Outras paisagens

© Paulo Hernâni

...que a revolução consome muitos mais cigarros
do que aqueles que produz

Alexandre O'Neill

Regresso

Os elefantes
escolhem sempre o lugar da morte
disse o pescador antigo
de olhos postos no mar sem fim.
O pescador nunca viu elefantes
nem leões
nem pássaros da Amazónia
mas sabe como é.
Como nós
em mil novecentos e setenta e cinco
a forçar de vez as garras
do desespero.

Ílhavo, Setembro de 1985

 

Praia Grande

Os dedos a medo
a luz esquecida
o riso de espuma
as mãos que se dão
os olhos fechados
e o mar não se ouvia

Os dedos no corpo
os olhos em volta
a música em fundo
o tempo parado
a luz do sorriso
as mãos agarradas

Os dentes no corpo
desejos à solta
o sono adiado
as mãos em revolta
os dedos cravados
a espuma do mar

Os corpos à toa
o tempo apagado
os dedos em volta
os olhos calados
as mãos abraçadas
o sono fechado

Os corpos molhados
os dedos serenos
o tempo esquecido
a luz abraçada
os olhos no mar

E eu e tu
a voar
a voar

Lisboa, Maio de 1986

 

Quase em festa

Falávamos de quase tudo
e havia andorinhas de barro
na casa da mulher
como se fosse verão e Santa Teresa do Morro despisse as sacras vestes
e aos homens se juntasse
num ritual de alegria. Falávamos
provavelmente de amigos
e desejos
e sentidos
todos os sentidos que fazem a magia de dezembro.
Falávamos sem tempo nem razão
iluminados
por tudo o que vale a pena.

Rio de Janeiro, Dezembro de 1988

 

Mandela

É bom olhar-te de novo
procurar
em tuas rugas a rota dos homens dignos.
Melhor ainda
será contar contigo
e saber
que o valor das dúvidas
varia na razão directa
da energia que delas se liberta.

Aveiro, Abril de 1990

 

Os olhos de Peter Arnett

Eu sei general Normal Schwarzkopf eu sei
que o senhor é um homem ocupado e sem
tempo a perder em conversas vagas de poetas
eu sei que todo o tempo não lhe chega

para fazer a guerra electrónica e a cores na CNN
e no Golfo de mil e uma noites por dormir
eu sei que o senhor não pode experimentar as emoções
permitidas aos mortais comuns e às crianças

as crianças nunca vão esquecer a dor cadente
no céu de Bagdad e o repórter Peter Arnett
"só conto o que os meus olhos vêem"
as bombas e os mortos e o medo

o medo sim general Schwarzkopf o medo
que os olhos de Peter Arnett também viram
nas ruas e nas casas e nos rios e nas almas
o medo via satélite para o resto do mundo

na estrada de Baçorá morreram aos milhares
sem honra nem glória são as leias da guerra
eu sei general que sento e cinquanta mil sarracenos
não contam para a estatística o que vale

é o dever e a pátria e o petróleo
que são cento e cinquenta mil infiéis sem nome
mortos por computador como nos filmes
de homens e de monstros e de homens?

Eu sei general Normal Schwarzkopf eu sei
que tudo isto não deveria ser dito melhor seria
esquecer de vez os corpos desprezados
entre a dor e os castelos de areia

destruídos pelo orgulho e pelas balas
belas são as intenções negras as derrotas
tristes como o medo estanpado nos olhos
de Peter Arnett tristes como a morte

em directo do lado de lá do mundo
coisas general Schwarzkopf que o senhor
dificilmente entenderá porque não viu
o mesmo que os soldados e as crianças

perdidas nas ruas e nas casas sem paredes
nem memória assim se faz a guerra
que os meus olhos vêem em Bagdad e no mundo
onde o tempo todo não sobra para o sonho.

Abril de 1991

In Margem para Dúvidas | Estante Editora | 1998

Mais sugestões de leitura

  • Sentido de estradoOpen or Close
    A modorra estival foi subitamente agitada, dias atrás, pelas declarações de Zita Seabra no programa do estulto Mário Crespo. Segundo a ex-deputada, o PCP utilizou a debelada Fábrica Nacional de Ar Condicionado como fachada para tenebrosas missões de espionagem, levadas a cabo em conluio com caliginosos agentes da STASI durante a Guerra-Fria.
    Jornal do Fundão | 16.Ago.2012
    Ler Mais
  • Em tempo de NatalOpen or Close
    Em tempo de Natal, as leis e os tribunais ficam um pouco como os pombos: aceitam aquilo que lhes dão e procuram não ser muito severos com a aplicação da justiça. Além disso, como toda a gente sabe, é preciso ser-se complacente de vez em quando ...
    O Diário | 26.Dez.1980
    Ler Mais
  • Que grande pedraOpen or Close

    Pela leitura da última edição do Expresso, ficámos a saber que «o Presidente Jorge Sampaio propôs na última semana aos líderes dos quatro maiores partidos a realização de um almoço comum contra a droga.»
    Confesso que a notícia me encheu de curiosidade, quanto mais não seja porque, apesar de já ter assistido a corridas contra o racismo, manifestações contra as propinas, e até a marchas contra os canhões, nunca tinha imaginado que fosse possível fazer almoços contra a droga.

    TSF | 14.Jan.1998

    Ler Mais
  • Era uma vez uma NinaOpen or Close

    Era uma vez uma menina nascida num país que já não existe. A história de Nina Govedarica poderia começar assim, mas a sua biografia está bem longe de ser um conto de fadas. Os olhos dela já viram mais do que à generalidade dos humanos costuma ser concedido, e nem tudo o que viu foram coisas belas.
    Nascida em Zagreb no início dos anos 70 do século passado, Nina Govedarica licenciou-se em Engenharia, mas seria na pintura que encontraria o caminho e a razão de ser da sua vida.

    Do catálogo de Contos sobre a floresta, ..., de Nina Govedarica | 2011

    Ler Mais