Os Dias Cantados em emissão especial dupla

dcant_amvt470.jpg

Terminada a segunda série de Os Dias Cantados, António Macedo e Viriato Teles apresentam este domingo uma emissão especial de quase duas horas com 16 canções mais, algumas das muitas que não foi possível incluir na selecção de 40 apresentadas ao longo das últimas oito semanas nas manhãs da Antena 1.

Neste programa especial têm lugar temas que, de modos distintos e por diferentes motivos, constituem registos únicos dos primeiros anos do Portugal democrático. Alguns surpreendentes, como a versão de Era de Noite e Levaram (de José Afonso e Luís de Andrade) por António Mourão; outros quase ingénuos, como No Tempo da Outra Senhora (Conjunto de António Mafra); outros inovadores, como Lavados, Lavados Sim (de António Avelar Pinho de Nuno Rodrigues, pela Banda do Casaco) ou Aprendiz de Feiticeiro (do projecto Homo Sapiens, de José Luís Tinoco); outros ainda claramente marcados pelo tempo e pelos acontecimentos, como Viva a Liberdade (Tino Flores) ou Em Trás-os-Montes à Tarde (letra de Alfredo Vieira de Sousa, música e voz de Adriano Correia de Oliveira). E outros, até, de que não há registo de alguma vez terem sido transmitidas na Rádio, como o Romance do Lulu do Intendente, de e por Luís Cília.

Todas estas músicas fazem parte desta emissão especial, onde se fala também da repercussão internacional da revolução portuguesa, reflectida aqui no amistoso Adelante Portugal, que Carlos Puebla y Sus Tradicionales ofereceu a partir de Cuba, e na comovente versão de Grândola Vila Morena que Nara Leão nos dedicou. Outros temas deste programa especial (indicados por ordem aleatória): Amélia dos Olhos Doces (de Joaquim Pessoa e Carlos Mendes), Eu, o Povo (letra de Mutimati Barnabé João, música de Fausto e José Afonso, voz de José Afonso), Ao Alcance das Mãos (Samuel), Fernandinho Vai ao Vinho (Júlio Pereira), Eu Vi Este Povo a Lutar (de José Mário Branco, pelo GAC), Trabalho (de Ary e Fernando Tordo, por um colectivo dirigido por Pedro Osório e a que davam voz, além de Tordo, Alfredo Vieira de Sousa, Carlos Alberto Moniz, Madalena Leal, Maria de Lurdes Nunes dos Santos e Paulo de Carvalho) e Canto de Esperança (letra de Mário Dionísio, música de Luís Cília, voz de Manuel Freire).

A partir de amanhã, a rubrica Os Dias Cantados entra na terceira série, preenchida com 40 versões de algumas destas (e outras) cantigas por intérpretes mais jovens. A edição desta 3ª série é da responsabilidade de João Carlos Callixto.

Para ouvir a emissão especial sobre Os Dias Cantados Depois do 25 de Abril, basta seguir as ligações abaixo e aceder directamente aos respectivos podcasts da portal da Antena 1.

Os Dias Cantados depois do 25 de Abril - Emissão especial - 1ª parte (48')
Os Dias Cantados depois do 25 de Abril - Emissão especial - 2ª parte (44')
Autoria, apresentação e realização: António Macedo e Viriato Teles
Sonorização: Carlos Felgueiras
Primeira emissão na Antena1, 22.Jun.2014

Mais sugestões de leitura

  • A terra e a memóriaOpen or Close

    O passado é o espelho enevoado de tudo o que fomos. O futuro é a visão difusa daquilo que queremos. Entre os dois extremos do tempo, correm os dias, morrem os sonhos, cumprem-se os rituais. É assim em todas as terras. Até na minha, que é uma terra igual às outras, com a diferença que é a minha e por isso sou mais dela do que das outras, mesmo se muitas terras já os meus olhos viram e amaram.

    Prefácio a Da Minha Terra e de Seu Povo, de Joaquim Quintino | 1995

    Ler Mais
  • Elogio da inocênciaOpen or Close

    Naquele tempo éramos todos imortais. Havia mais mundos para lá do mundo que nos era dado conhecer e onde nos era permitido viver. E nós sabíamos. Era o tempo das coisas inevitáveis, como a realidade imaginada, a noite a descobrir, o sonho, a urgência das coisas para viver. E nós vivíamos. E inventávamos sons e momentos, da mesma forma rigorosa e apaixonada com que fazíamos crescer os silêncios até o seu clamor invadir tudo. Foi nesse tempo e dessa forma que o Geraldo se tornou meu irmão. Ele era imortal, como eu, e os imortais sabem sempre reconhecer os da sua laia.

    Prefácio a Cravos com Espinhos, de Geraldo Alves | 2003

    Ler Mais
  • A formiga que cantaOpen or Close

    Lisboa, 25 de Março de 1982. Faltam dez minutos para as onze da manhã e Léo Ferré espera-me no átrio do hotel onde combinámos encontrar-nos. Uma vez perguntaram-lhe: «Então tu dizes que és anarquista, mas cumpres horários e páras nos sinais vermelhos?» E ele: «Precisamente porque sou anarquista.» Apenas outra forma de dizer o que já tinha escrito: «Le désordre c’est l’ordre moins le pouvoir.» Pois é.

    Ler Mais
  • A que distância está o Zeca?Open or Close

    Mais uma vez, a luz. Mas aqui, desta vez, sem misticismo. Para o Viriato tratou-se só de erguer a lâmpada sobre as extraordinárias funções do Zeca, e nisso encontrar quem nós temos saudades de ser. De facto, não somos ainda uma nação de biografados. Às vezes é um bem; mas muitas outras é pena. Porque parte da riqueza do objecto biográfico é a sua simples dimensão romanesca. É certamente o caso do Zeca, material ficcional por excelência, porque uma vida singular, e a obra que lhe veio compor o caos, é certamente matéria-de-ouro para um livro que nunca-jamais em Portugal se escreverá.

    Ler Mais