O retrato de Che Guevara

checamilda.jpg

 A Utopia segundo Che Guevara é um livro muito honesto, colorido e por vezes vibrante, do excelente jornalista que é Viriato Teles. Trabalho apaixonado, que levou anos a fazer-se, participa da reportagem, das entrevistas (aliás múltiplas entrevistas, desde os diálogos com personalidades marcantes às colheitas de opiniões de rua) e do documento histórico.

Há nesta obra, prefaciada por Baptista-Bastos, no seu modo caloroso e inspirado, um tom pró­prio e um grande amor a Cuba e ao seu povo, que no entanto não recua perante o registo de vozes contrárias, introduzindo por vezes no texto a polémica.

Quem já visitou Cuba e ficou tocado pelo seu encanto sensual, pela alegria da sua música, dos seus ritmos tropicais, pela beleza tão singular da Habana Vieja, do canto do mar no Malecón, da arquitectura do Caribe, da abertura das suas gentes, seu trato familiar, tudo isso vai reencontrar neste livro, juntamente com informações rigorosas sobre o passado da Ilha, as lutas pela independência, a aventura épica do assalto ao quartel Moncada e da guerrilha na Sierra Mes­tra, com factos precisos, dados e evocações que resultam de muita leitura, muito inquérito e um trabalho de campo por vezes minucioso.

Cheiros, paladares, relances sobre a paisagem e sobretudo sobre a alma do povo, o seu viver e sentir. E de tudo isto sobressai sempre a preocupação dominante de reencontrar Ernesto Guevara nas diversas etapas da sua existência, através de de­poimentos seguros e até de comentários soltos, assim tentando reconstitui-lo na sua bravura, na sua ironia, na sua grande capacidade de afecto, na sua quase secura com os desconhecidos, que podia transformar-se em ternura. E na sua in­teireza radical, na carga ilimitada de sonho, apoiada numa cultura muito rica e numa firme consciência marxista e revolucionária.

O jovem médico generoso que percorreu de mota a América andina e caribenha, o Che da batalha de Santa Clara, o político dos estímulos morais, mais fortes do que os materiais, o guerreiro do Congo e da Bolívia, o paladino das grandes causas e fruidor dos pequenos prazeres, que fas­cinava as mulheres e as vezes se deixava também fascinar, o prisioneiro ferido de Valle Grande, sereno perante a morte, encontrá-lo-emos nesta viagem pelas ideias, pelos acontecimentos, pelas palavras em torno dele. É o que Viriato Teles em boa hora persegue e nos comunica com talento. Não deixou de consultar os biógrafos mais co­nhecidos, até os detractores da Revolução, nem de auscultar quem rodeava Guevara ou a sua própria descendência.

Duas grandes entrevistas de sinal contrário surgem no final do volume: uma, datada de 1997, com a filha médica do Che, Aleida Guevara, que fala serenamente do pai e do seu modo de estar no mundo, com infinita admi­ração e carinho, que também fala com orgulho do povo cubano e da sua solidariedade. Diferente e a entrevista com o neto do Che, Canek Sánchez Guevara, ele também ligado à memória do avô, mas exilado no México, libertário, escritor e artista gráfico, que acusa Fidel Castro de haver desvirtuado a revolução cubana, instaurando uma ditadura pessoal.

Do confronto de dois pontos de vista tão opostos sobre Cuba não se podem tirar conclusões, a não ser a de que Viriato Teles, que não esconde a sua simpatia pela Revolução Cubana, quis entretanto fornecer ao público várias visões e perspectivas, o que, enriquecendo o livro, não lhe retira valor nem autenticidade.

Aliás, o carinho com que trata a «utopia» de Ernesto Guevara, longe de insinuar que não será fácil ela realizar-se, deixa-nos, a terminar a obra, as letras das inúmeras canções dedicadas ao Che.

E não posso deixar de inscrever aqui, partilhando a sua emoção, a ultima quadra de Hasta Siempre (letra e música de Carlos Puebla):

«Aqui se queda la clara,
la entrañable transparencia,
de tu querida presencia
Comandante Che Guevara.»

 

Apresentação de A Utopia segundo Che Guevara | Livraria Bertrand Picoas Plaza | 22.Nov.2005
Publicado em Jornal de Letras | 1.Mar.2006

 

Mais sugestões de leitura

  • A solução para a criseOpen or Close

    Para começo de ano mau, isto está bom. Em poucas semanas, o desgoverno dos comissários da troica conseguiu provar aos mais descrentes que não há mesmo limites para a criatividade. Se lhes desse para o bem, Portugal seria fantástico.

    Ler Mais
  • Cantares de um homem livreOpen or Close

    Se Mário Mata fosse um pássaro seria com certeza um melro ou um pardal ou mesmo uma gaivota. Nunca poderia ser um canário, pela simples razão que não seria capaz de sobreviver numa qualquer gaiola, por mais dourada e confortável que fosse.
    O Mário é um homem livre, e dessa condição não prescinde, mesmo quando essa opção dói. E geralmente dói.
    É disto tudo que nos fala neste disco: de si e dos outros, da vida e das coisas simples, de Lisboa e do mundo, de portugueses burocráticos e neuróticos, mas também dos que ainda não desistiram.

    Introdução ao CD Sinais do Tempo, de Mário Mata | 2012

    Ler Mais
  • O fumo e o fogoOpen or Close

    Acabo de ler esta história, e apetece-me acender um cigarro. Não é politicamente correcto dizê-lo, e menos ainda fazê-lo: o higienismo e a lei, ou vice-versa, dizem que fumar mata. Claro que a vida também mata, e em meio século de existência ainda não conheci ninguém que lhe conseguisse sobreviver. Mas isso não é preocupação dos legisladores, empenhados que estão em conseguir que morramos todos cheios de saúde.
    Pouco importa. Este aparente desacerto da prosa vem a propósito de mais uma ficção que Nuno Gomes dos Santos agora dá a conhecer em forma de livro.

    Prefácio a Reserva de Fumo, de Nuno Gomes dos Santos | 2009

    Ler Mais
  • Um sonho para cumprirOpen or Close

    Há pessoas assim: capazes de observar e transformar a realidade à medida das utopias e dos desejos, conhecedores profundos da natureza humana, das suas contradições e fragilidades.

    Américo Teles – In Memoriam
    Edição GAMI 1990

    Ler Mais