O cherne da questão

Em água silenciosa de passado
Circula o cherne: traído
Peixe recalcado...

Alexandre O'Neill

O leitor talvez não se tenha dado conta, mas as eleições legislativas deste ano sem graça de 2002 vão mesmo ficar na história. Não, obviamente, pela vitória do PSD, que, na circunstância, tem mais o aspecto de um presente envenenado. Nem pela derrota do PS, mais do que esperada e obviamente merecida. Ou sequer pela entrada em queda livre do PCP, previsível e inevitável perante o crescente autismo da direcção comunista.

Também não é pela surpreendente recuperação de um CDS/PP, para quem esta parecia ser uma ida às urnas no sentido mais concreto e literal do termo, que estas eleições serão lembradas no futuro. Nem sequer pelo crescimento do Bloco de Esquerda, resultado sobretudo da ineficácia comprovada dos representantes da esquerda tradicional. Não. Na história, na história a sério, garanto que fica o Cherne. Sigamo-lo, como propunha O’Neill.

Quando a mulher do ora primeiro-ministro tomou à letra o apelo do poeta e lançou a única frase que teve eco na campanha (à parte as considerações anatómicas em volta da "mão de Ferro" do PS e do "braço direito" do CDS) não faltou quem achasse que meter o Cherne ao barulho era coisa típica da peixeirada em que se converteram não apenas as campanhas eleitorais mas a generalidade dos episódios que dão cor à vida política portuguesa. Aliás, só com muito boa vontade é que alguém pode ver no líder do PSD algo mais do que uma simples boga, mas já se sabe: o amor é cego.

No entanto, uma análise mais rigorosa revela que a comparação com a pisciforme criatura não é tão descabida como parece. Afinal, ao longo dos seis anos em que foi primeiro-ministro, o engenheiro Guterres mais não fez do que demonstrar não ser carne nem ser peixe – e por isso o PS perdeu as eleições. E porque lhe disseram que vem aí o tempo das vacas magras, o povo, ciente de que a carne é fraca, escolheu o peixe – e o Cherne ganhou as eleições.

O Cherne, e não necessariamente o PSD, que é por vocação um partido de trutas, mas em cujas águas os tubarões se sentem particularmente bem. Aliás, entre a nossa rica fauna subaquática, foram muitos os que sobreviveram à pesca de arrasto dos votos. A começar pelas lapas do PP, que se agarraram ao casco do barco governamental e prometem não o largar tão cedo. Ou pelos carapaus-de-corrida luzidios e incolores que nadam em volta do Oceanário a ver se lhes calha alguma coisa. Mas também as enguias, os moluscos e as anémonas se saíram bem, como de costume. O melhor exemplo é dado pelo elegante recém empossado secretário de Estado de Isaltino Morais: sócio do PS até 18 de Janeiro, mal o mar se agitou, o rapaz tratou de ir pregar para a freguesia do clube do lado, e dois meses e meio depois ei-lo que está pronto para seguir o Cherne. Se isto não é verdadeiro amor à pátria, não sei o que será...

O futuro abre-se, pois, ao Cherne, pessoal! Ou deverei dizer peixoal? Em terra, as gaivotas anunciam mau tempo, mas que importa isso para quem vive nas águas profundas? Os camelos, os cães e as cavalgaduras em geral (que é o que nós somos, não sei se já perceberam) que se cuidem. Afinal, Portugal foi durante séculos um país de marinheiros, o governo do engenheiro Guterres fartou-se de meter água, o partido do doutor Carvalhas está-se a afogar lentamente, e o povo em geral não se dá mal em águas turvas.

Mas na história, repito, ficará o Cherne. Porque ele é a prova maior de que Portugal atingiu a plenitude da maturidade democrática. Com o Cherne, os portugueses demonstram ao mundo que não é necessário nenhum talento especial para ser primeiro-ministro de Portugal. Basta ser Cherne. Um passo mais, e acredito que atingiremos o patamar superior da democracia representativa.

É apanágio dos países mais evoluídos, como os Estados Unidos ou a Rússia, que qualquer tolo possa chegar a presidente. Os casos de George W. Bush (que está por aí a mandar mais uns tirinhos e não me deixa mentir) e de Boris Ieltsin (que já não está, mas apenas porque se irritou a meio duma bebedeira e foi-se embora) são exemplos paradigmáticos. Esta característica das grande democracias é reveladora de um esforço sincero para a integração dos menos dotados, que só abona a favor da civilização ocidental.

Infelizmente, em Portugal ainda estamos longe de um tal grau de grandeza e perfeição, mas lá chegaremos. Tivemos Américo Tomás, é verdade, e tivemos também o Almirante Bardamerda, especialista em serenar o povo, mas foram casos isolados e sem continuidade. Agora, há de novo uma esperança. Agora, temos o Cherne, Portugal não pode parar, e a vitória é difícil mas é deles. Já podemos dormir em paz, a democracia está em boas mãos.

Sigamos, pois, o Cherne. E não se pense que este é um tempo de feição apenas para o peixe graúdo. A galeota já quase não existe e os jaquinzinhos estão proibidos pela União Europeia (resta-nos o leitão da Bairrada, vá lá), mas o que é isso comparado com o drama dos tribunais ingleses, recentemente chamados a decidir se as classes trabalhadoras ainda existem? Por cá, apesar de tudo, as águas continuam calmas, agora que o Cherne nos livrou da III Guerra Mundial, mas ainda assim o mar está cheio de robalos disfarçados de salmões.

Por mim, não restam dúvidas: a partir de agora, vou evitar o pecado da carne e passo a alimentar-me de forma patriótica e condizente com a democracia avançada que estamos a construir. Afinal, quem foi que disse que comer cherne é dar de beber a dois milhões de portugueses?

Alface Voadora | Abril 2002

Mais sugestões de leitura

  • In-segurançasOpen or Close

    As discussões em volta da cada vez mais premente questão da segurança – ou da falta dela – deram origem, na última semana, a mais um episódio da cada vez mais divertida guerra de comadres entre o PS e o PSD.
    Desta vez foi em Oeiras, com os moradores de um bairro de classe média a ameaçarem criar milícias populares se continuar a verificar-se o surto de assaltos que têm ocorrido nos últimos tempos.

    RCS | 19.Jan.1999

    Ler Mais
  • Crónica de uma morte antecipadaOpen or Close

    A vida é frequentemente injusta, sobretudo para aqueles que mais a amam. António Assunção era um desses, e nem o seu aparente mau feitio conseguia esconder esse grande gosto de viver que animou toda a sua existência. Homem e actor coerente com os princípios da justiça, liberdade e igualdade que tomou como seus desde muito novo, fez sempre questão de não ceder naquilo que considerava ser o essencial. Pagou por isso, claro. Com o ostracismo a que muitas vezes foi votado, apesar de ser unanimemente considerado no meio teatral como um dos seus praticantes mais talentosos. E, porque era de esquerda, convicta e assumidamente de esquerda, viu-se também alvo do desprezo dos vários poderes. Um desprezo, de resto, que de certa forma o divertia e que ele retribuía em dose reforçada.

    Grande Amadora | 28.Ago.1998

    Ler Mais
  • Alberto PimentaOpen or Close

    Nasceu no Porto, viveu na Alemanha e está em Lisboa. Em 1977 deu-se em exposição numa jaula da aldeia dos macacos no Jardim Zoológico de Lisboa. Catorze anos depois colocou-se à venda, no Chiado, por conta de uma «divisão de recursos humanos do Estado». E catorze dias mais tarde fez um auto-de-fé de O Silêncio dos Poetas na Feira do Livro de Lisboa. De todos os seus livros, esse é aquele que os intelectuais dominantes mais levam a sério, e fazem mal. Deveriam ler também Labirintodonte, Os Entes e os Contraentes, Ascensão de Dez Gostos à Boca, Discurso Sobre o Filho-da-Puta, Terno Feminino, A Visita do Papa, Deusas Ex-Machina. E os outros, todos, que publica com a regularidade possível desde 1970.

    Ler Mais
  • Animais nossos amigosOpen or Close

    A pacatez da vida política portuguesa foi abalada há poucos dias com um curioso debate parlamentar em torno dos escalões do IVA a aplicar às comidas de cães e gatos, bem como a certas espécies de moluscos como as ostras.
    Na origem da interessante discussão esteve uma proposta, apresentada pela parlamentar socialista Rosa Albernaz (...) no sentido de descer de 17 para 12 por cento a taxa do IVA a aplicar aos "produtos alimentares para alguns animais da classe dos vertebrados", segundo explicou a deputada.

    TSF | 19.Nov.1997

    Ler Mais