Cavaqueira

...e passa tanto tempo num minuto
Fernando Assis Pacheco

Blá

E era na tarde um fogo igual
a tantos de tantos mais um jogo
final de que afinal ninguém sabia.
Era uma tarde um fogo que arde
sem saber se animal se dono
hão-de vencer um rogo alarve um grito.
Ou então era saudade o que esperavas
conta-me histórias conta-me as cidades
se era verdade ou assim mesmo
nada mais.


Blá blá

Assim fazer: como dizer
a festa o riso o desespero
o desemprego o outro dia
um outro poema inacabado
Assim dizer: como fazer
o reencontro o dia claro a madrugada
oblíqua a neblina que faz parte da paisagem
e o outro
à esquina das certezas
na margem da realidade.


Blá blá blá

(Intervalo para reclames) modelo prima Vera Verão
ou Toni Inverno para quem gosta de si. Sexo ao vivo
virtual (melhor o artesanal) self-service em copo com muito gelo
e um degelo – pecado! – Santa Maria Gasolina do deserto
nos dai hoje. Modess aderente é superconfortável. E o meu
namorado nem sequer nota que estou
com o período. Namorado
distraído,
não?


Blá blá blá blá

Notícia no semanal: ministro caga
num pé (e vem noutro) ele explica: seim cagou
por decência nacional assim convencido de
que o seu cu só fragueava
de modo fragrancial.
A oposição interroga-se: deve ministro ministrar
na hora de defecar? As notícias todas
às vinte horas.


Blá blá blá blá blá

E assim diriam: olha lá vai mais um
que marchou foi discreto
cumpridor do rame-rame não gritava
só de vez em quando paria uns monólogos
incompreensíveis conjuntos de frases con-
ciliadoras e distantes. Lá vai
– dirão – que outra sorte lhe não coube
e abençoado foi um bom pai razoável
chefe de família cumpridor do treme-treme
não gritava.

Ílhavo-Lisboa, 1992-93

In Margem para Dúvidas | Estante Editora | 1998

Mais sugestões de leitura

  • Cantata em azulOpen or Close

    Lembro-me das casas e das flores silvestres, do canto recatado à beira-ria por onde fugíamos à cavalgada na noite, das mulheres jovens que sorriam envergonhadas aos nossos devaneios. Lembro-me de como éramos belos e tontos, convencidos de que o mundo só avançava porque nós assim o desejávamos, crentes de que poderíamos fazer parar o tempo com as palavras mágicas do amor. Lembro-me de ouvir o rugido do mar e não ter medo. ...

    Ler Mais
  • Não se pode viver sem UtopiaOpen or Close

    Em meados dos anos 80, o PSR deu passos decisivos para restituir à Esquerda o brilho e a criatividade esmorecidos na ressaca pós-revolucionária. O mensário Combate tornou-se, então, uma importante tribuna de debate de ideias, aberta a homens e mulheres de várias sensibilidades da Esquerda portuguesa não-alinhada, que propiciou a introdução de uma nova linguagem no léxico da esquerda portuguesa. Este livro é uma colectânea de textos, de diversos autores, publicados no Combate entre 1986 e 1998. E também dá azo a revisitar dois amigos dos insubstituíveis: Fernando Assis Pacheco e Júlio Pinto.

    Não se pode viver sem Utopia
    Edições Combate 2008

    Ler Mais
  • Filhos da pideOpen or Close
    Que em Portugal se passam coisas estranhas, difíceis de entender por qualquer cidadão de inteligência média, não é novidade para ninguém.
    Mesmo assim, de vez em quando não consigo deixar de me surpreender com alguns dos insondáveis desígnios com que a Divina Providência ou alguém por ela nos brindou.
    Só no curto espaço de um século tivémos, entre outras curiosidades, um milagre de Fátima, um ditador que criava galinhas no quintal, um primeiro ministro que não lia jornais e até um Alberto João para quem a Madeira mais do que um jardim, é uma autêntica coutada.
    TSF | 18.Fev.1998
    Ler Mais
  • O Che das nossas utopiasOpen or Close

    De uma forma ou de outra, todos aqueles que acreditam no advento de sociedades justas, trazem consigo, no mais caloroso canto do coração, a imagem e o exemplo de Che Guevara. Este livro também disso fala: do princípio de realidade colectiva que pode explicar os nossos embalos e acicatar os nossos sonhos. Viriato Teles diz-nos que a grandeza do Che consistiu no facto de ele não querer ser outra coisa - senão um homem. Um homem que encheu o século e os tempos ao proclamar que tudo é possível, desde que os homens o queiram.

    Ler Mais