Com Camilo Mortágua em Aveiro

b_500_400_16777215_00_images_actual_ajavcamilo2.jpg

O segundo volume da memória autobiográfica de Camilo Mortágua, “Andanças para a Liberdade”, foi ontem apresentado no Museu de Arte Nova de Aveiro, por iniciativa do núcleo local da Associação José Afonso.

Viriato Teles e Miguel Cardina, investigador do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, falaram do percurso pessoal e político de Camilo Mortágua, que por seu lado lembrou alguns episódios da luta contra a ditadura em que esteve envolvido juntamente com Hermínio da Palma Inácio.

O coral Voz Nua, Rui Oliveira e Micaela Vaz também marcaram presença, com alguns apontamentos musicais, nesta apresentação, que faz parte do programa da AJA-Aveiro para as celebrações do seu 3º aniversário, que se assinala quase em simultâneo com os 40 anos da Revolução dos Cravos. À noite, pudémos ouvi-los de novo, Voz Nua e Rui Oliveira, desta vez “a sério”, no concerto que decorreu no auditório do departamento de Comunicação e Arte da Universidade de Aveiro e que culminou com mais um grande espectáculo de José Medeiros.

Mais sugestões de leitura

  • Contas sem ajusteOpen or Close

    Contas à vida sem ajuste. Mais cansaço do que desalento. Mais sonho adiado do que utopias erradas. Mais que documentos são testemunhos estas vinte entrevistas: uns, mais intimistas; outros, mais interventivos. Encontramos neste livro um universo multifacetado, mas que tem uma matriz política, ética, estética e cultural, o 25 da nossa memória, como que pequenos afluentes que vão desaguar no grande rio.

    Ler Mais
  • Era uma vez em HavanaOpen or Close

    Era uma vez um povo e uma ilha, centro de um mundo encantado no coração das Caraíbas. Era uma vez uma gente nascida do cruzamento de outras gentes, fruto da inevitável mistura de raças e de culturas produzida pelos navegadores antigos. Era uma vez uma cidade e uma revolução.

    Ler Mais
  • O silêncio é uma forma de censuraOpen or Close

    «E posto que viver me é excelente, cada vez gosto mais de menos gente.» A frase é do Professor Agostinho da Silva, mas Paulo de Carvalho adoptou-a como sua, e até já a pôs em música - numa canção que há-de fazer parte de um disco a sair daqui por algum tempo. Com 58 anos de idade e 43 de cantigas, este autor e intérprete de tantos temas fundamentais da música portuguesa continua activo e cheio de projectos, apesar do ostracismo a que nos últimos tempos se sente votado pelas rádios e televisões. E recusa-se a alinhar no espectáculo deprimente de uma sociedade onde tudo se vende por qualquer preço. 

    Autores | Jul-Set 2005

    Ler Mais
  • Polícia de rosto humanoOpen or Close

    A Associação Profissional da Polícia revelou na semana passada que dez por cento dos mais de 20 mil agentes da PSP estão a ser alvo de processos disciplinares. Significa isto que um em cada dez agentes da autoridade não cumpre as leis de que, por definição, deveriam ser os guardiões.

    RCS | 6.Out.1998

    Ler Mais