Os Dias Cantados em emissão especial dupla

dcant_amvt470.jpg

Terminada a segunda série de Os Dias Cantados, António Macedo e Viriato Teles apresentam este domingo uma emissão especial de quase duas horas com 16 canções mais, algumas das muitas que não foi possível incluir na selecção de 40 apresentadas ao longo das últimas oito semanas nas manhãs da Antena 1.

Neste programa especial têm lugar temas que, de modos distintos e por diferentes motivos, constituem registos únicos dos primeiros anos do Portugal democrático. Alguns surpreendentes, como a versão de Era de Noite e Levaram (de José Afonso e Luís de Andrade) por António Mourão; outros quase ingénuos, como No Tempo da Outra Senhora (Conjunto de António Mafra); outros inovadores, como Lavados, Lavados Sim (de António Avelar Pinho de Nuno Rodrigues, pela Banda do Casaco) ou Aprendiz de Feiticeiro (do projecto Homo Sapiens, de José Luís Tinoco); outros ainda claramente marcados pelo tempo e pelos acontecimentos, como Viva a Liberdade (Tino Flores) ou Em Trás-os-Montes à Tarde (letra de Alfredo Vieira de Sousa, música e voz de Adriano Correia de Oliveira). E outros, até, de que não há registo de alguma vez terem sido transmitidas na Rádio, como o Romance do Lulu do Intendente, de e por Luís Cília.

Todas estas músicas fazem parte desta emissão especial, onde se fala também da repercussão internacional da revolução portuguesa, reflectida aqui no amistoso Adelante Portugal, que Carlos Puebla y Sus Tradicionales ofereceu a partir de Cuba, e na comovente versão de Grândola Vila Morena que Nara Leão nos dedicou. Outros temas deste programa especial (indicados por ordem aleatória): Amélia dos Olhos Doces (de Joaquim Pessoa e Carlos Mendes), Eu, o Povo (letra de Mutimati Barnabé João, música de Fausto e José Afonso, voz de José Afonso), Ao Alcance das Mãos (Samuel), Fernandinho Vai ao Vinho (Júlio Pereira), Eu Vi Este Povo a Lutar (de José Mário Branco, pelo GAC), Trabalho (de Ary e Fernando Tordo, por um colectivo dirigido por Pedro Osório e a que davam voz, além de Tordo, Alfredo Vieira de Sousa, Carlos Alberto Moniz, Madalena Leal, Maria de Lurdes Nunes dos Santos e Paulo de Carvalho) e Canto de Esperança (letra de Mário Dionísio, música de Luís Cília, voz de Manuel Freire).

A partir de amanhã, a rubrica Os Dias Cantados entra na terceira série, preenchida com 40 versões de algumas destas (e outras) cantigas por intérpretes mais jovens. A edição desta 3ª série é da responsabilidade de João Carlos Callixto.

Para ouvir a emissão especial sobre Os Dias Cantados Depois do 25 de Abril, basta seguir as ligações abaixo e aceder directamente aos respectivos podcasts da portal da Antena 1.

Os Dias Cantados depois do 25 de Abril - Emissão especial - 1ª parte (48')
Os Dias Cantados depois do 25 de Abril - Emissão especial - 2ª parte (44')
Autoria, apresentação e realização: António Macedo e Viriato Teles
Sonorização: Carlos Felgueiras
Primeira emissão na Antena1, 22.Jun.2014

Mais sugestões de leitura

  • A magia da criaçãoOpen or Close

    Luísa Amaro é como se chama a mulher que dá vida e alma a estas músicas, seguida de perto por Miguel Carvalhinho. Habituámo-nos a ouvir a guitarra portuguesa tocada por mãos viris, mas o que aqui se nos revela é um lado outro desse instrumento delicado, talvez aquilo que explica o segredo dos mestres, sabedores de que a guitarra é um ser sensível, guardador de muitas emoções, nem sempre ao alcance da vontade de quem a toca.

    Introdução ao CD Canção para Carlos Paredes de Luísa Amaro | 2004

    Ler Mais
  • Esquecer AbrilOpen or Close

    Ao escolher os seus entrevistados, é nítido que o autor teceu uma teia de afectos que nos enreda à medida que vamos mergulhando neste livro com o vagar das coisas que realmente dão prazer. Mais do que o papel do entrevistador, Viriato Teles encarna o mestre de cerimónias de uma festa que já só acontece na memória de quem aceitou sentar-se a falar. Como num encontro de velhos amigos, há ternuras e rancores antigos, confissões, relatos do que se passou desde o último encontro. E percebemos que os entrevistados, muitos deles protagonistas da revolução, formam um caleidoscópio de palavras que é também a memória que o perguntador quer pintar da «sua revolução». Jornalista e poeta de generosidades, Viriato Teles só pode relatar o seu 25 de Abril nas palavras dos outros e fá-lo com arte e minúcia próprias de mestre ourives. Se vamos esquecer Abril, que seja com este livro.

    Ler Mais
  • É preciso é criar desassossegoOpen or Close

    «(...) Como é que da política se chega à música e da música à consciência? Eh, pá, eu acho que as coisas podem estar ou não ligadas, depende do lado para onde estivermos virados. Mas o que é preciso é criar desassossego. Quando começamos a procurar álibis para justificar o nosso conformismo, então está tudo lixado! (...) Acho que, acima de tudo, é preciso agitar, não ficar parado, ter coragem, quer se trate de música ou de política. E nós, neste país, somos tão pouco corajosos que, qualquer dia, estamos reduzidos à condição de ‘homenzinhos’ e ‘mulherezinhas’. Temos é que ser gente, pá! (...)»

    Ler Mais
  • O retrato de Che GuevaraOpen or Close

    Quem já visitou Cuba e ficou tocado pelo seu encanto sensual, pela alegria da sua música, dos seus ritmos tropicais, pela beleza tão singular da Habana Vieja, do canto do mar no Malecón, da arquitectura do Caribe, da abertura das suas gentes, seu trato familiar, tudo isso vai reencontrar neste livro, juntamente com informações rigorosas sobre o passado da Ilha, as lutas pela independência, a aventura épica do assalto ao quartel Moncada e da guerrilha na Sierra Mes­tra, com factos precisos, dados e evocações que resultam de muita leitura, muito inquérito e um trabalho de campo por vezes minucioso.

    Ler Mais