Versos na margem da folha

Nascido em Ílhavo, desde 79 que Viriato Teles é jornalista, passando pelas redacções de O Diário, Sete, O Bisnau, O Jornal, Visão, O Inimigo, entre outras colaborações. Dirigiu programas de televisão, foi cronista "de escárnio e maldizer" na TSF e autor de canções premiado. Em 83 publicou Zeca Afonso: as voltas de um andarilho e é, actualmente, o nosso chefe de redacção do GrandAmadora. Alguns amigos terão recebido, como presente ou amortização de uma dívida, uma pequena edição caseira de alguns dos poemas de Viriato Teles, mas Margem Para Dúvidas é a sua primeira obra poética, para quem só o possa conhecer segundo as leis do circuito comercial.

Quem abra o livro e leia o prefácio afectuoso de Fernando Alves, não está preparado para um murro no estômago. Que não é um murro anónimo, tem título: Três Olhares sobre Manágua, um elogio à loucura nas noites claras de outro continente. Também um murro com uma data, o ano de 84, para o poeta registar o desejo de impossível e os amigos "felizmente loucos". Mas neste livro de quase um cento de páginas, Viriato Teles visita a noite de muitas cidades, reencontra amigos enquanto desencontra revoluções e outros sonhos transgressores.

Nos dois capítulos que se seguem, Factura Exposta e Outras Paisagens, acompanhamos as andanças do autor - suponho que quase sempre em reportagem - e é-nos iluminado esse recanto que o repórter deve, por questões deontológicas, omitir da sua prosa regular. Conhecemos os olhos de Julieta reiventada numa estadia em Verona; levamos outro murro no estômago ao saber da tristeza nos olhos de Peter Arnett, em directo, satélite e tudo, desde as ruínas de Bagdad e sabemos da alegria quando o mundo volta a ver os olhos de Mandela.

Viriato Teles transporta para o seu verso a disciplina da escrita dos jornais, mas substitui o facto pela candura, o relato pela indignação. Senta-se à mesa da esplanada e vê o mundo acontecer. Estende a toalha de papel e enquanto relata a história com a mão exacta do repórter, vai cantando a poesia da história com a outra mão, mais lenta, com mais tempo para se enrolar num copo ou acender um cigarro.

Em Cavaqueira, o capítulo seguinte, satiriza o ritmo dos dias com ingenuidade que só um sátiro, a tentar fazer o verso pequenino que o faz tão grande, a ridicularizar os tempos modernos dos pensos higiénicos tão eficientes que "o meu namorado nem sequer nota que eu estou com o período". Mas a partitura fecha em tons de carinho, o poeta embevecido com o nascimento de um filho, no final a nota tónica é a esperança de uma nova geração que não tenha que se desiludir.

Viriato Teles, a escrevinhar o azedume das desilusões ou a doçura das esperanças, faz lembrar um gato que vai arranhando e arranhando na porta até que lhe dêem de comer ou que o mundo se decida a mudar um bocadinho. No tempo do pimba que, não se enganem!, já contamina há muito a poesia portuguesa; num país de hinos e odes heróicas, enfim, num país de poetas, felizmente também há quem se ocupe de fazer versos.

GrandAmadora | 16.Set.1999

Mais sugestões de leitura

  • Tentações assepticamente correctasOpen or Close

    A lógica do «politicamente correcto» torna-se cada vez mais sinónimo daquilo a que já se chama o «pensamento único». Na prática, trata-se de um filho bastardo do fim da guerra fria ou, se quisermos ser mais rigorosos, é uma submissão descarada à «nova ordem» que o neo-liberalismo dominante pretende impôr ao mundo.

    RCS | 8.Nov.1998

    Ler Mais
  • O último ano antes da liberdadeOpen or Close

    Em Agosto de 1973, poucos em Portugal se atreviam a imaginar que aquele Verão morno seria o último passado em clima de ditadura. Não fosse o cinzentismo geral que então caracterizava o país, e os adolescentes de há 40 anos até teriam algumas razões para se sentir satisfeitos.

    QI | Diário de Notícias | 3.Ago.2013

    Ler Mais
  • O velho e o marOpen or Close

    Até me fica mal dizer isto, mas confesso que, de quando em quando, chego a ter pena do professor Cavaco. O vetusto presidente passa a maior parte do tempo mudo e quedo, decerto em reflexão, tão profunda quando inócua, sobre o mundo e o país que ajudou a criar. E é um deus-nos-acuda: que ele não diz nada quando deve dizer; que só fala a propósito de minudências como o estatuto dos Açores ou a vulnerabilidade do correio electrónico; ou ainda que, tal como a polícia e os maridos enganados, o presidente só aparece quando não é preciso.

    Jornal do Fundão | 13.Dez.2012

    Ler Mais
  • Guerra santa contra o rockOpen or Close

    «Satanás já não esconde as suas motivações. Os textos das canções condenam abertamente o cristianismo e apresentam a adoração do demónio como alternativa. A violência, o sexo, a rebelião e as drogas não são unicamente objecto de promoção, mas também são apresentados directamente ou encenados em palco. As canções fazem a apologia do suicídio e os telediscos levam a mensagem de Satã directamente a nossas casas...» Este discurso assustador não pertence à história da Santa Inquisição, nem tão pouco foi extrajdo de qualquer ritual exorcista da Idade Média. Trata-se, apenas, da expressão mais simples encontrada pelo padre norte-americano Fletcher A. Brothers para definir aquilo que considera ser o «rock satânico-teatral» dos anos 80.

    Se7e | 9.Jun.1986

    Ler Mais