29 de Março, 40 anos depois

b_500_400_16777215_00_images_actual_esp29m.jpg

Foi há 40 anos. O Encontro da Canção Portuguesa promovido pela Casa de Imprensa no Coliseu dos Recreios em 29 de Março de 1974 foi o toque-de-finados do regime fascista. E foi ali também que "Grândola, Vila Morena" se revelou aos oficiais do MFA como símbolo e senha do movimento que, menos de um mês depois, ia mudar o rumo da história.

Surpreendentemente, "Grândola" foi a única canção de sua autoria que a Censura permitiu que José Afonso cantasse. Além dessa, os velhos coronéis-de-lápis-azul autorizaram-lhe apenas "Milho Verde", um tema popular. E, assim, "Grândola" acabou entoada em coro pela entusiástica audiência, e seria a escolha natural dos oficiais sublevados de 25 de Abril como senha para o espoletar da revolução.

A gravação original, realizada por José Videira e Manuel Tomás para o programa "Limite", da Rádio Renascença (o mesmo que, depois, transmitiu "Grândola" como sinal para a saída das tropas dos quartéis), foi transmitida, nos excertos possíveis, nos dias que se seguiram ao concerto, mas permaneceu inédita na sua totalidade durante 40 anos. Voltará a ouvir-se este fim-de-semana, num programa especial da Antena 1, realizado por António Macedo, António Santos e Viriato Teles.

Adelino Gomes, que participou no espectáculo de 1974, veio à Rádio recordar esse dia e confrontar as suas memórias com o registo gravado. Um documento único, a não perder este sábado, dia 30, na Antena 1. Também poderá ouvir aqui a emissão em podcast.

Especial Encontro da Canção Portuguesa, 29 de Março de 1974 (50')
Realização de António Macedo, António Santos e Viriato Teles
a partir da gravação original de José Vidiera e Manuel Tomás
Locução de António Macedo
Produção de António Santos
Primeira emissão a 30.Mar.2014, na Antena 1

Mais sugestões de leitura

  • O homem e as cidadesOpen or Close

    Era uma vez um homem que gostava de cidades. A biografia de Manuel Graça Dias, arquitecto nascido em Lisboa no ano de 1953, podia começar assim. E não apenas pelo livro que acabou de publicar, justamente intitulado O homem que gostava de cidades, onde reúne uma mão cheia de crónicas que fez para a TSF durante muitas dezenas de semanas.

    Status (Semanário Económico) | Out/Nov 2001

    Ler Mais
  • O sonhador de amigosOpen or Close

    Um homem está debruçado sobre a cidade, sereno e tranquilo e atento a todas as imagens e às outras que não estão lá, e nos seus olhos há um sonho que se constrói com mãos e com alma, como é próprio das coisas belas. É um alguém urgente, de cabeça solta no delírio dos pássaros que estrebucham no rasto de loucos espalhado pela cidade à sua frente. Ali em volta rodopiam mulheres quase invisíveis de cabelos luminosos como nos poemas banais, e ouve-se um som ligeiro, definido apenas quanto baste para ilustrar as lembranças duradouras dos mundos todos que o homem traz dentro da cabeça.

    Movimentos Perpétuos
    Oficina do Livro 2003

    Ler Mais
  • A cena do ódioOpen or Close

    Em Junho de 2004, um «concerto de música nacionalista» foi o pretexto para um encontro de skinheads numa skinhouse de Pinheiro de Loures, nos arredores de Lisboa. Uma situação que antecipámos na revista Focus, com esta reportagem que nos valeu alguns insultos e ameaças por parte dos animadores de um tal «fórum nacionalista» da internet.

    Focus | 16.Jun.2004

    Ler Mais
  • Por favor, leiam estes discosOpen or Close

    Quando editou «Por Este Rio Acima», no já longínquo ano de 1982, Fausto Bordalo Dias estaria longe de imaginar a verdadeira revolução que esse seu disco iria causar no universo da música portuguesa. (...) Falo da música, mas também da poesia (ao nível da melhor que em terras lusas se tem publicado) e, ainda, de um conceito estético que, na realidade, só depois de «Por Este Rio Acima» tomou forma definitiva: a Música Popular Portuguesa, entendida como uma forma de identidade cultural multi-expressiva e não, como pretendiam os seus detractores, como um modelo de uniformização formal.

    Grande Amadora | 2.Dez.1994

    Ler Mais