conhecer e onde nos era permitido viver. E nós sabíamos. Era o tempo das coisas inevitáveis, como a realidade imaginada, a noite a descobrir, o sonho, a urgência das coisas para viver. E nós vivíamos. E inventávamos sons e momentos, da mesma forma rigorosa e apaixonada com que fazíamos crescer os silêncios até o seu clamor invadir tudo. Foi nesse tempo e dessa forma que o Geraldo se tornou meu irmão. Ele era imortal, como eu, e os imortais sabem sempre reconhecer os da sua laia.

    Prefácio a Cravos com Espinhos, de Geraldo Alves | 2003

    Ler Mais
  • À flor das cidadesOpen or Close

    Viriato escreve como se estivesse de partida para mais um combate que vai perder. Como se interminavelmente esperasse a amada num bar da Havana velha sabendo que a amada não vai empurrar os batentes. Viriato sabe que a revolução é um lírio da Mesopotâmia. Na interminável espera, Viriato escreve, talvez em toalhas de papel. Mas não desespera.

    Ler Mais
  • Silêncios sem preçoOpen or Close

    Agora, António Ferra propõe-nos estes Silêncios Comprados. São três histórias de subúrbios e de gente igual a toda a gente. Neste livro há personagens que vivem «entalada[s] entre marquises de alumínio» em bairros onde os passeios «estão cheios de carros mal intencionados», há imigrantes ucranianos e brasileiros e sãotomenses, uma mulher mal-casada com um tecnocrata (o que até é capaz de ser um bocado pleonástico...), um cão à chuva, gente à procura dos significados do amor nas escadas intermináveis de um prédio de Lisboa. São gente sem rosto, mas com nome, afinal gente igual a toda a gente, com as mesmas angústias, os mesmos medos, as mesmas dúvidas.

    Apresentação de Silêncios Comprados, de António Ferra | 2007

    Ler Mais