Pizza hurt

tsf10.jpg

Na semana passada, a propósito do Natal, falei aqui da conversão de Mikahil Gorbatchov à economia de mercado, consubstanciada numa polémica campanha publicitária de fast-food, que lhe terá rendido a módica receita de um milhão de dólares - cerca de 180 mil contos ao câmbio actual.

Volto hoje ao assunto já que, graças à TV Cabo, este folhetim trágico-cómico ganhou nos últimos dias novos contornos e permitiu-nos conhecer um pouco mais sobre a nova actividade do antigo presidente da defunta União Soviética. Afinal, a tão comentada publicidade do ex-líder soviético às pizzas norte-americanas tem também uma versão televisiva, revelando-nos desconhecidas capacidades cinematográficas de um Gorbatchov sorridente e indiferente às vozes, presentes no filme-anúncio, que o acusam de ter lançado a Rússia no caos e o povo na miséria.

Na reportagem divulgada pela TV Cabo, vários cidadãos russos foram também chamados a dizer de sua justiça a propósito do referido anúncio e da actuação do seu ex-presidente. As opiniões eram muitas e divergentes, mas ficou-me sobretudo a daquela jovem que dizia acreditar que, da próxima vez, Gorbatchov deveria dedicar o seu talento publicitário a uma qualquer marca de pensos higiénicos.

O antigo presidente soviético justificou a sua atitude pela necessidade de angariar dinheiro para a Fundação que dirige desde que a URSS passou à história. Os seus detractores afirmam que, por este andar, o homem da mancha na testa vai acabar a fazer reclames de hamburgueres, refrigerantes ou garrafas de vodka.

No entanto, creio que o mundo não compreendeu o verdadeiro alcance do gesto magnânimo de Gorbatchov. Ao oferecer pizzas ao povo, ele não estará a fazer mais do que autocriticar-se pelo precário estado actual dos estômagos dos seus concidadãos. E se, como acreditam os seus inimigos, o antigo presidente acabar os seus dias como funcionário da McDonald's ou da Coca Cola, será apenas por solidariedade para com o seu povo: se a plebe é obrigada a comer mal e beber pior, os seus ex-dirigentes têm a obrigação de dar o exemplo.

Foi, aliás, o que fez Boris Ieltsin, que há dois dias prometeu aos russos que 1998 será um ano melhor do que aquele que hoje termina. Para que ninguém duvide, ele mesmo começará, já na próxima segunda feira, um período de 15 dias de férias. O que, naturalmente, enche de júbilo os seus concidadãos. Afinal, estando longe do Kremlin, há pelo menos a certeza de que Ieltsin não será protagonista de nenhum dos seus já populares disparates que tanto têm contribuído para aumentar o famoso anedotário russo.

Já agora: alguém me sabe explicar por que razão Gorbatchov não tira férias há mais de seis anos?

TSF | 31.Dez.1997

Mais sugestões de leitura

  • Como é que ele conseguiu?Open or Close

    A minha primeira impressão deste livro é a pesquisa exaustiva que o autor fez dos entrevistados. Quando a gente termina aquela leitura já estamos prontos para dar um mergulho na entrevista e já o fazemos com água na boca. Quase como quando um requintado cozinheiro envia para a mesa uma travessa apetitosíssima, suculenta, que a gente fica doido para devorar. Isso, para além do talento deste autor, que tem muito a ver com a honestidade profissional, do apuro e do contentamento de quem a escreve. (...) «Bocas de Cena» é um livro excelente com uma dezena de entrevistados inatingíveis, e a pergunta é: Como é que ele conseguiu?

    Ler Mais
  • Primeiro andamento: das origensOpen or Close

    – Quando começaste a cantar, em 1963, estavas numa área artística e movias-te num meio social que não era propriamente o mesmo do Zeca. Que influência é que ele acabou por ter em ti?

    – Foi muito grande. Muito maior do que aquilo que eu na altura teria entendido, hoje tenho essa dimensão. Repara que eu venho de um meio muito específico, que é o meio do fado. Na altura não se sabia, mas hoje está provado que, durante o período de gestação, o bebé recebe todas as influências da mãe. Todas. E a minha mãe, por razões conjunturais da vida dos meus pais, teve de cantar até ao oitavo mês de gravidez. Cantava de xaile para disfarçar a barriguinha, mas foi um período muito difícil na vida deles. Isto são histórias que me foram contadas por ela e pelo meu pai. Eu nasci em 1939, estava a começar a guerra na Europa, havia muito desemprego, e o meu pai, que era um brilhante livreiro, esteve um período sem trabalho, sem qualquer trabalho. E portanto era necessário alguém sustentar a família, e foi a minha mãe que o fez. E lá estava eu, dentro daquela barriguinha, a ouvir fado, até ao oitavo mês. Eu sou oriundo disto.

    Ler Mais
  • Um marginal da políticaOpen or Close

    «Há sempre uma nova ‘guerra’ que está para chegar, e essa é sempre melhor do que a anterior. Sempre relativa, nunca deixará de o ser, por muito empenhado que eu esteja nela, por muitas noites que perca. E depois, se não resulta, normalmente sou capaz de ver o que falhou na minha actuação. Na acção política não há fórmulas mágicas, aprende-se passo a passo.»
    Carlos Antunes. Segredos e outras histórias de um guerrilheiro urbano.

    O Jornal Ilustrado | 19.Out.1990
    Ler Mais
  • O velho e o marOpen or Close

    Até me fica mal dizer isto, mas confesso que, de quando em quando, chego a ter pena do professor Cavaco. O vetusto presidente passa a maior parte do tempo mudo e quedo, decerto em reflexão, tão profunda quando inócua, sobre o mundo e o país que ajudou a criar. E é um deus-nos-acuda: que ele não diz nada quando deve dizer; que só fala a propósito de minudências como o estatuto dos Açores ou a vulnerabilidade do correio electrónico; ou ainda que, tal como a polícia e os maridos enganados, o presidente só aparece quando não é preciso.

    Jornal do Fundão | 13.Dez.2012

    Ler Mais