Primeiros passos

© DR

E assim como sei que toda a minha vida foi uma luta para que ninguém
tivesse mais que lutar, assim é o canto que te quero cantar: Pedro, meu filho
Vinícius de Moraes

Os olhos

E então abriste os olhos para o mundo
e outro mundo eu vi nos olhos que me abriste
grandes meigos espantados. E tão claros
que de te ver ceguei por um instante

ou um milénio! Que importa o tempo
quero lá saber das horas que me importa
ser eu quando sou tu e olho a vida
pelos teus olhos pasmados e secretos.

 

Os braços

Dá-me o teu braço
e um abraço
do tamanho da alegria.


O riso

Primeiro um sorriso
trémula chama
só depois a descoberta.
E um coração que se aperta
um amor
imenso
em cada gesto.

 

A boca

Com a boca irás dizer aquilo
que souberes tudo aquilo que quiseres
pela boca hás-de provar outros prazeres.
E mesmo que a vida te os reserve amargos
seja sempre a tua boca verdadeira
nas palavras nos desejos nas paixões
teu silêncio valha mais que o burburinho
e saibas sempre dizer não. Com a boca
cheia de outras sensações hás-de saber
os segredos a linguagem dos sentidos
comovidos indignados consentidos.

 

A voz

Nossas bocas hão-de rir e ser assim
tão sinceras mesmo quando mentirosas
luminosas mesmo em dias de cansaço.
Seja então o que sisermos:
o saber e a perdição
um desejo uma luta ou mais um beijo
desabafo grito erro desengano
assim seja tudo quanto está para ser
nessa fala mais pergunta que resposta
teu sorriso seja a tua própria voz.

 

O rumo

Digo-te apenas: segue o teu rumo
faz o que tens a fazer não esperes
de mim outros conselhos para lá da vida.

 

O mundo

Quando um dia eu for embora do teu mundo
deixo-te o nome e alguns versos. Poucos
que a musa é escassa e o verbo lasso
mas mesmo assim. Deixo-te um beijo
uma saudade e um carinho
e de caminho a memória dos teus dias.
Dou-te um abraço digo-te adeus
deixo um retrato um gesto breve
e espero que fique algo mais. Talvez
me apague como um fósforo no vento
no dia em que eu me for deste meu mundo.

Ílhavo-Lisboa, 1994

In Margem para Dúvidas | Estante Editora, 1998

Mais sugestões de leitura

  • A coisaOpen or Close

    Já aqui o disse, e não estou só nesta convicção: a criatura é o que o regime democrático gerou de mais semelhante, em forma e conteúdo, à sinistriste figura de Américo Tomás. Na debilidade intelectual, na vacuidade do discurso, no bolor das palavras, mas também na hipocrisia, no rancor, na perversidade.

    Ler Mais
  • O meu amigo FaustoOpen or Close

    Não é o Elvis Presley nem o Tommy Steel, já teve um cão que voava por impulso mictório, e agora dá guarida a Sócrates, um papagaio filósofo carregado de dúvidas metódicas e muito mais sabedoria do que a generalidade dos cronistas políticos e sociais. Chama-se Fausto Bordalo Dias e é um nome de referência (hoje diz-se incontornável, mas eu sou de outra escola) da música popular portuguesa.

    A Capital | 27.Mai.2005

    Ler Mais
  • 25 anos com ZecaOpen or Close

    Nestes dias em que tanto se fala de José Afonso e do seu génio, gosto sobretudo de recordar que, para além da música, o Zeca era acima de tudo um homem. Um homem empenhado nas grandes lutas do seu tempo, com certeza, que procurou viver de modo integral – o que só se alcança quando se assume viver com as fragilidades, as virtudes, os defeitos, as grandezas e as contradições comuns a todos os homens.

    Ler Mais
  • O Che das nossas utopiasOpen or Close

    De uma forma ou de outra, todos aqueles que acreditam no advento de sociedades justas, trazem consigo, no mais caloroso canto do coração, a imagem e o exemplo de Che Guevara. Este livro também disso fala: do princípio de realidade colectiva que pode explicar os nossos embalos e acicatar os nossos sonhos. Viriato Teles diz-nos que a grandeza do Che consistiu no facto de ele não querer ser outra coisa - senão um homem. Um homem que encheu o século e os tempos ao proclamar que tudo é possível, desde que os homens o queiram.

    Ler Mais