Pizza hurt

tsf10.jpg

Na semana passada, a propósito do Natal, falei aqui da conversão de Mikahil Gorbatchov à economia de mercado, consubstanciada numa polémica campanha publicitária de fast-food, que lhe terá rendido a módica receita de um milhão de dólares - cerca de 180 mil contos ao câmbio actual.

Volto hoje ao assunto já que, graças à TV Cabo, este folhetim trágico-cómico ganhou nos últimos dias novos contornos e permitiu-nos conhecer um pouco mais sobre a nova actividade do antigo presidente da defunta União Soviética. Afinal, a tão comentada publicidade do ex-líder soviético às pizzas norte-americanas tem também uma versão televisiva, revelando-nos desconhecidas capacidades cinematográficas de um Gorbatchov sorridente e indiferente às vozes, presentes no filme-anúncio, que o acusam de ter lançado a Rússia no caos e o povo na miséria.

Na reportagem divulgada pela TV Cabo, vários cidadãos russos foram também chamados a dizer de sua justiça a propósito do referido anúncio e da actuação do seu ex-presidente. As opiniões eram muitas e divergentes, mas ficou-me sobretudo a daquela jovem que dizia acreditar que, da próxima vez, Gorbatchov deveria dedicar o seu talento publicitário a uma qualquer marca de pensos higiénicos.

O antigo presidente soviético justificou a sua atitude pela necessidade de angariar dinheiro para a Fundação que dirige desde que a URSS passou à história. Os seus detractores afirmam que, por este andar, o homem da mancha na testa vai acabar a fazer reclames de hamburgueres, refrigerantes ou garrafas de vodka.

No entanto, creio que o mundo não compreendeu o verdadeiro alcance do gesto magnânimo de Gorbatchov. Ao oferecer pizzas ao povo, ele não estará a fazer mais do que autocriticar-se pelo precário estado actual dos estômagos dos seus concidadãos. E se, como acreditam os seus inimigos, o antigo presidente acabar os seus dias como funcionário da McDonald's ou da Coca Cola, será apenas por solidariedade para com o seu povo: se a plebe é obrigada a comer mal e beber pior, os seus ex-dirigentes têm a obrigação de dar o exemplo.

Foi, aliás, o que fez Boris Ieltsin, que há dois dias prometeu aos russos que 1998 será um ano melhor do que aquele que hoje termina. Para que ninguém duvide, ele mesmo começará, já na próxima segunda feira, um período de 15 dias de férias. O que, naturalmente, enche de júbilo os seus concidadãos. Afinal, estando longe do Kremlin, há pelo menos a certeza de que Ieltsin não será protagonista de nenhum dos seus já populares disparates que tanto têm contribuído para aumentar o famoso anedotário russo.

Já agora: alguém me sabe explicar por que razão Gorbatchov não tira férias há mais de seis anos?

TSF | 31.Dez.1997

Mais sugestões de leitura

  • Apresentação em Lisboa e PortoOpen or Close

    João Paulo Guerra, em Lisboa, e Rui Pato, no Porto, foram os "mestres de cerimónias" dos lançamentos da nova edição revista e aumentada de As Voltas de um Andarilho nas duas principais cidades. Na capital, a sessão contou com a participação dos Couple Coffee, que cantaram vários temas de Zeca. No Porto, a intervenção musical esteve a cargo de João Teixeira - e do próprio Rui Pato.

    Ler Mais
  • Grândola no mundoOpen or Close

    Grândola no mundo, a várias vozes e em diferentes ritmos.

    Porque Abril também se canta em estrangeiro.

    Ler Mais
  • Um metro de vida bem medidoOpen or Close

    Podia começar por dizer-vos o óbvio: que não estou aqui hoje por outros méritos para lá do da amizade, o que poderia tornar suspeita a minha leitura deste «Um Metro de Vida». Mas se a amizade é longa – e, sobretudo, cheia de cumplicidades criadas nos percursos todos que já partilhámos – se a amizade é longa, dizia, então por maioria de razões tenho a obrigação de ser autêntico. O Nuno Gomes dos Santos escreve sobre pessoas vivas. Assim foi nos tempos do «Diário de Lisboa» e de «O Diário», do «Se7e» e do «Musicalíssimo», d’«A Capital» e d’«O Primeiro de Janeiro», jornais onde deixou marcas e uma parte importante da sua vida. Assim é nas canções que escreve e canta, e também nos livros que vem publicando desde há uma dúzia de anos.

    Apresentação de Um Metro de Vida, de Nuno Gomes dos Santos | 2004

    Ler Mais
  • O fumo e o fogoOpen or Close

    Acabo de ler esta história, e apetece-me acender um cigarro. Não é politicamente correcto dizê-lo, e menos ainda fazê-lo: o higienismo e a lei, ou vice-versa, dizem que fumar mata. Claro que a vida também mata, e em meio século de existência ainda não conheci ninguém que lhe conseguisse sobreviver. Mas isso não é preocupação dos legisladores, empenhados que estão em conseguir que morramos todos cheios de saúde.
    Pouco importa. Este aparente desacerto da prosa vem a propósito de mais uma ficção que Nuno Gomes dos Santos agora dá a conhecer em forma de livro.

    Prefácio a Reserva de Fumo, de Nuno Gomes dos Santos | 2009

    Ler Mais