Os Dias Cantados em emissão especial

dcant_lbast.jpg

Terminada a primeira série de Os Dias Cantados, os autores apresentam hoje uma emissão especial de 50 minutos com algumas das muitas canções da resistência que, pelas razões óbvias a que uma selecção de 40 obriga, não puderam ser apresentadas nas manhãs da Antena 1.

Neste programa especial têm lugar canções que, de uma maneira ou de outra, deixaram um marca importante na canção portuguesa do tempo da ditadura, tais como: Avante Camarada (por Luísa Basto), Page One (Pop Five Music Incorporated), É Preciso Acreditar (Luís Goes), Fala do Homem Nascido (Samuel), Cantigueiro (Samuel), Gente (Duarte Mendes), Naufrágio (Duarte e Ciriaco) e SARL (Petrus Castrus). Há, ainda, uma canção para lançar a segunda série d'Os Dias Cantados, que começa a ser emitida esta segunda-feira: Foi na Cidade do Sado, um clássico do PREC, por José Afonso.

Para ouvir a emissão especial, basta seguir a ligação abaixo e aceder ao podcast da Antena 1.

Os Dias Cantados - Emissão especial (50')
Autoria, apresentação e realização: António Macedo e Viriato Teles
Sonorização: António Antunes
Primeira emissão na Antena1, 27.Abr.2014

Mais sugestões de leitura

  • O poder e o localOpen or Close

    Os portugueses foram a votos, desta vez para eleger os representantes do chamado «poder local» – designação que só se compreende se aceitarmos que há poderes não localizáveis, o que é tanto mais verdade quanto maior é a sua dimensão.
    Por exemplo: alguém sabe onde fica o FMI? E o Banco Mundial, alguém lhe conhece uma agência que seja, ou mesmo uma simples caixa de multibanco? E no entanto ninguém duvida de que são eles, os donos do dinheiro, quem realmente manda no nosso destino colectivo, deixando para gente simples como António Guterres e Pinto da Costa a ilusão de uma autoridade que já não existe sequer nas super-esquadras.

    TSF | 17.Dez.1997

    Ler Mais
  • Padre Mário de OliveiraOpen or Close

    Era capelão das tropas portuguesas na Guiné-Bissau, e nessa condição ousou pregar a Paz. Mas o tempo era de guerra, ainda que esta fosse uma guerra particularmente injusta. E Mário de Oliveira, o capelão pacifista, acabou com guia de marcha para a «metrópole», como então se chamava a Portugal continental. Não esteve mais de quatro meses no teatro de operações, mas foi o suficiente para perceber que, se queria espalhar a palavra de Jesus Cristo, teria de, como Ele, sujeitar-se à raiva e à incompreensão dos poderosos.

    Ler Mais
  • Só me calham DukesOpen or Close

    A primeira vez que ouvi falar do Zeca já se dizia assim mesmo, Zeca, e não José Afonso. Cantava esplendorosamente o reportório do fado de Coimbra. Eu costumava não me intrometer nessas conversas tribais em que outros eram aparentemente exímios e tiravam todo o prazer da evocação dos grandes tenores e barítonos da escola local. Havia mesmo quem coleccionasse velhos discos de gramofone comprados a preços altos. A mim tanto se me dava: estava a tirocinar para utente nocturno do programa de jazz da Voz da América, vício que convinha não revelar aos então companheiros de esquerda, por sinal hoje bandeados na sua quase totalidade para a comarca de onde vem papel, papel a sério, sendo que vários deles até deputam, ó meu Deus!

    Ler Mais
  • O rasto do dinheiroOpen or Close

    Base das Lages, Açores, 17 de Março de 2003. Um primeiro-ministro de um país periférico europeu serve de conciérge a um trio de patifes que, três dias depois, dará início à invasão do Iraque. Ao país a que pertence e ao mundo que mal dá por ele o primeiro-ministro periférico jura que viu «provas inequívocas» da existência de um temível arsenal de destruição maciça na posse de Saddam Hussein. Meses depois, o primeiro-periférico é indigitado presidente da Comissão Europeia, e o mundo passa a conhecer-lhe o nome, já devidamente aparado para a ocasião: Barroso, José Barroso.

    Zoot | Verão 2008

    Ler Mais