"Tardio" já chegou

b_500_400_16777215_00_images_actual_tardio3_700.jpg

«Tardio», o primeiro álbum a solo do músico aveirense Ricardo Fino, é hoje posto à venda. O disco, com 14 temas, contou com as participações vocais de Ana Laíns, Micaela Vaz e Uxía e a participação de um núcleo de músicos que inclui Alfredo Teixeira (guitarra portuguesa e rabeca), João Gentil (acordina e acordeão), Jorge Loura (guitarra), Miguel Calhaz (contrabaixo) e Quiné Teles (percussão), responsável também pela produção e pelos arranjos. Participaram ainda Afonso Teles (guitarra), Aoife Hiney (tin whistle), Marco Freire (tuba) e Pedro Martins (violino).

As músicas são de Ricardo Fino, que também assina nove dos textos. As restantes letras são de Jesus Zing («Nosso (A)Mar», «Fado do Meu Amor» e «Choro da Avenida»), Pedro Silva Martins («Nesta Enfermaria») e Viriato Teles («Outro Fado»).

Ricardo Fino anda na música desde os anos 70, fez parte de algumas bandas pop/rock e apresenta agora o primeiro álbum. «Tardio», por isso mesmo, mas muito a tempo.

Unable to embed Rapid1Pixelout audio player. Please double check that:  1)You have the latest version of Adobe Flash Player.  2)This web page does not have any fatal Javascript errors.  3)The audio-player.js file of Rapid1Pixelout has been included.

Outro Fado
Música de Ricardo Fino | Letra de Viriato Teles | Vozes de Ana Laíns e Ricardo Fino
Participações de Alfredo Teixeira (rebeca e guitarra portuguesa), Jorge Loura (guitarras), Miguel Calhaz (contrabaixo), Pedro Martins (violino), Quiné (bateria, shaker, caixa portuguesa, bombo)
Arranjos e produção de Quiné Teles
© 2014

Mais sugestões de leitura

  • O poder e o localOpen or Close

    Os portugueses foram a votos, desta vez para eleger os representantes do chamado «poder local» – designação que só se compreende se aceitarmos que há poderes não localizáveis, o que é tanto mais verdade quanto maior é a sua dimensão.
    Por exemplo: alguém sabe onde fica o FMI? E o Banco Mundial, alguém lhe conhece uma agência que seja, ou mesmo uma simples caixa de multibanco? E no entanto ninguém duvida de que são eles, os donos do dinheiro, quem realmente manda no nosso destino colectivo, deixando para gente simples como António Guterres e Pinto da Costa a ilusão de uma autoridade que já não existe sequer nas super-esquadras.

    TSF | 17.Dez.1997

    Ler Mais
  • Padre Mário de OliveiraOpen or Close

    Era capelão das tropas portuguesas na Guiné-Bissau, e nessa condição ousou pregar a Paz. Mas o tempo era de guerra, ainda que esta fosse uma guerra particularmente injusta. E Mário de Oliveira, o capelão pacifista, acabou com guia de marcha para a «metrópole», como então se chamava a Portugal continental. Não esteve mais de quatro meses no teatro de operações, mas foi o suficiente para perceber que, se queria espalhar a palavra de Jesus Cristo, teria de, como Ele, sujeitar-se à raiva e à incompreensão dos poderosos.

    Ler Mais
  • In-segurançasOpen or Close

    As discussões em volta da cada vez mais premente questão da segurança – ou da falta dela – deram origem, na última semana, a mais um episódio da cada vez mais divertida guerra de comadres entre o PS e o PSD.
    Desta vez foi em Oeiras, com os moradores de um bairro de classe média a ameaçarem criar milícias populares se continuar a verificar-se o surto de assaltos que têm ocorrido nos últimos tempos.

    RCS | 19.Jan.1999

    Ler Mais
  • A história incrível de Matías PerezOpen or Close

    Há 150 anos, um comerciante português a viver em Havana subiu aos céus num balão e (...) deu origem a uma expressão popular que ainda hoje se utiliza em Cuba: «Voou como Matías Pérez».

    O Independente | 2000

    Ler Mais