Terrorismo de faca e garfo

O ataque terrorista de que foi alvo o ministro António Costa, há menos de oito dias, passou à margem das grandes discussões políticas que marcaram a última semana. Entretidos a distribuir referendos como se dessem milho aos pombos, o Conselho de Ministros, a Assembleia da República e restantes forças mais ou menos vivas do país não ligaram nenhuma ao sucedido durante a visita de António Costa a Guimarães, onde o ministro dos Assuntos Parlamentares foi agredido com uma posta de bacalhau demolhado.

Apesar de noticiado como um vulgar «fait divers», o ataque a António Costa veio provar aos mais incrédulos que Portugal não é um lugar invulnerável à prática desta nova espécie de terrorismo de rosto humano.

Antes de António Costa, os terroristas gastronómicos atacaram Bill Gates, o polémico patrão da Microsoft - dessa vez com uma vulgar tarte de natas, como nos filmes. O atentado contra o nosso ministro, no entanto, demonstrou que esta subversão de novo tipo consegue adaptar-se facilmente às características específicas de cada lugar. Note-se que António Costa não foi bombardeado com um fiel amigo qualquer, mas sim com "uma posta de bacalhau demolhado", muito provavelmente da Noruega.

Se o SIS não conseguir actuar a tempo, é natural que estas situações venham a repetir-se. Assim, não me admiraria nada que, um dia destes, o ministro Gomes da Silva fosse atacado com mioleira de vaca ou que alguém se lembrasse de bombardear Edite Estrela com uma dúzia de queijadas de Sintra.

O cozido à portuguesa deverá ser usado apenas para ataques massivos contra a classe política, mas as alheiras de Mirandela serão certamente uma boa arma de arremesso contra o ultra-transmontano Duarte Lima, do mesmo modo que, se alguém quiser atingir Macário Correia utilizará um bom repolho algarvio.

Odete Santos não poderá aspirar a mais do que a uma agressão com papas de sarrabulho ou carapauzinhos com açorda - alentejana, evidentemente. Mas Carlos Carvalhas, por uma questão regional e de estatuto, sempre poderá ser atacado com uma dose de vitela de Lafões. Menos sorte terá Manuel Monteiro, que dificilmente conseguirá mais do que levar em cima com um par de hamburgueres e duas latas de coca-cola.

É que os novos terroristas de faca e garfo usam as suas armas de acordo com as fragilidades das vítimas. Assim, num ataque contra o Cónego Melo é provável que utilizem um arsenal de papos d'anjo, orelhas de abade e toucinho do céu. Mas se o alvo for Marcelo Rebelo de Sousa, bastarão uns cinco ou seis jesuítas. Já o dialogante António Guterres poderá ser agredido com qualquer espécie de doce conventual, o que seria tão eficaz como atacar a Irmã Lúcia com um quarto de quilo de barrigas de freira.

Tudo isto, claro, no caso de os terroristas terem como alvo o poder político ou religioso. Porque, contra os banqueiros, grandes empresários e demais representantes do poder económico, a arma mais eficaz parece ser a popularíssima «pizza napolitana». É que, dizem os entendidos, nos negócios como na pizza, «o segredo está na massa».

TSF | 11.Fev.1998

Mais sugestões de leitura

  • A história incrível de Matías PerezOpen or Close

    Há 150 anos, um comerciante português a viver em Havana subiu aos céus num balão e (...) deu origem a uma expressão popular que ainda hoje se utiliza em Cuba: «Voou como Matías Pérez».

    O Independente | 2000

    Ler Mais
  • Alípio ou O milagre da vidaOpen or Close

    Alípio Cristiano de Freitas era um homem vulgar que se entregou ao destino invulgar de proclamar a fé em Deus como inseparável da fé nos homens. Que são deuses, também, assim o queiram – mas poucos se atrevem. Alípio atreveu-se. Viveu, sentiu, sofreu e sonhou em grau superlativo, esteve nos lugares onde era preciso sempre que era preciso, e nos outros também. Não consta que se tenha arrependido.

    Palavras de Amigos para Alípio de Freitas
    Edições Pangeia, 2017

    Ler Mais
  • Nobre polvoOpen or Close

    Um tipo que já apoiou, sucessiva ou concomitantemente, Durão Barroso e Mário Soares, o Bloco de Esquerda e a Causa Monárquica, António Costa e António Capucho, das duas, uma: ou é um caso exemplar de desdobramento de personalidade ou tem a coluna vertebral duma amiba.

    Ler Mais
  • A grande telha de KowlaskyOpen or Close

    É suposto este ser um texto sério, dado que de seriedade (humana e artística) se trata quando falamos desta dupla imparável. De um lado, Avelino do Carmo, lisboeta de Alcântara desde 1952, pintor de sombras intimistas; do outro lado, Mário Alberto, alentejano nascido no Verão de 1925 na cidade de Lubango, quando Angola ainda era a soit disant colónia portuga e que aprendeu há muito a arte de pegar nas cores e transformá-las como um alquimista.

    Apresentação de Díptico Kowalsky, de Avelino Carmo e Mário Alberto | 2000

    Ler Mais