Cavaqueira

...e passa tanto tempo num minuto
Fernando Assis Pacheco

Blá

E era na tarde um fogo igual
a tantos de tantos mais um jogo
final de que afinal ninguém sabia.
Era uma tarde um fogo que arde
sem saber se animal se dono
hão-de vencer um rogo alarve um grito.
Ou então era saudade o que esperavas
conta-me histórias conta-me as cidades
se era verdade ou assim mesmo
nada mais.


Blá blá

Assim fazer: como dizer
a festa o riso o desespero
o desemprego o outro dia
um outro poema inacabado
Assim dizer: como fazer
o reencontro o dia claro a madrugada
oblíqua a neblina que faz parte da paisagem
e o outro
à esquina das certezas
na margem da realidade.


Blá blá blá

(Intervalo para reclames) modelo prima Vera Verão
ou Toni Inverno para quem gosta de si. Sexo ao vivo
virtual (melhor o artesanal) self-service em copo com muito gelo
e um degelo – pecado! – Santa Maria Gasolina do deserto
nos dai hoje. Modess aderente é superconfortável. E o meu
namorado nem sequer nota que estou
com o período. Namorado
distraído,
não?


Blá blá blá blá

Notícia no semanal: ministro caga
num pé (e vem noutro) ele explica: seim cagou
por decência nacional assim convencido de
que o seu cu só fragueava
de modo fragrancial.
A oposição interroga-se: deve ministro ministrar
na hora de defecar? As notícias todas
às vinte horas.


Blá blá blá blá blá

E assim diriam: olha lá vai mais um
que marchou foi discreto
cumpridor do rame-rame não gritava
só de vez em quando paria uns monólogos
incompreensíveis conjuntos de frases con-
ciliadoras e distantes. Lá vai
– dirão – que outra sorte lhe não coube
e abençoado foi um bom pai razoável
chefe de família cumpridor do treme-treme
não gritava.

Ílhavo-Lisboa, 1992-93

In Margem para Dúvidas | Estante Editora | 1998

Mais sugestões de leitura

  • Maria Teresa HortaOpen or Close

    Uma mulher que gosta de ser mulher e por isso não se conforma com aquilo que dizem ser o destino das mulheres. E por isso luta, e por isso escreve, e por isso grita. Eis Maria Teresa Horta, mulher e escritora que a partir dos anos 60 se afirmou como uma voz central da poesia portuguesa, pela coragem de romper com estereótipos e tabus que pareciam inquestionáveis.
    O corpo, o prazer, o sexo, eram então coisas sobre as quais uma senhora não deveria falar, muito menos em público. E por isso quando, em 1972, se junta a Maria Isabel Barreno e Maria Velho da Costa para a publicação das Novas Cartas Portuguesas, o escândalo foi tremendo: o livro foi apreendido e as autoras levadas a julgamento.

    Ler Mais
  • Para que te serve a línguaOpen or Close

     

    A língua é um instrumento de prazer. Por vezes doce, por vezes amarga. Para usar e abusar. Para aceitar e para recusar. Para dizer. Para amar. Para mentir. Para lutar. Para viver.

    Ler Mais
  • António Pinho VargasOpen or Close

    Um homem que fala através de um piano. Foi assim que há muitos anos conheci o António, éramos os dois algo mais jovens e talvez menos intranquilos. Tenho ideia de que na altura ele tocava na banda do então recém-descoberto Rui Veloso, mas já tinha vivido uma mão-cheia de experiências noutros grupos de diferentes tendências. Era, como é, um tipo discreto e já um nome conceituado da música que se fazia em Portugal. Do jazz fazia, nesse tempo, o seu meio de expressão mais comum, mas nunca o único, e a sua marca fez-se sentir muito cedo. Com ele passou a haver uma maneira portuguesa de fazer e sentir o jazz, de fazer e sentir a música. A maneira de António Pinho Vargas.

    Ler Mais
  • À flor das cidadesOpen or Close

    Viriato escreve como se estivesse de partida para mais um combate que vai perder. Como se interminavelmente esperasse a amada num bar da Havana velha sabendo que a amada não vai empurrar os batentes. Viriato sabe que a revolução é um lírio da Mesopotâmia. Na interminável espera, Viriato escreve, talvez em toalhas de papel. Mas não desespera.

    Ler Mais