Skin look de A a Z

Ler também: Cabeças raladas | Glossário básico skin

Botas de trabalho, solas de pneu de carro armado e biqueiras reforçadas com ferro, pretas ou dor de cereja com atacadores vermelhos, amarelos, brancos... Na abertura da Skinhead Story mais ou menos oficial que circula entre os "carecas" europeus, a importância da aparência visual é sublinhada logo no primeiro parágrafo. Camisas, botas, cachecóis, suspensórios, tudo aquilo que de algum modo faz parte do "ook skin, aparecem referidos antes mesmo dos princípios básicos que a comunidade reivindica: «Altivez e espírito de grupo. Streetcredibility, sentido do território, autenticidade». O penteado que lhes deu nome vem, por estranho que pareça, em último lugar na lista dos atributos de um skin assumido. A aparência exterior é, de facto, o elemento primeiro de união entre os skins de todos os credos.

Ao vê-los em "actuação", nas claques de futebol, nas zaragatas dos bares ou nos confrontos de gangs, ninguém imagina que aqueles rapazes de cabelo rapado e ar frequentemente duro se preocupem com a composição da imagem exterior. Um olhar mais atento sobre a indumentária dos skinheads revela, porém, a extrema atenção que é dada a cada pormenor, cada peça de roupa, cada símbolo que se vai exibir. Desde as botas aos elementos decorativos do blusão, nada daquilo que um skinhead veste está ali por acaso. Este é, aliás, um tema sobre o qual os membros de vários grupos skin gostam de falar sem reservas. Quase poderia dizer-se que a opção pelo movimento começa sempre por ser uma questão estética. Com a preciosa ajuda de alguns skinheads bem documentados, ficámos a saber o essencial e boa parte do acessório sobre as peças que compõem a imagem skin.

Adidas hooligan - Sapatilhas de cor preta com listas em branco. São assim chamadas pela sua popularidade entre os adeptos do futebol, especialmente por membros de claques, casuals e hooligans. Começaram a ser usadas quando os skins foram proibidos de entrar nos estádios com botas e foram adoptadas por muitos, por serem bons para saltar e para correr. Até da polícia.

Astronauts - Botas de 11 furos, assim designadas pelas solas de borracha que davam uma sensação descrita como semelhante a caminhar na Lua.

Atacadores - A cor dos atacadores dos sapatos ou das botas pode ser um dos elementos identificadores dos vários grupos skin, o que, em Portugal, só acontece a sério com os redskins: a maioria usa, obviamente, atacadores vermelhos. Os restantes usam indiscriminadamente pretos, brancos ou bordeaux.

Ben Sherman - Camisa justa tradicional, de preferência axadrezada, muito fácil de despir, com um botão e uma argola de tecido no colarinho, junto ao pescoço, que permite vesti-la em conjunto com outra peça de vestuário. Juntamente com os pólos Fred Perry, são parte da imagem de marca tradicional skin.

Blusões de ganga - Claros, escuros ou manchados, de preferência Levi Strauss, justos e adornados com "patches".

Bomber jacket - O mesmo que "flight jacket".

Botas - As primeiras a ser usadas eram botas militares com biqueira de aço, mas serviam as botas NBC, as "monkey boots" ou quaisquer outras. As Doc Martens, no entanto, tornaram-se as mais populares entre a comunidade skin.

Brincos - O uso de brincos "em bloco" pelos skins começou logo no início dos anos 70, primeiro apenas numa orelha, depois em ambas. Em algumas localidades do Reino Unido, antes ainda de a moda ser generalizada pelos punks, já havia skins que usavam pequenas argolas no nariz.

Brogues - Também conhecidos nos EUA como Cordivans, estes sapatos eram muito populares entre... os agentes do FBI. Disponíveis também em formato de bota, os Brogues caracterizam-se pelo rendilhado do cabedal. Muito pirosos, benza-os Deus...

Camuflados - Calças e camisas dos camuflados do exército fizeram parte do equipamento dos primeiros skinheads. Agora são praticamente para uso exclusivo dos boneheads.

Chapéus - Há muitos, mas os skins usam preferencialmente bonés axadrezados, mas que podem também ser de única cor. Os chamados casuals, sobretudo em Inglaterra e entre os frequentadores dos estádios, usam também chapéus de basebol. Dão menos nas vistas, acham. Entre os rude boys, reina o "pork pie".

Cráchas - De bandas, símbolos de "gangs" skins ou grupos políticos, usados na lapela dos blusões, no peito e nos bolsos das mangas dos "flying jackets".

Doc Martens - Também chamadas "docs" ou "DMs", são as botas mais populares entre os skins. Existem modelos com entre 8 e 20 pares de buracos, mas os mais populares são os modelos mais curtos, apesar de os bones preferirem as versões que tapam todo o tornozelo. O sapatos DM, com biqueira de aço ou sem ela, também são bastante utilizados. Tal como acontece com as botas, as cores preferidas dos skins são bordeaux e preto.

Flying Jacket - Ou Flight Jacket, casaco de voo. Em verde oliva, sobretudo, são os casacos preferidos dos skins. Mas também há os que preferem o azul ou o preto - estes, ironicamente, os preferidos dos white power. Podem ser decorados com "patches", de acordo com os gostos próprios de cada um.

Fred Perry - Foi o mais famoso jogador de ténis de Inglaterra e deu o nome à marca de pólos preferida dos skins. Originalmente com quatro botões, depois com três foram os mais populares entre os mods, nos anos 60. Actualmente são feitos com apenas dois botões, de material mais leve e estão disponíveis em 52 cores, para tristeza dos skins mais tradicionalistas, que acusam a marca de estar a querer competir com a Benetton.

Harrington - Casaco ligeiro, a sua designação deriva do facto de ter sido usado pelo actor Rodney Harrington na série televisiva "Peyton Place". Foi adoptado pelos skins originais e continua a ser usado em Inglaterra, ainda que a qualidade dos actuais, segundo os entendidos, não se compare à dos de 69. Equipado com fecho éclair e um botão na gola, era um complemento leve da indumentária skin.

Levi's - O modelo 501 dos populares jeans de Levi Strauss é o "must" da indumentária skinhead. Mas, mesmo de outras, marcas, as calças de ganga são as preferidas. Usam-se com uma dobra na ponta, para pôr em evidência as botas ou as peúgas. Brancas, pois.

Loafers - Sapatos "de festa", adornados com um berloque de gosto duvidoso, muito usados em bailes e bastante popularizados na "era two-tone", em fins dos anos 70 por bandas como os Madness ou The Specials. Aliás, um grupo chegou mesmo a adoptar o nome dos sapatos para a sua designação: os The Loafers, precisamente.

Lonsdale - Marca de roupa e artigos de boxe, bastante popular entre os skins praticantes desta modalidade e/ou de artes marciais. Blusões do tipo sweatshirt e T-shirts são os artigos mais comuns. Outras marcas de roupa de boxe são também bastante utilizadas, de acordo com os países. Os artigos marca Charlie, por exemplo, são muito populares em Espanha.

Luvas - As preferidas dos skins são as luvas-sem-dedos, feitas de lã.

Monkey Boots - Botas muito populares sobretudo entre os mais jovens skins ingleses, já que existem em todos os tamanhos. O seu nome deriva do facto de terem a palavra "monkey" (macaco) escrita na sola.

Patches - Conhecidos em Portugal muito prosaicamente como "remendos" ou "tapa-buracos", são aqueles artefactos de tecido bordado ou estampado que se usam para tapar buracos e rasgões em casacos, calças ou blusões. Os skins usam-nos como simples adorno, com os logótipos das bandas preferidas, de clubes de futebol, marcas de cerveja ou o símbolo da cidade onde vivem.

Peúgas - Skin que se preze usa peúgas brancas, bem à vista. Porquê? Porque sim. No entanto, também podem usar meias de cores escuras. Exactamente pela mesma razão.

Pork Pie - Chapéu estilo "Blues Brothers", usado por skins e rude boys, sobretudo em bailes, concertos, festas de ska. Usa-se geralmente acompanhado por um fatinho domingueiro, a completar um ar geral de "gangster", sempre sedutor para o sexo feminino.

Sta-Prest - Calças que não necessitam de ser passadas a ferro. Apesar de fabricadas por muitas marcas, os conhecedores garantem que nenhuma delas se compara às da Levi's.

Suspensórios - Originalmente não ultrapassavam o centímetro de largura, mas actualmente podem ir até às duas polegadas. Usados sobretudo como ornamento, principalmente desde que a influência punk criou o hábito de usar os suspensórios pendurados sobre as nádegas.

T-shirts - Usadas pelos jovens desde os anos 50, foram adoptadas desde o início pelos skins. Os logotipos de grupos musicais e clubes de futebol são as decorações mais populares.

Tattoos - As tatuagens são um adereço muito comum entre os skinheads e tanto podem ser uma marca individual podem ser um elemento identificativo comum. Em Londres, por exemplo, os skins de alguns grupos usam uma estrela na palma da mão esquerda.

Umbro - Sapatilhas bastante populares entre skins. Pretas e rasas, com o símbolo da marca num triângulo branco, são muito semelhantes às Adidas Hooligan.

Whal - Marca de uma popular máquina de barbear, muito usada por skins para rapar o cabelo.

O Independente | 16.Abr.1999

Artigos relacionados: Cabeças raladas | Glossário básico skin

Mais sugestões de leitura

  • O fim do mundoOpen or Close
    Infelizmente, ainda não foi desta. Apesar de anunciado com algumas centenas de anos de antecedência, o fim do mundo que muitos esperavam voltou a ser adiado. Pelos vistos, os maias são como a Maya e o sinistro Gaspar: não acertam uma. E como eu gostava que o mundo tivesse acabado. Não propriamente o meu, nem o dos caríssimos leitores, mas este mundo imundo de coelhos e relvas e cavacos e portas e borges e merkls e troikas, de todas as adultas e descompassadas bestas que tresmalham as nossas vidas e assassinam os nossos sonhos.
    Jornal do Fundão | 27.Dez.2012
    Ler Mais
  • Vasco GonçalvesOpen or Close

    Entre 18 de Junho de 1974 e 12 de Setembro de 1975, foi o Primeiro-Ministro de Portugal, e esse foi o tempo mais gratificante da sua vida. Aos 452 dias iluminados que então viveu, mais de dez mil horas quase todas vividas de olhos abertos, juntem-se-lhe todos os outros e as noites e as madrugadas acesas que fizeram o ano e meio da Revolução. (...) Vasco, o Companheiro Vasco, foi o único ocupante do Palácio de São Bento a quem o povo concedeu o gosto de tratar pelo nome próprio. Os adversários e os inimigos vingaram-se, inventando o gonçalvismo – tentanto resumir num homem aquilo que para eles era a fonte de todos os medos, mas que mal ou bem nascia dos mais puros anseios de um povo que, pela primeira vez na história recente, tinha como chefe do Governo um homem que o escutava e, mais importante, o compreendia.

    Ler Mais
  • O país obtusoOpen or Close

    O que se passou nos dias que se seguiram à Greve Geral de dia 14 é exemplificativo do país obtuso em que Portugal se tornou nos últimos meses. As reacções em cadeia de membros do governo, deputados da maioria e do próprio presidente da República, não deixam margem para dúvidas. A crer neles, o País está acossado por “terroristas” (viu-os um parlamentar do CDS) e “pessoas apostadas na destruição” e “que querem destruir a  sociedade” (Cavaco dixit).

    Jornal do Fundão | 22.Nov.2012

    Ler Mais
  • O mundo segundo Carlos ParedesOpen or Close

    Tenham a bondade, senhoras e senhores. Instalem-se bem. Depurem os tímpanos e afaguem a alma, para que não percam uma só nota daquilo que vão ouvir. Estes sons raros e delicados vêm de uma antiquíssima galáxia povoada de gente boa, onde o mais importante são os Amigos e as infinitas formas de partilhar com eles os sentimentos, os afectos, as emoções. Os Amigos, então. São eles, mais do que a própria guitarra que tanto venera, aquilo que acima de tudo importa no universo de Carlos Paredes. À volta da música surge a conversa, sempre em busca de um superior conhecimento do mundo. Para Mestre Paredes, as coisas são tão simples como respirar: «As pessoas gostam de me ouvir tocar guitarra, a coisa agrada-lhes e eles aderem. Não há mais nada.»

    Introdução ao CD O melhor de Carlos Paredes | 1998

    Ler Mais