Os Dias Cantados em emissão especial

dcant_lbast.jpg

Terminada a primeira série de Os Dias Cantados, os autores apresentam hoje uma emissão especial de 50 minutos com algumas das muitas canções da resistência que, pelas razões óbvias a que uma selecção de 40 obriga, não puderam ser apresentadas nas manhãs da Antena 1.

Neste programa especial têm lugar canções que, de uma maneira ou de outra, deixaram um marca importante na canção portuguesa do tempo da ditadura, tais como: Avante Camarada (por Luísa Basto), Page One (Pop Five Music Incorporated), É Preciso Acreditar (Luís Goes), Fala do Homem Nascido (Samuel), Cantigueiro (Samuel), Gente (Duarte Mendes), Naufrágio (Duarte e Ciriaco) e SARL (Petrus Castrus). Há, ainda, uma canção para lançar a segunda série d'Os Dias Cantados, que começa a ser emitida esta segunda-feira: Foi na Cidade do Sado, um clássico do PREC, por José Afonso.

Para ouvir a emissão especial, basta seguir a ligação abaixo e aceder ao podcast da Antena 1.

Os Dias Cantados - Emissão especial (50')
Autoria, apresentação e realização: António Macedo e Viriato Teles
Sonorização: António Antunes
Primeira emissão na Antena1, 27.Abr.2014

Mais sugestões de leitura

  • O sonhador de amigosOpen or Close

    Um homem está debruçado sobre a cidade, sereno e tranquilo e atento a todas as imagens e às outras que não estão lá, e nos seus olhos há um sonho que se constrói com mãos e com alma, como é próprio das coisas belas. É um alguém urgente, de cabeça solta no delírio dos pássaros que estrebucham no rasto de loucos espalhado pela cidade à sua frente. Ali em volta rodopiam mulheres quase invisíveis de cabelos luminosos como nos poemas banais, e ouve-se um som ligeiro, definido apenas quanto baste para ilustrar as lembranças duradouras dos mundos todos que o homem traz dentro da cabeça.

    Movimentos Perpétuos
    Oficina do Livro 2003

    Ler Mais
  • Vasco GonçalvesOpen or Close

    Entre 18 de Junho de 1974 e 12 de Setembro de 1975, foi o Primeiro-Ministro de Portugal, e esse foi o tempo mais gratificante da sua vida. Aos 452 dias iluminados que então viveu, mais de dez mil horas quase todas vividas de olhos abertos, juntem-se-lhe todos os outros e as noites e as madrugadas acesas que fizeram o ano e meio da Revolução. (...) Vasco, o Companheiro Vasco, foi o único ocupante do Palácio de São Bento a quem o povo concedeu o gosto de tratar pelo nome próprio. Os adversários e os inimigos vingaram-se, inventando o gonçalvismo – tentanto resumir num homem aquilo que para eles era a fonte de todos os medos, mas que mal ou bem nascia dos mais puros anseios de um povo que, pela primeira vez na história recente, tinha como chefe do Governo um homem que o escutava e, mais importante, o compreendia.

    Ler Mais
  • Eleições, mentiras e algum vídeoOpen or Close

    O putativo futuro primeiro-ministro, Santana Lopes, foi à Televisão defender a evolução na continuidade que seria a sua nomeação, se o PR seguisse os conselhos do PSD e do CDS e não convocasse eleições antecipadas. Diz Lopes que Sampaio deve deixar governar a maioria parlamentar, nomeando-o para o cargo deixado vago por Durão Barroso. E apresenta como razão maior o facto de também Sampaio ter desistido a meio do mandato de presidente da Câmara de Lisboa, sem que tal obrigasse a novas eleições.

    Para Consumo da Causa | 7.Jul.2004

    Ler Mais
  • O estado do sítioOpen or Close
    Com o País no estado em que está e a Europa no ponto aonde chegou, não vejo como é que alguém de bom senso consegue manter o optimismo. No entanto é isso que o (des)governo da nação continua a exibir,...
    Jornal do Fundão | 2.Ago.2012
    Ler Mais