Factura exposta

© Paulo Hernâni

Pelos teus olhos acesos de inocência
me vou guiando agora, que anoitece.

Miguel Torga

British poem

Ao fim da tarde os ingleses
ficam quase tão cinzentos como as ruas
do meu país distante. Embebedam-se
em silêncio
e fazem por acreditar que ainda estão vivos
quando arrumam a consciência nas páginas do Standard
e aguardam o dia seguinte
com a melancolia suave das pequenas esperanças.

Londres, Abril de 1982

 

Canção de outro dia

Para o Adriano Correia de Oliveira

Se quereis saber do meu amigo
venho agora perguntar.
Foi no sonho sem regresso
nunca mais há-de cantar.
Se quereis saber deste amigo
perguntai.

Dizem que sorriu. Depois morreu
sem pecado
sem recado
devagar. Dizem que era o rouxinol
com coração de menino
o amigo que partiu
contam histórias de encantar
(umas tristes outras lindas)
dizem coisas de pasmar:
que era grande e pequenino
que era um pássaro
que era o mar.

Se quereis saber do meu amigo
venho agora perguntar.
Das coisas todas da vida
trago muito que contar:
da dor e da poesia
da raiva toda escondida
à espera de outro lugar.
Do amigo que partiu
trago canções e sorrisos
trago a voz a desejar
dizer que o tempo corria
como nessa tarde fria
em que foi a enterrar.

- Que quereis mais do meu amigo
venho agora perguntar.

Lisboa, Dezembro de 1982

 

Desejo

Quisera amar-te aqui
como nas noites longas
loucas noites de Lisboa.
Amar-te apenas com os beijos
e os sorrisos aque aprendemos
quando voamos na névoa do desejo
por sobre as águas imensas.
Quisera que tudo fosse sempre deste modo
e a revolução se fizesse
um pouco mais que um sonho
a despertar nos teus olhos livres.

Havana, Agosto 1984

 

A meus pais, como se fosse inverno

Há um mar enorme nesses olhos
onde a lua se recorta.
Aqui crescem flores eu sei e no entanto
quantas dores
quantas lágrimas
quantas vidas por contar.
Há um mar enorme
a navegar
à procura de um acaso. Em todo o caso
a margem. Talvez
louca talvez suave
e pouco a pouco à espera
do inverno.

Lisboa, Outubro de 1984

 

Um dia destes

Um dia destes serei velho e aí talvez
descubra as fórmulas secretas dos alquimistas os segredos
dos outeiros que nunca povoaram as paisagens que pintei.
Serei velho como os velhos um milhão de certezas
e os sorrisos de desprezoa a invadirem-me as páginas
ou talvez um punhal cravado nos silêncios matinais
à espera do delírio fatal.
Um dia destes alguém vai dizer-me
que isto é tudo uma imensa lotaria
cigarro a cigarro consumida na inutilidade dos gestos
e então nada restará do que imaginámos viver.
Um dia destes talvez morra.
Pequenino
e infinitamente azul
como os lírios da Mesopotâmia.

Lisboa, Março 1985

In Margem para Dúvidas | Estante Editora | 1998

Mais sugestões de leitura

  • Luta de clicsOpen or Close

    O ministro Sousa Franco anunciou esta semana ao mundo que o elevado nível de vida dos portugueses é uma realidade estimável pela quantidade de telemóveis em circulação. Com Sousa Franco, ficámos a saber que o mundo não se divide  em classes, mas em redes telefónicas.

    RCS | 17.Nov.1998

    Ler Mais
  • As sandálias do pecadorOpen or Close
    O que a seguir se oferece tem o mesmo sentido da partilha bíblica do pão e do vinho. Tinto corrente ou néctar do bom, de preferência com o conduto de uma morcela da Beira ou de um chouriço de Barrancos, que o Mário não se faz rogado. E movimenta-se com o mesmo à-vontade nos salões mais elegantes ou nas tascas mais ordinárias. Sempre com os amigos por perto, como se impõe. Os amigos "que são tristes com cinco dedos de cada lado", como diz Herberto. Os amigos que o Mário torna alegres e que cultiva como rosas delicadas, quer sejam poetas famosos ou bêbados anónimos, mulheres distintas ou putas de rua, actores de seis assoalhadas ou figurantes sem abrigo. À nossa!
    O IVAngelho II Mário Alberto
    Edições Sojorama 2002
    Ler Mais
  • A solução para a criseOpen or Close

    Para começo de ano mau, isto está bom. Em poucas semanas, o desgoverno dos comissários da troica conseguiu provar aos mais descrentes que não há mesmo limites para a criatividade. Se lhes desse para o bem, Portugal seria fantástico.

    Ler Mais
  • Animais nossos amigosOpen or Close

    A pacatez da vida política portuguesa foi abalada há poucos dias com um curioso debate parlamentar em torno dos escalões do IVA a aplicar às comidas de cães e gatos, bem como a certas espécies de moluscos como as ostras.
    Na origem da interessante discussão esteve uma proposta, apresentada pela parlamentar socialista Rosa Albernaz (...) no sentido de descer de 17 para 12 por cento a taxa do IVA a aplicar aos "produtos alimentares para alguns animais da classe dos vertebrados", segundo explicou a deputada.

    TSF | 19.Nov.1997

    Ler Mais