Os Dias Cantados em emissão especial dupla

dcant_amvt470.jpg

Terminada a segunda série de Os Dias Cantados, António Macedo e Viriato Teles apresentam este domingo uma emissão especial de quase duas horas com 16 canções mais, algumas das muitas que não foi possível incluir na selecção de 40 apresentadas ao longo das últimas oito semanas nas manhãs da Antena 1.

Neste programa especial têm lugar temas que, de modos distintos e por diferentes motivos, constituem registos únicos dos primeiros anos do Portugal democrático. Alguns surpreendentes, como a versão de Era de Noite e Levaram (de José Afonso e Luís de Andrade) por António Mourão; outros quase ingénuos, como No Tempo da Outra Senhora (Conjunto de António Mafra); outros inovadores, como Lavados, Lavados Sim (de António Avelar Pinho de Nuno Rodrigues, pela Banda do Casaco) ou Aprendiz de Feiticeiro (do projecto Homo Sapiens, de José Luís Tinoco); outros ainda claramente marcados pelo tempo e pelos acontecimentos, como Viva a Liberdade (Tino Flores) ou Em Trás-os-Montes à Tarde (letra de Alfredo Vieira de Sousa, música e voz de Adriano Correia de Oliveira). E outros, até, de que não há registo de alguma vez terem sido transmitidas na Rádio, como o Romance do Lulu do Intendente, de e por Luís Cília.

Todas estas músicas fazem parte desta emissão especial, onde se fala também da repercussão internacional da revolução portuguesa, reflectida aqui no amistoso Adelante Portugal, que Carlos Puebla y Sus Tradicionales ofereceu a partir de Cuba, e na comovente versão de Grândola Vila Morena que Nara Leão nos dedicou. Outros temas deste programa especial (indicados por ordem aleatória): Amélia dos Olhos Doces (de Joaquim Pessoa e Carlos Mendes), Eu, o Povo (letra de Mutimati Barnabé João, música de Fausto e José Afonso, voz de José Afonso), Ao Alcance das Mãos (Samuel), Fernandinho Vai ao Vinho (Júlio Pereira), Eu Vi Este Povo a Lutar (de José Mário Branco, pelo GAC), Trabalho (de Ary e Fernando Tordo, por um colectivo dirigido por Pedro Osório e a que davam voz, além de Tordo, Alfredo Vieira de Sousa, Carlos Alberto Moniz, Madalena Leal, Maria de Lurdes Nunes dos Santos e Paulo de Carvalho) e Canto de Esperança (letra de Mário Dionísio, música de Luís Cília, voz de Manuel Freire).

A partir de amanhã, a rubrica Os Dias Cantados entra na terceira série, preenchida com 40 versões de algumas destas (e outras) cantigas por intérpretes mais jovens. A edição desta 3ª série é da responsabilidade de João Carlos Callixto.

Para ouvir a emissão especial sobre Os Dias Cantados Depois do 25 de Abril, basta seguir as ligações abaixo e aceder directamente aos respectivos podcasts da portal da Antena 1.

Os Dias Cantados depois do 25 de Abril - Emissão especial - 1ª parte (48')
Os Dias Cantados depois do 25 de Abril - Emissão especial - 2ª parte (44')
Autoria, apresentação e realização: António Macedo e Viriato Teles
Sonorização: Carlos Felgueiras
Primeira emissão na Antena1, 22.Jun.2014

Mais sugestões de leitura

  • É preciso é criar desassossegoOpen or Close

    «(...) Como é que da política se chega à música e da música à consciência? Eh, pá, eu acho que as coisas podem estar ou não ligadas, depende do lado para onde estivermos virados. Mas o que é preciso é criar desassossego. Quando começamos a procurar álibis para justificar o nosso conformismo, então está tudo lixado! (...) Acho que, acima de tudo, é preciso agitar, não ficar parado, ter coragem, quer se trate de música ou de política. E nós, neste país, somos tão pouco corajosos que, qualquer dia, estamos reduzidos à condição de ‘homenzinhos’ e ‘mulherezinhas’. Temos é que ser gente, pá! (...)»

    Ler Mais
  • Fausto Bordalo DiasOpen or Close

    É um homem discreto e um artista exigente. Gosta de estar com os amigos e não volta costas a um arroz de lampreia nem a uma boa conversa. A música que faz situa-se num patamar superior do espectáculo, em Portugal e no resto do mundo, mas não é isso que o faz correr. (...) É assim o Fausto. Sereno, leal, intransigente em tudo aquilo que considera ser o essencial, tanto na vida como na arte – sendo que a arte é simplesmente uma forma superior de vida. É um homem de convicções – políticas, humanas, estéticas – mas nunca quis ser um homem de certezas. Amigo certo e adversário temível, mantém desde sempre uma relação de distância tanto com o poder político como com o poder mediático, e nunca se vergou perante nenhum. Porque há homens que não têm preço nem querem perder a honra: os homens dignos, como este.

    Ler Mais
  • Humana forma de vidaOpen or Close

    «Eu não passei pela vida, a vida é que passou por mim», dizia. E assim, entre a sua estreia (aos 19 anos, no Retiro da Severa), e a sua última actuação pública, em 1994, Amália nunca deixou de se surpreender com o que a vida lhe deu. (...) Amália sobreviveu às transformações sociais e políticas do seu país, e quando deixou o mundo dos vivos, a 6 de Outubro de 1999, era já uma figura consensual. Pelos quatro cantos do mundo, por onde andou, a sua voz continua a fascinar, vencendo a morte. Porque é humana, como a sua história.

    Ler Mais
  • Como é que ele conseguiu?Open or Close

    A minha primeira impressão deste livro é a pesquisa exaustiva que o autor fez dos entrevistados. Quando a gente termina aquela leitura já estamos prontos para dar um mergulho na entrevista e já o fazemos com água na boca. Quase como quando um requintado cozinheiro envia para a mesa uma travessa apetitosíssima, suculenta, que a gente fica doido para devorar. Isso, para além do talento deste autor, que tem muito a ver com a honestidade profissional, do apuro e do contentamento de quem a escreve. (...) «Bocas de Cena» é um livro excelente com uma dezena de entrevistados inatingíveis, e a pergunta é: Como é que ele conseguiu?

    Ler Mais