Pizza hurt

tsf10.jpg

Na semana passada, a propósito do Natal, falei aqui da conversão de Mikahil Gorbatchov à economia de mercado, consubstanciada numa polémica campanha publicitária de fast-food, que lhe terá rendido a módica receita de um milhão de dólares - cerca de 180 mil contos ao câmbio actual.

Volto hoje ao assunto já que, graças à TV Cabo, este folhetim trágico-cómico ganhou nos últimos dias novos contornos e permitiu-nos conhecer um pouco mais sobre a nova actividade do antigo presidente da defunta União Soviética. Afinal, a tão comentada publicidade do ex-líder soviético às pizzas norte-americanas tem também uma versão televisiva, revelando-nos desconhecidas capacidades cinematográficas de um Gorbatchov sorridente e indiferente às vozes, presentes no filme-anúncio, que o acusam de ter lançado a Rússia no caos e o povo na miséria.

Na reportagem divulgada pela TV Cabo, vários cidadãos russos foram também chamados a dizer de sua justiça a propósito do referido anúncio e da actuação do seu ex-presidente. As opiniões eram muitas e divergentes, mas ficou-me sobretudo a daquela jovem que dizia acreditar que, da próxima vez, Gorbatchov deveria dedicar o seu talento publicitário a uma qualquer marca de pensos higiénicos.

O antigo presidente soviético justificou a sua atitude pela necessidade de angariar dinheiro para a Fundação que dirige desde que a URSS passou à história. Os seus detractores afirmam que, por este andar, o homem da mancha na testa vai acabar a fazer reclames de hamburgueres, refrigerantes ou garrafas de vodka.

No entanto, creio que o mundo não compreendeu o verdadeiro alcance do gesto magnânimo de Gorbatchov. Ao oferecer pizzas ao povo, ele não estará a fazer mais do que autocriticar-se pelo precário estado actual dos estômagos dos seus concidadãos. E se, como acreditam os seus inimigos, o antigo presidente acabar os seus dias como funcionário da McDonald's ou da Coca Cola, será apenas por solidariedade para com o seu povo: se a plebe é obrigada a comer mal e beber pior, os seus ex-dirigentes têm a obrigação de dar o exemplo.

Foi, aliás, o que fez Boris Ieltsin, que há dois dias prometeu aos russos que 1998 será um ano melhor do que aquele que hoje termina. Para que ninguém duvide, ele mesmo começará, já na próxima segunda feira, um período de 15 dias de férias. O que, naturalmente, enche de júbilo os seus concidadãos. Afinal, estando longe do Kremlin, há pelo menos a certeza de que Ieltsin não será protagonista de nenhum dos seus já populares disparates que tanto têm contribuído para aumentar o famoso anedotário russo.

Já agora: alguém me sabe explicar por que razão Gorbatchov não tira férias há mais de seis anos?

TSF | 31.Dez.1997

Mais sugestões de leitura

  • Para que te serve a línguaOpen or Close

     

    A língua é um instrumento de prazer. Por vezes doce, por vezes amarga. Para usar e abusar. Para aceitar e para recusar. Para dizer. Para amar. Para mentir. Para lutar. Para viver.

    Ler Mais
  • Contas à DemocraciaOpen or Close

    Não é filósofo, nem sociólogo, tampouco analista político. Viriato Teles é apenas um português embrenhado no seu tempo, que vive a vida interpelando-a, com o dom superior de saber ouvir vozes individuais para, registando-as na palavra escrita, as devolver, plenas e inquiridoras, ao colectivo a que pertencem. (...) São 20 conversas desatadas por entrevistas a personalidades de diversas áreas da sociedade nacional, que viveram a revolução com frémito e esperança; não lhes é perguntado onde estavam no 25 de Abril, mas onde está e para onde vai o 25 de Abril; são as parcelas da prova dos nove que nos desfralda uma verdade irrefutável: Abril está na prática quotidiana da denúncia da injustiça, no inconformismo e na luta pela felicidade, o combate que legitima o homem, agora e sempre.

    Ler Mais
  • A que distância está o Zeca?Open or Close

    Mais uma vez, a luz. Mas aqui, desta vez, sem misticismo. Para o Viriato tratou-se só de erguer a lâmpada sobre as extraordinárias funções do Zeca, e nisso encontrar quem nós temos saudades de ser. De facto, não somos ainda uma nação de biografados. Às vezes é um bem; mas muitas outras é pena. Porque parte da riqueza do objecto biográfico é a sua simples dimensão romanesca. É certamente o caso do Zeca, material ficcional por excelência, porque uma vida singular, e a obra que lhe veio compor o caos, é certamente matéria-de-ouro para um livro que nunca-jamais em Portugal se escreverá.

    Ler Mais
  • Zeca de corpo e almaOpen or Close

    Tenho para mim que o mais difícil de cada vez que alguém pretende fazer novas versões de temas antigos – sobretudo de canções tão marcantes como são, por regra, todas os de Zeca – é que não basta ser fiel à forma e ao conteúdo dos originais, mas é sobretudo importante manter intacto o seu espírito. Porque cada canção tem uma alma própria, que é preciso respeitar e manter intacta, por maiores que sejam as transformações, legítimas, que o corpo possa sofrer. E é isso que se sente neste disco ..

    Introdução ao CD Abril, de Cristina Branco | 2007

    Ler Mais