Factura exposta

© Paulo Hernâni

Pelos teus olhos acesos de inocência
me vou guiando agora, que anoitece.

Miguel Torga

British poem

Ao fim da tarde os ingleses
ficam quase tão cinzentos como as ruas
do meu país distante. Embebedam-se
em silêncio
e fazem por acreditar que ainda estão vivos
quando arrumam a consciência nas páginas do Standard
e aguardam o dia seguinte
com a melancolia suave das pequenas esperanças.

Londres, Abril de 1982

 

Canção de outro dia

Para o Adriano Correia de Oliveira

Se quereis saber do meu amigo
venho agora perguntar.
Foi no sonho sem regresso
nunca mais há-de cantar.
Se quereis saber deste amigo
perguntai.

Dizem que sorriu. Depois morreu
sem pecado
sem recado
devagar. Dizem que era o rouxinol
com coração de menino
o amigo que partiu
contam histórias de encantar
(umas tristes outras lindas)
dizem coisas de pasmar:
que era grande e pequenino
que era um pássaro
que era o mar.

Se quereis saber do meu amigo
venho agora perguntar.
Das coisas todas da vida
trago muito que contar:
da dor e da poesia
da raiva toda escondida
à espera de outro lugar.
Do amigo que partiu
trago canções e sorrisos
trago a voz a desejar
dizer que o tempo corria
como nessa tarde fria
em que foi a enterrar.

- Que quereis mais do meu amigo
venho agora perguntar.

Lisboa, Dezembro de 1982

 

Desejo

Quisera amar-te aqui
como nas noites longas
loucas noites de Lisboa.
Amar-te apenas com os beijos
e os sorrisos aque aprendemos
quando voamos na névoa do desejo
por sobre as águas imensas.
Quisera que tudo fosse sempre deste modo
e a revolução se fizesse
um pouco mais que um sonho
a despertar nos teus olhos livres.

Havana, Agosto 1984

 

A meus pais, como se fosse inverno

Há um mar enorme nesses olhos
onde a lua se recorta.
Aqui crescem flores eu sei e no entanto
quantas dores
quantas lágrimas
quantas vidas por contar.
Há um mar enorme
a navegar
à procura de um acaso. Em todo o caso
a margem. Talvez
louca talvez suave
e pouco a pouco à espera
do inverno.

Lisboa, Outubro de 1984

 

Um dia destes

Um dia destes serei velho e aí talvez
descubra as fórmulas secretas dos alquimistas os segredos
dos outeiros que nunca povoaram as paisagens que pintei.
Serei velho como os velhos um milhão de certezas
e os sorrisos de desprezoa a invadirem-me as páginas
ou talvez um punhal cravado nos silêncios matinais
à espera do delírio fatal.
Um dia destes alguém vai dizer-me
que isto é tudo uma imensa lotaria
cigarro a cigarro consumida na inutilidade dos gestos
e então nada restará do que imaginámos viver.
Um dia destes talvez morra.
Pequenino
e infinitamente azul
como os lírios da Mesopotâmia.

Lisboa, Março 1985

In Margem para Dúvidas | Estante Editora | 1998

Mais sugestões de leitura

  • Portugal dos pequeninosOpen or Close

    No dia em que morreu Óscar Lopes (...) na «mensagem de pesar» enviada à família do filólogo e mestre maior da língua pátria, o dr. Cavaco Silva refere-se-lhe como «historiador», relegando para segundo plano a sua obra maior como linguista, professor e crítico literário. Compreende-se: Óscar Lopes foi autor, com António José Saraiva, da mais importante História da Literatura Portuguesa. Cavaco, com o seu saber wikipédico de leitor de badanas, limitou-se a somar dois mais dois.

    Ler Mais
  • Insondáveis designíosOpen or Close

    O Papa foi ver um espectáculo de Bob Dylan. Poucos anos atrás, uma notícia deste tipo seria, no mínimo, uma brincadeira de gosto duvidoso. Na melhor das hipóteses (isto é, se a notícia fosse verdadeira) seria motivo de manchete em quase todos os jornais do planeta. O Papa? Num espectáculo de Bob Dylan? Eu sei que o mundo está a mudar e que as verdades absolutas de ontem deixaram de o ser às primeiras horas da manhã de hoje. Mas, ainda assim, não deixo de sentir um estremecimento ao ver Sua Santidade ouvindo «Knockin' On Heaven's Door» como se escutasse «Queremos Deus Homens Ingratos» ou o clássico «Miraculosa, Rainha dos Céus».

    TSF | 1.Out.1997

    Ler Mais
  • A quinta dimensãoOpen or Close

    Era o mês de Outubro, em Lisboa e no resto do mundo. Nessa manhã de pouco sol, Aristides acordou com vaga sensação de que a Terra inteira estava a enlouquecer à sua volta.

    Se7e | 1988

    Ler Mais
  • Cantar ao SulOpen or Close

    Com a tranquilidade que sempre o caracterizou, Janita Salomé não desiste de levar por diante a sua música, feita de muitas memórias antigas misturadas com novas sensações. Na certeza de que "existe uma linguagem própria, nossa, e essa é que é necessário procurar, preservar e recriar". Por uma questão de identidade, contra a estética totalizante do hamburguer. Porque, como se percebe ao longo desta conversa, a música é como os vinhos: os mais divulgados e mais consumidos não são necessariamente os melhores.

    MPP | Set. 2001

    Ler Mais