Que grande pedra

tsf11.jpg

Pela leitura da última edição do Expresso, ficámos a saber que «o Presidente Jorge Sampaio propôs na última semana aos líderes dos quatro maiores partidos a realização de um almoço comum contra a droga.»

Confesso que a notícia me encheu de curiosidade, quanto mais não seja porque, apesar de já ter assistido a corridas contra o racismo, manifestações contra as propinas, e até a marchas contra os canhões, nunca tinha imaginado que fosse possível fazer almoços contra a droga.

Espero que o repasto de Sampaio com António Guterres, Marcelo Rebelo de Sousa, Carlos Carvalhas e Manuel Monteiro se realize no Casal Ventoso - onde os convivas poderão mais facilmente discorrer sobre o assunto que irá juntá-los à mesa.

Na verdade, não creio que o restaurante panorâmico de Monsanto ou a sala de jantar do Palácio de Belém sejam lugares indicados para o mais alto dignitário da nação e os representantes de parte substancial do povo eleitor trocarem impressões sobre charros, chinesas e pastilhas de ecstasy.

Ao almoço, ainda segundo o Expresso, «deverão comparecer também os ministros com competências na área». Suponho que por lá passem a ministra da saúde e o tutor das polícias - dado que, como é sabido, em Portugal se continua a pensar que a toxicodependência se resolve com troca de seringas e de bastonadas, em doses mais ou menos equivalentes.

Ainda assim, para ser franco, confesso que me é difícil imaginar o que terão todos eles a dizer uns aos outros a respeito do nada pacífico tema da droga. Guterres poderá propôr uma solução de diálogo que pode passar, tal como José Luís Judas promete fazer em Cascais, pelo recenceamento dos arrumadores de automóveis - o que, está-se mesmo a ver, resolve de vez o problema da integração social dos drogadinhos.

O líder do PSD dirá, como é hábito, exactamente o contrário daquilo que disser o líder do PS. A não ser que a «viragem à esquerda» anunciada pelos sociais-democratas já tenha entrado em vigor e Marcelo decida reivindicar para si a legalização do haxixe e da marijuana.

Quanto a Monteiro, não se espera outra coisa que não seja a repetição da exigência de um referendo sobre o assunto, enquanto que Carvalhas poderá colocar a tónica no exemplo dos jovens comunistas que, graças à sua superioridade moral, nunca se drogaram nem voltam a drogar.

Perante este tristonho conjunto de previsões, espero que o padre Feytor Pinto não falte a este «almoço contra a droga» promovido por Jorge Sampaio. Com a sagacidade e o espírito lapalissiano que todos lhe conhecemos, o retirado líder do Projecto Vida poderá então reafirmar que o problema da droga se resolve quando os drogados deixarem de se drogar.

Não sei porquê, mas tenho a impressão que o presidencial «almoço contra a droga» vai acabar numa grandecíssima pedrada. E não será, com certeza, uma pedrada no charco.

TSF | 14.Jan.1998

Mais sugestões de leitura

  • Glossário básico skinOpen or Close

    Como todas as tribos, como todas as culturas, o universo skinhead possui uma linguagem própria, nem sempre imediatamente compreensível pelos cidadãos comuns. Foi na Grã-Bretanha que tudo começou. Em Londres, Liverpool, Birmingham, Newcastle. E em Glasgow, na longínqua Escócia, onde no final dos anos 60 a havia a maior concentração de mods (antepassados próximos dos skins), reputados pela violência e pela sua organização em gangs. Daí que a boa parte do léxico skin seja derivado do inglês.

    O Independente | 16.Abr.1999

    Ler Mais
  • A que distância está o Zeca?Open or Close

    Mais uma vez, a luz. Mas aqui, desta vez, sem misticismo. Para o Viriato tratou-se só de erguer a lâmpada sobre as extraordinárias funções do Zeca, e nisso encontrar quem nós temos saudades de ser. De facto, não somos ainda uma nação de biografados. Às vezes é um bem; mas muitas outras é pena. Porque parte da riqueza do objecto biográfico é a sua simples dimensão romanesca. É certamente o caso do Zeca, material ficcional por excelência, porque uma vida singular, e a obra que lhe veio compor o caos, é certamente matéria-de-ouro para um livro que nunca-jamais em Portugal se escreverá.

    Ler Mais
  • Percursos do marginal de sucessoOpen or Close

    Tinha 51 anos, era casado com a Sara e pai do João, calçava 43 e só não participou no Maio de 68 porque não estava lá. Era o Júlio Pinto e morreu no dia de aniversário da República. Abaixo o 5 de Outubro!

    Grande Amadora | 13.Out.2000

    Ler Mais
  • A partilha da águaOpen or Close

    «Para mim é sempre bom ter uma oportunidade de estar junto das pessoas, de passar com elas bons momentos. Quanto mais vezes estivermos juntos, mais poderemos falar uns com os outros, mais poderemos aprender. Uns com os outros e uns sobre os outros.»
    No terraço de um hotel de Lisboa, Richie Havens fala-me assim da sua segunda visita a Portugal, desta vez para participar no espectáculo de encerramento do Festival «Dêem Uma Oportunidade à Paz». Aos 42 anos, quinze decorridos após Woodstock, Richie continua a parecer-se com os velhos hippies da geração de 60, embora sem deixar transparecer qualquer ponta de saudosismo em relação ao que foi feito pelos homens e mulheres do seu tempo.

    Se7e | 3.Ago.1983

    Ler Mais