O Che das nossas utopias

chefid_1.jpg

Quando a honestidade exerce o primado sobre o sentimentalismo, os resultados são extremamente importantes porque nos desafiam a reflectir. Essa honestidade está presente neste belíssimo «A Utopia segundo Che Guevara», em cujas páginas Viriato Teles nos concita a ver o grande guerrilheiro à luz da sua imperfeita humanidade. Os desencontrados depoimentos, a minuciosa curiosidade, o cuidadoso equilíbrio entre razão e coração – atribuem a este livro a designação de «revelado», até no sentido que à expressão conferem as Escrituras. Não faz mal nenhum, nem a ninguém, associar a utopia ao sagrado. Sobretudo quando em causa está um homem cuja trajectória racional e histórica ficou cunhada por uma espécie particular de mística.

Ao mesmo tempo que nos conduz para outro nível de compreensão do fenómeno político, social, cultural e moral que molda e constrói Che Guevara, Viriato Teles rejeita, com veemência, as características e, até, as expectativas messiânicas que muita gente atribuiu e esperou do lendário comandante. O autor não se dedica às formalidades e aos exercícios de elogio comuns ao cânone das revoluções. São as perdas, os recomeços e as quimeras que tornam suportável a sociedade em que vivemos. E quis saber em que consistem os critérios de causalidade lógica, de possibilidades empíricas, produtores, neste caso, de personagens como Ernesto Che Guevara.

Neste volume há textos cuja singularidade implica a eventualidade de se repetir casos semelhantes ou comparáveis. O Gólgota do Che foi, simultaneamente, o seu Olimpo. Como, aliás, por exemplo, em Xanana Gusmão. Em ambos os casos não há vencedores nem derrotados. Há, sim, uma história longa de solidariedade e de convicções. A exigência de verdade do argentino é idêntica à de Xanana – tomando a analogia com todas as precauções devidas.

Guevara detestava que lhe chamassem herói. Tomava como sua a frase de Brecht: «Triste o país que precisa de heróis». E perfilhava a declaração de Fidel Castro: «A Cordilheira dos Andes será a Sierra Maestra da América Latina». E aí está a utopia: recusa da vulgaridade. E aí está a coragem: compromisso com a convicção.

De uma forma ou de outra, todos aqueles que acreditam no advento de sociedades justas, trazem consigo, no mais caloroso canto do coração, a imagem e o exemplo de Che Guevara. Este livro também disso fala: do princípio de realidade colectiva que pode explicar os nossos embalos e acicatar os nossos sonhos. Viriato Teles diz-nos que a grandeza do Che consistiu no facto de ele não querer ser outra coisa - senão um homem. Um homem que encheu o século e os tempos ao proclamar que tudo é possível, desde que os homens o queiram.

Apresentação de A Utopia segundo Che Guevara | Livraria Bertrand Picoas Plaza | 22.Nov.2005

Mais sugestões de leitura

  • Um pássaro igual a tiOpen or Close

    Com Zeca e os seus companheiros aprendemos, ainda, que é muito menos fácil formular perguntas que encontrar respostas. Que as veleidades da ‘vida artística’, na qual ele nunca se encaixou, são como os foguetes de romaria, que desaparecem no ar após um instante de brilho e que, portanto, o importante é estar vivo, ter como única certeza a inquietação permanente. Há coisas assim, que parecem impossíveis. Depois vêm as inevitáveis cortesias-de-velórios, mas quanto a isso estamos conversados. Afinal somos um país de homenagens póstumas, não é? Que o digam o Adriano, Jorge de Sena, Fernando Pessoa. Que o diga agora o Zeca, ele que foi sempre tão dado a encolerizar-se com estas coisas.

    Ler Mais
  • José Mário BrancoOpen or Close

    Poucos dias passados sobre o 25 de Abril, ele foi o primeiro a definir quais deviam ser os cânones da canção de intervenção, numa reunião de cantores que integraram o Colectivo de Acção Cultural, nascido no alvorar da revolução, e que eram quase todos os que vinham da canção de protesto que marcou os últimos anos da ditadura. O exemplo do que deveria ser feito, agora que o fascismo estava derrubado e a liberdade fora alcançada, apresentou-o José Mário Branco nesse dia. Chamava-se Alerta e marcou a estreia da canção-de-combate após a revolução.

    Ler Mais
  • Alberto PimentaOpen or Close

    Nasceu no Porto, viveu na Alemanha e está em Lisboa. Em 1977 deu-se em exposição numa jaula da aldeia dos macacos no Jardim Zoológico de Lisboa. Catorze anos depois colocou-se à venda, no Chiado, por conta de uma «divisão de recursos humanos do Estado». E catorze dias mais tarde fez um auto-de-fé de O Silêncio dos Poetas na Feira do Livro de Lisboa. De todos os seus livros, esse é aquele que os intelectuais dominantes mais levam a sério, e fazem mal. Deveriam ler também Labirintodonte, Os Entes e os Contraentes, Ascensão de Dez Gostos à Boca, Discurso Sobre o Filho-da-Puta, Terno Feminino, A Visita do Papa, Deusas Ex-Machina. E os outros, todos, que publica com a regularidade possível desde 1970.

    Ler Mais
  • O sonho de um homemOpen or Close

    A aventura começou no último ano da década de 60. Viviam-se então em Portugal os tempos cinzentos de uma ditadura em fim de carreira mas nem por isso mais amena. Um ano antes, Salazar caíra da cadeira e fora substituído no poder por Marcelo Caetano, cujos tímidos sinais de abertura cedo se revelaram uma encenação destinada a domesticar os mais crédulos: a PIDE foi rebaptizada como Direcção-Geral de Segurança, mas permaneceu intacta nos seus propósitos repressivos de tudo quanto pusesse em causa a ordem estabelecida; a Censura travestiu-se de Exame Prévio, mas nunca deixou de estar ferozmente atenta ...

    Introdução a Entrevistas MC - Volume 1 | 2005

    Ler Mais