Cavaqueira

...e passa tanto tempo num minuto
Fernando Assis Pacheco

Blá

E era na tarde um fogo igual
a tantos de tantos mais um jogo
final de que afinal ninguém sabia.
Era uma tarde um fogo que arde
sem saber se animal se dono
hão-de vencer um rogo alarve um grito.
Ou então era saudade o que esperavas
conta-me histórias conta-me as cidades
se era verdade ou assim mesmo
nada mais.


Blá blá

Assim fazer: como dizer
a festa o riso o desespero
o desemprego o outro dia
um outro poema inacabado
Assim dizer: como fazer
o reencontro o dia claro a madrugada
oblíqua a neblina que faz parte da paisagem
e o outro
à esquina das certezas
na margem da realidade.


Blá blá blá

(Intervalo para reclames) modelo prima Vera Verão
ou Toni Inverno para quem gosta de si. Sexo ao vivo
virtual (melhor o artesanal) self-service em copo com muito gelo
e um degelo – pecado! – Santa Maria Gasolina do deserto
nos dai hoje. Modess aderente é superconfortável. E o meu
namorado nem sequer nota que estou
com o período. Namorado
distraído,
não?


Blá blá blá blá

Notícia no semanal: ministro caga
num pé (e vem noutro) ele explica: seim cagou
por decência nacional assim convencido de
que o seu cu só fragueava
de modo fragrancial.
A oposição interroga-se: deve ministro ministrar
na hora de defecar? As notícias todas
às vinte horas.


Blá blá blá blá blá

E assim diriam: olha lá vai mais um
que marchou foi discreto
cumpridor do rame-rame não gritava
só de vez em quando paria uns monólogos
incompreensíveis conjuntos de frases con-
ciliadoras e distantes. Lá vai
– dirão – que outra sorte lhe não coube
e abençoado foi um bom pai razoável
chefe de família cumpridor do treme-treme
não gritava.

Ílhavo-Lisboa, 1992-93

In Margem para Dúvidas | Estante Editora | 1998

Mais sugestões de leitura

  • Um homem de carácterOpen or Close
    José Vilhena, o mais importante humorista português contemporâneo, fez recentemente 85 anos. Mas, com excepção da meia dúzia de amigos e admiradores que estiveram presentes numa pequena homenagem organizada em Lisboa pelo Museu da República e Resistência, quase ninguém se deu conta da efeméride.
    Jornal do Fundão | 19.Jul.2012
    Ler Mais
  • Pipi de camarãoOpen or Close

    Mais de 15 toneladas de supostas moelas de galinha estão, desde a passada segunda-feira, retidas no porto de Leixões por suspeita de serem oriundas de Hong Kong, segundo noticiou ontem o Público.
    De acordo com a notícia, um total de 15 mil 447 quilos de miúdos de frango terão sido descarregados de um navio vindo de Roterdão e foram retidas pelas autoridades portuguesas por suspeita de estarem contaminados com o virus H5 N1, responsável pelo recente surto da chamada «gripe das aves» que provocou vários mortos em Hong Kong.
    Notícia posterior, divulgada ontem à tarde por algumas estações de rádio, revelava que, afinal, as moelas eram camarões e a sua origem era a Améria do Sul e não a antiga colónia britânica na China.

    TSF | 7.Jan.1998

    Ler Mais
  • O ovo da serpenteOpen or Close
    Notícia recente ouvida na TSF dava conta do peculiar «aconselhamento» que a polícia grega está fazer junto de cidadãos vítimas da crescente criminalidade produzida pelo agravamento generalizado das condições de vida da população. De acordo com a notícia, que cita uma reportagem do jornal britânico Guardian, agentes policiais helénicos estão a encaminhar queixas e queixosos para o partido neo-nazi que elegeu vários deputados nas últimas eleições, apresentando-se como «defensor do povo contra a escumalha imigrante».
    Jornal do Fundão | 11.Out.2012
    Ler Mais
  • Insondáveis designíosOpen or Close

    O Papa foi ver um espectáculo de Bob Dylan. Poucos anos atrás, uma notícia deste tipo seria, no mínimo, uma brincadeira de gosto duvidoso. Na melhor das hipóteses (isto é, se a notícia fosse verdadeira) seria motivo de manchete em quase todos os jornais do planeta. O Papa? Num espectáculo de Bob Dylan? Eu sei que o mundo está a mudar e que as verdades absolutas de ontem deixaram de o ser às primeiras horas da manhã de hoje. Mas, ainda assim, não deixo de sentir um estremecimento ao ver Sua Santidade ouvindo «Knockin' On Heaven's Door» como se escutasse «Queremos Deus Homens Ingratos» ou o clássico «Miraculosa, Rainha dos Céus».

    TSF | 1.Out.1997

    Ler Mais