Uma voz do mundo

A importância de um país avalia-se pela sua capacidade de tirar partido e proveito dos seus valores, nomeadamente os culturais.
Só uma visão racista da humanidade permitiria admitir que houvesse povos mais ou menos inteligentes ou talentosos do que outros, pois antes se verifica que, em todo o lado, podem surgir figuras excepcionalmente dotadas para esta ou para aquela actividade, verdadeiros génios, do mesmo modo que a inépcia atávica e a vulgaridade também se encontram universalmente disseminadas.

O que por outro lado se constata, isso sim, é que existem estruturas sócio-político-económicas, a que se dá habitualmente o nome de países, que não conseguem entender nem distinguir – e menos ainda defender ou promover – os valores que os respectivos povos vão gerando.

Dá-se-lhes muitas vezes o nome de países atrasados, e talvez o sejam, ainda que também se adaptasse bem a expressão “sociedades muito estúpidas” para definir esse lamentável fenómeno de impotência colectiva.

Não sei se a moléstia é recuperável, pois a história da sociedade portuguesa já conta com largos e penosos séculos, praticamente desde que o país existe, de sujeição à patológica incapacidade de discernir quem é que vale e quem é que não interessa, de estabelecer a diferença entre a prosápia de um simples habilidoso e a obra de um grande artista.

Para facilitar, procura-se nivelar sempre pelo mais baixo e proclama-se que o público português só gosta verdadeiramente do que é novo, se for reles e arruaceiro, ou do que é antigo, se for decrépito e esclerosado.

Trata-se obviamente de uma mentira cavilosa, pois o povo português, na sua qualidade de espectador e apreciador, também não é melhor nem pior do que os outros.

A estrutura-mãe – a que Salazar tão comovidamente chamava a Nação – é que efectivamente não presta. Nunca prestou.

E assim faz-se entre nós boa música, há notáveis intérpretes, brilhantes autores, mas as rádios e as organizações empresariais, estatais ou privadas – que são todos filhos da estrutura-mãe: a Nação... – ignoram essas realidades, abafam-nas com mil ardis silenciadores, recorrem à calúnia e à agressão, se necessário, para que nada venha alterar a regra básica da mediocridade: é a tradição.

Logo, a única autêntica maneira de um português se realizar é considerar-se de alguma forma estrangeiro, é distanciar-se da Nação, é agarrar-se com todas as suas forças a conceitos superiores de universalidade.

Carlos do Carmo é uma voz do mundo – e por isso salvou-se.

Carlos do Carmo é um artista do mundo – e por isso salvou-se.

Carlos do Carmo é um cidadão do mundo – e por isso salvou-se.

E, com ele, salvou-se também uma parte importante da música portuguesa – o fado – que passou a ser do mundo!

In Carlos do Carmo, do Fado e do Mundo | Edição Sete Caminhos, 2003
O livro inclui depoimentos de todos os jurados desta edição do Prémio José Afonso: António Victorino d'Almeida, Carlos Pinto Coelho, Fernando Magalhães, João Bernardino, Joaquim Raposo, Júlio Murraças, Olga Prats, Pedro Pyrrait e VT

Mais sugestões de leitura

  • Um velho espírito de NatalOpen or Close
    No Natal, o Rossio transforma-se numa espécie de presépio gigante (...) onde os reis magos foram substituídos pelos agentes da Casa da Sorte e os pastores ganharam a forma de polícias sem rosto. Os meninos do presépio do Rossio andam pelas ruas do Metro a vender pensos rápidos, alimentando-se na esperança de uma estrela qualquer que os guie a novo destino. E São José, na encosta do Martim Moniz, aguarda pacientemente a chegada dos bêbados e das putas ...
    Se7e | 30.Dez.1981
    Ler Mais
  • Versos na margem da folhaOpen or Close

    Quem abra o livro e leia o prefácio afectuoso de Fernando Alves, não está preparado para um murro no estômago. Que não é um murro anónimo, tem título: Três Olhares sobre Manágua, um elogio à loucura nas noites claras de outro continente. (...) Mas neste livro de quase um cento de páginas, Viriato Teles visita a noite de muitas cidades, reencontra amigos enquanto desencontra revoluções e outros sonhos transgressores.

    Ler Mais
  • Perompomperos e outros olésOpen or Close

    Há um ano, uma centena de auto-intitulados «patriotas anti-espanhóis» manifestaram-se, no dia 1 de Dezembro, contra o iberismo, Miguel de Vasconcelos e a Volta a Espanha em Bicileta. «Antes morto que espanhol», apregoavam então os manifestantes, entre os quais se encontravam alguns africanos, presume-se que de língua oficial portuguesa.

    RCS | 2.Dez.1998

    Ler Mais
  • Não se pode viver sem UtopiaOpen or Close

    Em meados dos anos 80, o PSR deu passos decisivos para restituir à Esquerda o brilho e a criatividade esmorecidos na ressaca pós-revolucionária. O mensário Combate tornou-se, então, uma importante tribuna de debate de ideias, aberta a homens e mulheres de várias sensibilidades da Esquerda portuguesa não-alinhada, que propiciou a introdução de uma nova linguagem no léxico da esquerda portuguesa. Este livro é uma colectânea de textos, de diversos autores, publicados no Combate entre 1986 e 1998. E também dá azo a revisitar dois amigos dos insubstituíveis: Fernando Assis Pacheco e Júlio Pinto.

    Não se pode viver sem Utopia
    Edições Combate 2008

    Ler Mais