Como é que ele conseguiu?

A minha primeira impressão deste livro é a pesquisa exaustiva que o autor fez dos entrevistados. Quando a gente termina aquela leitura já estamos prontos para dar um mergulho na entrevista e já o fazemos com água na boca. Quase como quando um requintado cozinheiro envia para a mesa uma travessa apetitosíssima, suculenta, que a gente fica doido para devorar. Isso, para além do talento deste autor, que tem muito a ver com a honestidade profissional, do apuro e do contentamento de quem a escreve.

Recordo-me que há uns anos um jornalista gordo, talvez com pouco mais de 30 anos, pediu-me uma entrevista. Chegou a minha casa, sentou-se no sofá, colocou um caderno num joelho e disse-me: «Olhe, eu quero avisá-lo que vivi alguns tempos no estrangeiro e sei muito pouco de si». Eu levantei-me e disse-lhe: «Então faça o favor de sair e quando aprender volte cá». E nunca mais voltou.

«Bocas de Cena» é um livro excelente com uma dezena de entrevistados inatingíveis, e a pergunta é: Como é que ele conseguiu? A entrevista com a Amália é – que eu tenha lido – das mais conseguidas. A Amália era muito mais um ser falante do que um ser conversante e o Viriato, não sei com que artes mágicas, conseguiu desatarrachar-lhe a timidez de tal forma que deve ter tido uma grande mão de obra para a calar. Nunca visto.

Notável também a entrevista com o Léo Ferré, com a sua marginalidade à tona e que me fez lembrar a frase do Millôr Fernandes: «Não sou um homem livre, mas poucos estiveram tão perto.» Na linha da Juliette Greco.

O Chico Buarque, brilhante como sempre foi. O Marcel Marceau que lhe deu apenas dez minutos de conversa, mas para o tempo oferecido sacou-lhe uma entrevista riquíssima. E com o Yupanqui, um homem puro, fascinante.

Estas são as que mais me tocaram.

Estranhamente, a entrevista com o Mário Viegas não levantou fervura e era dele de quem eu mais esperava, porque o considero um dos actores mais brilhantes e uma das personalidades mais fascinantes que por aqui andaram. Ficará para outra vez, Viriato.

Apresentação de Bocas de Cena | Casino Estoril | 13.Maio.2003

Mais sugestões de leitura

  • O sonho de um homemOpen or Close

    A aventura começou no último ano da década de 60. Viviam-se então em Portugal os tempos cinzentos de uma ditadura em fim de carreira mas nem por isso mais amena. Um ano antes, Salazar caíra da cadeira e fora substituído no poder por Marcelo Caetano, cujos tímidos sinais de abertura cedo se revelaram uma encenação destinada a domesticar os mais crédulos: a PIDE foi rebaptizada como Direcção-Geral de Segurança, mas permaneceu intacta nos seus propósitos repressivos de tudo quanto pusesse em causa a ordem estabelecida; a Censura travestiu-se de Exame Prévio, mas nunca deixou de estar ferozmente atenta ...

    Introdução a Entrevistas MC - Volume 1 | 2005

    Ler Mais
  • Memórias de Santa EngráciaOpen or Close
    De todos os templos portugueses nenhum demorou tanto tempo a construir como o de Santa Engrácia – hoje Panteão Nacional – no coração da Lisboa antiga, que Ramalho Ortigão considerou «o mais belo dos nossos monumentos do século XVII». A sua história está intimamente ligada às crenças populares nascidas após o célebre «desacato de Santa Engrácia», em 1630, e constituiu o fulcro das atenções do «passeio de domingo» que o Centro Nacional de Cultura ontem realizou.
    O Diário | 25.Mai.1981
    Ler Mais
  • Tomai, isto é o meu corpoOpen or Close

    «Não podemos demorar mais de dez minutos.» Com estas palavras pouco animadoras, Marcel Marceau recebe-me à porta do camarim 105 do Casino Estoril, cerca de hora e meia antes do início do último dos dois espectáculos que apresentou no VIII Festival de Música da Costa do Estoril, que se realizou em Agosto de 1982. Ali, sem maquilhagem, é difícil reconhecer naquele homenzinho de 59 anos, os traços do “clown” que, em palco, assume as figuras ora ternas ora grotescas das suas personagens. Apenas os olhos vivos e a expressão sonhadora que se liberta ao longo da conversa revelam a identidade do mimo mais famoso do mundo.

    Ler Mais
  • Otelo Saraiva de CarvalhoOpen or Close

    À conversa, tende com alguma frequência a falar de coisas colectivas na primeira pessoa, mas que outra coisa poderá fazer o homem que delineou a «ordem de operações» e controlou todo o desenvolvimento do golpe militar de 25 de Abril? Não viveu a festa desse dia nas ruas, mas foi ele quem a tornou possível: do quartel-general do MFA, instalado no Regimento de Engenharia 1 da Pontinha, coube-lhe gerir cada passo dos capitães, desde a saída dos quartéis até à tomada do Carmo por Salgueiro Maia. (...) Fala com o coração, mas sabe modelar o discurso com a habilidade do actor que quis ser (...). Não chegou a concretizar esse desejo, mas coube-lhe em sorte o papel central na aventura que mudou as nossas vidas.

    Ler Mais