Os Dias Cantados - Parte 2

b_500_400_16777215_00_images_actual_jmb_ssol600.jpg

Chega hoje ao fim a segunda série de Os Dias Cantados, rubrica diária das manhãs da Antena 1, escrita e realizada por António Macedo e Viriato Teles. Esta segunda série de 40 canções abrange o período que se seguiu ao 25 de Abril de 1974 e que concentrou toda a efeverscência criativa gerada pelo processo revolucionário.

Eu Vim de Longe, Eu Vou Pra Longe, a Chulinha de José Mário Branco é uma canção que retrata esse ciclo criativo ímpar da história recente e o modo como ele se cumpriu. Também por este aspecto simbólico, foi a escolhida para encerrar esta segunda seleccção de canções que fizeram os dias cantados.

Este fim-de-semana (domingo, dia 22), a Antena 1 apresenta mais uma edição especial d'Os Dias Cantados, desta vez com a duração de duas horas. À semelhança do que aconteceu com o especial que encerrou a primeira série, também neste programa vão ser apresentadas mais algumas das (muitas) canções que não foi possível incluir nas 40 que passaram nas emissões diárias.

Para os eventuais interessados, segue-se a lista completa das canções apresentadas nesta segunda série, com a indicação dos intérpretes, datas de emissão e as respectivas ligações ao podcast da Antena 1, onde podem voltar a ser ouvidas:

1 – Maré Alta – Sérgio Godinho (28/4)

2 – Portugal Ressuscitado – Fernando Tordo, Tonicha e Grupo InClave (29/4)

3 – Somos Livres – Ermelinda Duarte (30/4)

4 – Já Chegou a Liberdade – Tonicha (1/5)

5 – Antes Que Seja Tarde – Paulo de Carvalho (2/5)

6 – A Cantiga é uma Arma – GAC - Grupo de Acção Cultural Vozes na Luta (5/5)

7 – Liberdade – Sérgio Godinho (6/5)

8 – O que faz falta – José Afonso (7/5)

9 – Cravo Vermelho ao Peito – José Barata Moura (8/5)

10 – Hino da Intersindical – Coro dirigido por Pedro Osório (9/5)

11 – Alerta – GAC - Grupo de Acção Cultural Vozes na Luta (12/5)

12 – A Boca do Lobo – Carlos Cavalheiro (13/5)

13 – Madrugada – Duarte Mendes (14/5)

14 – Uma Flor de Verde Pinho – Carlos do Carmo (15/5)

15 – Portugal no Coração – Os Amigos (16/5)

16 – Venha Cá Senhor Burguês – Fausto (19/5)

17 – Cai Cai – Fernando Tordo (20/5)

18 – Só de Punho Erguido – José Jorge Letria (21/5)

19 – Tejo Que Levas as Águas – Adriano Correia de Oliveira (22/5)

20 – Menina Estás à Janela – Vitorino (23/5)

21 – Companheiro Vasco – Maria do Amparo e Carlos A. Moniz (26/5)

22 – O Facho – Paulo de Carvalho (27/5)

23 – Os Lobos: Eles Estão Aí – Vieira da Silva (28/5)

24 – Água Mole em Pedra Dura – Pedro Barroso (29/5)

25 – Quem Não Trabalha Não Come – Grupo Outubro (30/5)

26 – Tanto Mar – Chico Buarque (2/6)

27 – O Malhão Não é Reaccionário – Quim Barreiros (3/6)

28 – Em Guarda Pela Revolução – Paco Bandeira (4/6)

29 – Alípio de Freitas – José Afonso (5/6)

30 – Uns Vão Bem e Outros Mal – Fausto (6/6)

31 – Portugal – Georges Moustaki (9/6)

32 – Fado de Alcoentre – Fernando Tordo (10/6)

33 – Pezinho da Vila – Brigada Victor Jara (11/6)

34 – Os Índios da Meia Praia – José Afonso (12/6)

35 – Se Tu Fores Ver o Mar (Rosalinda) – Fausto (13/6)

36 – Ir e Vir – GAC - Grupo de Acção Cultural Vozes na Luta (16/6)

37 – Chão Nosso – Grupo Trovante (17/6)

38 – Namoro – Sérgio Godinho (18/6)

39 – Se Vossa Excelência – Adriano Correia de Oliveira (19/6)

40 – Eu Vim de Longe, Eu Vou Pra Longe – José Mário Branco (20/6)

Os Dias Cantados - 2ª série
Autoria e edição: António Macedo e Viriato Teles
Locução: António Macedo
Sonorização: Carlos Felgueiras
Emissão de 2ª a 6ª feira, após o noticiário das 9h30, na Antena1, entre 28 de Abril e 20 de Junho de 2014

Mais sugestões de leitura

  • Saramago, autor do século XVIIIOpen or Close

    José Saramago, um romancista do século XVIII? Ninguém se lembraria de tal coisa, mas foi assim mesmo que ele foi inicialmente apresentado, em Bucareste, poucos meses antes do lançamento, pela Editora Univers, da tradução romena de «Memorial do Convento». Um truque para iludir a censura de Ceausescu. E resultou.

    Jornal de Letras | 12.Jun.1990

    Ler Mais
  • Saudosa tertúliaOpen or Close

    Verdadeiro mestre de apresentações, Viriato Teles elabora, antecedendo as entrevistas, a descrição das personalidades, define-as biograficamente e expõem-nas no efeito que, presencialmente, lhe provocam . Também no decorrer das entrevistas, para além dos assuntos tratados, o jornalista faz o retrato dos entrevistados, retratos humanos totais, com alegrias e desencantos, projectos e nostalgias, ganhos e perdas. Como o autor já nos habituou, a prosa é quente, reveladora e cúmplice do leitor, como se também este fosse conhecido de Viriato Teles; mais um mistério só possível quando se tem a intuição de um grande escritor.

    Ler Mais
  • Um velho espírito de NatalOpen or Close
    No Natal, o Rossio transforma-se numa espécie de presépio gigante (...) onde os reis magos foram substituídos pelos agentes da Casa da Sorte e os pastores ganharam a forma de polícias sem rosto. Os meninos do presépio do Rossio andam pelas ruas do Metro a vender pensos rápidos, alimentando-se na esperança de uma estrela qualquer que os guie a novo destino. E São José, na encosta do Martim Moniz, aguarda pacientemente a chegada dos bêbados e das putas ...
    Se7e | 30.Dez.1981
    Ler Mais
  • João SoaresOpen or Close

    Este homem andou a enganar uma data de gente durante vários anos. Ou então foi uma data de gente que se enganou a si própria, talvez por culpa das circunstâncias e de alguns preconceitos. O certo é que, por bastante tempo, muitos o viram apenas como «um filho do pai». Até que um dia foi eleito para a Câmara de Lisboa, primeiro como vereador e depois como presidente. Ficou por lá uma dúzia de anos, e transformou a cidade num lugar onde vale a pena viver.

    Ler Mais