Apresentação em Lisboa e Porto

A nova edição revista e aumentada de As Voltas de um Andarilho foi lançada em Lisboa no dia 17 de Novembro de 2009, durante uma sessão muito concorrida no Museu da República e Resistência. O jornalista João Paulo Guerra fez a apresentação do livro e do autor e os Couple Coffee cantaram vários temas de José Afonso. Duas semanas depois, a 5 de Dezembro, foi a vez de apresentar o Andarilho na cidade do Porto. A sessão decorreu na Associação Tane Timor, onde Rui Pato, que foi o principal e mais regular acompanhante de José Afonso nos anos 60, fez a apresentação do livro e partilhou com os presentes alguns excertos da numerosa correspondência que trocou com Zeca e que, até agora, nunca tinha sido lida publicamente. A sessão, organizada pelo núcleo do Norte da Associação José Afonso no âmbito das celebrações dos 80 anos de Zeca, decorreu no espaço acolhedor da Associação Tane Timor, na Ribeira, e contou com uma intervenção musical de João Teixeira - além do próprio Rui Pato, que lembrou os acordes originais de "Balada de Outono" e "Os Vampiros".

© António Fazendeiro (1 a 8), Lígia Cardoso (10, 12, 14, 15) e Paulo Moura (9, 11, 13, 16)

Mais sugestões de leitura

  • Enquanto houver estrada pr'andarOpen or Close

    Desculpem, leitores, mas ele há regras! E a verdade é que nem o Jorge Palma nem o relator desta conversa se sentem, nos dias que correm, com vontade ou paciência para entrevistas formais, ao estilo dos seriíssimos diálogos entre jornalistas-culturais e escritores-em-franca-ascensão, comentadores-político-sociais e ex-ministros, futuros-ex-ministros ou candidatos a. E foi talvez por isso que, quando repórter e músico decidiram dar conta da conversa que se segue, escolheram a serenidade da casa do capitão da Zambujeira do Mar, de frente para o Atlântico, numa tarde tranquila de finais de Julho, quando os camones não tinham ainda chegado em força e os portugas permaneciam nas cidades, a braços com o aumento do iva e as propostas do ministro da televisão que animaram os últimos dias antes das férias gerais.

    MPP - Revista do Festival de Música Popular Portuguesa da Amadora | Set 2002

    Ler Mais
  • A voz do desassossegoOpen or Close

    «Águas das fontes calai / ó ribeiras chorai / que eu não volto a cantar…» Por um instante, a voz de Zeca estremece e emociona a plateia, onde muitos não conseguem conter as lágrimas perante a crueza premonitória deste verso, aquele que ainda hoje em primeiro lugar me ocorre de cada vez que penso nessa noite mágica de 29 de Janeiro de 1983. Raras vezes um tema musical terá sido tão perturbador para um auditório como o foi essa Balada de Outono cantada por José Afonso no palco do Coliseu dos Recreios. Nenhum de nós o dizia, mas todos sabíamos que aquela era, com certeza, a última vez que o teríamos ali connosco, a cantar como só ele as coisas que mais ninguém sabia fazer assim.

    Introdução ao DVD Ao Vivo no Coliseu, de José Afonso | 2010

    Ler Mais
  • O grande poeta menorOpen or Close

    Torrencial, apaixonado, firme, exuberante, truculento, corajoso. Qualquer destes adjectivos cabe em José Carlos Ary dos Santos, mas nenhum deles chega para qualificar plenamente o homem, o poeta, o militante. Em Ary, o todo é sempre mais do que a soma das partes, e estas nunca são estanques entre si: Ary foi o poeta que foi por ser o militante que era, e não poderia ser uma pessoa diferente sem trair tudo aquilo que constituía a sua própria razão de ser.

    Diário de Notícias | 18.Jan.2014

    Ler Mais
  • Um empresário de sucessosOpen or Close

    «A minha profissão não existe», diz o road manager do grupo português de maior sucesso no estrangeiro, o Madredeus. Pioneiro da produção profissional de espectáculos no nosso país, Fernando Marrucho, de 38 anos, tem ideias muito claras sobre o que caracteriza este sector de actividade. Que, embora próspero, continua a não ter enquadramento legal satisfatório.

    Status (Semanário Económico) | Nov/Dez.2001

    Ler Mais