Os Dias Cantados em emissão especial dupla

dcant_amvt470.jpg

Terminada a segunda série de Os Dias Cantados, António Macedo e Viriato Teles apresentam este domingo uma emissão especial de quase duas horas com 16 canções mais, algumas das muitas que não foi possível incluir na selecção de 40 apresentadas ao longo das últimas oito semanas nas manhãs da Antena 1.

Neste programa especial têm lugar temas que, de modos distintos e por diferentes motivos, constituem registos únicos dos primeiros anos do Portugal democrático. Alguns surpreendentes, como a versão de Era de Noite e Levaram (de José Afonso e Luís de Andrade) por António Mourão; outros quase ingénuos, como No Tempo da Outra Senhora (Conjunto de António Mafra); outros inovadores, como Lavados, Lavados Sim (de António Avelar Pinho de Nuno Rodrigues, pela Banda do Casaco) ou Aprendiz de Feiticeiro (do projecto Homo Sapiens, de José Luís Tinoco); outros ainda claramente marcados pelo tempo e pelos acontecimentos, como Viva a Liberdade (Tino Flores) ou Em Trás-os-Montes à Tarde (letra de Alfredo Vieira de Sousa, música e voz de Adriano Correia de Oliveira). E outros, até, de que não há registo de alguma vez terem sido transmitidas na Rádio, como o Romance do Lulu do Intendente, de e por Luís Cília.

Todas estas músicas fazem parte desta emissão especial, onde se fala também da repercussão internacional da revolução portuguesa, reflectida aqui no amistoso Adelante Portugal, que Carlos Puebla y Sus Tradicionales ofereceu a partir de Cuba, e na comovente versão de Grândola Vila Morena que Nara Leão nos dedicou. Outros temas deste programa especial (indicados por ordem aleatória): Amélia dos Olhos Doces (de Joaquim Pessoa e Carlos Mendes), Eu, o Povo (letra de Mutimati Barnabé João, música de Fausto e José Afonso, voz de José Afonso), Ao Alcance das Mãos (Samuel), Fernandinho Vai ao Vinho (Júlio Pereira), Eu Vi Este Povo a Lutar (de José Mário Branco, pelo GAC), Trabalho (de Ary e Fernando Tordo, por um colectivo dirigido por Pedro Osório e a que davam voz, além de Tordo, Alfredo Vieira de Sousa, Carlos Alberto Moniz, Madalena Leal, Maria de Lurdes Nunes dos Santos e Paulo de Carvalho) e Canto de Esperança (letra de Mário Dionísio, música de Luís Cília, voz de Manuel Freire).

A partir de amanhã, a rubrica Os Dias Cantados entra na terceira série, preenchida com 40 versões de algumas destas (e outras) cantigas por intérpretes mais jovens. A edição desta 3ª série é da responsabilidade de João Carlos Callixto.

Para ouvir a emissão especial sobre Os Dias Cantados Depois do 25 de Abril, basta seguir as ligações abaixo e aceder directamente aos respectivos podcasts da portal da Antena 1.

Os Dias Cantados depois do 25 de Abril - Emissão especial - 1ª parte (48')
Os Dias Cantados depois do 25 de Abril - Emissão especial - 2ª parte (44')
Autoria, apresentação e realização: António Macedo e Viriato Teles
Sonorização: Carlos Felgueiras
Primeira emissão na Antena1, 22.Jun.2014

Mais sugestões de leitura

  • Um violino sem telhadoOpen or Close

    «Somos um povo demasiado sério e que não acredita em si próprio.» Palavras de Carlos Zíngaro, músico e autor de banda desenhada, em vésperas de um concerto em Lisboa, em meados de Março de 1985. Afinal, parece que há coisas que nunca mudam.

    O Jornal | 15.Mar.1985
    Ler Mais
  • Louvor das Palavras e dos AmigosOpen or Close

    A banalização das palavras é um dos pecados mortais da comunicação dos nossos dias, sobretudo quando praticada por quem faz das palavras o instrumento principal do seu ofício. Porque as palavras não são nunca apenas aquilo que significam nos dicionários, mas sobretudo o que significam nas nossas vidas. ...Tudo isto a propósito dos 75 anos que o Fernando Assis Pacheco faria hoje...

    Ler Mais
  • Cantares de um homem livreOpen or Close

    Se Mário Mata fosse um pássaro seria com certeza um melro ou um pardal ou mesmo uma gaivota. Nunca poderia ser um canário, pela simples razão que não seria capaz de sobreviver numa qualquer gaiola, por mais dourada e confortável que fosse.
    O Mário é um homem livre, e dessa condição não prescinde, mesmo quando essa opção dói. E geralmente dói.
    É disto tudo que nos fala neste disco: de si e dos outros, da vida e das coisas simples, de Lisboa e do mundo, de portugueses burocráticos e neuróticos, mas também dos que ainda não desistiram.

    Introdução ao CD Sinais do Tempo, de Mário Mata | 2012

    Ler Mais
  • Insondáveis designíosOpen or Close

    O Papa foi ver um espectáculo de Bob Dylan. Poucos anos atrás, uma notícia deste tipo seria, no mínimo, uma brincadeira de gosto duvidoso. Na melhor das hipóteses (isto é, se a notícia fosse verdadeira) seria motivo de manchete em quase todos os jornais do planeta. O Papa? Num espectáculo de Bob Dylan? Eu sei que o mundo está a mudar e que as verdades absolutas de ontem deixaram de o ser às primeiras horas da manhã de hoje. Mas, ainda assim, não deixo de sentir um estremecimento ao ver Sua Santidade ouvindo «Knockin' On Heaven's Door» como se escutasse «Queremos Deus Homens Ingratos» ou o clássico «Miraculosa, Rainha dos Céus».

    TSF | 1.Out.1997

    Ler Mais