Outras paisagens

© Paulo Hernâni

...que a revolução consome muitos mais cigarros
do que aqueles que produz

Alexandre O'Neill

Regresso

Os elefantes
escolhem sempre o lugar da morte
disse o pescador antigo
de olhos postos no mar sem fim.
O pescador nunca viu elefantes
nem leões
nem pássaros da Amazónia
mas sabe como é.
Como nós
em mil novecentos e setenta e cinco
a forçar de vez as garras
do desespero.

Ílhavo, Setembro de 1985

 

Praia Grande

Os dedos a medo
a luz esquecida
o riso de espuma
as mãos que se dão
os olhos fechados
e o mar não se ouvia

Os dedos no corpo
os olhos em volta
a música em fundo
o tempo parado
a luz do sorriso
as mãos agarradas

Os dentes no corpo
desejos à solta
o sono adiado
as mãos em revolta
os dedos cravados
a espuma do mar

Os corpos à toa
o tempo apagado
os dedos em volta
os olhos calados
as mãos abraçadas
o sono fechado

Os corpos molhados
os dedos serenos
o tempo esquecido
a luz abraçada
os olhos no mar

E eu e tu
a voar
a voar

Lisboa, Maio de 1986

 

Quase em festa

Falávamos de quase tudo
e havia andorinhas de barro
na casa da mulher
como se fosse verão e Santa Teresa do Morro despisse as sacras vestes
e aos homens se juntasse
num ritual de alegria. Falávamos
provavelmente de amigos
e desejos
e sentidos
todos os sentidos que fazem a magia de dezembro.
Falávamos sem tempo nem razão
iluminados
por tudo o que vale a pena.

Rio de Janeiro, Dezembro de 1988

 

Mandela

É bom olhar-te de novo
procurar
em tuas rugas a rota dos homens dignos.
Melhor ainda
será contar contigo
e saber
que o valor das dúvidas
varia na razão directa
da energia que delas se liberta.

Aveiro, Abril de 1990

 

Os olhos de Peter Arnett

Eu sei general Normal Schwarzkopf eu sei
que o senhor é um homem ocupado e sem
tempo a perder em conversas vagas de poetas
eu sei que todo o tempo não lhe chega

para fazer a guerra electrónica e a cores na CNN
e no Golfo de mil e uma noites por dormir
eu sei que o senhor não pode experimentar as emoções
permitidas aos mortais comuns e às crianças

as crianças nunca vão esquecer a dor cadente
no céu de Bagdad e o repórter Peter Arnett
"só conto o que os meus olhos vêem"
as bombas e os mortos e o medo

o medo sim general Schwarzkopf o medo
que os olhos de Peter Arnett também viram
nas ruas e nas casas e nos rios e nas almas
o medo via satélite para o resto do mundo

na estrada de Baçorá morreram aos milhares
sem honra nem glória são as leias da guerra
eu sei general que sento e cinquanta mil sarracenos
não contam para a estatística o que vale

é o dever e a pátria e o petróleo
que são cento e cinquenta mil infiéis sem nome
mortos por computador como nos filmes
de homens e de monstros e de homens?

Eu sei general Normal Schwarzkopf eu sei
que tudo isto não deveria ser dito melhor seria
esquecer de vez os corpos desprezados
entre a dor e os castelos de areia

destruídos pelo orgulho e pelas balas
belas são as intenções negras as derrotas
tristes como o medo estanpado nos olhos
de Peter Arnett tristes como a morte

em directo do lado de lá do mundo
coisas general Schwarzkopf que o senhor
dificilmente entenderá porque não viu
o mesmo que os soldados e as crianças

perdidas nas ruas e nas casas sem paredes
nem memória assim se faz a guerra
que os meus olhos vêem em Bagdad e no mundo
onde o tempo todo não sobra para o sonho.

Abril de 1991

In Margem para Dúvidas | Estante Editora | 1998

Mais sugestões de leitura

  • O regresso de Karlos StarkillerOpen or Close

    Fernando Carlos Nunes de Melo Relvas e Karlos Pombo Capador Starkiller voltam a encontrar-se, mais de uma dúzia de anos depois de se terem cruzado pela primeira vez numa rua estreita do Bairro Alto. Nessa altura, Starkiller estava de partida para o outro lado do mundo, fugido à modorra chata de Lisboa, atrás de aventuras alucinantes que iria viver na companhia de malta tão curiosa como a Olga Punk, o irmão Lince, Chiquita, o Ianqui Louco, D. Juanito e o mais coerente super-herói que me foi dado conhecer, o Capitão Latino-América.

    Prefácio a Karlos Starkiller, de Fernando Relvas | 1997

    Ler Mais
  • Fausto Bordalo DiasOpen or Close

    É um homem discreto e um artista exigente. Gosta de estar com os amigos e não volta costas a um arroz de lampreia nem a uma boa conversa. A música que faz situa-se num patamar superior do espectáculo, em Portugal e no resto do mundo, mas não é isso que o faz correr. (...) É assim o Fausto. Sereno, leal, intransigente em tudo aquilo que considera ser o essencial, tanto na vida como na arte – sendo que a arte é simplesmente uma forma superior de vida. É um homem de convicções – políticas, humanas, estéticas – mas nunca quis ser um homem de certezas. Amigo certo e adversário temível, mantém desde sempre uma relação de distância tanto com o poder político como com o poder mediático, e nunca se vergou perante nenhum. Porque há homens que não têm preço nem querem perder a honra: os homens dignos, como este.

    Ler Mais
  • Otelo Saraiva de CarvalhoOpen or Close

    À conversa, tende com alguma frequência a falar de coisas colectivas na primeira pessoa, mas que outra coisa poderá fazer o homem que delineou a «ordem de operações» e controlou todo o desenvolvimento do golpe militar de 25 de Abril? Não viveu a festa desse dia nas ruas, mas foi ele quem a tornou possível: do quartel-general do MFA, instalado no Regimento de Engenharia 1 da Pontinha, coube-lhe gerir cada passo dos capitães, desde a saída dos quartéis até à tomada do Carmo por Salgueiro Maia. (...) Fala com o coração, mas sabe modelar o discurso com a habilidade do actor que quis ser (...). Não chegou a concretizar esse desejo, mas coube-lhe em sorte o papel central na aventura que mudou as nossas vidas.

    Ler Mais
  • Pipi de camarãoOpen or Close

    Mais de 15 toneladas de supostas moelas de galinha estão, desde a passada segunda-feira, retidas no porto de Leixões por suspeita de serem oriundas de Hong Kong, segundo noticiou ontem o Público.
    De acordo com a notícia, um total de 15 mil 447 quilos de miúdos de frango terão sido descarregados de um navio vindo de Roterdão e foram retidas pelas autoridades portuguesas por suspeita de estarem contaminados com o virus H5 N1, responsável pelo recente surto da chamada «gripe das aves» que provocou vários mortos em Hong Kong.
    Notícia posterior, divulgada ontem à tarde por algumas estações de rádio, revelava que, afinal, as moelas eram camarões e a sua origem era a Améria do Sul e não a antiga colónia britânica na China.

    TSF | 7.Jan.1998

    Ler Mais