b_500_400_16777215_00_images_actual_frelvas_vp.png

Exmo Senhor Ministro da Cultura
Dr. Luís Filipe de Castro Mendes

Tomei conhecimento do voto de pesar emitido por V.Exa. e difundido pelo seu gabinete a propósito do falecimento do artista Fernando Relvas, meu Amigo de quase 40 anos, razão pela qual me sinto obrigado a dirigir-lhe algumas palavras.

É com muita satisfação que constato que V.Exa. reconhece Relvas como «um dos mais criativos autores contemporâneos de banda desenhada» e «uma referência enquanto artista visual». Apraz-me verificar que V.Exa se deu conta de que o trabalho de Relvas se destacou «pela inquietude e pela originalidade ao longo de mais de quatro décadas de percurso artístico». Gosto de saber que V.Exa tem a noção de que «Fernando Relvas encontrou uma expressividade única e, simultaneamente, experimental em todas as suas obras e acções». Que «na criação ou na circulação, explorava novas técnicas e suportes, arriscava temas e géneros menos convencionais e procurava sempre novas formas de produção». Que «esse percurso original que o caracterizava fazia-se destacar a cada projeto e em cada traço, com a certeza de que o processo criativo era em si mesmo uma inesgotável fonte de inspiração.»

Fernando Relvas foi, efectivamente, tudo aquilo que V.Exa. afirma, e mais ainda: foi, como atestam numerosos especialistas do género, um talento superior da bd portuguesa, dono de um estilo inovador e inconfundível, que influenciou directa e decisivamente todos – mas mesmo todos – os autores de banda desenhada actualmente no activo. Criou uma linguagem única e elevou a bd portuguesa a uma nova dimensão. Tudo isto são factos, comprováveis, não meras opiniões.

Acontece que, por circunstâncias diversas (que seria fastidioso e inútil descrever, mas que, como V.Exa decerto saberá – ainda que não por experiência própria – se verificam com alguma frequência na história da Arte) Relvas entrou na fase final da vida mais pobre do que sempre viveu, numa situação de extrema carência económica agravada pela doença de Parkinson que entretanto lhe foi diagnosticada.

Acontece também que, em 2015, nos tempos finais do governo PPD/CDS de má lembrança, Fernando Relvas, no limiar do desespero económico, venceu o seu natural orgulho de artista e homem livre e candidatou-se ao subsídio de mérito atribuído pelo Fundo de Fomento Cultural. Logo a seguir o governo mudou, a Cultura voltou a ser ministério, o novo ministro não aqueceu o lugar, chegou V.Exa. O processo do Relvas (com a referência 2.4.4. - 2912/15), esse, continuou parado.

É provável que V.Exa. não tenha de memória aquilo em que consiste o referido «subsídio de mérito cultural». Permito-me assim recordar-lhe que se trata de uma medida legal recorrente do decreto-lei 415/82 de 7 de Outubro, quando era primeiro-ministro Francisco Pinto Balsemão, António Ramalho Eanes presidia a República, e Francisco Lucas Pires ocupava a cadeira onde V.Exa. actualmente se senta.

O decreto, redigido aliás com invulgar clareza para um texto legal, é inequívoco quanto às intenções do legislador, expressas logo no primeiro parágrafo: «Pretende-se com este diploma possibilitar a atribuição a alguns artistas e autores de reconhecido mérito cultural de subsídios que os ajudem a ultrapassar situações de, por vezes, pungente carência económica.» Uma prática que, até então, lê-se mais adiante, acontecia apenas «em casos pontuais», pelo que a lei vinha «definir o regime jurídico relativo à concessão de subsídios a artistas e a autores carecidos economicamente e que pela sua obra revelem mérito cultural».

Da aplicação da lei ficou incumbido o ministro da Cultura a quem, através do Fundo de Fomento Cultural, competiria analisar e decidir sobre os subsídios a atribuir.

Em circunstâncias normais, a atribuição desse subsídio a Fernando Relvas não deveria levantar dúvidas - e com certeza não levantou, como parecem demonstrar as amáveis palavras inscritas no voto de pesar da autoria de V.Exa. De facto, se «um dos mais criativos autores contemporâneos de banda desenhada» que é também «uma referência enquanto artista visual» que se destaca «pela inquietude e pela originalidade ao longo de mais de quatro décadas de percurso artístico», se um artista digno desta apreciação não tem mérito cultural, não sei quem o terá.

Mas acontece também que essa candidatura ficou perdida nas gavetas, submetida com certeza aos trâmites sempre insondáveis da burocracia. De um certo ponto de vista, até se entende: os funcionários de V.Exa – e mesmo V.Exa – terão lido muitos livros e visitado muitos museus e panteões, conhecerão todos os festivais literários d’aquém e d’além-mar, mas não sabem ao certo o significado da expressão «carência económica». É natural, pois não é fácil definir uma coisa que de todo se desconhece.

E assim o tempo foi passando, sem que nunca o Relvas tenha tido, sequer, uma resposta do FFC. De uma das últimas vezes que falámos, o Relvas, com o sentido de humor ácido que nunca perdeu, dizia-me: «Devem estar à espera que eu morra.» Tinha razão.

Ora o subsídio em causa, sendo destinado a situações excepcionais, não é uma prebenda nem um favor do Estado, mas sim um direito dos cidadãos que reúnam as condições previstas na lei que o consubstancia: a «comprovada situação de carência económica» e o «reconhecido mérito cultural» do artista ou autor. Um direito do Estado Democrático, pois, e que eu, como cidadão e contribuinte, tenho a obrigação de exigir que seja respeitado, o que não aconteceu. Pelo menos neste caso, que não é com certeza o único.

Há mais de um ano, em Outubro de 2016, perante o agravamento da situação (física e económica) do Relvas, e alertado para a candidatura ao subsídio que, mais de um ano depois, continuava sem resposta, alguns amigos que também eram, simultaneamente, do círculo de conhecimentos de V.Exa e do Fernando Relvas, tentaram sensibilizar V.Exa. e os serviços de V.Exa. para a urgência da situação. Não se tratava de contornar a lei por via de qualquer tráfico de influências – que comprovadamente não tenho. Pelo contrário: tratava-se apenas de tentar fazer com que a lei fosse cumprida, na letra e no espírito.

Esses contactos foram feitos, em várias ocasiões, mas o certo é que entretanto outro ano se passou, e nada aconteceu. Nos últimos meses, a situação física do Relvas piorou. Não tendo ele nenhum canal directo de comunicação com V.Exa, foram os mesmos amigos que procuraram uma vez mais sensibilizar os serviços do ministério de V.Exa – mas, mais uma vez, nada aconteceu. (Ressalve-se aqui que, num país normal, nada disto seria necessário: o caso seria tratado com a urgência que, por definição, é essencial para resolver as situações de carência económica, e Relvas receberia a prestação a que tinha direito sem mais delongas. Mas isso é nos países normais, e o Relvas teve a má sorte de nascer português.)

Assim foi, até que o Relvas morreu. E esta foi a única altura em que os serviços que V.Exa superiormente dirige funcionaram com celeridade, na modalidade do supra-citado voto de pesar. É bonito, as palavras são simpáticas, mas chega tarde e não serve para nada.

Deste modo, na qualidade de Amigo que fui, que sou, do Fernando Relvas, agradeço, por boa educação, mas declino, por indignação, o voto de pesar expresso por V.Exa. Do ministro da Cultura de Portugal, exige-se que esteja atento em tempo útil aos artistas e autores do seu país. Palavras amáveis quando morrem de pouco servem, se quem as profere deles não fez caso enquanto vivos.

Por delicadeza e decoro, escuso-me a reproduzir aqui o que, estou certo, o Fernando Relvas diria, se pudesse, ao receber os pêsames e o profundo lamento de V.Exa. Mas V.Exa., vate medalhado, não terá dificuldade em chegar lá, mesmo tratando-se de vocábulos que não fazem parte do léxico culto de V.Exa.

Queira pois V.Exa meter o voto de pesar onde melhor lhe aprouver.
Ao Relvas não serve nem para papel de rascunho.

Com os melhores cumprimentos,

Viriato Teles
Cidadão nacional nº 5962413

(Carta enviada ao ministro da Cultura em 29 de Novembro p.p.)

© Fernando Relvas

Mais sugestões de leitura

  • Vaticano, SAOpen or Close

    A Pepsi e a Mercedes são duas das 23 empresas que custearam a mais recente viagem do Papa ao continente americano. Não tanto por fé em Deus, mas no Mercado, omnipresente como Ele. A notícia surgiu timidamente, diluída nos relatos da mais recente visita papal ao México, com passagem pelos EUA, como se os redactores e os editores dos diversos órgãos de comunicação não levassem muito a sério o facto em si e decidissem reduzi­-lo a um simples pormenor. E, no entanto, este pormenor é que é verdadeiramente a notícia da visita de Karol Woytila ao México. Uma visita que (ficámos a sabê-lo pela Antena 1 e pelo Diário de Notícias, dos poucos que ousaram dar conta do sucedido) contou com "o patrocínio da Pepsi Cola, da Mercedes e de mais 23 empresas privadas". Assim mesmo.

    Grande Amadora | 28.Jan.1999

    Ler Mais
  • A grande telha de KowlaskyOpen or Close

    É suposto este ser um texto sério, dado que de seriedade (humana e artística) se trata quando falamos desta dupla imparável. De um lado, Avelino do Carmo, lisboeta de Alcântara desde 1952, pintor de sombras intimistas; do outro lado, Mário Alberto, alentejano nascido no Verão de 1925 na cidade de Lubango, quando Angola ainda era a soit disant colónia portuga e que aprendeu há muito a arte de pegar nas cores e transformá-las como um alquimista.

    Apresentação de Díptico Kowalsky, de Avelino Carmo e Mário Alberto | 2000

    Ler Mais
  • As palavras e os númerosOpen or Close

    A celebração do cinquentenário da Declaração Universal dos Direitos Humanos foi, como era de esperar, motivo para as mais diversas intervenções de figuras mais ou menos públicas. O Prémio Nobel José Saramago não deixou passar a oportunidade e, como era de esperar de um humanista atento, aproveitou o discurso perante a Academia Sueca para lembrar que quase metade da riqueza do mundo está nas mãos de 225 impérios financeiros, enquanto mais de metade da população do planeta vive com carências elementares.

    RCS | 16.Dez.1998

    Ler Mais
  • Que é dos cantores de intervenção?Open or Close

    Estavam onde era preciso, sempre que era preciso. Uma viola, um microfone e um estrado a fazer de palco era quanto bastava para que houvesse espectáculo. A poesia estava na rua e as vozes dos cantores davam-lhe forma de modo claro e preciso, que o tempo não era para meias palavras. Eram os chamados «cantores de intervenção», para quem a arte era sobretudo um veículo de divulgação dos ideais políticos mais marcantes da época.

    Expresso | 25.Abr.1997

    Ler Mais