Factura exposta

© Paulo Hernâni

Pelos teus olhos acesos de inocência
me vou guiando agora, que anoitece.

Miguel Torga

British poem

Ao fim da tarde os ingleses
ficam quase tão cinzentos como as ruas
do meu país distante. Embebedam-se
em silêncio
e fazem por acreditar que ainda estão vivos
quando arrumam a consciência nas páginas do Standard
e aguardam o dia seguinte
com a melancolia suave das pequenas esperanças.

Londres, Abril de 1982

 

Canção de outro dia

Para o Adriano Correia de Oliveira

Se quereis saber do meu amigo
venho agora perguntar.
Foi no sonho sem regresso
nunca mais há-de cantar.
Se quereis saber deste amigo
perguntai.

Dizem que sorriu. Depois morreu
sem pecado
sem recado
devagar. Dizem que era o rouxinol
com coração de menino
o amigo que partiu
contam histórias de encantar
(umas tristes outras lindas)
dizem coisas de pasmar:
que era grande e pequenino
que era um pássaro
que era o mar.

Se quereis saber do meu amigo
venho agora perguntar.
Das coisas todas da vida
trago muito que contar:
da dor e da poesia
da raiva toda escondida
à espera de outro lugar.
Do amigo que partiu
trago canções e sorrisos
trago a voz a desejar
dizer que o tempo corria
como nessa tarde fria
em que foi a enterrar.

- Que quereis mais do meu amigo
venho agora perguntar.

Lisboa, Dezembro de 1982

 

Desejo

Quisera amar-te aqui
como nas noites longas
loucas noites de Lisboa.
Amar-te apenas com os beijos
e os sorrisos aque aprendemos
quando voamos na névoa do desejo
por sobre as águas imensas.
Quisera que tudo fosse sempre deste modo
e a revolução se fizesse
um pouco mais que um sonho
a despertar nos teus olhos livres.

Havana, Agosto 1984

 

A meus pais, como se fosse inverno

Há um mar enorme nesses olhos
onde a lua se recorta.
Aqui crescem flores eu sei e no entanto
quantas dores
quantas lágrimas
quantas vidas por contar.
Há um mar enorme
a navegar
à procura de um acaso. Em todo o caso
a margem. Talvez
louca talvez suave
e pouco a pouco à espera
do inverno.

Lisboa, Outubro de 1984

 

Um dia destes

Um dia destes serei velho e aí talvez
descubra as fórmulas secretas dos alquimistas os segredos
dos outeiros que nunca povoaram as paisagens que pintei.
Serei velho como os velhos um milhão de certezas
e os sorrisos de desprezoa a invadirem-me as páginas
ou talvez um punhal cravado nos silêncios matinais
à espera do delírio fatal.
Um dia destes alguém vai dizer-me
que isto é tudo uma imensa lotaria
cigarro a cigarro consumida na inutilidade dos gestos
e então nada restará do que imaginámos viver.
Um dia destes talvez morra.
Pequenino
e infinitamente azul
como os lírios da Mesopotâmia.

Lisboa, Março 1985

In Margem para Dúvidas | Estante Editora | 1998

Mais sugestões de leitura

  • As voltas do professorOpen or Close

    Há uns bons vinte anos, ele era o símbolo de tudo aquilo que não queríamos ver no poder. A candidatura de Freitas do Amaral à Presidência da Repúbica foi, sejamos claros, a última esperança dos velhos fascistas que ainda não se tinham adaptado à democracia. Na verdade, o confronto entre Mário Soares e Professor nas eleições presidenciais de 1986 foi marcado pela clarificação dos campos políticos que, bem ou mal, se afirmavam no terreno. E Soares, que começou a campanha apenas com o apoio de uma íntima fracção do PS, acabou por se sagrar Presidente, eleito pela Esquerda; ao passo que Freitas, apoiado em massa pelas forças da Direita, não conseguiu evitar a derrota na segunda volta.

    Para Consumo da Causa | 10.Mar.2005

    Ler Mais
  • Na morte de Luís PignatelliOpen or Close

    «O Luís Pignatelli faz aqui muita falta», lamentava-se, uma destas tardes, o Armando Baptista-Bastos ao balcão do Expresso, um dos últimos lugares de convívio do largo a que deram o nome de Trindade Coelho, mas que há-de ser sempre da Misericórdia, por maioria de razão popular. Naquele espaço por onde os afectos ainda vão circulando, disfarçados de imperiais e cariocas de limão, a falta que o Luís faz é particularmente sentida. E o lamento do Bastos nem sequer precisa de ter resposta, todos sabem que é verdade. Sente-se nas conversas, quer sejam contra o Cavaco ou em glória de um soberbo frontispício feminino que vai passando pelo largo onde os pombos promoveram uma ocupação selvagem.

    Revista MPP | Julho 1994

    Ler Mais
  • Repórter no encalço do CheOpen or Close

    A gente conhece o Viriato Teles há muitas luas, ou não fosse ele um andarilho inveterado dos jornais e com diversos saltos pelos livros. Tudo o que o Viriato escreve é para ler. Homem da cepa séria dos jornalistas que não se perverteram... Daqueles que não se deixam arrebitar pelas alcatifas dos gabinetes ministeriáveis, daqueles que não iludiram a sua condição de ser de esquerda, da esquerda mais utópica, que é essa mesmo que vale para nós!
    Olho para o Viriato amigo e desato a pensar em todos os corifeus que após o 25 de Abril eram de esquerda – era bem – e hoje dão lições de social-democracia com copo na mão e pança avantajada assente na secretária. Por isso digo que os textos do Viriato são para ler na sua textura não serviçal. Autêntica. (...) Este é seguramente um livro que não interessa a certa gentalha, como aquele cavalheiro que preside ao CDS que há pouco tempo alcunhava o Che de terrorista.

    Ler Mais
  • Enquanto houver estrada pr'andarOpen or Close

    Desculpem, leitores, mas ele há regras! E a verdade é que nem o Jorge Palma nem o relator desta conversa se sentem, nos dias que correm, com vontade ou paciência para entrevistas formais, ao estilo dos seriíssimos diálogos entre jornalistas-culturais e escritores-em-franca-ascensão, comentadores-político-sociais e ex-ministros, futuros-ex-ministros ou candidatos a. E foi talvez por isso que, quando repórter e músico decidiram dar conta da conversa que se segue, escolheram a serenidade da casa do capitão da Zambujeira do Mar, de frente para o Atlântico, numa tarde tranquila de finais de Julho, quando os camones não tinham ainda chegado em força e os portugas permaneciam nas cidades, a braços com o aumento do iva e as propostas do ministro da televisão que animaram os últimos dias antes das férias gerais.

    MPP - Revista do Festival de Música Popular Portuguesa da Amadora | Set 2002

    Ler Mais