O retrato de Che Guevara

checamilda.jpg

 A Utopia segundo Che Guevara é um livro muito honesto, colorido e por vezes vibrante, do excelente jornalista que é Viriato Teles. Trabalho apaixonado, que levou anos a fazer-se, participa da reportagem, das entrevistas (aliás múltiplas entrevistas, desde os diálogos com personalidades marcantes às colheitas de opiniões de rua) e do documento histórico.

Há nesta obra, prefaciada por Baptista-Bastos, no seu modo caloroso e inspirado, um tom pró­prio e um grande amor a Cuba e ao seu povo, que no entanto não recua perante o registo de vozes contrárias, introduzindo por vezes no texto a polémica.

Quem já visitou Cuba e ficou tocado pelo seu encanto sensual, pela alegria da sua música, dos seus ritmos tropicais, pela beleza tão singular da Habana Vieja, do canto do mar no Malecón, da arquitectura do Caribe, da abertura das suas gentes, seu trato familiar, tudo isso vai reencontrar neste livro, juntamente com informações rigorosas sobre o passado da Ilha, as lutas pela independência, a aventura épica do assalto ao quartel Moncada e da guerrilha na Sierra Mes­tra, com factos precisos, dados e evocações que resultam de muita leitura, muito inquérito e um trabalho de campo por vezes minucioso.

Cheiros, paladares, relances sobre a paisagem e sobretudo sobre a alma do povo, o seu viver e sentir. E de tudo isto sobressai sempre a preocupação dominante de reencontrar Ernesto Guevara nas diversas etapas da sua existência, através de de­poimentos seguros e até de comentários soltos, assim tentando reconstitui-lo na sua bravura, na sua ironia, na sua grande capacidade de afecto, na sua quase secura com os desconhecidos, que podia transformar-se em ternura. E na sua in­teireza radical, na carga ilimitada de sonho, apoiada numa cultura muito rica e numa firme consciência marxista e revolucionária.

O jovem médico generoso que percorreu de mota a América andina e caribenha, o Che da batalha de Santa Clara, o político dos estímulos morais, mais fortes do que os materiais, o guerreiro do Congo e da Bolívia, o paladino das grandes causas e fruidor dos pequenos prazeres, que fas­cinava as mulheres e as vezes se deixava também fascinar, o prisioneiro ferido de Valle Grande, sereno perante a morte, encontrá-lo-emos nesta viagem pelas ideias, pelos acontecimentos, pelas palavras em torno dele. É o que Viriato Teles em boa hora persegue e nos comunica com talento. Não deixou de consultar os biógrafos mais co­nhecidos, até os detractores da Revolução, nem de auscultar quem rodeava Guevara ou a sua própria descendência.

Duas grandes entrevistas de sinal contrário surgem no final do volume: uma, datada de 1997, com a filha médica do Che, Aleida Guevara, que fala serenamente do pai e do seu modo de estar no mundo, com infinita admi­ração e carinho, que também fala com orgulho do povo cubano e da sua solidariedade. Diferente e a entrevista com o neto do Che, Canek Sánchez Guevara, ele também ligado à memória do avô, mas exilado no México, libertário, escritor e artista gráfico, que acusa Fidel Castro de haver desvirtuado a revolução cubana, instaurando uma ditadura pessoal.

Do confronto de dois pontos de vista tão opostos sobre Cuba não se podem tirar conclusões, a não ser a de que Viriato Teles, que não esconde a sua simpatia pela Revolução Cubana, quis entretanto fornecer ao público várias visões e perspectivas, o que, enriquecendo o livro, não lhe retira valor nem autenticidade.

Aliás, o carinho com que trata a «utopia» de Ernesto Guevara, longe de insinuar que não será fácil ela realizar-se, deixa-nos, a terminar a obra, as letras das inúmeras canções dedicadas ao Che.

E não posso deixar de inscrever aqui, partilhando a sua emoção, a ultima quadra de Hasta Siempre (letra e música de Carlos Puebla):

«Aqui se queda la clara,
la entrañable transparencia,
de tu querida presencia
Comandante Che Guevara.»

 

Apresentação de A Utopia segundo Che Guevara | Livraria Bertrand Picoas Plaza | 22.Nov.2005
Publicado em Jornal de Letras | 1.Mar.2006

 

Mais sugestões de leitura

  • Cabeças raladasOpen or Close

    Skinhead. Para a generalidade dos cidadãos, a palavra tem de imediato conotações malditas: cruzes suásticas, violência organizada, ideais fascistas. Falar de skins leva invariavelmente a falar de racismo e de morte. A palavra aos próprios: «Na realidade, os skins nazis são uma minoria no conjunto dos 'carecas' europeus. O que acontece é que eles, de cada vez que aparecem, dão nas vistas o suficiente para que, sempre que se fala em skins, as pessoas pensarem que os únicos que existem são eles.» Não são, como se pode ler aqui.

    O Independente | 16.Abr.1999

    Ler Mais
  • Que homem é este?Open or Close

    A campanha eleitoral foi marcada pela recusa de Cavaco em responder a quaisquer questões de algum modo melindrosas para a sua imagem. Interrogado pelos jornalistas sobre as dúvidas levantadas por alguns dos seus negócios, limitou-se a dizer que eram «calúnias». Tanta aparente cobardia só pode ter uma razão: a criatura tem mesmo telhados de vidro, e está com medo que os portugueses descubram a tempo de correr com ele de Belém. Mas esta campanha foi também reveladora quanto aos traços de carácter deste homem que se acha acima de todos os outros.

    Ler Mais
  • José Mário BrancoOpen or Close

    Poucos dias passados sobre o 25 de Abril, ele foi o primeiro a definir quais deviam ser os cânones da canção de intervenção, numa reunião de cantores que integraram o Colectivo de Acção Cultural, nascido no alvorar da revolução, e que eram quase todos os que vinham da canção de protesto que marcou os últimos anos da ditadura. O exemplo do que deveria ser feito, agora que o fascismo estava derrubado e a liberdade fora alcançada, apresentou-o José Mário Branco nesse dia. Chamava-se Alerta e marcou a estreia da canção-de-combate após a revolução.

    Ler Mais
  • O homem e as cidadesOpen or Close

    Era uma vez um homem que gostava de cidades. A biografia de Manuel Graça Dias, arquitecto nascido em Lisboa no ano de 1953, podia começar assim. E não apenas pelo livro que acabou de publicar, justamente intitulado O homem que gostava de cidades, onde reúne uma mão cheia de crónicas que fez para a TSF durante muitas dezenas de semanas.

    Status (Semanário Económico) | Out/Nov 2001

    Ler Mais