Outras paisagens

© Paulo Hernâni

...que a revolução consome muitos mais cigarros
do que aqueles que produz

Alexandre O'Neill

Regresso

Os elefantes
escolhem sempre o lugar da morte
disse o pescador antigo
de olhos postos no mar sem fim.
O pescador nunca viu elefantes
nem leões
nem pássaros da Amazónia
mas sabe como é.
Como nós
em mil novecentos e setenta e cinco
a forçar de vez as garras
do desespero.

Ílhavo, Setembro de 1985

 

Praia Grande

Os dedos a medo
a luz esquecida
o riso de espuma
as mãos que se dão
os olhos fechados
e o mar não se ouvia

Os dedos no corpo
os olhos em volta
a música em fundo
o tempo parado
a luz do sorriso
as mãos agarradas

Os dentes no corpo
desejos à solta
o sono adiado
as mãos em revolta
os dedos cravados
a espuma do mar

Os corpos à toa
o tempo apagado
os dedos em volta
os olhos calados
as mãos abraçadas
o sono fechado

Os corpos molhados
os dedos serenos
o tempo esquecido
a luz abraçada
os olhos no mar

E eu e tu
a voar
a voar

Lisboa, Maio de 1986

 

Quase em festa

Falávamos de quase tudo
e havia andorinhas de barro
na casa da mulher
como se fosse verão e Santa Teresa do Morro despisse as sacras vestes
e aos homens se juntasse
num ritual de alegria. Falávamos
provavelmente de amigos
e desejos
e sentidos
todos os sentidos que fazem a magia de dezembro.
Falávamos sem tempo nem razão
iluminados
por tudo o que vale a pena.

Rio de Janeiro, Dezembro de 1988

 

Mandela

É bom olhar-te de novo
procurar
em tuas rugas a rota dos homens dignos.
Melhor ainda
será contar contigo
e saber
que o valor das dúvidas
varia na razão directa
da energia que delas se liberta.

Aveiro, Abril de 1990

 

Os olhos de Peter Arnett

Eu sei general Normal Schwarzkopf eu sei
que o senhor é um homem ocupado e sem
tempo a perder em conversas vagas de poetas
eu sei que todo o tempo não lhe chega

para fazer a guerra electrónica e a cores na CNN
e no Golfo de mil e uma noites por dormir
eu sei que o senhor não pode experimentar as emoções
permitidas aos mortais comuns e às crianças

as crianças nunca vão esquecer a dor cadente
no céu de Bagdad e o repórter Peter Arnett
"só conto o que os meus olhos vêem"
as bombas e os mortos e o medo

o medo sim general Schwarzkopf o medo
que os olhos de Peter Arnett também viram
nas ruas e nas casas e nos rios e nas almas
o medo via satélite para o resto do mundo

na estrada de Baçorá morreram aos milhares
sem honra nem glória são as leias da guerra
eu sei general que sento e cinquanta mil sarracenos
não contam para a estatística o que vale

é o dever e a pátria e o petróleo
que são cento e cinquenta mil infiéis sem nome
mortos por computador como nos filmes
de homens e de monstros e de homens?

Eu sei general Normal Schwarzkopf eu sei
que tudo isto não deveria ser dito melhor seria
esquecer de vez os corpos desprezados
entre a dor e os castelos de areia

destruídos pelo orgulho e pelas balas
belas são as intenções negras as derrotas
tristes como o medo estanpado nos olhos
de Peter Arnett tristes como a morte

em directo do lado de lá do mundo
coisas general Schwarzkopf que o senhor
dificilmente entenderá porque não viu
o mesmo que os soldados e as crianças

perdidas nas ruas e nas casas sem paredes
nem memória assim se faz a guerra
que os meus olhos vêem em Bagdad e no mundo
onde o tempo todo não sobra para o sonho.

Abril de 1991

In Margem para Dúvidas | Estante Editora | 1998

Mais sugestões de leitura

  • Macacos à solta nas ruas do mundoOpen or Close

    Quem os ouve pela primeira vez não pode deixar de sentir um estremecimento prazenteiro. É impossível catalogar estes sons, simultaneamente tão estranhos e tão familiares, que revolvem o nosso imaginário misturando as lembranças de filmes antigos, histórias e memórias, tradições e sentimentos. À semelhança das filarmónicas tradicionais, preenchem qualquer ambiente festivo onde se encontrem, mas tal como qualquer jazzband vão sempre mais além na execução da música que dão a ouvir.

    Nota introdutória ao CD Macacos das Ruas de Évora | 2002

    Ler Mais
  • Francisco LouçãOpen or Close

    Os amigos gabam-lhe a afabilidade, o sentido de humor, a clareza do discurso, a boa educação. Os adversários vêem nele um político frio e calculista. Mas todos lhe reconhecem a inteligência superior, a competência política, a combatividade. É o único dirigente político a quem os correlegionários tratam pelo diminutivo: o Chico, o camarada que dirige sem precisar de ser secretário-geral ou presidente. Um entre iguais, porém diferente de todos os outros. (...) Há 30 anos, acreditava que o mundo podia mudar num instante. Hoje, sabe que o mundo muda a cada instante. E tenta fazer a sua parte.

    Ler Mais
  • O general casernícolaOpen or Close

    O candidato da coligação PSD-PP à Câmara Municipal do Porto, general Carlos Azeredo, está a revelar-se uma autêntica caixa de surpresas. Num país tão carecido de ideias, ele corre o risco de se tornar o estratego-mor da extrema-direita mais boçal e troglodita, órfã de pai e mãe desde que o professor Salazar entregou as botas ao Criador.
    Primeiro foi o célebre artigo sobre o «ouro nazi», onde este militante da ordem unida se desdobrava em considerações sobre o carácter naturalmente agiota dos judeus – o qual, está-se mesmo a ver, esteve na origem do Holocausto. Entre aspas, na versão branqueadora de Azeredo.
    Ao que parece, o estado-maior do PSD não viu nisto nada de mais, o que se compreende: afinal, Hitler limitou-se a exterminar seis milhões de judeus, uma insignificância. Se a «solução final» tivesse sido concluída (ou seja, se em vez de apenas seis milhões, tivessem morrido todos) não haveria hoje ninguém para reclamar a verdade sobre o ouro roubado, o que seria um descanso para os anti-semitas em geral e para Carlos Azeredo em particular.

    TSF | 29.Out.1997

    Ler Mais
  • Desabafos de um repórter que ainda acredita na paixãoOpen or Close

    Quando, em 1983, os jornalistas se reuniram pela primeira vez em congresso para debater a «liberdade de expressão, expressão da liberdade», o meu amigo e companheiro Fernando Alves provocou algum escândalo entre a classe ao anunciar que «os jornalistas portugueses estão a atingir o princípio de Peter da dignidade».

     III Congresso dos Jornalistas Portugueses | 1998

    Ler Mais