Cântico de alegria e raiva

elverbo3.jpg

Do outro lado do mundo há irmãos meus que sofrem
a fome da justiça que tarda. Os seus nomes escritos em sangue nos muros
gritam em silêncio uma raiva que não passa. Sofrem de amor
ao mundo, sofrem de dor a angústia
de tempos antigos que teimam perseguir os homens livres.
Sofrem, e mesmo assim cantam. Cantos
de alegria imensa por um dia que virá
cedo ou tarde
cobrir a maré vaza do medo com um rumor de tempestade.
Eles sabem: façam o que fizerem os tiranos
nada pode amarrar o pensamento,
ninguém pode impedi-lo de voar.
Por isso cantam. Porque são livres.
E dizem que não há muros capazes de prendê-los,
e um dia novo virá depois da noite. E então
seremos outra vez felizes
e os meus irmãos que sofrem desse outro lado do mundo
hão-de encontrar-se de novo num abraço imenso
e os seus nomes que em silêncio gritam contra a morte
serão enfim um riso
uma bandeira
de amor
e liberdade.

In El Verbo Descerrajado | Ed. Apostrophes, Santiago de Chile, 2005

Mais sugestões de leitura

  • O vagabundo das canções de pazOpen or Close

    De Georges Moustaki ficaram vinte discos de originais, que resumem os sonhos eternos deste homem que parecia vaguear ao ritmo dos acasos, atento à realidade na exacta medida daquilo que nela lhe interessava conhecer e partilhar. Vendo-o e ouvindo-o era esta a sensação que muitas vezes transmitia. Mas era, sobretudo, um artista fiel ao código de vida que escolheu. Vagabundo da canção, construtor de melodias para versos simples, amante da paz e de momentos que não se repetem.

    QI | Diário de Notícias | 1.Jun.2013

    Ler Mais
  • O cherne da questãoOpen or Close

    Quando a mulher do ora primeiro-ministro tomou à letra o apelo do poeta e lançou a única frase que teve eco na campanha (à parte as considerações anatómicas em volta da "mão de Ferro" do PS e do "braço direito" do CDS) não faltou quem achasse que meter o Cherne ao barulho era coisa típica da peixeirada em que se converteram não apenas as campanhas eleitorais mas a generalidade dos episódios que dão cor à vida política portuguesa. Aliás, só com muito boa vontade é que alguém pode ver no líder do PSD algo mais do que uma simples boga, mas já se sabe: o amor é cego.

    Alface Voadora | Abril 2002
    Ler Mais
  • O homem que queria ser comumOpen or Close

    Não fosse a intervenção do dr. Salazar e provavelmente a obra de José Afonso não teria atingido a dimensão que alcançou e que fez dele um dos grandes vultos da música popular do século XX. Dito deste modo, pode soar a provocação. Mas a verdade é que foi por ter sido expulso do ensino, por ordem do governo da ditadura, que o criador de «Grândola» se profissionalizou como músico e passou a gravar com regularidade. Deus a escrever direito por linhas ínvias, diriam os crentes. Curiosas ironias da História, dirão os outros.

    QI | Diário de Notícias | 28.Abril.2012

    Ler Mais
  • Cantar ao SulOpen or Close

    Com a tranquilidade que sempre o caracterizou, Janita Salomé não desiste de levar por diante a sua música, feita de muitas memórias antigas misturadas com novas sensações. Na certeza de que "existe uma linguagem própria, nossa, e essa é que é necessário procurar, preservar e recriar". Por uma questão de identidade, contra a estética totalizante do hamburguer. Porque, como se percebe ao longo desta conversa, a música é como os vinhos: os mais divulgados e mais consumidos não são necessariamente os melhores.

    MPP | Set. 2001

    Ler Mais