Três olhares sobre Manágua

© Paulo Hernâni

Hay tanto maíz que sembrar tanto niño que instruir tanto
enfermo que curar tanto amor
que realizar tanto canto. Yo canto
un país que va a nacer.

Ernesto Cardenal

Ao Fausto e ao José Mário Branco, companheiros de viagem

I

As noites de Manágua são mais claras
luzes imensas de estrelas pequeninas
pousadas nas árvores e nos rostos das mulheres.
Pergunto aos amigos o nome secreto do destino
e eles apenas sorriem. Como o poeta
de Solentiname no dia da libertação
ou aquela rapariga de olhos transparentes
que me aponta um qualquer astro inacessível
do outro lado do futuro.
O destino, então: talvez em Manágua
ou Jinotepe
onde os homens sabem das coisas que viveram
os ódios todos
as mortes
e o mercado de Masaya queimado pedra a pedra
por vingança ou desespero.
O destino ainda: em Matagalpa
onde a floresta se confunde com os risos das crianças
ou quem sabe em qualquer rua
num recanto sem nome onde morreram com a dignidade possível
dois velhos camponeses e um soldado anónimo.

Seguimos em frente dizem-me os amigos
e os seus olhos brilham de tranquila alegria
iluminados pelas minúsculas estrelas verdes de Manágua. Seguimos
em frente
até onde a poesia nunca dorme
inquiteta
como os corações enormes que a fizeram nascer.

 

II

Loucos, talvez, os meus amigos. Loucos como o poeta
fascinados por certezas e desejos inventados num sabor de tamarindo.
Loucos até como as vacas que cruzam a estrada à minha frente
esquecidas das regras civis de comportamento. E no entnato
vigilantes
como os amigos que descubro em Manágua
os amigos meus atentos que constroem a cidade e os lugares incomuns
do reencontro.
Perdoem-me se vos falo assim: ignorante dos mandamentos
estruturais e purificadores do texto
alheio às vírgulas prudentes e pouco cumpridor
de metodologias semânticas. Perdoem-me as omissões
descritivas de generalidades perdoem-me o rum e os desencontros
do léxico. Mas é urgente dizer-vos dos meus amigos
felizmente loucos
capazes de arrasar vulcões ao som de uma guitarra
que anuncia o prazer sem nome do dia seguinte.
É necessário falar deles sem as palavras calculadas dos locutores de serviço
ouvir a música das suas bocas
beber cada desejo
aprender a linguagem das sementes apaixonadas.
Loucos sim os meus amigos. Sequisoso e tranquilos
tal e qual as madrugadas de Manágua. E com eles
percorremos descalços as areias serenas do Pacífico
provavelmente doidos
de esperança.

 

III

São assim as noites e as luzes
onde o calor dos corpos se mistura num rumor de auroras por inventar.
São estes os destinos
as árvores e as tardes
ingénuas e maravilhosas como a paisagem
que se despe perante os meus olhos descrentes:
o sorriso dos amigos e o abraço do poeta
a desenharem novos rios
de margens acesas num poente de ternuras.
Seguimos em frente dizem-me os amigos loucos
imensos e claros numa rua de Manágua. E nós
os bêbados
tomaremos o poder.

Manágua - Havana - Lisboa, 1984

In Margem para Dúvidas | Estante Editora | 1998

Mais sugestões de leitura

  • Fados & DesgarradosOpen or Close

    Fados & Desgarrados não é um simples livro de estreia de um autor recente. Isto porque nem o José Xavier Ezequiel é um autor recente no sentido mais rigoroso da expressão, nem estes Fados, pela sua estrutura e pela consistência que apresentam, têm as características habituais de uma «primeira obra».
    Trata-se, como afirmou Mestre Dinis Machado de «uma história revitalizada de ‘tristes, solitários e finais’, na expressão de Chandler depois recuperada por Osvaldo Soriano, e que foi durante muito tempo emblema do romance negro». Mas eu atrevo-me a dizer que é também algo mais do que isso.

    Apresentação de Fados & Desgarrados, de José Xavier Ezequiel | 2007

    Ler Mais
  • O regresso de Karlos StarkillerOpen or Close

    Fernando Carlos Nunes de Melo Relvas e Karlos Pombo Capador Starkiller voltam a encontrar-se, mais de uma dúzia de anos depois de se terem cruzado pela primeira vez numa rua estreita do Bairro Alto. Nessa altura, Starkiller estava de partida para o outro lado do mundo, fugido à modorra chata de Lisboa, atrás de aventuras alucinantes que iria viver na companhia de malta tão curiosa como a Olga Punk, o irmão Lince, Chiquita, o Ianqui Louco, D. Juanito e o mais coerente super-herói que me foi dado conhecer, o Capitão Latino-América.

    Prefácio a Karlos Starkiller, de Fernando Relvas | 1997

    Ler Mais
  • Tentações assepticamente correctasOpen or Close

    A lógica do «politicamente correcto» torna-se cada vez mais sinónimo daquilo a que já se chama o «pensamento único». Na prática, trata-se de um filho bastardo do fim da guerra fria ou, se quisermos ser mais rigorosos, é uma submissão descarada à «nova ordem» que o neo-liberalismo dominante pretende impôr ao mundo.

    RCS | 8.Nov.1998

    Ler Mais
  • Cântico de alegria e raivaOpen or Close

    Em 2005, o Chile ainda tinha cinco presos políticos: Hardy Peña Trujillo, Claudio Melgarejo Chávez, Fedor Sánchez Piderit e Pablo Vargas López, encarcerados na vigência do primeiro governo democrático... por terem atentado, anos antes, contra a ditadura militar. Ao mesmo tempo, apesar de já não estar no poder, Augusto Pinochet ainda se passeava pelo mundo. Foi assim que, a partir de Santiago, o poeta Luís Ariasmanzo lançou um apelo à solidariedade de escritores de vários países. O resultado foi o manifesto poético El Verbo Descerrajado, uma antologia que contou com a participação de oito dezenas de poetas das Américas e da Europa.

    El Verbo Descerrajado
    Ediciones Apostrophes 2005

    Ler Mais