Não se pode viver sem Utopia

fotokcomb75h.jpg

Em meados dos anos 80, o Partido Socialista Revolucionário deu os primeiros passos para restituir à Esquerda o brilho e a criatividade que se haviam perdido na ressaca pós-revolucionária. O mensário Combate tornou-se, então, uma importante tribuna de debate de ideias, aberta a homens e mulheres de várias sensibilidades da Esquerda portuguesa não-alinhada. Entre outros méritos, está o de ter proporcionado a introdução de uma nova linguagem no léxico da esquerda portuguesa. Uma dúzia de anos mais tarde, o PSR foi a força política motriz do projecto do Bloco de Esquerda. Não se pode viver sem Utopia é uma colectânea de textos de diversos autores, publicados no Combate entre 1986 e 1998. E é também um pretexto para revisitar dois amigos que aqui fazem muita falta: Fernando Assis Pacheco e Júlio Pinto.

Não se pode viver sem Utopia | Colaborações de Alexandra Lucas Coelho, Ana Campos, António Gomes da Costa, Carlos Cunha, Eduarda Dionísio, Fernando Piteira Santos, Fernando Rosas, Francisco Louçã, Francisco Martins Rodrigues, Henrique Silvestre, João Mesquita, João Romão, José Manuel Morais, José Mário Branco, Júlio Machado Vaz, Júlio Pinto, Maria Irene Sousa Santos, Mário Dionísio, Mário Viegas, Madalena Barbosa, Miguel Vale de Almeida e Viriato Teles.

Antologia de textos publicados no Combate entre 1986 e 1998 | Edições Combate, 2008

In Não se pode viver sem Utopia | ed. Combate, 2008

Mais sugestões de leitura

  • Uma vida de risco(s)Open or Close

    Agora, o Relvas já é mais do que lenda. Ele é uma referência – porventura a mais irreverente, com certeza das mais relevantes – fundamental para quem quiser conhecer a evolução da banda desenhada em Portugal nos últimos 50 anos. E se, apesar de tudo, é hoje mais fácil para um jovem artista criar e divulgar o seu trabalho, isso em muito boa parte se deve ao Relvas – ao talento dele, sim, mas sobretudo à sua persistência homérica e à intransigência perante a mediocridade que sempre o acompanhou.

    Catálogo de Retrospectiva/Outra Perspectiva, de Fernando Relvas | 2017

    Ler Mais
  • Viva quem cantaOpen or Close

    Não venho aqui para vos dizer que Pedro Barroso é o melhor cantor do mundo. Não venho falar de festivais ou de cantigas populares que certos divulgadores rádio-afónicos transformaram em produtos de consumo. Não venho sequer como mestre de cerimónias incumbido de apresentar um acto de variedades levado à cena num palco de ilusões.

    Introdução ao LP Do Lado de Cá de Mim de Pedro Barroso | 1983

    Ler Mais
  • Louvor das Palavras e dos AmigosOpen or Close

    A banalização das palavras é um dos pecados mortais da comunicação dos nossos dias, sobretudo quando praticada por quem faz das palavras o instrumento principal do seu ofício. Porque as palavras não são nunca apenas aquilo que significam nos dicionários, mas sobretudo o que significam nas nossas vidas. ...Tudo isto a propósito dos 75 anos que o Fernando Assis Pacheco faria hoje...

    Ler Mais
  • In-segurançasOpen or Close

    As discussões em volta da cada vez mais premente questão da segurança – ou da falta dela – deram origem, na última semana, a mais um episódio da cada vez mais divertida guerra de comadres entre o PS e o PSD.
    Desta vez foi em Oeiras, com os moradores de um bairro de classe média a ameaçarem criar milícias populares se continuar a verificar-se o surto de assaltos que têm ocorrido nos últimos tempos.

    RCS | 19.Jan.1999

    Ler Mais