Os Dias Cantados - Parte 1

dcant_acordai500.jpg

Chega hoje ao fim a primeira série de Os Dias Cantados, rubrica diária das manhãs da Antena 1, escrita e realizada por António Macedo e Viriato Teles. As primeiras 40 canções abrangem o período até 25 de Abril de 1974.

Acordai, de Fernando Lopes-Graça, data dos anos 40 do século XX e marca, de algum modo, o nascimento da «canção de resistência» em Portugal. Pelo seu simbolismo, foi também a escolhida para encerrrar esta primeira seleccção de canções que fizeram os dias cantados.

Este fim-de-semana (domingo, dia 27), a Antena 1 apresenta uma edição especial d'Os Dias Cantados, onde vão ser apresentadas algumas das (muitas) canções que, por limitações óbvias, tievram de ficar de fora da selecção de 40. Para os eventuais interessados, segue-se a lista completa das canções apresentadas nesta primeira série, com as datas de primeira emissão e as respectivas ligações ao podcast da Antena 1, onde podem voltar a ser ouvidas:

1 – Os Vampiros – José Afonso (3/3)

2 – Trova do Vento que Passa – Adriano Correia de Oliveira (4/3)

3 – Livre – Manuel Freire (5/3)

4 – Recuso-me – Luís Cília (6/3)

5 – Eh! Companheiro – José Mário Branco (7/3)

6 – Era de Noite e Levaram  – José Afonso (10/3)

7 – Juventude (É Preciso Avisar Toda a Gente) – Francisco Fanhais (11/3)

8 – Como Hei-de Amar Serenamente – Adriano Correia de Oliveira (12/3)

9 – Abandono – Amália Rodrigues (13/3)

10 – Mudar de Vida – Carlos Paredes (14/3)

11 – Eles – Manuel Freire (17/3)

12 – Por Terras de França – José Mário Branco (18/3)

13 – Cantar de Emigração – Adriano Correia de Oliveira (19/3)

14 – Domingo em Bidonville – Quarteto 1111 (20/3)

15 – Amor Novo – Luís Rego (21/3)

16 – A Ronda do Soldadinho – José Mário Branco (24/3)

17 – Pedro o Soldado – Manuel Freire (25/3)

18 – Há Erva lá na Picada (Cancioneiro do Niassa) – João Maria Pinto e Janita Salomé (26/3)

19 – Menina dos Olhos Tristes – José Afonso (27/3)

20 – Canção com Lágrimas – Adriano Correia de Oliveira (28/3)

21 – Vamos Brincar à Caridadezinha – José Barata Moura (31/3)

22 – Tango dos Pequenos Burgueses – José Jorge Letria (1/4)

23 – Flor de Laranjeira – Filarmónica Fraude (2/4)

24 – Barnabé – Sérgio Godinho (3/4)

25 – Tourada – Fernando Tordo (4/4)

26 – A Lenda d’El Rei Dom Sebastião – Quarteto 1111 (7/4)

27 – Liberdade – João Maria Tudela (8/4)

28 – Canção Para um Povo Triste – Vieira da Silva (9/4)

29 – Desfolhada – Simone de Oliveira (10/4)

30 – Canção de Madrugar – Hugo Maia de Loureiro (11/4)

31 – Pedra Filosofal – Manuel Freire (14/4)

32 – Que Força é Essa – Sérgio Godinho (15/4)

33 – A Morte Saiu à Rua – José Afonso (16/4)

34 – Calçada de Carriche – Carlos Mendes (17/4)

35 – Mudam-se os Tempos, Mudam-se as Vontades – José Mário Branco (18/4)

36 – Erguem-se Muros – Adriano Correia de Oliveira (21/4)

37 – Arte Poética – José Jorge Letria (22/4)

38 – Erguer a Voz e Cantar (Canta Canta Amigo Canta) – António Macedo (23/4)

39 – Venham mais Cinco – José Afonso (24/4)

40 – Acordai – Fernando Lopes Graça e Coro da Academia dos Amadores de Música (25/4)

Os Dias Cantados - 1ª série
Autoria e edição: António Macedo e Viriato Teles
Locução: António Macedo
Sonorização: António Antunes

Emissão de 2ª a 6ª feira, após o noticiário das 9h30, na Antena1, entre 3 de Março e 25 de Abril de 2014

Mais sugestões de leitura

  • Elogio da inocênciaOpen or Close

    Naquele tempo éramos todos imortais. Havia mais mundos para lá do mundo que nos era dado conhecer e onde nos era permitido viver. E nós sabíamos. Era o tempo das coisas inevitáveis, como a realidade imaginada, a noite a descobrir, o sonho, a urgência das coisas para viver. E nós vivíamos. E inventávamos sons e momentos, da mesma forma rigorosa e apaixonada com que fazíamos crescer os silêncios até o seu clamor invadir tudo. Foi nesse tempo e dessa forma que o Geraldo se tornou meu irmão. Ele era imortal, como eu, e os imortais sabem sempre reconhecer os da sua laia.

    Prefácio a Cravos com Espinhos, de Geraldo Alves | 2003

    Ler Mais
  • O sonhador de amigosOpen or Close

    Um homem está debruçado sobre a cidade, sereno e tranquilo e atento a todas as imagens e às outras que não estão lá, e nos seus olhos há um sonho que se constrói com mãos e com alma, como é próprio das coisas belas. É um alguém urgente, de cabeça solta no delírio dos pássaros que estrebucham no rasto de loucos espalhado pela cidade à sua frente. Ali em volta rodopiam mulheres quase invisíveis de cabelos luminosos como nos poemas banais, e ouve-se um som ligeiro, definido apenas quanto baste para ilustrar as lembranças duradouras dos mundos todos que o homem traz dentro da cabeça.

    Movimentos Perpétuos
    Oficina do Livro 2003

    Ler Mais
  • Cantigas de antes e depois de AbrilOpen or Close

    «Grândola, vila morena / Terra da fraternidade / O povo é quem mais ordena / Dentro de ti, ó cidade...» Vinte minutos passados sobre a meia-noite, os versos iniciais da canção de José Afonso fizeram-se ouvir por todo o país. Através do programa Limite, a Rádio Renascença entrava para a história como a estação de rádio que transmitia a confirmação para a saída dos quartéis dos militares que se preparavam para derrubar a mais velha ditadura da Europa. Era o princípio do fim de 48 anos de um regime político obtuso, nascido entre gritos e lágrimas, mas destinado a terminar no meio de uma grande festa.

    Introdução a E Depois do Adeus, antologia de canções | 2007

    Ler Mais
  • A solução finalOpen or Close

    «Enxertos da cabeça de macacos no corpo de outros macacos, realizadas com êxito numa universidade norte-americana, poderão um dia dar origem a uma espécie de transplantações de corpo inteiro em seres humanos.» A notícia, que acabei de transcrever ipsis-verbis, foi manchete no «Público» de anteontem e está a causar uma compreensível agitação entre os cientistas de todo o mundo. A partir de agora, pelo menos em teoria, passa a ser possível que alguém, sofrendo de uma doença incurável mas que tenha o cérebro em bom estado, receba o corpo de uma pessoa em situação de morte cerebral.
    É aquilo a que os médicos chamam o «transplante radical» ou «transplante de corpo inteiro» e que, a ser um dia aplicado em seres humanos, permitirá a um cidadão - ou, melhor dizendo, à sua massa cinzenta - viver muito para lá dos limites actuais.

    TSF | 5.Nov.1997

    Ler Mais