Não se pode viver sem Utopia

fotokcomb75h.jpg

Em meados dos anos 80, o Partido Socialista Revolucionário deu os primeiros passos para restituir à Esquerda o brilho e a criatividade que se haviam perdido na ressaca pós-revolucionária. O mensário Combate tornou-se, então, uma importante tribuna de debate de ideias, aberta a homens e mulheres de várias sensibilidades da Esquerda portuguesa não-alinhada. Entre outros méritos, está o de ter proporcionado a introdução de uma nova linguagem no léxico da esquerda portuguesa. Uma dúzia de anos mais tarde, o PSR foi a força política motriz do projecto do Bloco de Esquerda. Não se pode viver sem Utopia é uma colectânea de textos de diversos autores, publicados no Combate entre 1986 e 1998. E é também um pretexto para revisitar dois amigos que aqui fazem muita falta: Fernando Assis Pacheco e Júlio Pinto.

Não se pode viver sem Utopia | Colaborações de Alexandra Lucas Coelho, Ana Campos, António Gomes da Costa, Carlos Cunha, Eduarda Dionísio, Fernando Piteira Santos, Fernando Rosas, Francisco Louçã, Francisco Martins Rodrigues, Henrique Silvestre, João Mesquita, João Romão, José Manuel Morais, José Mário Branco, Júlio Machado Vaz, Júlio Pinto, Maria Irene Sousa Santos, Mário Dionísio, Mário Viegas, Madalena Barbosa, Miguel Vale de Almeida e Viriato Teles.

Antologia de textos publicados no Combate entre 1986 e 1998 | Edições Combate, 2008

In Não se pode viver sem Utopia | ed. Combate, 2008

Mais sugestões de leitura

  • Um disco, um estúdio, uma históriaOpen or Close
    A imagem é um retrato quase banal: um homem e uma caixa de viola numa estação de comboios, um relógio onde ainda não são duas horas, um cartaz na parede com o mesmo homem e a mesma viola, gente normal em volta. O homem da viola é Sérgio Godinho, a estação, lê-se no painel de azulejo sobre a porta, é Campolide. Há 35 anos, o homem, a viola e a estação tornaram-se num disco com dez canções sem tempo.
    Notícias de Campolide | Set.2014
    Ler Mais
  • O retrato de Che GuevaraOpen or Close

    Quem já visitou Cuba e ficou tocado pelo seu encanto sensual, pela alegria da sua música, dos seus ritmos tropicais, pela beleza tão singular da Habana Vieja, do canto do mar no Malecón, da arquitectura do Caribe, da abertura das suas gentes, seu trato familiar, tudo isso vai reencontrar neste livro, juntamente com informações rigorosas sobre o passado da Ilha, as lutas pela independência, a aventura épica do assalto ao quartel Moncada e da guerrilha na Sierra Mes­tra, com factos precisos, dados e evocações que resultam de muita leitura, muito inquérito e um trabalho de campo por vezes minucioso.

    Ler Mais
  • O primeiro diaOpen or Close

    A manifestação que no último fim-de-semana terá juntado para cima de um milhão de portugueses, metade deles em Lisboa, num gigantesco protesto espontâneo e generalizado contra as comprovadamente ineficazes medidas de austeridade do governo (e) da Troika, devolve-nos uma parte da esperança. A partir de agora deixa de haver álibis para a cegueira do governo que, a coberto da tradicional ilusão dos «brandos costumes» lusitanos, o conduz ao maior servilismo perante todas as imposições do FMI, do BCE e da Comissão Europeia – a ponto de insistirem em «ir para além» daquilo que é prescrito por estes mandatários da agiotagem internacional, mesmo que já toda a gente tenha percebido que, para além disto, só há o abismo.

    Jornal do Fundão | 20.Set.2012

    Ler Mais
  • O direito à preguiçaOpen or Close

    «Face aos meios de produção modernos e à sua ilimitada potência reprodutiva, há que moderar a paixão extravagante dos operários pelo trabalho e obrigá-los a consumir as mercadorias que produzem.» Esta frase foi escrita há 125 anos por Paul Lafargue, revolucionário francês e genro de Karl Marx, num manifesto que fez furor e causou escândalo, tanto entre a burguesia como entre a classe operária desse tempo. Chamava-se O Direito à Preguiça e exaltava as virtudes do ócio e do lazer contra os malefícios do trabalho.

    Zoot | Outono 2009

    Ler Mais