Terrorismo de faca e garfo

O ataque terrorista de que foi alvo o ministro António Costa, há menos de oito dias, passou à margem das grandes discussões políticas que marcaram a última semana. Entretidos a distribuir referendos como se dessem milho aos pombos, o Conselho de Ministros, a Assembleia da República e restantes forças mais ou menos vivas do país não ligaram nenhuma ao sucedido durante a visita de António Costa a Guimarães, onde o ministro dos Assuntos Parlamentares foi agredido com uma posta de bacalhau demolhado.

Apesar de noticiado como um vulgar «fait divers», o ataque a António Costa veio provar aos mais incrédulos que Portugal não é um lugar invulnerável à prática desta nova espécie de terrorismo de rosto humano.

Antes de António Costa, os terroristas gastronómicos atacaram Bill Gates, o polémico patrão da Microsoft - dessa vez com uma vulgar tarte de natas, como nos filmes. O atentado contra o nosso ministro, no entanto, demonstrou que esta subversão de novo tipo consegue adaptar-se facilmente às características específicas de cada lugar. Note-se que António Costa não foi bombardeado com um fiel amigo qualquer, mas sim com "uma posta de bacalhau demolhado", muito provavelmente da Noruega.

Se o SIS não conseguir actuar a tempo, é natural que estas situações venham a repetir-se. Assim, não me admiraria nada que, um dia destes, o ministro Gomes da Silva fosse atacado com mioleira de vaca ou que alguém se lembrasse de bombardear Edite Estrela com uma dúzia de queijadas de Sintra.

O cozido à portuguesa deverá ser usado apenas para ataques massivos contra a classe política, mas as alheiras de Mirandela serão certamente uma boa arma de arremesso contra o ultra-transmontano Duarte Lima, do mesmo modo que, se alguém quiser atingir Macário Correia utilizará um bom repolho algarvio.

Odete Santos não poderá aspirar a mais do que a uma agressão com papas de sarrabulho ou carapauzinhos com açorda - alentejana, evidentemente. Mas Carlos Carvalhas, por uma questão regional e de estatuto, sempre poderá ser atacado com uma dose de vitela de Lafões. Menos sorte terá Manuel Monteiro, que dificilmente conseguirá mais do que levar em cima com um par de hamburgueres e duas latas de coca-cola.

É que os novos terroristas de faca e garfo usam as suas armas de acordo com as fragilidades das vítimas. Assim, num ataque contra o Cónego Melo é provável que utilizem um arsenal de papos d'anjo, orelhas de abade e toucinho do céu. Mas se o alvo for Marcelo Rebelo de Sousa, bastarão uns cinco ou seis jesuítas. Já o dialogante António Guterres poderá ser agredido com qualquer espécie de doce conventual, o que seria tão eficaz como atacar a Irmã Lúcia com um quarto de quilo de barrigas de freira.

Tudo isto, claro, no caso de os terroristas terem como alvo o poder político ou religioso. Porque, contra os banqueiros, grandes empresários e demais representantes do poder económico, a arma mais eficaz parece ser a popularíssima «pizza napolitana». É que, dizem os entendidos, nos negócios como na pizza, «o segredo está na massa».

TSF | 11.Fev.1998

Mais sugestões de leitura

  • ReservaZitaOpen or Close

    Os vinhos anunciados estão longe de ser excepcionais, mas pelos vistos também não envergonham ninguém. Nem Zita Seabra, a antiga dissidente comunista reconvertida a bolseira da Jerónimo Martins - embora há muito se saiba que a vergonha não é um dos seus atributos. Ex-antifascista, ex-estalinista, ex-comungada e futura ex-neoliberal, a eclética e atlética figura ocupa agora o lugar de destaque na mais recente campanha publicitária do Pingo Doce.

    Ler Mais
  • A alma da músicaOpen or Close

    E alguém me pede: canta.
    Alguém diz, tocando-me com seu livre delírio:
    canta até te mudares em cão azul,
    ou estrela electrocutada, ou em homem
    nocturno.


    Porque todos os pretextos são bons para trazer Herberto à conversa. E porque Mário Laginha criou um disco muito belo, idealizado e concretizado em visita à alma da música de Chopin na companhia de Alexandre Frazão e Bernardo Moreira. «Mongrel», o disco, teve o Prémio da Sociedade Portuguesa de Autores, e ainda bem. Partilhemos uma valsa.

    Ler Mais
  • João SoaresOpen or Close

    Este homem andou a enganar uma data de gente durante vários anos. Ou então foi uma data de gente que se enganou a si própria, talvez por culpa das circunstâncias e de alguns preconceitos. O certo é que, por bastante tempo, muitos o viram apenas como «um filho do pai». Até que um dia foi eleito para a Câmara de Lisboa, primeiro como vereador e depois como presidente. Ficou por lá uma dúzia de anos, e transformou a cidade num lugar onde vale a pena viver.

    Ler Mais
  • Padre Mário de OliveiraOpen or Close

    Era capelão das tropas portuguesas na Guiné-Bissau, e nessa condição ousou pregar a Paz. Mas o tempo era de guerra, ainda que esta fosse uma guerra particularmente injusta. E Mário de Oliveira, o capelão pacifista, acabou com guia de marcha para a «metrópole», como então se chamava a Portugal continental. Não esteve mais de quatro meses no teatro de operações, mas foi o suficiente para perceber que, se queria espalhar a palavra de Jesus Cristo, teria de, como Ele, sujeitar-se à raiva e à incompreensão dos poderosos.

    Ler Mais