Factura exposta

© Paulo Hernâni

Pelos teus olhos acesos de inocência
me vou guiando agora, que anoitece.

Miguel Torga

British poem

Ao fim da tarde os ingleses
ficam quase tão cinzentos como as ruas
do meu país distante. Embebedam-se
em silêncio
e fazem por acreditar que ainda estão vivos
quando arrumam a consciência nas páginas do Standard
e aguardam o dia seguinte
com a melancolia suave das pequenas esperanças.

Londres, Abril de 1982

 

Canção de outro dia

Para o Adriano Correia de Oliveira

Se quereis saber do meu amigo
venho agora perguntar.
Foi no sonho sem regresso
nunca mais há-de cantar.
Se quereis saber deste amigo
perguntai.

Dizem que sorriu. Depois morreu
sem pecado
sem recado
devagar. Dizem que era o rouxinol
com coração de menino
o amigo que partiu
contam histórias de encantar
(umas tristes outras lindas)
dizem coisas de pasmar:
que era grande e pequenino
que era um pássaro
que era o mar.

Se quereis saber do meu amigo
venho agora perguntar.
Das coisas todas da vida
trago muito que contar:
da dor e da poesia
da raiva toda escondida
à espera de outro lugar.
Do amigo que partiu
trago canções e sorrisos
trago a voz a desejar
dizer que o tempo corria
como nessa tarde fria
em que foi a enterrar.

- Que quereis mais do meu amigo
venho agora perguntar.

Lisboa, Dezembro de 1982

 

Desejo

Quisera amar-te aqui
como nas noites longas
loucas noites de Lisboa.
Amar-te apenas com os beijos
e os sorrisos aque aprendemos
quando voamos na névoa do desejo
por sobre as águas imensas.
Quisera que tudo fosse sempre deste modo
e a revolução se fizesse
um pouco mais que um sonho
a despertar nos teus olhos livres.

Havana, Agosto 1984

 

A meus pais, como se fosse inverno

Há um mar enorme nesses olhos
onde a lua se recorta.
Aqui crescem flores eu sei e no entanto
quantas dores
quantas lágrimas
quantas vidas por contar.
Há um mar enorme
a navegar
à procura de um acaso. Em todo o caso
a margem. Talvez
louca talvez suave
e pouco a pouco à espera
do inverno.

Lisboa, Outubro de 1984

 

Um dia destes

Um dia destes serei velho e aí talvez
descubra as fórmulas secretas dos alquimistas os segredos
dos outeiros que nunca povoaram as paisagens que pintei.
Serei velho como os velhos um milhão de certezas
e os sorrisos de desprezoa a invadirem-me as páginas
ou talvez um punhal cravado nos silêncios matinais
à espera do delírio fatal.
Um dia destes alguém vai dizer-me
que isto é tudo uma imensa lotaria
cigarro a cigarro consumida na inutilidade dos gestos
e então nada restará do que imaginámos viver.
Um dia destes talvez morra.
Pequenino
e infinitamente azul
como os lírios da Mesopotâmia.

Lisboa, Março 1985

In Margem para Dúvidas | Estante Editora | 1998

Mais sugestões de leitura

  • Coerência interventivaOpen or Close

    Quando se abalançou ao jornalismo, o jovem Viriato (tinha então 15 anos) escolheu bem: o Suplemento Juvenil do República, um diário que se impunha em Portugal graças a uma linha editorial avessa aos compromissos com o poder. Estava-se em 1973, a revolução dos cravos não fazia sequer parte do imaginário português, e essa era a altura em que o lápis azul da censura atacava forte, sem cerimónias, a produção dos homens dos jornais. (...) Das centenas de entrevistas realizadas, Viriato Teles seleccionou as dez que vai ler a seguir. Estiveram para ser doze, não por qualquer analogia com Cristo e os seus 12 apóstolos e a sua Última Ceia. Muitas foram, aliás, as últimas ceias de Viriato Teles (...)

    Ler Mais
  • Que grande pedraOpen or Close

    Pela leitura da última edição do Expresso, ficámos a saber que «o Presidente Jorge Sampaio propôs na última semana aos líderes dos quatro maiores partidos a realização de um almoço comum contra a droga.»
    Confesso que a notícia me encheu de curiosidade, quanto mais não seja porque, apesar de já ter assistido a corridas contra o racismo, manifestações contra as propinas, e até a marchas contra os canhões, nunca tinha imaginado que fosse possível fazer almoços contra a droga.

    TSF | 14.Jan.1998

    Ler Mais
  • Cântico de alegria e raivaOpen or Close

    Em 2005, o Chile ainda tinha cinco presos políticos: Hardy Peña Trujillo, Claudio Melgarejo Chávez, Fedor Sánchez Piderit e Pablo Vargas López, encarcerados na vigência do primeiro governo democrático... por terem atentado, anos antes, contra a ditadura militar. Ao mesmo tempo, apesar de já não estar no poder, Augusto Pinochet ainda se passeava pelo mundo. Foi assim que, a partir de Santiago, o poeta Luís Ariasmanzo lançou um apelo à solidariedade de escritores de vários países. O resultado foi o manifesto poético El Verbo Descerrajado, uma antologia que contou com a participação de oito dezenas de poetas das Américas e da Europa.

    El Verbo Descerrajado
    Ediciones Apostrophes 2005

    Ler Mais
  • Um velho espírito de NatalOpen or Close
    No Natal, o Rossio transforma-se numa espécie de presépio gigante (...) onde os reis magos foram substituídos pelos agentes da Casa da Sorte e os pastores ganharam a forma de polícias sem rosto. Os meninos do presépio do Rossio andam pelas ruas do Metro a vender pensos rápidos, alimentando-se na esperança de uma estrela qualquer que os guie a novo destino. E São José, na encosta do Martim Moniz, aguarda pacientemente a chegada dos bêbados e das putas ...
    Se7e | 30.Dez.1981
    Ler Mais