Primeiros passos

© DR

E assim como sei que toda a minha vida foi uma luta para que ninguém
tivesse mais que lutar, assim é o canto que te quero cantar: Pedro, meu filho
Vinícius de Moraes

Os olhos

E então abriste os olhos para o mundo
e outro mundo eu vi nos olhos que me abriste
grandes meigos espantados. E tão claros
que de te ver ceguei por um instante

ou um milénio! Que importa o tempo
quero lá saber das horas que me importa
ser eu quando sou tu e olho a vida
pelos teus olhos pasmados e secretos.

 

Os braços

Dá-me o teu braço
e um abraço
do tamanho da alegria.


O riso

Primeiro um sorriso
trémula chama
só depois a descoberta.
E um coração que se aperta
um amor
imenso
em cada gesto.

 

A boca

Com a boca irás dizer aquilo
que souberes tudo aquilo que quiseres
pela boca hás-de provar outros prazeres.
E mesmo que a vida te os reserve amargos
seja sempre a tua boca verdadeira
nas palavras nos desejos nas paixões
teu silêncio valha mais que o burburinho
e saibas sempre dizer não. Com a boca
cheia de outras sensações hás-de saber
os segredos a linguagem dos sentidos
comovidos indignados consentidos.

 

A voz

Nossas bocas hão-de rir e ser assim
tão sinceras mesmo quando mentirosas
luminosas mesmo em dias de cansaço.
Seja então o que sisermos:
o saber e a perdição
um desejo uma luta ou mais um beijo
desabafo grito erro desengano
assim seja tudo quanto está para ser
nessa fala mais pergunta que resposta
teu sorriso seja a tua própria voz.

 

O rumo

Digo-te apenas: segue o teu rumo
faz o que tens a fazer não esperes
de mim outros conselhos para lá da vida.

 

O mundo

Quando um dia eu for embora do teu mundo
deixo-te o nome e alguns versos. Poucos
que a musa é escassa e o verbo lasso
mas mesmo assim. Deixo-te um beijo
uma saudade e um carinho
e de caminho a memória dos teus dias.
Dou-te um abraço digo-te adeus
deixo um retrato um gesto breve
e espero que fique algo mais. Talvez
me apague como um fósforo no vento
no dia em que eu me for deste meu mundo.

Ílhavo-Lisboa, 1994

In Margem para Dúvidas | Estante Editora, 1998

Mais sugestões de leitura

  • A solução para a criseOpen or Close

    Para começo de ano mau, isto está bom. Em poucas semanas, o desgoverno dos comissários da troica conseguiu provar aos mais descrentes que não há mesmo limites para a criatividade. Se lhes desse para o bem, Portugal seria fantástico.

    Ler Mais
  • O Parque da ilusãoOpen or Close

    Ainda não há muitos anos, qualquer forasteiro de passagem por Lisboa não conseguia divertir-se a sério sem passar pelo Parque Mayer. Durante décadas, este lugar vizinho da central Avenida da Liberdade foi a alma da boémia lisboeta. Actores e fadistas, coristas e intelectuais, jornalistas e vadios misturavam-se em doses desiguais nos teatros, bares e cabarets que davam cor àquele espaço.

    Mini International | Março 2007

    Ler Mais
  • Cantigas de antes do MaioOpen or Close

    «Quando se caminha para a frente ou para trás, ao longo dos dicionários, vai-se desembocar na palavra Terror», escrevia, então, Herberto Helder. Nesse tempo de silêncios são poucos os artistas que se erguem contra esta mansidão angustiada. (...) Fora de jogo, dispostos a arriscar e com vontade de abrir novos caminhos, meia dúzia de vozes isoladas fazem-se ouvir em lugares diferentes e de modos diversos: a poesia de Manuel Alegre e Fernando Assis Pacheco, a partir de Argel e Nambuangongo; as vozes claras de Adriano Correia de Oliveira e Manuel Freire, em Coimbra; José Mário Branco e Luís Cília, no exílio de Paris. E José Afonso, professor de liceu, cantor nas horas vagas e activista por conta própria.

    Introdução à reedição em CD de Baladas e Canções, de José Afonso | 1997

    Ler Mais
  • A última vontadeOpen or Close

    Já passa da uma da manhã. A minha mulher continua sem aparecer e a gata Genoveva não pára de me lamber os calcanhares como se fossem gelado de limão. Dantes, as coisas e as pessoas eram muito mais simples, mas a tecnologia transformou tudo. Até as gatas. Escureço aos poucos na calma idílica dos subúrbios enquanto Ian Dury, preso nas ondas da telefonia, continua a sussurrar o seu convite: «Walk up and make love to me.» Não entendi ainda se será uma alusão discreta à minha mulher ou à gata mas, bem vistas as coisas, vai dar ao mesmo.

    Se7e | 15.Jun.1983

    Ler Mais