Os Dias Cantados - Parte 2

b_500_400_16777215_00_images_actual_jmb_ssol600.jpg

Chega hoje ao fim a segunda série de Os Dias Cantados, rubrica diária das manhãs da Antena 1, escrita e realizada por António Macedo e Viriato Teles. Esta segunda série de 40 canções abrange o período que se seguiu ao 25 de Abril de 1974 e que concentrou toda a efeverscência criativa gerada pelo processo revolucionário.

Eu Vim de Longe, Eu Vou Pra Longe, a Chulinha de José Mário Branco é uma canção que retrata esse ciclo criativo ímpar da história recente e o modo como ele se cumpriu. Também por este aspecto simbólico, foi a escolhida para encerrar esta segunda seleccção de canções que fizeram os dias cantados.

Este fim-de-semana (domingo, dia 22), a Antena 1 apresenta mais uma edição especial d'Os Dias Cantados, desta vez com a duração de duas horas. À semelhança do que aconteceu com o especial que encerrou a primeira série, também neste programa vão ser apresentadas mais algumas das (muitas) canções que não foi possível incluir nas 40 que passaram nas emissões diárias.

Para os eventuais interessados, segue-se a lista completa das canções apresentadas nesta segunda série, com a indicação dos intérpretes, datas de emissão e as respectivas ligações ao podcast da Antena 1, onde podem voltar a ser ouvidas:

1 – Maré Alta – Sérgio Godinho (28/4)

2 – Portugal Ressuscitado – Fernando Tordo, Tonicha e Grupo InClave (29/4)

3 – Somos Livres – Ermelinda Duarte (30/4)

4 – Já Chegou a Liberdade – Tonicha (1/5)

5 – Antes Que Seja Tarde – Paulo de Carvalho (2/5)

6 – A Cantiga é uma Arma – GAC - Grupo de Acção Cultural Vozes na Luta (5/5)

7 – Liberdade – Sérgio Godinho (6/5)

8 – O que faz falta – José Afonso (7/5)

9 – Cravo Vermelho ao Peito – José Barata Moura (8/5)

10 – Hino da Intersindical – Coro dirigido por Pedro Osório (9/5)

11 – Alerta – GAC - Grupo de Acção Cultural Vozes na Luta (12/5)

12 – A Boca do Lobo – Carlos Cavalheiro (13/5)

13 – Madrugada – Duarte Mendes (14/5)

14 – Uma Flor de Verde Pinho – Carlos do Carmo (15/5)

15 – Portugal no Coração – Os Amigos (16/5)

16 – Venha Cá Senhor Burguês – Fausto (19/5)

17 – Cai Cai – Fernando Tordo (20/5)

18 – Só de Punho Erguido – José Jorge Letria (21/5)

19 – Tejo Que Levas as Águas – Adriano Correia de Oliveira (22/5)

20 – Menina Estás à Janela – Vitorino (23/5)

21 – Companheiro Vasco – Maria do Amparo e Carlos A. Moniz (26/5)

22 – O Facho – Paulo de Carvalho (27/5)

23 – Os Lobos: Eles Estão Aí – Vieira da Silva (28/5)

24 – Água Mole em Pedra Dura – Pedro Barroso (29/5)

25 – Quem Não Trabalha Não Come – Grupo Outubro (30/5)

26 – Tanto Mar – Chico Buarque (2/6)

27 – O Malhão Não é Reaccionário – Quim Barreiros (3/6)

28 – Em Guarda Pela Revolução – Paco Bandeira (4/6)

29 – Alípio de Freitas – José Afonso (5/6)

30 – Uns Vão Bem e Outros Mal – Fausto (6/6)

31 – Portugal – Georges Moustaki (9/6)

32 – Fado de Alcoentre – Fernando Tordo (10/6)

33 – Pezinho da Vila – Brigada Victor Jara (11/6)

34 – Os Índios da Meia Praia – José Afonso (12/6)

35 – Se Tu Fores Ver o Mar (Rosalinda) – Fausto (13/6)

36 – Ir e Vir – GAC - Grupo de Acção Cultural Vozes na Luta (16/6)

37 – Chão Nosso – Grupo Trovante (17/6)

38 – Namoro – Sérgio Godinho (18/6)

39 – Se Vossa Excelência – Adriano Correia de Oliveira (19/6)

40 – Eu Vim de Longe, Eu Vou Pra Longe – José Mário Branco (20/6)

Os Dias Cantados - 2ª série
Autoria e edição: António Macedo e Viriato Teles
Locução: António Macedo
Sonorização: Carlos Felgueiras
Emissão de 2ª a 6ª feira, após o noticiário das 9h30, na Antena1, entre 28 de Abril e 20 de Junho de 2014

Mais sugestões de leitura

  • Que é dos cantores de intervenção?Open or Close

    Estavam onde era preciso, sempre que era preciso. Uma viola, um microfone e um estrado a fazer de palco era quanto bastava para que houvesse espectáculo. A poesia estava na rua e as vozes dos cantores davam-lhe forma de modo claro e preciso, que o tempo não era para meias palavras. Eram os chamados «cantores de intervenção», para quem a arte era sobretudo um veículo de divulgação dos ideais políticos mais marcantes da época.

    Expresso | 25.Abr.1997

    Ler Mais
  • O velho e o marOpen or Close

    Até me fica mal dizer isto, mas confesso que, de quando em quando, chego a ter pena do professor Cavaco. O vetusto presidente passa a maior parte do tempo mudo e quedo, decerto em reflexão, tão profunda quando inócua, sobre o mundo e o país que ajudou a criar. E é um deus-nos-acuda: que ele não diz nada quando deve dizer; que só fala a propósito de minudências como o estatuto dos Açores ou a vulnerabilidade do correio electrónico; ou ainda que, tal como a polícia e os maridos enganados, o presidente só aparece quando não é preciso.

    Jornal do Fundão | 13.Dez.2012

    Ler Mais
  • O silêncio da terraOpen or Close

    «Não acredito muito nos pessoas que apenas se comovem quando ouvem falar de coisas de carácter político. Não basta fazer canções sobre a paz ou sobre a guerra, é preciso ter em conta também uma outra poesia que nos fale da beleza das paisagens, dos rios que correm, da natureza que se manifesta.» Em Março de 1985, Atahualpa Yupanqui esteve em Portugal para realizar dois concertos únicos por iniciativa da Embaixada da República Argentina. Nos palcos da Aula Magna, em Lisboa, e do Rivoli, no Porto, acompanhado apenas pela sua guitarra (“a la guitarra grave y honda que jumbrosa estremecida y soledosa, desvelada quiero referirme”), deu-se-nos, durante cerca de duas horas, o trovador maior das pampas, “payador” que foi perseguido e nunca desistiu de se interrogar, a ele próprio e a quantos o ouvem, a propósito dos sentidos possíveis da vida.

    Ler Mais
  • Nobre polvoOpen or Close

    Um tipo que já apoiou, sucessiva ou concomitantemente, Durão Barroso e Mário Soares, o Bloco de Esquerda e a Causa Monárquica, António Costa e António Capucho, das duas, uma: ou é um caso exemplar de desdobramento de personalidade ou tem a coluna vertebral duma amiba.

    Ler Mais