Os Dias Cantados - Parte 1

dcant_acordai500.jpg

Chega hoje ao fim a primeira série de Os Dias Cantados, rubrica diária das manhãs da Antena 1, escrita e realizada por António Macedo e Viriato Teles. As primeiras 40 canções abrangem o período até 25 de Abril de 1974.

Acordai, de Fernando Lopes-Graça, data dos anos 40 do século XX e marca, de algum modo, o nascimento da «canção de resistência» em Portugal. Pelo seu simbolismo, foi também a escolhida para encerrrar esta primeira seleccção de canções que fizeram os dias cantados.

Este fim-de-semana (domingo, dia 27), a Antena 1 apresenta uma edição especial d'Os Dias Cantados, onde vão ser apresentadas algumas das (muitas) canções que, por limitações óbvias, tievram de ficar de fora da selecção de 40. Para os eventuais interessados, segue-se a lista completa das canções apresentadas nesta primeira série, com as datas de primeira emissão e as respectivas ligações ao podcast da Antena 1, onde podem voltar a ser ouvidas:

1 – Os Vampiros – José Afonso (3/3)

2 – Trova do Vento que Passa – Adriano Correia de Oliveira (4/3)

3 – Livre – Manuel Freire (5/3)

4 – Recuso-me – Luís Cília (6/3)

5 – Eh! Companheiro – José Mário Branco (7/3)

6 – Era de Noite e Levaram  – José Afonso (10/3)

7 – Juventude (É Preciso Avisar Toda a Gente) – Francisco Fanhais (11/3)

8 – Como Hei-de Amar Serenamente – Adriano Correia de Oliveira (12/3)

9 – Abandono – Amália Rodrigues (13/3)

10 – Mudar de Vida – Carlos Paredes (14/3)

11 – Eles – Manuel Freire (17/3)

12 – Por Terras de França – José Mário Branco (18/3)

13 – Cantar de Emigração – Adriano Correia de Oliveira (19/3)

14 – Domingo em Bidonville – Quarteto 1111 (20/3)

15 – Amor Novo – Luís Rego (21/3)

16 – A Ronda do Soldadinho – José Mário Branco (24/3)

17 – Pedro o Soldado – Manuel Freire (25/3)

18 – Há Erva lá na Picada (Cancioneiro do Niassa) – João Maria Pinto e Janita Salomé (26/3)

19 – Menina dos Olhos Tristes – José Afonso (27/3)

20 – Canção com Lágrimas – Adriano Correia de Oliveira (28/3)

21 – Vamos Brincar à Caridadezinha – José Barata Moura (31/3)

22 – Tango dos Pequenos Burgueses – José Jorge Letria (1/4)

23 – Flor de Laranjeira – Filarmónica Fraude (2/4)

24 – Barnabé – Sérgio Godinho (3/4)

25 – Tourada – Fernando Tordo (4/4)

26 – A Lenda d’El Rei Dom Sebastião – Quarteto 1111 (7/4)

27 – Liberdade – João Maria Tudela (8/4)

28 – Canção Para um Povo Triste – Vieira da Silva (9/4)

29 – Desfolhada – Simone de Oliveira (10/4)

30 – Canção de Madrugar – Hugo Maia de Loureiro (11/4)

31 – Pedra Filosofal – Manuel Freire (14/4)

32 – Que Força é Essa – Sérgio Godinho (15/4)

33 – A Morte Saiu à Rua – José Afonso (16/4)

34 – Calçada de Carriche – Carlos Mendes (17/4)

35 – Mudam-se os Tempos, Mudam-se as Vontades – José Mário Branco (18/4)

36 – Erguem-se Muros – Adriano Correia de Oliveira (21/4)

37 – Arte Poética – José Jorge Letria (22/4)

38 – Erguer a Voz e Cantar (Canta Canta Amigo Canta) – António Macedo (23/4)

39 – Venham mais Cinco – José Afonso (24/4)

40 – Acordai – Fernando Lopes Graça e Coro da Academia dos Amadores de Música (25/4)

Os Dias Cantados - 1ª série
Autoria e edição: António Macedo e Viriato Teles
Locução: António Macedo
Sonorização: António Antunes

Emissão de 2ª a 6ª feira, após o noticiário das 9h30, na Antena1, entre 3 de Março e 25 de Abril de 2014

Mais sugestões de leitura

  • Que gente é esta?Open or Close

    A agressão de que Manuel Rocha foi vítima, em Coimbra, é sobretudo reveladora do estado a que chegou não apenas o país, mas sobretudo o povo que vive nele. Os que nessa noite passaram ao largo da agressão ao músico são da mesma massa dos que, na véspera, voltaram a escolher o cinzentismo e a mesquinhez em formato presidencial. Não, não é contra Cavaco que estou. O que me irrita é mesmo esse «Portugal rançoso, supersticioso e ignorante, que tarda em deixar a indolência preguiçosa» de que fala o Baptista-Bastos. É essa, afinal, a mais triste evidência do episódio de Coimbra-B. A mão que elegeu Cavaco não foi a mesma que agrediu Manuel Rocha. Mas foi, com certeza, a que não se ergueu para o defender.

    Ler Mais
  • O rasto do dinheiroOpen or Close

    Base das Lages, Açores, 17 de Março de 2003. Um primeiro-ministro de um país periférico europeu serve de conciérge a um trio de patifes que, três dias depois, dará início à invasão do Iraque. Ao país a que pertence e ao mundo que mal dá por ele o primeiro-ministro periférico jura que viu «provas inequívocas» da existência de um temível arsenal de destruição maciça na posse de Saddam Hussein. Meses depois, o primeiro-periférico é indigitado presidente da Comissão Europeia, e o mundo passa a conhecer-lhe o nome, já devidamente aparado para a ocasião: Barroso, José Barroso.

    Zoot | Verão 2008

    Ler Mais
  • O pássaro da ilhaOpen or Close

    O Zeca é um pássaro. Ele canta, encanta, inventa e reinventa, sem nunca cansar quem o ouve – e que o vê. Porque ver o Zeca é tão importante como ouvi-lo. Há quem o compare a Tom Waits, mas em palco ele faz sobretudo lembrar Jacques Brel – na entrega, no modo inteiro como interpreta as suas canções de amor e mágoa, esperança e desencanto e saudades de um futuro em que não desiste de acreditar, mesmo se o presente tantas vezes parece empenhado em desmenti-lo.

    Introdução ao espectáculo de José Medeiros no Teatro Micaelense | 2007

    Ler Mais
  • O Andarilho na ImprensaOpen or Close

    (...) um testemunho empenhado e emotivo não apenas sobre a obra e a personalidade admiráveis do autor de Grândola, Vila Morena mas também sobre o estado de espírito que por algum tempo dominou os seus companheiros de aventuras em meados da década de 80. (Jorge P. Pires)

    Ler Mais