Maior Que o Pensamento adiado uma semana

jaf_mqp1.jpg

Um problema técnico alheio aos autores e aos editores obrigou ao adiamento da publicação do primeiro volume de «Maior Que o Pensamento», que deveria ser distribuído com o Público de dia 26 de Abril. A mini-série documental, realizada por Joaquim Vieira, será publicada em dois discos com alguns extras, e o primeiro volume, "Uma História de Resistência", será posto à venda com o Público de domingo, 3 de Maio. O segundo volume, "Uma História de Liberdade", será distribuído a 10 de Maio.

O documentário inclui depoimentos inéditos de familiares, músicos e amigos, além de um depoimento de Maria de Lourdes Pintasilgo (candidata à Presidência da República em 1985, apoiada por José Afonso) gravado em Janeiro 1986, e uma gravação de Mário Viegas lendo textos de Zeca, em 1991. A lista de extras inclui ainda duas gravações realizadas por José Afonso em 1963 para a televisão alemã e dois textos de Viriato Teles especialmente para esta edição.

Nos textos que acompanham os dvd conta-se "Uma história de Resistência" e "Uma história de Liberdade", ambas com o mesmo protagonista: José Afonso, cujas palavras de diferentes épocas são aqui evocadas. Um conjunto de fotos, algumas inéditas, completa esta edição.

Expressamente para este documentário, Joaquim Vieira recolheu os testemunhos de diversos familiares e amigos de José Afonso, tais como Mariazinha Afonso dos Santos (irmã de Zeca), João Afonso dos Santos (irmão), Maria Helena Afonso dos Santos (filha), Maria Fernanda Cerqueira (prima), João Afonso (sobrinho), Arnaldo Trindade (editor discográfico), Rosarinho Mascarenhas (amiga de infância), António Santos Silva (amigo de juventude), Malangatana Valente (pintor), Eugénio Lisboa (poeta), Carlos Adrião Rodrigues (advogado), Jorge Luz (professor), Henrique Guerreiro (diretor de empresa), António Correia (ex-pároco de Palmela), Arturo Reguera (professor), Günter Wallraff (jornalista), Luís Filipe Rocha (realizador de cinema), Camilo Mortágua (revolucionário), Otelo Saraiva de Carvalho (dirigente militar e político em 1975), Adelino Gomes (jornalista), José Ribamar (médico), Jorge Abegão (sociólogo), António Vitorino de Almeida (compositor), Elfriede Engelmayer (professora universitária), Pedro Feytor Pinto (diplomata) ou Heitor de Vasconcelos (colecionador de discos).

Foram igualmente ouvidos diversos músicos que, de modos distintos e em diferentes épocas, privaram de perto do Zeca: Luís Góis, Rui Pato, Carlos Correia "Bóris", José Niza, José Jorge Letria, José Mário Branco, Vitorino Salomé, Sérgio Godinho, Carlos Alberto Moniz, Francisco Naia, Júlio Pereira, Luís Cília, Francisco Fanhais, Janita Salomé, Fausto Bordalo Dias, Benedicto García, Paco Ibañez, Luis Pastor, Pi de la Serra, Caetano Veloso e Gilberto Gil.

Outro ineditismo deste trabalho tem a ver com a história de uma canções, aqui contada em discurso directo pelos seus "protagonistas": Vítor Espírito Santo (“Chaimite”, soldador), Aníbal Rocha (“Bibas”, metalúrgico), José Fernandes Pina (metalúrgico) e António Borges (técnico de produção de energia), citados expressamente no tema Papuça

Mais sugestões de leitura

  • Mário AlbertoOpen or Close

    Baptista-Bastos chamou-lhe «um predador com asas de anjo, um ser cada vez mais raro». E Joaquim Letria assinala-lhe «a franqueza de quem nunca foi hipócrita e é sensível às coisas importantes da vida». Os amigos, todos eles, e até os inimigos, sabem que é verdade. Nasceu em Lubango, Angola, cresceu no Alentejo, e viveu a maior parte da vida no Parque Mayer, cujos segredos conhece como poucos. Antifascista irredutível, militante do sarcasmo e heterossexual assumido, habituou-se a praticar o humor e o amor com igual intensidade e o mesmo empenhamento.

    Ler Mais
  • Coerência interventivaOpen or Close

    Quando se abalançou ao jornalismo, o jovem Viriato (tinha então 15 anos) escolheu bem: o Suplemento Juvenil do República, um diário que se impunha em Portugal graças a uma linha editorial avessa aos compromissos com o poder. Estava-se em 1973, a revolução dos cravos não fazia sequer parte do imaginário português, e essa era a altura em que o lápis azul da censura atacava forte, sem cerimónias, a produção dos homens dos jornais. (...) Das centenas de entrevistas realizadas, Viriato Teles seleccionou as dez que vai ler a seguir. Estiveram para ser doze, não por qualquer analogia com Cristo e os seus 12 apóstolos e a sua Última Ceia. Muitas foram, aliás, as últimas ceias de Viriato Teles (...)

    Ler Mais
  • Humana forma de vidaOpen or Close

    «Eu não passei pela vida, a vida é que passou por mim», dizia. E assim, entre a sua estreia (aos 19 anos, no Retiro da Severa), e a sua última actuação pública, em 1994, Amália nunca deixou de se surpreender com o que a vida lhe deu. (...) Amália sobreviveu às transformações sociais e políticas do seu país, e quando deixou o mundo dos vivos, a 6 de Outubro de 1999, era já uma figura consensual. Pelos quatro cantos do mundo, por onde andou, a sua voz continua a fascinar, vencendo a morte. Porque é humana, como a sua história.

    Ler Mais
  • Alberto PimentaOpen or Close

    Nasceu no Porto, viveu na Alemanha e está em Lisboa. Em 1977 deu-se em exposição numa jaula da aldeia dos macacos no Jardim Zoológico de Lisboa. Catorze anos depois colocou-se à venda, no Chiado, por conta de uma «divisão de recursos humanos do Estado». E catorze dias mais tarde fez um auto-de-fé de O Silêncio dos Poetas na Feira do Livro de Lisboa. De todos os seus livros, esse é aquele que os intelectuais dominantes mais levam a sério, e fazem mal. Deveriam ler também Labirintodonte, Os Entes e os Contraentes, Ascensão de Dez Gostos à Boca, Discurso Sobre o Filho-da-Puta, Terno Feminino, A Visita do Papa, Deusas Ex-Machina. E os outros, todos, que publica com a regularidade possível desde 1970.

    Ler Mais