O Che das nossas utopias

chefid_1.jpg

Quando a honestidade exerce o primado sobre o sentimentalismo, os resultados são extremamente importantes porque nos desafiam a reflectir. Essa honestidade está presente neste belíssimo «A Utopia segundo Che Guevara», em cujas páginas Viriato Teles nos concita a ver o grande guerrilheiro à luz da sua imperfeita humanidade. Os desencontrados depoimentos, a minuciosa curiosidade, o cuidadoso equilíbrio entre razão e coração – atribuem a este livro a designação de «revelado», até no sentido que à expressão conferem as Escrituras. Não faz mal nenhum, nem a ninguém, associar a utopia ao sagrado. Sobretudo quando em causa está um homem cuja trajectória racional e histórica ficou cunhada por uma espécie particular de mística.

Ao mesmo tempo que nos conduz para outro nível de compreensão do fenómeno político, social, cultural e moral que molda e constrói Che Guevara, Viriato Teles rejeita, com veemência, as características e, até, as expectativas messiânicas que muita gente atribuiu e esperou do lendário comandante. O autor não se dedica às formalidades e aos exercícios de elogio comuns ao cânone das revoluções. São as perdas, os recomeços e as quimeras que tornam suportável a sociedade em que vivemos. E quis saber em que consistem os critérios de causalidade lógica, de possibilidades empíricas, produtores, neste caso, de personagens como Ernesto Che Guevara.

Neste volume há textos cuja singularidade implica a eventualidade de se repetir casos semelhantes ou comparáveis. O Gólgota do Che foi, simultaneamente, o seu Olimpo. Como, aliás, por exemplo, em Xanana Gusmão. Em ambos os casos não há vencedores nem derrotados. Há, sim, uma história longa de solidariedade e de convicções. A exigência de verdade do argentino é idêntica à de Xanana – tomando a analogia com todas as precauções devidas.

Guevara detestava que lhe chamassem herói. Tomava como sua a frase de Brecht: «Triste o país que precisa de heróis». E perfilhava a declaração de Fidel Castro: «A Cordilheira dos Andes será a Sierra Maestra da América Latina». E aí está a utopia: recusa da vulgaridade. E aí está a coragem: compromisso com a convicção.

De uma forma ou de outra, todos aqueles que acreditam no advento de sociedades justas, trazem consigo, no mais caloroso canto do coração, a imagem e o exemplo de Che Guevara. Este livro também disso fala: do princípio de realidade colectiva que pode explicar os nossos embalos e acicatar os nossos sonhos. Viriato Teles diz-nos que a grandeza do Che consistiu no facto de ele não querer ser outra coisa - senão um homem. Um homem que encheu o século e os tempos ao proclamar que tudo é possível, desde que os homens o queiram.

Apresentação de A Utopia segundo Che Guevara | Livraria Bertrand Picoas Plaza | 22.Nov.2005

Mais sugestões de leitura

  • O homem e as cidadesOpen or Close

    Era uma vez um homem que gostava de cidades. A biografia de Manuel Graça Dias, arquitecto nascido em Lisboa no ano de 1953, podia começar assim. E não apenas pelo livro que acabou de publicar, justamente intitulado O homem que gostava de cidades, onde reúne uma mão cheia de crónicas que fez para a TSF durante muitas dezenas de semanas.

    Status (Semanário Económico) | Out/Nov 2001

    Ler Mais
  • Cantares de um homem livreOpen or Close

    Se Mário Mata fosse um pássaro seria com certeza um melro ou um pardal ou mesmo uma gaivota. Nunca poderia ser um canário, pela simples razão que não seria capaz de sobreviver numa qualquer gaiola, por mais dourada e confortável que fosse.
    O Mário é um homem livre, e dessa condição não prescinde, mesmo quando essa opção dói. E geralmente dói.
    É disto tudo que nos fala neste disco: de si e dos outros, da vida e das coisas simples, de Lisboa e do mundo, de portugueses burocráticos e neuróticos, mas também dos que ainda não desistiram.

    Introdução ao CD Sinais do Tempo, de Mário Mata | 2012

    Ler Mais
  • Baptista-BastosOpen or Close

    Se procurarmos a chave dos afectos de Armando Baptista-Bastos, chegamos sem esforço à palavra Dignidade. Assim mesmo, com D maiúsculo. É por ela e pelo que ela significa que esta personagem maior do jornalismo português pagou sempre um preço caro, mas não me lembro de ver nele uma réstia de arrependimento – e já o conheço há largos anos. O Armando, como lhe chamam os amigos, o Bastos, como dizem os colegas, o BB, como o conhecem quase todos, chamem-lhe o que entenderem, mas ele é assim, e não há nada a fazer. Intransigente, maroto, bebedor, brigão, são adjectivos que lhe ficaram colados à pele, como outros: frontal, corajoso, competente, leal. E ele é um pouco de tudo isso, e ainda mais.

    Ler Mais
  • Algumas opiniõesOpen or Close

    Excertos de opiniões publicadas na Imprensa acerca de Margem para Dúvidas.

    Ler Mais