O cherne da questão

Em água silenciosa de passado
Circula o cherne: traído
Peixe recalcado...

Alexandre O'Neill

O leitor talvez não se tenha dado conta, mas as eleições legislativas deste ano sem graça de 2002 vão mesmo ficar na história. Não, obviamente, pela vitória do PSD, que, na circunstância, tem mais o aspecto de um presente envenenado. Nem pela derrota do PS, mais do que esperada e obviamente merecida. Ou sequer pela entrada em queda livre do PCP, previsível e inevitável perante o crescente autismo da direcção comunista.

Também não é pela surpreendente recuperação de um CDS/PP, para quem esta parecia ser uma ida às urnas no sentido mais concreto e literal do termo, que estas eleições serão lembradas no futuro. Nem sequer pelo crescimento do Bloco de Esquerda, resultado sobretudo da ineficácia comprovada dos representantes da esquerda tradicional. Não. Na história, na história a sério, garanto que fica o Cherne. Sigamo-lo, como propunha O’Neill.

Quando a mulher do ora primeiro-ministro tomou à letra o apelo do poeta e lançou a única frase que teve eco na campanha (à parte as considerações anatómicas em volta da "mão de Ferro" do PS e do "braço direito" do CDS) não faltou quem achasse que meter o Cherne ao barulho era coisa típica da peixeirada em que se converteram não apenas as campanhas eleitorais mas a generalidade dos episódios que dão cor à vida política portuguesa. Aliás, só com muito boa vontade é que alguém pode ver no líder do PSD algo mais do que uma simples boga, mas já se sabe: o amor é cego.

No entanto, uma análise mais rigorosa revela que a comparação com a pisciforme criatura não é tão descabida como parece. Afinal, ao longo dos seis anos em que foi primeiro-ministro, o engenheiro Guterres mais não fez do que demonstrar não ser carne nem ser peixe – e por isso o PS perdeu as eleições. E porque lhe disseram que vem aí o tempo das vacas magras, o povo, ciente de que a carne é fraca, escolheu o peixe – e o Cherne ganhou as eleições.

O Cherne, e não necessariamente o PSD, que é por vocação um partido de trutas, mas em cujas águas os tubarões se sentem particularmente bem. Aliás, entre a nossa rica fauna subaquática, foram muitos os que sobreviveram à pesca de arrasto dos votos. A começar pelas lapas do PP, que se agarraram ao casco do barco governamental e prometem não o largar tão cedo. Ou pelos carapaus-de-corrida luzidios e incolores que nadam em volta do Oceanário a ver se lhes calha alguma coisa. Mas também as enguias, os moluscos e as anémonas se saíram bem, como de costume. O melhor exemplo é dado pelo elegante recém empossado secretário de Estado de Isaltino Morais: sócio do PS até 18 de Janeiro, mal o mar se agitou, o rapaz tratou de ir pregar para a freguesia do clube do lado, e dois meses e meio depois ei-lo que está pronto para seguir o Cherne. Se isto não é verdadeiro amor à pátria, não sei o que será...

O futuro abre-se, pois, ao Cherne, pessoal! Ou deverei dizer peixoal? Em terra, as gaivotas anunciam mau tempo, mas que importa isso para quem vive nas águas profundas? Os camelos, os cães e as cavalgaduras em geral (que é o que nós somos, não sei se já perceberam) que se cuidem. Afinal, Portugal foi durante séculos um país de marinheiros, o governo do engenheiro Guterres fartou-se de meter água, o partido do doutor Carvalhas está-se a afogar lentamente, e o povo em geral não se dá mal em águas turvas.

Mas na história, repito, ficará o Cherne. Porque ele é a prova maior de que Portugal atingiu a plenitude da maturidade democrática. Com o Cherne, os portugueses demonstram ao mundo que não é necessário nenhum talento especial para ser primeiro-ministro de Portugal. Basta ser Cherne. Um passo mais, e acredito que atingiremos o patamar superior da democracia representativa.

É apanágio dos países mais evoluídos, como os Estados Unidos ou a Rússia, que qualquer tolo possa chegar a presidente. Os casos de George W. Bush (que está por aí a mandar mais uns tirinhos e não me deixa mentir) e de Boris Ieltsin (que já não está, mas apenas porque se irritou a meio duma bebedeira e foi-se embora) são exemplos paradigmáticos. Esta característica das grande democracias é reveladora de um esforço sincero para a integração dos menos dotados, que só abona a favor da civilização ocidental.

Infelizmente, em Portugal ainda estamos longe de um tal grau de grandeza e perfeição, mas lá chegaremos. Tivemos Américo Tomás, é verdade, e tivemos também o Almirante Bardamerda, especialista em serenar o povo, mas foram casos isolados e sem continuidade. Agora, há de novo uma esperança. Agora, temos o Cherne, Portugal não pode parar, e a vitória é difícil mas é deles. Já podemos dormir em paz, a democracia está em boas mãos.

Sigamos, pois, o Cherne. E não se pense que este é um tempo de feição apenas para o peixe graúdo. A galeota já quase não existe e os jaquinzinhos estão proibidos pela União Europeia (resta-nos o leitão da Bairrada, vá lá), mas o que é isso comparado com o drama dos tribunais ingleses, recentemente chamados a decidir se as classes trabalhadoras ainda existem? Por cá, apesar de tudo, as águas continuam calmas, agora que o Cherne nos livrou da III Guerra Mundial, mas ainda assim o mar está cheio de robalos disfarçados de salmões.

Por mim, não restam dúvidas: a partir de agora, vou evitar o pecado da carne e passo a alimentar-me de forma patriótica e condizente com a democracia avançada que estamos a construir. Afinal, quem foi que disse que comer cherne é dar de beber a dois milhões de portugueses?

Alface Voadora | Abril 2002

Mais sugestões de leitura

  • A cena do ódioOpen or Close

    Em Junho de 2004, um «concerto de música nacionalista» foi o pretexto para um encontro de skinheads numa skinhouse de Pinheiro de Loures, nos arredores de Lisboa. Uma situação que antecipámos na revista Focus, com esta reportagem que nos valeu alguns insultos e ameaças por parte dos animadores de um tal «fórum nacionalista» da internet.

    Focus | 16.Jun.2004

    Ler Mais
  • Contas sem ajusteOpen or Close

    Contas à vida sem ajuste. Mais cansaço do que desalento. Mais sonho adiado do que utopias erradas. Mais que documentos são testemunhos estas vinte entrevistas: uns, mais intimistas; outros, mais interventivos. Encontramos neste livro um universo multifacetado, mas que tem uma matriz política, ética, estética e cultural, o 25 da nossa memória, como que pequenos afluentes que vão desaguar no grande rio.

    Ler Mais
  • Primeiros passosOpen or Close

    Dá-me o teu braço
    e um abraço
    do tamanho da alegria.

    Ler Mais
  • O meu amigo FaustoOpen or Close

    Não é o Elvis Presley nem o Tommy Steel, já teve um cão que voava por impulso mictório, e agora dá guarida a Sócrates, um papagaio filósofo carregado de dúvidas metódicas e muito mais sabedoria do que a generalidade dos cronistas políticos e sociais. Chama-se Fausto Bordalo Dias e é um nome de referência (hoje diz-se incontornável, mas eu sou de outra escola) da música popular portuguesa.

    A Capital | 27.Mai.2005

    Ler Mais