Uma voz do mundo

A importância de um país avalia-se pela sua capacidade de tirar partido e proveito dos seus valores, nomeadamente os culturais.
Só uma visão racista da humanidade permitiria admitir que houvesse povos mais ou menos inteligentes ou talentosos do que outros, pois antes se verifica que, em todo o lado, podem surgir figuras excepcionalmente dotadas para esta ou para aquela actividade, verdadeiros génios, do mesmo modo que a inépcia atávica e a vulgaridade também se encontram universalmente disseminadas.

O que por outro lado se constata, isso sim, é que existem estruturas sócio-político-económicas, a que se dá habitualmente o nome de países, que não conseguem entender nem distinguir – e menos ainda defender ou promover – os valores que os respectivos povos vão gerando.

Dá-se-lhes muitas vezes o nome de países atrasados, e talvez o sejam, ainda que também se adaptasse bem a expressão “sociedades muito estúpidas” para definir esse lamentável fenómeno de impotência colectiva.

Não sei se a moléstia é recuperável, pois a história da sociedade portuguesa já conta com largos e penosos séculos, praticamente desde que o país existe, de sujeição à patológica incapacidade de discernir quem é que vale e quem é que não interessa, de estabelecer a diferença entre a prosápia de um simples habilidoso e a obra de um grande artista.

Para facilitar, procura-se nivelar sempre pelo mais baixo e proclama-se que o público português só gosta verdadeiramente do que é novo, se for reles e arruaceiro, ou do que é antigo, se for decrépito e esclerosado.

Trata-se obviamente de uma mentira cavilosa, pois o povo português, na sua qualidade de espectador e apreciador, também não é melhor nem pior do que os outros.

A estrutura-mãe – a que Salazar tão comovidamente chamava a Nação – é que efectivamente não presta. Nunca prestou.

E assim faz-se entre nós boa música, há notáveis intérpretes, brilhantes autores, mas as rádios e as organizações empresariais, estatais ou privadas – que são todos filhos da estrutura-mãe: a Nação... – ignoram essas realidades, abafam-nas com mil ardis silenciadores, recorrem à calúnia e à agressão, se necessário, para que nada venha alterar a regra básica da mediocridade: é a tradição.

Logo, a única autêntica maneira de um português se realizar é considerar-se de alguma forma estrangeiro, é distanciar-se da Nação, é agarrar-se com todas as suas forças a conceitos superiores de universalidade.

Carlos do Carmo é uma voz do mundo – e por isso salvou-se.

Carlos do Carmo é um artista do mundo – e por isso salvou-se.

Carlos do Carmo é um cidadão do mundo – e por isso salvou-se.

E, com ele, salvou-se também uma parte importante da música portuguesa – o fado – que passou a ser do mundo!

In Carlos do Carmo, do Fado e do Mundo | Edição Sete Caminhos, 2003
O livro inclui depoimentos de todos os jurados desta edição do Prémio José Afonso: António Victorino d'Almeida, Carlos Pinto Coelho, Fernando Magalhães, João Bernardino, Joaquim Raposo, Júlio Murraças, Olga Prats, Pedro Pyrrait e VT

Mais sugestões de leitura

  • Francisco LouçãOpen or Close

    Os amigos gabam-lhe a afabilidade, o sentido de humor, a clareza do discurso, a boa educação. Os adversários vêem nele um político frio e calculista. Mas todos lhe reconhecem a inteligência superior, a competência política, a combatividade. É o único dirigente político a quem os correlegionários tratam pelo diminutivo: o Chico, o camarada que dirige sem precisar de ser secretário-geral ou presidente. Um entre iguais, porém diferente de todos os outros. (...) Há 30 anos, acreditava que o mundo podia mudar num instante. Hoje, sabe que o mundo muda a cada instante. E tenta fazer a sua parte.

    Ler Mais
  • Fantasias de filho de pideOpen or Close

    O juiz espanhol Crespo Márquez, que em 1965 acompanhou as investigações, em Badajoz, do assassínio de Humberto Delgado, considera «pura fantasia» a tese apresentada no programa «Repórteres», da RTP, pelo filho do sub-inspector da PIDE, Casimiro Monteiro, autor material do homicídio. Segundo o filho do pide, Monteiro teria disparado contra o general «em legítima defesa», um argumento que o processo conduzido pelo Tribunal Militar português, desmontou há mais de dez anos. Crespo Márquez manifestou junto dos familiares de Delgado a sua «estranheza» pela forma «absurda» como, em edição posterior do mesmo programa, foram utilizadas as suas declarações, produzidas há dois anos [1990] para a tele-reportagem «Crime sem Castigo», com o intuito de «corroborar as teses do filho do assassino».

    O Jornal | 16.Out.1992

    Ler Mais
  • Oitavo andamento: da vida e da morteOpen or Close

    – A proximidade da morte aproximou-te mais da noção de Deus?

    – Não, continuo a pensar que Ele é um gajo porreiro, e mais uma vez me protegeu. Estou a falar de Cristo, é um tipo especial com quem eu dialogo, a gente dá-se bem um com o outro. Às vezes zango-me com Ele, quando vejo assim umas coisas feias à nossa volta, penso assim: «Eh, pá!, este tipo anda distraído!» E Ele depois conversa comigo e diz-me: «Ah, tu sabes que eu não chego para tudo, também preciso de descansar um bocadinho de vez em quando, não chego para as encomendas!» É um pouco irracional o que te estou a dizer, mas é o modo que eu tenho de funcionar. (...) Acho que Ele tem sido generoso comigo, não pertenço àquele grupo infindável dos que passam o tempo a lamentar-se.

    Ler Mais
  • Saudosa tertúliaOpen or Close

    Verdadeiro mestre de apresentações, Viriato Teles elabora, antecedendo as entrevistas, a descrição das personalidades, define-as biograficamente e expõem-nas no efeito que, presencialmente, lhe provocam . Também no decorrer das entrevistas, para além dos assuntos tratados, o jornalista faz o retrato dos entrevistados, retratos humanos totais, com alegrias e desencantos, projectos e nostalgias, ganhos e perdas. Como o autor já nos habituou, a prosa é quente, reveladora e cúmplice do leitor, como se também este fosse conhecido de Viriato Teles; mais um mistério só possível quando se tem a intuição de um grande escritor.

    Ler Mais