Algumas opiniões

Algumas notas críticas publicadas na Imprensa por ocasião do lançamento de Margem para Dúvidas:


Margem para Dúvidas é um manifesto onde se podem ler poemas de paixão, revolta, saudade e de utopia dum mundo mais solidário e mais humanista.
Carlos Duarte | O Ilhavense - 15.10.1999

Poemas que reflectem as vivências e a sensibilidade do autor.
José Salvador | Diário de Notícias do Funchal - 17.3.2000

Há neste livro viagens várias, mas o poeta não é, nunca é, o turista; ele investe no poema, sem margem para dúvidas, toda a força da sua paixão pela Terra e por quem a povoa.
José do Carmo Francisco | A Bola - 15.9.2001

(...) recusa a poesia de laboratório e de estirador, calculada e calculista.
José do Carmo Francisco | Notícias da Amadora - 5.7.2001

Mais sugestões de leitura

  • Apresentação em Lisboa e PortoOpen or Close

    João Paulo Guerra, em Lisboa, e Rui Pato, no Porto, foram os "mestres de cerimónias" dos lançamentos da nova edição revista e aumentada de As Voltas de um Andarilho nas duas principais cidades. Na capital, a sessão contou com a participação dos Couple Coffee, que cantaram vários temas de Zeca. No Porto, a intervenção musical esteve a cargo de João Teixeira - e do próprio Rui Pato.

    Ler Mais
  • Segundo andamento: dos fadosOpen or Close

    – Tens noção da importância que tiveste para as pessoas que não gostavam de fado e que acabaram por lá chegar através de ti?

    – Não terei essa noção plena, mas chegam-me regularmente comentários muito simpáticos. O que é que acontece? Eu tenho feito isto de uma forma muito serena, a minha conduta em termos do mundo do espectáculo é uma conduta serena. Eu não sou propriamente aquele cidadão que gosta de dizer a si próprio: «Ah, se eu não fosse português, teria feito isto e aquilo.» É mentira. Tenho feito aquilo que tenho podido, não me sinto mal com aquilo que tenho feito, não me sinto mal por ser português, bem pelo contrário. Mas eu acho que a gente, na vida, colhe muito do que semeia. E eu estou numa fase de colher o que semeei. E como, ao longo da minha vida, isto foi sempre uma permuta que fiz com as pessoas, e é uma coisa muito afectiva, as pessoas também sentem necessidade de conversar comigo.

    Ler Mais
  • Uma vida aos quadradinhosOpen or Close

    Publicou a primeira história em quadradinhos com 14 anos, mas começou a fazer fanzines aos oito. Simples na forma de estar, mas rigoroso até à exaustão de pormenor no trabalho que executa, é assim que encontramos José Ruy, «um duplo amador» que bem pode dizer-se em actividade há seis décadas e uma das poucas unanimidades da banda desenhada lusitana.

    Grande Amadora | 1999

    Ler Mais
  • Troikas e baldrocasOpen or Close
    A imparável troika voltou a Lisboa para deduzir o óbvio: que a receita da austeridade é um fracasso, com a quebra do consumo a aumentar na razão directa do assalto à mão desarmada com que os cidadãos estão confrontados, resultando numa diminuição dos proventos reais do Estado. ...
    Jornal do Fundão | 6.Set.2012
    Ler Mais