Uma voz do mundo

A importância de um país avalia-se pela sua capacidade de tirar partido e proveito dos seus valores, nomeadamente os culturais.
Só uma visão racista da humanidade permitiria admitir que houvesse povos mais ou menos inteligentes ou talentosos do que outros, pois antes se verifica que, em todo o lado, podem surgir figuras excepcionalmente dotadas para esta ou para aquela actividade, verdadeiros génios, do mesmo modo que a inépcia atávica e a vulgaridade também se encontram universalmente disseminadas.

O que por outro lado se constata, isso sim, é que existem estruturas sócio-político-económicas, a que se dá habitualmente o nome de países, que não conseguem entender nem distinguir – e menos ainda defender ou promover – os valores que os respectivos povos vão gerando.

Dá-se-lhes muitas vezes o nome de países atrasados, e talvez o sejam, ainda que também se adaptasse bem a expressão “sociedades muito estúpidas” para definir esse lamentável fenómeno de impotência colectiva.

Não sei se a moléstia é recuperável, pois a história da sociedade portuguesa já conta com largos e penosos séculos, praticamente desde que o país existe, de sujeição à patológica incapacidade de discernir quem é que vale e quem é que não interessa, de estabelecer a diferença entre a prosápia de um simples habilidoso e a obra de um grande artista.

Para facilitar, procura-se nivelar sempre pelo mais baixo e proclama-se que o público português só gosta verdadeiramente do que é novo, se for reles e arruaceiro, ou do que é antigo, se for decrépito e esclerosado.

Trata-se obviamente de uma mentira cavilosa, pois o povo português, na sua qualidade de espectador e apreciador, também não é melhor nem pior do que os outros.

A estrutura-mãe – a que Salazar tão comovidamente chamava a Nação – é que efectivamente não presta. Nunca prestou.

E assim faz-se entre nós boa música, há notáveis intérpretes, brilhantes autores, mas as rádios e as organizações empresariais, estatais ou privadas – que são todos filhos da estrutura-mãe: a Nação... – ignoram essas realidades, abafam-nas com mil ardis silenciadores, recorrem à calúnia e à agressão, se necessário, para que nada venha alterar a regra básica da mediocridade: é a tradição.

Logo, a única autêntica maneira de um português se realizar é considerar-se de alguma forma estrangeiro, é distanciar-se da Nação, é agarrar-se com todas as suas forças a conceitos superiores de universalidade.

Carlos do Carmo é uma voz do mundo – e por isso salvou-se.

Carlos do Carmo é um artista do mundo – e por isso salvou-se.

Carlos do Carmo é um cidadão do mundo – e por isso salvou-se.

E, com ele, salvou-se também uma parte importante da música portuguesa – o fado – que passou a ser do mundo!

In Carlos do Carmo, do Fado e do Mundo | Edição Sete Caminhos, 2003
O livro inclui depoimentos de todos os jurados desta edição do Prémio José Afonso: António Victorino d'Almeida, Carlos Pinto Coelho, Fernando Magalhães, João Bernardino, Joaquim Raposo, Júlio Murraças, Olga Prats, Pedro Pyrrait e VT

Mais sugestões de leitura

  • O pássaro da ilhaOpen or Close

    O Zeca é um pássaro. Ele canta, encanta, inventa e reinventa, sem nunca cansar quem o ouve – e que o vê. Porque ver o Zeca é tão importante como ouvi-lo. Há quem o compare a Tom Waits, mas em palco ele faz sobretudo lembrar Jacques Brel – na entrega, no modo inteiro como interpreta as suas canções de amor e mágoa, esperança e desencanto e saudades de um futuro em que não desiste de acreditar, mesmo se o presente tantas vezes parece empenhado em desmenti-lo.

    Introdução ao espectáculo de José Medeiros no Teatro Micaelense | 2007

    Ler Mais
  • O fumo e o fogoOpen or Close

    Acabo de ler esta história, e apetece-me acender um cigarro. Não é politicamente correcto dizê-lo, e menos ainda fazê-lo: o higienismo e a lei, ou vice-versa, dizem que fumar mata. Claro que a vida também mata, e em meio século de existência ainda não conheci ninguém que lhe conseguisse sobreviver. Mas isso não é preocupação dos legisladores, empenhados que estão em conseguir que morramos todos cheios de saúde.
    Pouco importa. Este aparente desacerto da prosa vem a propósito de mais uma ficção que Nuno Gomes dos Santos agora dá a conhecer em forma de livro.

    Prefácio a Reserva de Fumo, de Nuno Gomes dos Santos | 2009

    Ler Mais
  • Portugal dos pequeninosOpen or Close

    No dia em que morreu Óscar Lopes (...) na «mensagem de pesar» enviada à família do filólogo e mestre maior da língua pátria, o dr. Cavaco Silva refere-se-lhe como «historiador», relegando para segundo plano a sua obra maior como linguista, professor e crítico literário. Compreende-se: Óscar Lopes foi autor, com António José Saraiva, da mais importante História da Literatura Portuguesa. Cavaco, com o seu saber wikipédico de leitor de badanas, limitou-se a somar dois mais dois.

    Ler Mais
  • Contas sem ajusteOpen or Close

    Contas à vida sem ajuste. Mais cansaço do que desalento. Mais sonho adiado do que utopias erradas. Mais que documentos são testemunhos estas vinte entrevistas: uns, mais intimistas; outros, mais interventivos. Encontramos neste livro um universo multifacetado, mas que tem uma matriz política, ética, estética e cultural, o 25 da nossa memória, como que pequenos afluentes que vão desaguar no grande rio.

    Ler Mais